Mentiras famosas.

Uma mentira repetida mil vezes vira uma verdade? Não. E se vira, hoje nós estamos aqui para desmentir.

Provavelmente você já ouviu estas informações como sendo verdadeiras alguma vez na vida, mas não são. Portanto, vamos fazer um contraponto e passar a espalhar verdade daqui pra frente, até que as inverdades caiam no esquecimento.

Aprecie nossa compilação de mentiras contadas como verdades no Brasil e a correção da informação.

Uma grande mentira que sempre se fala é que se alguém fizer sexo com uma pessoa menor de 18 anos é estupro. Não, não é. A menos que a pessoa não esteja apta a dar seu consentimento (esteja desacordada, dopada ou bêbada, por exemplo) ou seja mentalmente incapaz, fazer sexo com uma pessoa menor de 18 anos não é crime.

A idade limite estabelecida pelo Código Penal para o consentimento é de 14 anos, a partir dos 14 anos as pessoas estão aptas, aos olhos da lei brasileira, a consentir a prática de atos sexuais. Portanto, só é crime fazer sexo com alguém com menos de 14 anos, ainda que com o consentimento da pessoa, uma vez que a lei presume que ela ainda não tem a maturidade/capacidade de consentir algo desta natureza.

Você já deve ter escutado que “saudade” é a única palavra que só existe na língua portuguesa e/ou que não há tradução para ela em outros idiomas. Mentira. Sinto muito, pequenos alecrins dourados, mas saudade é um sentimento universal, portanto, todos os idiomas têm uma forma de expressar o sentimento. Ou vocês acharam que só o brasileiro, o floquinho de neve batucador, conseguiu exprimir em palavras esse sentimento?

O que gerou a confusão é a imprecisão do conceito de “saudade”, que é por demais abstrato. Um estudo recente ouviu mais de mil tradutores e classificou o termo como um dos dez mais difíceis de traduzir, de qualquer idioma para qualquer idioma pela variedade de significados que pode ter. Se cada um de nós fosse chamado a definir o que é “saudade” provavelmente definições diferentes surgiriam. Tem dicionário que a define como “solidão, desamparo, isolamento”. Para mim não é isso, é sentir falta de algo ou alguém. Essa subjetividade torna tão difícil a tradução correta do termo.

Mais uma mentirinha repetida à exaustão: você pode ver a Muralha da China do espaço. Não, não pode. Você não pode ver nenhum monumento que está na Terra do espaço: Muralha da China, Pirâmides, Estátua da Liberdade… nada. Do espaço você vê terra, água e nuvens. A mentira começou quando um dos astronautas da Apolo 17 disse que viu a muralha do espaço. Se viu, viu na subida, no meio do caminho. Uma vez em órbita, isso não é possível.

Inclusive foi um chinês que desmentiu o mito. A bordo da espaçonave Shenzhou 5, Yang Liwei deu 14 voltas ao redor do planeta tentando ver a muralha e não conseguiu. Sejamos racionais: ela tem sete metros de largura e a mesma cor do chão. Faz sentido que seja possível avistá-la a uma distância tão grande? “Mas Sally, tem fotos da Grande Muralha vista do espaço”. Sim, tiradas com câmeras fodas, cujas lentes aproximam um zilhão de vezes. Olha pela janelinha da espaçonave e me diz se dá pra ver.

“O homem veio do macaco”. Na tentativa de simplificar a história, acabaram mentindo. Não, o homem não “veio do macaco”, o homem e o macaco têm um ancestral em comum. Seria o mesmo que dizer que você veio do seu bisavô: você veio dos seus pais, o bisavô apenas estava na família.

Há mais de 6 milhões de anos, uma espécie de primata se dividiu em duas linhagens diferentes por conta de adversidades da natureza. Uma evoluiu até chegar nos chimpanzés e a outra evoluiu até chegar ao homem. Assim, os macacos estão mais para irmãos do que para a origem do ser humano. O homem não veio do macaco, o macaco e o homem vieram do mesmo lugar.

A água da privada gira em sentidos diferentes dependendo do hemisfério? Não. Certamente você já escutou que no hemisfério sul a água da descarga gira em sentido horário e no hemisfério norte no anti-horário. O sentido pode mudar por uma série de fatores, mas não por causa do hemisfério.

O que pode interferir no sentido que a água gira é a estrutura do vaso sanitário (ou da pia, ou de qualquer lugar), o tipo de descarga e outros fatores mecânicos. Essa distinção de sentido conforme hemisfério se aplica a grandes massas de ar que formam ciclones, mas a uma mísera aguinha de privada não.

Futebol foi inventado na Inglaterra? Não. Há relatos muito mais antigos da prática de um esporte muito similar ao futebol em diversas culturas: Grécia Antiga, Roma, Japão e até China.

O que os ingleses fizeram foi organizar a coisa: criaram a maior parte das regras que conhecemos, definiram as medidas do campo, o tempo de duração das partidas e fundaram a primeira associação de clubes. Chutar uma bola em direção a duas traves já acontecia muito antes, só que de forma menos organizada.

O Planeta Terra possuí cinco mares? Negativo. As águas mais famosas são cinco: Índico, Ártico, Antártico, Pacífico e Atlântico. Eventualmente há quem fale em sete (“descobridor dos sete mares”) graças a uma subdivisão: Índico, Ártico, Antártico, Pacífico Norte, Pacífico Sul, Atlântico Norte e Atlântico Sul. Mas, na real, o planeta possuí ao todo 61 mares.

O grande segredo é não confundir “mar” com “oceano”. A definição é dada pela Organização Hidrográfica Internacional e esta classificação não é feita com base em questões políticas, ela adota apenas questões climáticas e naturais. Em uma simplificação bem grosseira, o mar é menor do que um oceano.

Um raio não cai duas vezes no mesmo lugar? Bom, esse a gente já desmentiu em uma postagem sobre primeiros socorros para pessoas atingidas por um raio. Pode cair sim, pergunte ao para-raios de um prédio se ele só tomou um raio na vida.

Temos inclusive exemplos famosos: o Empire State Building, em Nova York, recebe em média 25 descargas elétricas por ano. Já no Brasil, o Cristo Redentor recebe, em média, seis raios por ano, motivo pelo qual frequentemente precisa de reparação.

Do Oiapoque ao Chuí significa dizer do Brasil, de ponta a ponta? Não mais. O Oiapoque, no Amapá, não é o ponto mais ao norte do país, este posto pertence ao Monte Caburaí, em Roraima, que fica a 84km mais ao norte do que o Oiapoque.

É um lugar possível de se chegar? Não, se você tiver amor próprio. Fica a 1464 metros de altitude no Parque Nacional do Monte Roraima. A metade de cá do Monte Caburaí pertence ao Brasil e a metade de lá pertence à Guiana. Portanto, o certo é dizer do Caburaí ao Chuí.

A Amazônia é o pulmão do mundo? Não, quem estudou um mínimo de biologia sabe que todo o oxigênio produzido por uma floresta é consumido por ela mesma. Em matéria de oxigênio, a Floresta Amazônica não faz muita diferença para o planeta.

Sua importância é no chamado “ciclo hidrográfico”, ou seja, a floresta é importante para fazer chover e regular a temperatura de seu entorno. E, pelo tamanho da Floresta Amazônica, seu entorno é enorme: impacta diretamente uma área de pelo menos 3 mil quilômetros de distância e, indiretamente, todo o planeta.

Unhas e cabelos não continuam crescendo depois que você morre. Se fosse assim, ao exumar um corpo que estava enterrado há anos, veríamos unhas gigantes e cabelos na cintura. Unhas e cabelos não crescem em corpos em decomposição.

O que pode acontecer é a pele ressecar e se retrair, “encolher” e isso dar a impressão de que as unhas e os cabelos cresceram. Existe uma parte dos cabelos e das unhas que são protegidos pela pele, já estavam lá, mas estavam cobertos. Com a retração da pele eles ficam aparentes.

Cachorro e gato não enxergam em preto e branco. Eles não conseguem ver todas as tonalidades que nós vemos, mas conseguem sim ver algumas cores. Inclusive animais podem até desenvolver predileção por cores quando falamos de brinquedos.

Caso você tenha curiosidade para ver o mundo pelos olhos de um cão, pode assistir ao canal Dog TV (disponível por TV a cabo ou pelo YouTube), pois lá passam vídeos ressaltando as cores que os cães conseguem distinguir, com cenários e sons que são agradáveis a eles. Mas vou avisando desde já: dá um sono mortal.

Camaleões mudam de cor para se camuflar? Não, muito pelo contrário, o principal objetivo do camaleão ao mudar de cor é se destacar e não se esconder. Geralmente eles querem se comunicar, passar uma mensagem ou expressar algo que está acontecendo com eles.

Por exemplo, um camaleão pode mudar de cor para indicar ao sexo oposto que está pronto para acasalar ou ainda mudar de cor para alertar adversários que se não se comportarem como esperado, eles estão prontos para briga. É uma linguagem não verbal, uma forma de comunicação e não de camuflagem.

A cor vermelha irrita os touros? Negativo. Os touros, ao contrário dos cães, enxergam o mundo em preto e branco. Tanto faz a cor do pano que o toureiro segura, o vermelho foi escolhido apenas para que o público, que assiste ao espetáculo em grandes arquibancadas distantes, possa ver melhor, por ser uma cor que se destaca.

O que faz o touro partir furiosamente em direção ao toureiro são os movimentos que ele faz com o tecido, geralmente ameaçadores ou provocadores. Sem contar que, até chegar na arena de tourada, o animal já sofreu um bocado e passou por diversos maus tratos, portanto, estaria reativo até a um lencinho rendado.

Água conduz eletricidade? Não. E se você já tomou um choque horrível no banho, saiba que a culpada não é a água. Em sua fórmula pura, H2O, não é boa condutora de eletricidade. Porém, acredito que ninguém aqui beba água pura nem tenha água pura em suas torneiras.

O que torna a água uma boa condutora de eletricidade são os sais minerais e outras substância, inclusive impurezas, que encontramos na água que chega até as nossas casas. Na real, água pura é um ótimo isolante (papo técnico: possui uma resistividade elevada), só que dificilmente temos acesso a ela.

Coelhos amam cenouras? Só nos desenhos animados. Coelhos, se não forem o Pernalonga, certamente preferirão comer as folhas da cenoura do que a cenoura em si e certamente também preferirão outros alimentos à cenoura.

Por sinal, dar cenoura como alimento principal pode fazer muito mal ao seu coelho, pois ela contém muito açúcar, pode causar danos ao fígado, ao intestino e até aos dentes do animal. Então, nada de dar cenouras a coelhos: não faz bem e eles mesmos não são muito chegados ao sabor.

Estas são apenas algumas das mentiras estilo “manga com leite faz mal” repetidas até entrarem por osmose na cabeça das pessoas. E não são as únicas, existem muitas outras, daria, inclusive, para fazer uma continuação deste texto. Por isso, cuidado com o que você toma como verdadeiro por repetição, o Brasil é um país que pode passar décadas repetindo uma besteira como algo cientificamente comprovado.

Para dizer que acreditava em pelo menos metade das coisas que estão escritas aqui, para dizer que não acreditava em nada ou para dizer que simplesmente não se importa: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comentários (18)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: