Muito se fala em avistamentos de criaturas estranhas, alienígena ou naves espaciais. A visão costuma ser a principal evidência de fenômenos que ainda não conseguimos explicar. Porém, existe outro sentido que capta estímulos inexplicáveis e é pouco divulgado, a audição. Você sabia que centenas de ruídos estranhos são registrados no fundo do mar sem que encontremos qualquer explicação satisfatória para eles? Antes de querer solucionar mistérios de outros planetas, seria bom acabar de compreender o planeta no qual vivemos.

Continue lendo

Somos quase todos crias de um país tropical, portanto, não temos muita intimidade com frio intenso. O frio não é esse vilão todo, basta respeitá-lo e saber lidar com ele que tudo vai dar certo. Por séculos seres humanos sobrevivem bem em países extremamente frios, tudo que você precisa é de informação para tomar os devidos cuidados. Desfavor Explica: sobrevivendo ao frio.

Continue lendo

A ideia de que exista algo no Planeta Terra desconhecido pelo ser humano é, para muitos, tão afrontosa e assustadora que o cérebro tenta desqualificar tudo. Impossível que o ser humano não tenha total controle de tudo, não conheça tudo, não saiba tudo. Para outros, esta mesma ideia é tão fascinante, que tentam fechar os olhos para as evidências opostas, por ter a necessidade de acreditar que algo mágico e inusitado pode acontecer, inclusive com elas.

Esta dualidade de pensamento pode inclusive te atacar durante a leitura deste texto. Por momentos dá vontade de acreditar, por momentos dá vontade de refutar tudo. É normal. É difícil ver as coisas com os olhos da neutralidade. Graças a essa dualidade, fica muito difícil emitir uma opinião que não esteja, ao menos em parte, contaminada pelas nossas crenças pessoais, criando subjetivismos que se estendem por séculos com respostas diferentes dependendo do interlocutor. Desfavor Explica: Monstro do Lago Ness.

Continue lendo

No meu texto anterior, pintei um quadro depressivo sobre a capacidade da humanidade de manter uma sociedade onde a lei é universalmente respeitada. Mesmo se alcançarmos um nível alto de desenvolvimento social, o número de pessoas que simplesmente nasce com ou desenvolve problemas psicológicos graves é muito alto. Com o que temos à nossa disposição hoje, não dá para controlar tanta gente assim. Mas, com o tempo, talvez possamos mudar a essência do que é um ser humano.

Continue lendo