Ei você! – Edição de Natal

Natal chegando e o brasileiro médio está preocupado com compras, comemoração e bebida. Apesar do aumento no número de casos, apesar da superlotação dos hospitais, apesar de todos os avisos de médicos e cientistas, o brasileirinho médio ainda acha que dá para passar o Natal coma família “tomando todas as medidas de proteção” e não colocar ninguém em risco.

Fica aqui o aviso: o Natal deve ser passado com as pessoas com as quais você mora. SÓ. Se sente tanta falta dos seus pais, vá morar com eles, faça quarentena e cuide deles durante a pandemia toda.

Não há nada, eu disse NADA, que permita uma reunião familiar sem colocar em risco a vida das pessoas. Nem máscara, nem álcool gel, nem ficar em local aberto, nem manter distância de dois metros, nem nada. É chato, é horrível, mas as coisas são como elas são, não como gostaríamos que elas fossem.

Quem não passar o Natal apenas com as pessoas que mora está colocando em risco a vida dos seus familiares e não poderá sequer alegar depois que não sabia ou que achou que não teria problema, pois estamos avisando aqui da forma mais explícita possível. Você TEM a informação, se resolver ignorá-la, a responsabilidade é sua.

Dito isso, vamos ver como estão os preparativos natalinos do brasileiro médio.

reunião familiar segura basta ter bebida pq bebida mata coroavirus pq e alcol e ele morre antes de desse pela garganta
Isso mesmo, beba bastante álcool 70%, a noite toda

proibissao reuniao familiar e plano da esquerda para destrui a família
Muito pelo contrário, quem faz reunião familiar é que vai destruir a família

estou com covid mas ja estou sem febre pastor disse que eu posso ir na ceia de natal da família
Faz melhor: vai numa missa desse pastor na noite de Natal

ministro disse que se idoso come alho antes da ceia nao tem risco de pega covid
O pior é ficar na dúvida se um Ministro de fato disse isso ou não, pois é uma possibilidade

minha irma ta com coronga quantas cadeira ela tem que senta longe da minha avo na ceia
50.000

pastor falou que quem rezar na ceia de natal nao pega corona
Talvez ele estivesse se referindo à cerveja

Coronavírus e mentira de ateus para destruir confraternização de natal
Sim, todos os médicos, cientistas, hospitais, governos do mundo e o Vaticano estão acobertando uma mentira de ateus

fodase voces eu vou no natal da família e ninguem vai me impedi
Uma vida reclamando dos parentes na ceia de natal e, este ano que não pode, todo mundo louco para ir

seremos resistencia e vamo continua levando vida normal
Isso, trata um vírus como um mano da quebrada e encara ele, confia no seu potencial

tem problema so uma visita rapida a parente no natal?
Pergunta à família da Nicete Bruno

Repito: a única forma de não colocar em risco ninguém é passar o Natal apenas com as pessoas que você mora. Se você mora sozinho, passe com você mesmo, você não deve ser uma companhia insuportável, certo?

Para dizer que seremos desistência, para dizer que não vai ser bonito o que vai acontecer em janeiro ou ainda para desejar boas vindas à nova cepa mais contagiosa: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: , ,

Comments (24)

  • “estou com covid mas ja estou sem febre pastor disse que eu posso ir na ceia de natal da família”

    “pastor falou que quem rezar na ceia de natal nao pega corona”

    Ah, essa gente que faz tudo o que o pastor diz…

    • Não apenas seguir o que o pastor diz, é egoísmo escroto que não quer saber de cuidar do próximo muito menos medir consequências. Típico este comportamento por aqui, Infelizmente…

  • Taí algo pra agradecer a COVID: nao vou precisar inventar desculpa de ter pego uma virose para não comparecer as ceias de Natal e Ano novo.
    Um porre reuniao com familiares que não vejo há um tempão, já perdi a intimidade e falta assunto pra manter o papo.
    Nada como nossa amada, tranquila e silenciosa casa.
    Uma pizza, um refri, um bom livro e a doce amiguinha de 4 patas ao meu lado… que festa Senhor, que festa!
    ALELUIA.
    Eu amo a minha companhia.

    • “Taí algo pra agradecer a COVID: nao vou precisar inventar desculpa de ter pego uma virose para não comparecer as ceias de Natal e Ano novo.”

      Verdade, Io.

    • Puta que pariu! Esse, para mim, já é o Desfavor da Semana. Realmente, o Brasil é o país da malandragem… E o pior é que era previsível que isso iria acontecer. Os dois melhores comentários que vi lá onde essa notícia foi publicada: “(…)’BRASIL? FRAUDE EXPLICA'”. e “Malandro não é o que vende. É o que compra, e se gaba que tá passando na frente de todo mundo.”. E imaginem só vocês como esse mercado clandestino das “vacinas alternativas” vai faturar alto quando as verdadeiras não forem suficientes para todos no país por causa da “logística” – com aspas, por favor – do governo.

  • “fodase voces eu vou no natal da família e ninguem vai me impedi”

    Uma vida reclamando dos parentes na ceia de natal e, este ano que não pode, todo mundo louco para ir

    Isso que não dá pra entender… Mas imagino que, além da boa e velha hipocrisia, seja mesmo só pelo prazer de afrontar as regras da nova situação (aquela coisa de menino adolescente mimado e sem limites, o famoso rebeldinho sem causa) mais do que por “amor à família” (aqui usado só como retórica da hipocrisia acachapante por aqui, as famílias brigam o ano todo pra chegar no final ficar naquela encenação “paz e amor” que muitas vezes nem funciona), coisa do mesmo povo que criou e subiu hashtag pra incentivar aglomeração em meio à pandemia (criaram a “AglomeraBrasil” e agora criaram a “VaiTerNatalSim”, saca o nível de rebeldia e imaturidade). Logo, esta sanha por reunião de família em tempos natalinos proibitivos, no fundo, não passa disso, de mais uma aglomeração pra depois lacrar nas redes sociais como um “transgressor”, “ain, desobediência civil” e receber aplausos de gente igual a eles. Em meados de janeiro veremos o (funesto) resultado.

    • Concordo totalmente. Vejo uma pirraça do povo brasileiro, como se uma restrição para proteção fosse uma afronta: as pessoas estão fazendo questão se sair mais. É um atestado de baixa autoestima.

      • Faz todo sentido pirraçar um governo que diz que tá tudo bem ser mesário, ir votar obrigado e soltar presidiários pra se reuinirem com as famílias no Natal, mas se acha no direito de fechar tudo nas vésperas de Natal e Ano Novo pra cuidar das pessoas. Que amor!

  • “tem problema so uma visita rapida a parente no natal”?

    Pergunta à família da Nicete Bruno”

    Um caso tão triste de tantos, o dela só ficou mais conhecido por ela ser quem ela é. Mas sempre pintava nos jornais casos de reuniões de família bem antes do Natal que já estavam fazendo vítimas, inclusive fatais, mas o brasileirinho médio continua se achando indestrutível, até a praga chegar na sua própria família dizimando geral. Infelizmente muitos não aprenderão com o que aconteceu a Nicette Bruno, pois muitos dão de ombros para o que esta situação realmente é.

    Tenho sorte da minha família ter noção (pelo menos o meu núcleo, formado por mim e meus pais, não posso falar pelo resto da família, mas até onde sei, cada núcleo tá se preservando o quanto pode)

    Me reunirei só com meus pais que moram comigo e isto basta.

    • As pessoas acham que “uma passadinha rápida” não tem problema.
      UM SEGUNDO basta para contaminar alguém. Uma pessoa bastou para contaminar o mundo todo.
      A falta de senso de sacrifício é tanta que gera esse egoísmo camuflado de amor pela família.

  • “estou com covid mas ja estou sem febre pastor disse que eu posso ir na ceia de natal da família”

    Faz melhor: vai numa missa desse pastor na noite de Natal”

    Adorei! Kkkkkkkkkkkkk

    E agora, falando sério, imaginem alguém dizendo assim: “Estou com HIV mas não tenho sintomas, posso transar com os outros sem camisinha”. Olhem só a desgraça feita.

    Imaginem aí o que vai ter de gente CRETINA, EGOÍSTA, DESGRAÇADA ESCONDENDO SINTOMA, igual a esse(a) CRIMINOSO(A) daí, pra poder ir pra casa de parentes (dos quais reclamam em todo natal e no resto do ano), não vai ser brincadeira. É mais uma demonstração da escrotidão, da falta de caráter, da PERVERSIDADE dessas pessoas. Depois, lá pra janeiro, elas sentam e choram a perda da avó, do primo, do rio, do pai, da sobrinha, etc, com fotinho de “luto”, etc. Eis a falta de consideração pelo próximo e seu altíssimo preço…

  • Por essas e outras que eu digo: O brasileiro médio é um menino mimado criado sem limites que faz birra sempre que pode, para fazer valer as suas vontades. O BM faz isso o tempo todo (não à toa a criança filha do BM é em geral mal educada e extremamente barulhenta, ela é fruto deste povo birrento) Acontece que na situação que vivemos a desta peste, não adianta fazer birra pela “liberdade”, para fazer valer sua vontade de fazer o que bem entende em meio a uma pandemia: A realidade do vírus se impõe, ele não está nem aí, ele achou ocasião, infecta e pronto (e é bom os birrentos BMs ficarem espertos, pois a mortalidade é BEM MAIOR do q eles acham que é, pois no BR tão jogando os óbitos debaixo do tapete da SARS, pneumonia comum e outras doenças, sem falar nas sequelas que podem ser gravíssimas e aparecerem a curto, médio e longo prazo – que não são conhecidas ainda em sua plenitude).

    A inconsequência deste povo custará ainda muitas vidas e muita gente ficará temporariamente ou permanentemente prejudicada por causa disso, mas infelizmente muitos só entendem qdo acontece na própria pele e em membros de suas respectivas famílias.

    • Sim. Os números de “mortes em excesso” (mortes acima da média dos anos anteriores) são gigantes. Tem muita gente morrendo de covid sem diagnóstico de covid por falta de teste e até por ordens que vem de cima. Os números são sim muito maiores do que os oficiais (ou alguém acha que Bolsonaro vai ser honesto sobre o estrago que causou?).

      Na real, nós só vamos saber o tamanho verdadeiro do estrago anos mais pra frente.

      • Na verdade, os BMs acham que o número de mortes é inflado. Que os hospitais pegam quem morre de infarto, tira, explosão de pneu de caminhão e põem como Covid, seja para inflar os nºs por algum motivo que só eles, especiais que são, sabem, seja para receberem míticos R$ 16.000,00 por morte. Ou seja, qdo eles veem 700 mortes por dia, ainda acha q é exagero. Eu acho q deve ser mas 3 vezes mais que isso…

        Não saio de casa a não ser que pegue fogo. E ainda assim, vou ficar na dúvida.

      • A quantidade de mortes sem diagnostico preciso no Brasil sempre foi grande. Há muitos anos tem gente que morre das verminoses mais ridículas sem diagnóstico nenhum. Quem é do ramo não vê muita novidade nisso.

        • Sim, verdade, só que com coronavirus tem muito mais em jogo, daí a situação ser ainda mais grave (e o interesse “de cima” em esconder a coisa toda), e a já crônica falta de testes para Covid-19 que contribui para esta subnotificação e falta de controle desta peste com potencial letal importante.

    • Concordo muito com você, Morena Flor. Menos na parte do “infelizmente muitos só entendem quando acontece na própria pele e em membros de suas respectivas famílias.”. Porque eu conheço muitos por aí que, por mais inacreditável que pareça, não mudam uma vírgula de seu comportamento nem mesmo depois de tomarem na tarraqueta e de sentirem na própria pele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: