Às vezes a gente esquece, mas o Brasil é um país rico. Segundo o FMI, o nono país com o maior PIB do mundo até 2018. Numa competição entre 193 países (reconhecidos pela ONU), essa é uma posição de grande destaque. Mas nem só de PIB vive uma nação, tanto que na hora de analisar o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), despenca para a 73ª posição. Tem algo de muito errado aí, mas… será que é o que a gente imagina?

Continue lendo

Enquanto as fronteiras estão fechadas em vários países e um verdadeiro leilão acontece para a compra de equipamentos de proteção individual produzidos na China, muitos defensores do nacionalismo ganham novos ouvidos para suas mensagens. Mas, o que isso quer dizer na prática?

Continue lendo

Na última reunião por teleconferência do G20 (grupo das economias mais fortes do mundo), ficou definido um plano de injetar 5 trilhões de dólares na economia global para lidar com a crise econômica causada pelo Coronavírus. É uma medida grandiosa, com certeza. Mas, será que lida com o verdadeiro problema?

Continue lendo

O pré-candidato Bernie Sanders do Partido Democrata americano vem ganhando força como o possível indicado para disputar com Donald Trump a presidência dos EUA, e uma de suas ideias é aumentar os impostos para os mais ricos. Até aí, razoável, concorde você ou não, é uma forma de encarar o problema de arrecadação e desigualdade. Mas um pouco mais escondida nessa plataforma está a sugestão de taxar bilionários sobre suas riquezas. Parece só uma extensão da primeira ideia, mas não é, na verdade, é de uma ignorância tremenda… e perigosa.

Continue lendo

Bolsonaro poderia ter reduzido boa parte das tensões internacionais relacionadas ao Brasil no seu discurso para a ONU. Poderia… mas não o fez. Leu um discurso de vocabulário mais rebuscado que o habitual, mas que trazia mais do mesmo de um ponto de vista ideológico. Como já dizemos aqui faz tempo, é bobagem esperar mais do presidente, ele nunca vai ser mais do que aquele deputado que sempre tinha tempo e disposição de participar do SuperPop. Só se colhe o que se planta. Porém, há uma ideia mais perigosa que o habitual no meio dos pontos que defende: a rejeição ao globalismo.

Continue lendo