Comemorações de 12 anos encerradas. Luto oficial em toda a nação por tempo indeterminado.

Subcelebridades nas eleições.

A Festa da Democracia já começou, e teve cada convidado…

Não é que a gente tenha algo contra subcelebridades, muito pelo contrário, são pessoas que fornecem diversão gratuita e involuntária para toda a população. Mas, qual é o conhecimento de leis que essas pessoas têm? Se eleitas, serão elas as responsáveis por criar as leis que vocês, brasileiros, terão que seguir.

Pessoas que mal conseguiam seguir a meia dúzia de normas mínimas de convivência e higiene de reality shows se acham capacitadas para estipular alguma norma a alguém? Sim, se acham, e, em alguns casos, acabam eleitas. A urna eletrônica brasileira deveria ter o formato de um penico.

Vamos analisar como performaram as subcelebridades que se achavam preparadas para criar as leis que você tem que seguir.

Thammy Miranda, que estrategicamente se meteu em várias polêmicas este ano, tirando seu nome do esquecimento, ficou entre os vereadores mais votados em São Paulo. Thammy, entre outras coisas, já foi dançarina, apresentando-se em shows da mãe, a cantora Gretchen, posou nua para uma revista, fez três filmes pornôs (“Sádica”, “Thammy & Cia” e “A Stripper dos Seus Sonhos”) e fez novela na Globo. Em 2014 decidiu que era homem e fez cirurgia de redesignação de sexo.

Thammy foi o 9° vereador mais votado de São Paulo pelo Partido Liberal. Considerando seu histórico de bate-boca em redes sociais e sua vasta experiência em programas como Superpop, calculamos que Thammy tem chances de chegar à Presidência da República um dia.

Mas, nem todos que passaram pelo pornô tiveram a mesma sorte. Kid Bengala amargou uma derrota nas urnas: 953 votos. Performou pior do que na tentativa anterior, no ano de 2014, quando teve 1095 votos. Eu compreendo, é hábito no Brasil que os políticos fodam com o povo, a imagem de Kid Bengala na política deve despertar um certo temor na população.

Infelizmente Dr. Rey não teve a votação expressiva que imaginávamos, ficou apenas como suplente. Se você pensar bem, tudo de ruim que vem acontecendo no Brasil e no mundo começou depois que o Bolsonaro recusou o pedido de Dr. Rey para ser Ministro da Saúde. Não é todo dia que uma subcelebridade pega um voo de outro país e bate na porta da sua casa sem avisar pedindo um dos cargos mais importantes do seu governo.

O mais triste é: diante do que estamos vendo, talvez Dr. Rey seria uma opção melhor para o Ministério da Saúde. De verdade. Ele teve apenas 517 votos. Não faz mal, temos certeza de que quando o Pilha for Presidente da República (é apenas uma questão de tempo) ele será o Ministro da Saúde do Brasil.

Verônica Costa, a “Mãe Loura do Funk” se elegeu com 18 mil votos e vai para seu sexto mandato. Vale destacar que, entre as muitas “polêmicas” nas quais ela já se envolveu, ela foi processada e condenada pelo crime de tortura, cometido contra seu ex-marido.

Verônica, segundo a sentença condenatória, amarrou os pulsos e os pés do ex-marido com correntes, corda e cadeado. Depois colocou uma venda na boca e nos olhos do infeliz. Depois jogou gasolina nele e ficou berrando que ia riscar um fósforo e incendiá-lo, com a intenção de fazê-lo confessar a existência de uma amante. Uma pessoa de reputação ilibada.

Tem pessoas que nem chegam ao posto de subcelebridades. Nós as apelidamos carinhosamente de “nanocelebridades”, por isso, vamos falar delas por categoria, e não por pessoa.

Na categoria “Corpo é Tudo que Eu Tenho”, tivemos Raissa de Oliveira (madrinha de bateria da Beija-Flor de Nilópolis), que conseguiu ser suplente na Câmara. Priscila Nocetti, a musa funk da Furacão 2000 também será suplente. Fernanda Lacerda, um panicat genérica conhecida como “Mendigata”, cujo intelecto pudemos observar no reality “A Fazenda”, naquela edição em que o Pilha venceu, será suplente com apenas 143 votos.

Renata Banhara, ex-dançarina do Latino e ex-Banheira do Gugu e ex-A Fazenda (currículo fascinante) não teve a mesma sorte, não conseguiu nada. Andrea Capitulino, rainha de bateria da Acadêmicos do Tatuapé e musa fitness, teve menos de 100 votos e não chegou nem perto de se reeleger.

Na categoria “Esportistas que Acham que Podem Fazer Política”, o jogador Dinei, que também participou da fazenda (“Bom dia, boa tarde, boa noite”) urinando nos pertences de Joana Machado, não foi eleito. Dinei, que é ex-jogador do Corinthians e a perseverança parece ser seu principal mérito: tentou se eleger em 2004, 2008, 2010, 2012, 2014 e agora em 2020. Não foi eleito. Diego Hypólito, ex-atleta de ginástica artística, também não se elegeu.

O jogador Marcelinho Carioca, também conhecido por jogar no Corinthians também falhou em sua missão e não conseguiu se eleger. O ex-jogador Roberto Dinamite conseguiu ser suplente. A atleta olímpica Maurren Maggi pode ter ganhado uma medalha de ouro na competição, mas nas urnas só ganhou experiência mesmo. Outra medalhista olímpica que ganhou experiência foi a jogadora de basquete Kelly. No vôlei também ficou difícil: o campeão olímpico Rodrigão não se elegeu.

Na categoria “Cantores?” (com interrogação) a cantora Pepê e Neném (uma coisa só, a meu ver) não conseguiu se eleger. Quem poderia imaginar que se assumir homossexual e depois apoiar o Bolsonaro fazendo vídeo contra a demonstração de afeto em público por casais gays faria alguém perder popularidade! O cantor Nahim teve uma votação tão expressiva quanto sua carreira: 9 votos. Um dos Fat Family também tentou se eleger, sem sucesso.

Na categoria “Famosos?” (novamente, com interrogação), Chiquinho Scarpa, que não deve ter mais o que fazer da vida, pois não precisa do dinheiro, não conseguiu se eleger. Lembram quando sequestraram o irmão do Zezé di Camargo e Luciano e cortaram um pedaço da orelha para obrigar a pagar o resgate? Pois é, Wellington Camargo, o Van Gogh Tupiniquim, não conseguiu se eleger. Costuma acontecer com quem é preso por não pagar pensão alimentícia: se não cuida bem nem dos filhos, quem dirá do povo.

Mionzinho, aquele rapaz que ficou conhecido por aparições no programa de Marcos Mion sem nunca abrir a boca, foi eleito como suplente. Fica a dica: quanto menos falar, melhor. Valeria Monteiro, jornalista que já apresentou o Jornal Nacional, pensou grande: concorreu como vice-prefeita de Campinas. O resultado? 1,4% dos votos.

O ex-BBB Marcos Harter, expulso do programa por supostamente agredir outra participante com a qual mantinha um relacionamento, também fracassou na tentativa de se eleger e teve menos de 500 votos. Quem poderia imaginar que bater em uma mulher na frente de câmeras que transmitiam o ato para o Brasil todo poderia minar a sua popularidade? Por sinal, não foi uma boa eleição para ex-BBBs, oito deles se candidataram e os oito fracassaram.

Sorria: não importa a merda que você faça da sua vida, não importa o quanto essa merda se torne pública, não importa quão burro você se mostre, sempre existe a possibilidade de tentar uma carreira política no Brasil. E é um plano B onde se ganha bem e se trabalha pouco.

Para dizer que frequentar o Superpop garante mais o futuro do que frequentar uma universidade, para desanimar ao lembrar que quem paga o salário dessas pessoas são vocês ou ainda para rir por perceber que esse sistema está cada vez mais perto de implodir: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (18)

  • Avatar

    Capitão Impressionante

    Antes de implodir, esse sistema ainda vai dar muita merda e foder com a vida de muita gente, inclusive a nossa…

    • Tomara que não. Tomara que vocês consigam sair dessa espiral de merda e assistir ao entorno desmoronando com a mente sã.

      • Eu também espero que não, mas temo que, por mais que não queiramos e por mais que nos afastemos do “olho do furacão”, um pouquinho de merda vai sim respingar na gente…

  • Já foi melhor hein Sally … nem mencionou q a morena do funk transferiu título para o Rio para fazer o clássico duelo da Amante x a fiel . E q depois de perder ainda chamou os Haters de pobres, e afirmou q continua rica hahaha Errada ela não está

  • Eu gosto do “Dotôrrey”. É uma das celebridades aleatórias com quem eu me sentaria pra tomar umas e jogar conversa fora. Eu acho que ele realmente deve se importar com esta terra aqui, porque um cara, que é famosíssimo, riquíssimo e vive o verdadeiro “sonho americano” nos EUA, querer se envolver com a política bostileira não me entra na cabeça outro motivo que não seja esse.

  • Aqui na cidade da minha esposa (dica pros catarinenses: é a cidade daqueles dois vereadores que usaram carro público pra viajarem pra Florianópolis tão-somente pra buscar cerveja pruma festinha de putaria. Aliás, um se reelegeu e outro ficou de suplente!) elegeu-se um matuto de roça tão matuto, mas TÃO MATUTO, que até uma folha morta e pisoteada por lobos, cheia de barro, apodrecendo sob a sombra de uma árvore no cu duma floresta perdida nos rincões da Birmânia é mais humana, tem mais dicção, desenvoltura, conhecimento, presença e finesse que “ele”. Cês num imaginam a revolta que me deu saber isso! Agora um feladumaputa que pastava capim plantado toscamente numa roça primitiva pra subsistência pega um cargo público e vai fazer merda sobre merda. Na melhor das hipóteses, ninguém vai dar bola pros seus grunhidos de antropóide das cavernas mas “ele” vai estar lá, ganhando um salário razoável pago com grana dos nossos impostos. Isso é detestável, detestável e detestável!

    • Cruz-credo, Charles D.G.! E eu que sempre achei que aí em Santa Catarina as coisas fossem um pouquinho melhores do que no resto do Brasil…

      • Na média geral, as coisas são melhores sim, caríssimo W.O.J. Mas existem uns lugares no sul que não deixam nada a dever em termos de atraso, escrotice, comportamento jeca e religiosidade equivocadíssima em relação aos seus equivalentes no norte e no nordeste ou mesmo no sudeste. A única diferença é que o povo daqui é (na maioria das vezes) bonito.

        E digo mais: isso de religiosidade equivocadíssima estraga completamente todas as maravilhosas mulheres que vicejam nessas terras. Todas são travadíssimas na vida sexual (tudo é pecado, tudo é feio, tudo é sujo, tudo Deus castiga)! #ProntoFalei

        • “Todas são travadíssimas na vida sexual (tudo é pecado, tudo é feio, tudo é sujo, tudo Deus castiga)!” Porra, ainda tem essa também?

        • É algo curioso que já reparei também, conhecendo várias cidades nos três estados do sul: nas capitais as pessoas tendem a ser mente mais aberta, nas cidades currutelinhas tipo Pomedore ou Nova Trento em SC, o povo é extremamente conservador, retrógrado, parado no tempo, vale dizer. Já nas cidades de médio porte tipo Maringá, Londrina, Joinville ou Novo Hamburgo, as pessoas tendem a ser fechadas, conservadoras, e te olhar de cima em baixo, como se tu fosse um bicho estranho.

          • Ge, na minha primeira semana de morador oficial do sul (há quase 20 anos), fui numa padoca (eu até poderia dizer o nome, mas vou omitir) e a alemoôna que me atendeu (e que tinha ares de dona) comentou comigo que a cidade já não era mais a mesma por causa “dessa gente escura que vem pra cá”. Engoli em seco, paguei a conta, dei tchau e nunca mais botei os pés lá dentro. Noutra ocasião, abriu uma cratera monstro no asfalto dum bairro lá por causa duma chuva absurda que tinha caído e alguns transeuntes se acidentaram caindo nessa vala. Uma amiga da minha esposa nos contou que conversou com outra alemoôna a respeito e essa alemoôna disse que viu caírem na vala (palavras textuais que nossa amiga reproduziu “duas pessoas, um negrinho e um cachorro”. Acredite você ou não. Duas pessoas e um negrinho. Putaquepariu! Nem tem mais nem cu pra cair da bunda!

            W.O.J.: tem. Tem dessa sim. E COMO tem! Mas tem PRA CARALHO! :-(

            • Caraio, Charles D.G.! Realmente pesado, eles chamam os outros de “negrinho” assim numa boa como se nada. Uma vez, conversando com um alemão nativo que veio pra Blumenau visitar a Oktoberfest, ele havia comentado comigo que aquilo lá realmente representa a Alemanha, mas parada no tempo, de uns 100 anos atrás. Pensei comigo, poxa, um germânico nativo falando isso… Fim da picada mesmo!

              Em resumo, sul é legal, é bonito e tal, mas tem umas coisas bizarras também. Eu infelizmente não pude ficar mais em Curitiba, mas escolho a dedo essa cidade, dentre tantos motivos, pelo clima quase sempre agradável. Essa questão do clima pesa bastante pra mim.

  • Dr Rey é fodástico! Seria um ministro da saúde bem melhor que o Merdetta que só sabia falar de pico e pica e aquele Teich que parecia um vampiro anêmico recém saído da cova. Bozo não sabe escolher!
    Ele teve pouco voto porque fez pouca campanha, teve gente que nem sabia que ele tava disputando.

  • “Verônica, segundo a sentença condenatória, amarrou os pulsos e os pés do ex-marido com correntes, corda e cadeado. Depois colocou uma venda na boca e nos olhos do infeliz. Depois jogou gasolina nele e ficou berrando que ia riscar um fósforo e incendiá-lo, com a intenção de fazê-lo confessar a existência de uma amante.”

    Caralho… E essa sujeita vai agora ter seu SEXTO mandato como vereadora! Só podia ser no Rio de Janeiro mesmo…

  • “esse sistema está cada vez mais perto de implodir”
    Ou não. Estão apenas renovando pois os políticos antigos estão envelhecendo e morrendo.

  • Avatar

    (Apocaliptic)Ana94

    “ainda para rir por perceber que esse sistema está cada vez mais perto de implodir”
    DEUS, TOMARA QUE SEJA VERDADE. Ou “frequentar o Superpop garante mais o futuro do que frequentar uma universidade (ou qualquer outra coisa minimamente digna)” vai continuar sendo a norma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: