Zapp FTW!

Homens são naturalmente mais peludos do que mulheres. Indiferentemente do gosto da pessoa em questão, é uma verdade que pode ser comprovada universalmente. Mas hoje em dia mais e mais homens se depilam, seja por seu próprio senso estético, seja para agradar suas parceiras, seja por necessidade do trabalho ou esporte… O que importa é que hoje em dia depilar-se nada mais é do que uma escolha para o homem.

Sally e Somir discordam veementemente sobre esta escolha.

Tema de hoje: Depilação masculina, necessidade ou desfavor?

Somir

A não ser que ele realmente deseje se depilar por vontade própria, é um tremendo de um desfavor.

Se eu bem conheço a Sally, ela vai usar vários exemplos exagerados. É uma tática famosa para fazer os leitores se concentrarem no pior caso possível para que seus exageros de argumentação pareçam mais contidos.

Eu adoro essa tática, uso sempre quando posso. Mas hoje eu vou remar contra a corrente. Não só por tentar ser menos manipulativo quanto por continuar criticando essa onda de “metrossexualismo*” que assola o mundo masculino.

(*“Ismo” sim, esse sim é uma doença!)

Já começo admitindo que posso ser terrivelmente teimoso com pequenas coisas, que a primeira vista parecem absolutamente banais. Oras, ninguém morre se passar uma gilete ou mesmo aquela malfadada cera depilatória nos pelos do corpo. Pode ser chato, pode ser dolorido, mas não chega a ser algo para ser evitado como se fosse a morte.

Então, por que eu digo que depilação masculina é um desfavor?

O problema não é a depilação em si. Nunca foi. O problema é o que vem antes e o que vem depois. O problema é querer ser “moderno” só para fazer pose. Ou se tem vontade/necessidade real de se depilar, ou se está apenas atendendo a caprichos de uma sociedade onde ser homem está ficando fora de moda.

Hoje em dia está ficando feio para um homem dizer que acha tal assunto “coisa de viado”. Preconceituoso, retrógrado, inseguro… Tudo bem que o termo em questão sugira uma forma de denegrir o alheio ao invés de expressar uma opinião. Mas isso é inerente ao sexo masculino. Falamos coisas escrotas com objetivos nem tão escrotos. Basta saber filtrar o conteúdo.

Quando um homem fala mal de algo e diz que é “coisa de viado”, ele está dizendo que aquilo não combina com a idéia que ele tem sobre masculinidade. Traduza para: “Isso não é coisa de homem.” E, oras, quem decide isso somos nós e não a sociedade! Onde já se viu ficar com inseguranças sobre sua opinião por não parecer algo moderno e popular? É coisa de viado sim!

Tem muito homem aí que fica sem saída quando escuta da mulher que ele precisa se depilar e que é insegurança dele não aceitar ou mesmo que ela merece já que se depila (quero só ver se elas parariam solteiras). Larguem de cair nessas jogadinhas, colegas! Mulher adora fazer essas coisas para se afirmar. GARANTO que a maioria delas não vai pular fora de uma relação se ouvir um “não”. Inseguro é quem muda de opinião para agradar os outros.

Mulheres tem TARA por mudar homens. Elas atiram para tudo quanto é lado e torcem para acertar o máximo que puderem. O trouxa que aceita tudo é o trouxa que deixa de ter sua personalidade. E eu já falei sobre isso recentemente. É pé-na-bunda mesmo.

Você acha coisa de viado se depilar? DIREITO SEU!

Eu, Somir, acho ridículo que um homem “normal” se depile. É assim que eu penso. Faz parte do meu conjunto de valores sobre o que faz um homem ser homem. Nada contra a estética, nada contra a higiene, é totalmente possível aliar essas coisas com o direito de ser o homem que se quer ser. Até parece que todo homem que não se depila é horroroso e fedido… Milhões de mulheres por aí vão ter prazer em negar essa generalização preguiçosa.

Não advogo o direito de ser relapso e descuidado com a aparência. Defendo o direito a opinião sobre o que se acha mais condizente com a imagem do sexo que se representa. O Zé Ruela acha que homem tem que ser peludo porque isso é coisa de macho? DEIXA ELE! Deixa ele ser feliz com sua auto-imagem, ou deixa ele para procurar outro mais lisinho… Não vale a pena nem ganhar uma disputa onde um dos dois vai ter que deixar uma idéia que julgava inegociável para trás. Ninguém muda.

E se você é mulher e não entende como alguém pode ser tão teimoso com uma bobagem como essa de depilar um pouquinho que seja, imagine só se um namorado seu te diz que tem tara por pernas peludas. Você sabe que vai deixá-lo feliz ver uma mata fechada na sua canela. Mas… Será que vai te fazer feliz? Você que passou a vida toda cuidando disso, você que sempre se sentiu orgulhosa de ver suas pernas lisinhas, você que sempre ligou isso com sua feminilidade e sensualidade… Você realmente vai se sentir mais mulher ou mais bonita com a perna peluda? Você se exibiria com orgulho para o mundo ou compraria mais calças compridas? Vale a pena trocar o gosto de outra pessoa por se sentir bem consigo mesma?

Pois bem, alguns homens, aqueles mesmo que dizem que depilação é coisa de viado, não deixariam de ser homens caso o fizessem, mas seria um motivo de tristeza para ele não ter mais um dos sinais que sempre ligou à sua masculinidade.

E sexualmente… Faz mais diferença estar confiante e de bem com a própria imagem do que ceder contra a vontade a um capricho da parceira. Auto-estima também é coisa de homem. Um homem que estufa o peito orgulhoso de quem é faz um “serviço” bem melhor do que o que se curva a pedidos que não quer atender. Alguns ficarão felizes em atender esse pedido de depilação, alguns não. Cada um é cada um.

No caso de uma situação universalmente danosa para uma relação (descaso), a pessoa que precisaria mudar é que deve ceder. No caso inverso (vaidade), faz muito mais sentido que a pessoa que reclama ceda e permita que a pessoa da qual gosta seja feliz.

Os que acham ótimo e fazem com prazer tem meu respeito por fazerem o que querem fazer, os que se recusam por achar coisa de viado também. O que é nojento mesmo é ficar com medinho de rejeição e agir contra sua vontade. “Coisa de viado”.

Para me perguntar se eu pareço o Tony Ramos, para dizer que minha argumentação é muito cabeluda ou mesmo para avisar que só mulher lê este blog e eu gastei meu latim à toa: somir@desfavor.com


Sally

Hoje entro para perder. Não faz mal, perco feliz. Só as cariocas vão concordar comigo. Não vejo problema algum em homem se depilar, e em alguns casos especiais, acho que é até necessário.

Ninguém está pedindo aqui um nadador sem pêlos, quero um homem e não uma foca. Pode ter pêlos. O que não pode é excesso de pêlos, sobretudo em cidades quentes, onde a pelagem se torna, além de antiestética, pouco higiênica. Homens com poucos pêlos não tem que se depilar. Homens com muitos pêlos devem depilar algumas partes do corpo, a critério de cada parceira, afinal, é ela que vai usufruir desse corpo! hahaha

Talvez existam mulheres por aí que não se importem com um homem cabeludo. Talvez existam mulheres que prefiram. Tem de tudo no mundo. Eu não gosto de homens muito peludos. Eu disse MUITO peludos. Acho feio e pouco higiênico. Até mesmo para brincadeiras sexuais inocentes: uma lambida em um pescoço peludo é um desfavor. Uma mordida em uma bunda cabeluda é uma passagem só de ida para o inferno.

Considerando que é uma coisa que me incomoda muito, acho que o homem pode tomar alguma providência a respeito, uma vez que eu tomo providências para não estar peluda, coisa que costuma desagradar aos homens. Custa fazer por mim também? Custa?

Existem homens inseguros o suficiente para achar que depilação fere sua masculinidade. Que porra é essa de achar que vai ser menos macho se tiver menos pêlos? Não tenho paciência para isso não. Homem com excesso de pêlos é feio. Parece um poodle gigante, você mal vê a pele. E quando eles levantam da cama, deixam pêlos por todos os lados. Eu não mereço passar por isso!

Cada um tem seus critérios. Eu acho pêlos nas pernas algo normal. Nas axilas também. Acho até feio homem sem pêlos nas pernas e nas axilas, parece um boneco Ken, o namorado da Barbie!

Mas pêlos nas costas… ui! Quando o homem tira a camisa e parece que nasceu um pulôver embutido… que agonia! Não me imagino lambendo costas cabeludas! (nem recomendo que vocês se imaginem, é nojento). Sem contar que no calor a pessoa fica toda suada, toda grudada, com aqueles pêlos molhados… Não dá, minha gente, para mim não dá. NÃO DÁ. Talvez em locais frios o pêlo faça menos estragos. Mas na minha realidade, homem peludo estilo Tony Ramos ou se depila ou não dá (ou melhor, não dou).

Também tem uma parcela de estética. Um corpinho depiladinho fica mais bonito. Eu acho. Tem quem discorde. Eu acho lindo. Independente de ser sarado ou não. Mesmo homem flácido, acho que fica melhor depilado, nada pior do que aquela coisa mole e cabeluda!

Desculpem entrar nesse tipo de detalhe, mas… tem coisa mais horrenda que uma bunda cabeluda? Eu sei, eu sei, quando você ama de verdade o outro essas coisas não importam, mas PORRA, você não ama assim que conhece! O amor vem com o tempo, e puta que pariu, demora mais a chegar se a bunda é cabeluda! Gente, eu sou uma criatura muito visual, se o homem tira a cueca e tem uma moita na bunda, eu vou ficar muito, muito, muito triste.

E quando falo em depilação, não quero dizer necessariamente cera. Homens (tudofrouxo) costumam ter menor tolerância à dor (tudofrouxo) por isso não me parece justo exigir (TUDOFROUXO) que passem por um procedimento doloroso (TUDOMUITOFROUXO) como cera. Existem outras opções, como a boa e velha lâmina de barbear. Sim, pêlos do corpo não crescem na mesma velocidade dos pêlos do rosto, não tem que fazer todos os dias. Existem também cremes depilatórios e outra infinidade de soluções, então, se o problema for a dor, está resolvido.

E não me obriguem a começar a falar daqueles pentelhos enormes! Pelo amor de Deus, ninguém merece aqueles tufos! Não quer depilar? Pelo menos apara! Chega, pode ter alguém comendo.

Se você, Cueca, está tendo dificuldade em visualizar minha tara por homem depilado, pense da seguinte forma: como você se sente quando tira a roupa de uma mulher e ela está toda cabeluda? Axilas, pernas… tudo! Pois é, é isso que eu sinto, sexualmente falando, quando vejo um homem peludo, com as costas peludas, com pêlos que se juntam ao couro cabeludo, com uma bunda cabeluda…

Engraçado que homem deixa sua mulher decidir se vai estar com ou sem barba (menos Madame, que não tira essa porra de barba da cara nem por muito dinheiro). Se a mulher reclama que a barba incomoda, o homem faz a barba. Se a mulher reclama que não gosta dele sem barba, ele deixa a barba crescer. Porque não nos permitir poder de decisão sobre os pêlos que estão abaixo da barba?

Não se trata de má vontade. Repulsa é uma coisa que a gente não controla. Eu não tenho um botão “on/off” nojinho. Quando vejo uma bunda cabeluda bate o nojinho, do fundo da alma. Não é por mal. Custa tanto assim fazer a gentileza de agradar a mulher que se tem do lado, através de um procedimento reversível e indolor?

Para me dizer que homem que se depila é metrossexual, gay, fisiculturista, burro e carioca e que ri desse tipo de gente, para me dizer que também sente um nojinho secreto e silencioso de bundas cabeludas e para sugerir temas para o próximo Ele Disse, Ela Disse: sally@desfavor.com

(Excepcionalmente num domingo.)

DRAMA! CAPÍTULO 14, CENA 1:

Na favela Velha Esperança:

LINDAMÁR: ALEIJADO NÃO CRUZA A PERNA!
PILHA: A DOENÇA É MINHA E EU FICO COMO QUISER!
LINDAMÁR: NEM PRA ISSO VOCÊ PRESTA, DROGADO DE MERDA!
PILHA: QUERO VER ALEIJADO MAIS ALEIJADO DO QUE EU! OLHA!
LINDAMÁR: Que cara é essa?
PILHA: Dããblurghia Uónlebeual…
LINDAMÁR: Paralisia Cerebral?
PILHA: Porra, como é que você entendeu?
LINDAMÁR: Você sempre fala desse jeito quando volta de madrugada da rua.
PILHA: Vem cá, onde é que você arranjou essa cadeira de rodas? É apertada pra caralho!
LINDAMÁR: O Pantera que trouxe.
PILHA: E da onde aquele favelado ia tirar uma?
LINDAMÁR: Olha quem fala! Bom, não sei… Ele disse que conseguiu numa troca. E agora pára quieto que eu vou te colocar essa fralda!
PILHA: Eu não uso fralda desde…
LINDAMÁR: O começo do ano, eu sei. Larga de frescura! E vê se não se caga!
PILHA: A fralda é minha e eu faço o que quiser nela…

Um estrondo vem da direção da rua. Um choro infantil segue-se. Lindamár corre até a janela para ver o que está acontecendo. Uma criança estabacada contra uma poste chora sobre um carrinho de rolemã estraçalhado.

CRIANÇA: Buááááááá!
MULHER: Ai meu Gezuiz! Filho o que aconteceu com você? Cadê sua cadeira?
CRIANÇA: Ele me disse que o carrinho de era mais legal que a minha cadeira de rodas, mãe!
MULHER: Ele quem?

A criança aponta para Pantera, que tentava voltar discretamente para seu barraco.

MULHER: Volta aqui seu monstro!
PANTERA: Ele não me disse que não sabia frear! Foi culpa dele a batida!
MULHER: ELE É UMA CRIANÇA DE DEZ ANOS QUE NÃO MEXE AS PERNAS!
PANTERA: Ninguém mandou deixar na rua, dona! Em casa isso não ia acontecer, tá certo?
MULHER: DEVOLVE A CADEIRA DE RODAS DELE!
PANTERA: Já vendi.
MULHER: Eu vou te MATAR!

Pantera sai correndo com a mulher em seu encalço. A criança continua abraçada ao poste, chorando. De volta ao barraco:

LINDAMÁR: Pilha, hoje a gente sai pela viela nos fundos.

DRAMA! CAPÍTULO 14, CENA 2:

No apartamento dos Somir:

SALLY: Tem uma tia-avó minha no asilo… Ela mal anda.
SOMIR: Ah não, depois é capaz da véia querer ficar…
SALLY: Ela tem Alzheimer, acho que nem percebe que saiu do asilo.
SOMIR: Mas será que velho doente é um bom contrapeso para aleijado?
SALLY: A não ser que você queira ficar aleijado, é nossa melhor opção.
SOMIR: Então liga pro asilo. Será que eles entregam em domicílio?
SALLY: É sangue do meu sangue, seu monstro!
SOMIR: Manda um táxi buscar então?
SALLY: … Deixa que eu vou fazer isso.
SOMIR: Ok. Precisa encher o tanque. Até mais tarde, amor!

Somir senta-se no sofá e liga a televisão. Sally pensa com carinho na possibilidade do táxi, mas resolve buscar a velha pessoalmente.

DRAMA! CAPÍTULO 14, CENA 3:

No andar acima:

HELENA: Caaaaarloooosss…
CARLÃO: Quê?
HELENA: Quero tomar um banho especial. Hoje estou me sentindo sexy…
CARLÃO: Firmeza. Usa a esponja de coração?
HELENA: Não, bobo. Eu quero tomar um banho de banheira beeeem demorado. E eu preciiiiso do meu enfermeiro forte para me ajudar. *olhar sedutor*
CARLÃO: Cumé que você tá com as pernas cruzadas e os braços nessa posição?
HELENA: … A governanta colocou assim pra mim.
CARLÃO: Ha… Haha… *chegando mais perto*
HELENA: O que foi?
CARLÃO: Posso fazer uma coisa com você?
HELENA: O que você quiser… *mordendo o lábio*

DRAMA! CAPÍTULO 14, CENA 4:

Enquanto isso, na comunidade Nova Esperança, Olavo parece estar procurando por alguma coisa:

OLAVO: Pombinha, você viu o livro de História da quinta série?
KELLY: Nem quando eu tava na quinta série…
OLAVO: Maldição!
KELLY: Que nada, tinha um bobinho que fazia meus trabalhos se eu deixasse ele pegar nos meus peitinhos.
OLAVO: Eu me referia ao fato de não encontrar o que procurava, Kelly!
KELLY: Eu também, eu era retinha que só… Não sei o que ele tanto pegava…
OLAVO: Nem todos tem a minha sorte, hehehe.
KELLY: Eu não apostaria tanto nisso…
OLAVO: Hã?
KELLY: Nada! Não é esse livro segurando a mesa de centro?
OLAVO: Como foi parar ali?
KELLY: Sei lá, Olavo! Espera o filme acabar que eu tiro o pé de cima, tá bom?
OLAVO: Sim, pombinha. Mas eu vou precisar dele logo, tenho aulas particulares daqui a uma hora.
KELLY: Se você não fosse um frouxo, eu desconfiaria que você estava me traindo… Onde você dá essas aulas?
OLAVO: Na casa de um senhor muito abastado.
KELLY: Larga de ser preconceituoso, hoje em dia é normal ser gay.
OLAVO: Abastado é sinônimo de rico.
KELLY: Não sei o que é sinônimo, mas você ganhou a minha atenção.
OLAVO: Que bom que você finalmente se interessou pelo meu trabalho!
KELLY: Desembucha!
OLAVO: Eu dou aulas para um enfermeiro que trabalha na casa de um tal de senhor Antunes.
KELLY: Edifício Baumann?
OLAVO: Isso! Peraí… como é que você…
KELLY: Amor, hoje eu vou com você no seu trabalho.

DRAMA! CAPÍTULO 14, CENA 5:

No asilo “Depósito do Amor”, Sally aproxima-se do balcão de atendimento:

SALLY: Oi… Eu vim buscar minha tia-avó. Rosemary Green.
ATENDENTE: Hahaha! Boa! Sério, em que posso te ajudar?
SALLY: Eu vim buscar a minha tia-avó para morar comigo!
ATENDENTE: Olha, se é por causa da promoção do “Vá com Deus”, eu já vou te avisando que eles reaproveitam fraldas geriátricas mais de três vezes.
SALLY: Que horror!
ATENDENTE: Pois é, nossa política de “um é pouco, dois é bom e três é demais” é a melhor do mercado.
SALLY: *expressão de nojo*
ATENDENTE: Por esse preço, queria o quê?
SALLY: Eu quero levar minha tia-avó para morar comigo!
ATENDENTE: No duro?
SALLY: No duro!
ATENDENTE: Uau… Você é uma pessoa incrível. Marcinha! Vem cá!

Várias atendentes, enfermeiras e funcionários em geral vem ver ao vivo a mulher que queria dar uma vida digna perto da família para uma pobre velhinha. O show de elogios infla o ego de Sally, que diz que não está fazendo mais do que sua obrigação.

Chegando ao quarto coletivo onde sua tia-avó está:

ENFERMEIRA: Dona Rosemary?
ROSEMARY: *sotaque carregado* Quem é?
SALLY: Tia! É a Sally, lembra?
ROSEMARY: Quem?
SALLY: *para a enfermeira* É o Alzheimer, né? Ela não se lembra de nada…
ENFERMEIRA: Não, ela não tem isso. É catarata e surdez mesmo.
SALLY: Peraí… Ela não tem Alzheimer?
ENFERMEIRA: Nunca teve.
ROSEMARY: Sally? Sallyta? É você?
SALLY: O-o-oi tia!
ROSEMARY: Que saudade de você, meu amor! Faz quase um ano que ninguém vem me visitar! Dá um abraço na tia… *coff coff*
ENFERMEIRA: Não veio só visitar não! Veio te levar para a casa dela!
ROSEMARY: *lágrimas* Eu sempre soube que você era especial, Sallyta! Sempre soube!
SALLY: *abraçando* Eu não sei se é uma boa idé…

Todos os funcionários presentes começam a bater palmas. Alguns começam a chorar.

SALLY: Bem-vinda de volta, tia! *suspiro*

DRAMA! CAPÍTULO 14, CENA 6:

No apartamento dos Somir, a campainha acaba de soar:

SOMIR: *abrindo a porta* Ah, oi Lindamár!
PILHA: Ughuurt… Nhããã!
SOMIR: E esse aí na cadeira de rodas?
LINDAMÁR: É o meu maridinho, o Pilha. Ele é aleijadinho cerebral, hihihihi…
SOMIR: Estou vendo. Mas… Ele não veio aqui para ajudar a limpeza, não?
PILHA: Iiinho… Anhuuuta…
LINDAMÁR: CALABOCA MONGO!
SOMIR: Calma! Calma! Entrem!
LINDAMÁR: Licencinha.
PILHA: Nhiinhado…
LINDAMÁR: Eu não tinha ninguém para deixar esse peso inútil, então eu resolvi trazer junto. O senhor não se importa, né? Eu já sofro taaaanto com esse fardo na minha vida, essa máquina de se cagar que só me dá desgosto.
PILHA: Nhánhucu!
SOMIR: Ele disse alguma coisa?
PILHA: *acenando que não com a cabeça*
SOMIR: Ele é ensinado?
LINDAMÁR: Foi só um espasmo. *dando um tapa na cabeça de Pilha*
SOMIR: *sorriso maligno* Sabe do que mais, Lindamár? Eu não vou ser egoísta. Pode trazer seu marido todos os dias aqui… Estou comovido!
LINDAMÁR: Mas vai ficar caro trazer ele todos os dias, senhor Somir.
SOMIR: Relaxa, eu te dou um aumento. Você precisa.
LINDAMÁR: E não é que você serviu para alguma coisa, Pilha?
SOMIR: Eu preciso fazer uma ligação, já volto.

DRAMA! CAPÍTULO 14, CENA 7:

Sally está ouvindo uma interminável história sobre sua infância contada por sua tia-avó, no banco traseiro do carro. O telefone toca:

SALLY: Alô?
SOMIR: Sally?
SALLY: Já peguei a minha tia-avó.
SOMIR: Pode devolver a velha, achei um aleijado perfeito!
SALLY: Mas eu já estou trazendo ela pra casa…
SOMIR: Foda-se, ela nem vai lembrar mesmo! Agora eu vou preparar o terreno para nossa armação! Beijo! Tchau! *desligando*
SALLY: Mas… mas…
ROSEMARY: Algum problema, amorzinho?

CONTINUA…

Teje preso, meliante!

Semi-final da Copa Libertadores da América entre Cruzeiro e Grêmio. Quem acompanhava a transmissão pela TV via um jogo como qualquer outro, até que o repórter pede para abrirem o áudio de seu microfone, um jogador estava saindo de campo visivelmente transtornado:

“Ele me chamou de macaco, pô!” – Elicarlos, jogador do Cruzeiro.
“Quem, Elicarlos?” – Repórter
“O Maxi… O Maxi me chamou de macaco!” – Elicarlos.

Com toda a razão, o narrador diz que é lamentável. Após o jogo, a polêmica está instaurada. Um jogador argentino chamara novamente um brasileiro de macaco. A partida termina na delegacia com acusações pesadas sobre preconceito racial. Drama na imprensa, “pessoas de bem” ofendidas por todos os lados.

Desfavor da Semana.

O racismo não é o desfavor da semana. O racismo é um desfavor histórico. Não tenho a menor pretensão de colocar em dúvida a nocividade do racismo na nossa sociedade. Até porque no caso em questão, não foi. (Não acredita? Leia o texto de Sally.)

O jogador do Grêmio pretendia ofender o jogador do Cruzeiro. Assim como 99% dos jogadores de futebol fazem durante a partida. Não precisa ser especialista em leitura de lábios para saber o se costuma dizer dentro das quatro linhas… Às vezes é para descarregar a frustração, às vezes é para provocar, às vezes é por pura sacanagem mesmo. E esses mesmos jogadores que se xingaram a partida toda acabam se abraçando após o apito final.

Um campo de futebol não é lugar para quem se abala com palavras. Nem mesmo uma conversa de amigos no bar é lugar para uma pessoa assim…


Façamos um exercício de imaginação: O repórter pede liberação do aúdio de seu microfone no meio da transmissão do jogo.

Repórter: O que aconteceu, Elicarlos?
Elicarlos: Ele me chamou de viado, pô!
Repórter:
Elicarlos: O Maxi, o Maxi me chamou de viado!

O narrador fica sem saber o que fazer por alguns segundos, o comentarista entra e começa a falar sobre o esquema de jogo de um dos times. Para evitar risadas, ninguém mais toca no assunto até o término da partida.

Elicarlos vai até a delegacia prestar queixa contra Maxi.

Escrivão: Pois não?
Elicarlos: Queria fazer um boletim de ocorrência. Um jogador argentino do time adversário me chamou de viado!
Escrivão: … Sério?
Elicarlos: Sério! Ele não tem esse direito! Estou ofendido!
Escrivão: Ui! Ô delegado, chega aqui… *segurando o riso*
Delegado: Pois não?
Escrivão: O rapaz aí quer fazer um B.O. por ter sido chamado de viado.
Delegado: Hahahahaha! Sério?

Não podendo negar o direito de Elicarlos, a delegacia faz o boletim de ocorrência. A imprensa fica sabendo. Elicarlos vira piada nacional. Vários jornais, rádios e programas de TV criticam e tiram sarro do jogador que ficou “ofendidíssima” por ter sido chamado de viado. Na internet vira hit uma versão funk do depoimento do jogador para o repórter da transmissão ao vivo…

O consenso é que Elicarlos foi um bebê chorão e que isso não é motivo para tanta comoção. Foi apenas um xingamento normal em jogos de futebol e a própria vítima que proporcionou o ambiente para aumentar tudo de proporção. O desfavor faz uma longa postagem dizendo que se Maxi não fosse argentino, Elicarlos jamais teria feito isso. Na maioria dos comentários as pessoas concordam…

Anônimo: Que frescura! Onde já se viu ficar ofendido com uma bobagem dessas? Ele por um acaso é viado mesmo? Pra mim está na cara que ele só queria aparecer e criar confusão para atrapalhar o time adversário!


Mas esse exercício de imaginação não vai nos servir de nada. Maxi disse “macaco” (ou “macaquito”) e essa expressão denota preconceito racial. Pronto! Não é mais xingamento, é racismo! (Leis são para os otários.)

Joguem o argentino safado aos leões! Aqui no nosso país não tem lugar para gente preconceituosa! Todo mundo caprichando na pose para sair bem na foto de uma nação onde não se tolera esse tipo de comportamento. (Quer dizer, não se tiver alguém olhando…)

Quem é que vai ter culhões de chamar Elicarlos de fresco e ser arremessado junto na fogueira das vaidades?

Se realmente era tão ofensivo, por que não reagiu? Por que não xingou a mãe do López de vadia arrombada? Por que não devolveu uma piada de argentino? Por que não enfiou uma porrada nas fuças dele? Eu sei que não é nada civilizado fazer isso, mas tem coisas que se resolve particularmente. Vai ficar entulhando a mesa dos juízes a cada vez que alguém falar algo que você não gostou? A via civilizada deveria ser deixar o otário falando sozinho.

E QUEM ERA MINORIA ALI NO CAMPO? Quantos loiros argentinos tinham no estádio naquele momento? Quantos negros, mulatos e mestiços 100% nacionais compunham a cena geral? Era capaz até dos jogadores do Grêmio enfiarem a porrada no Maxi. A anta argentina queria mesmo é provocar. E conseguiu.

E se não bastasse, ainda está trollando os brasileiros com um papinho ridículo que nem sabia que a expressão existia! Valeu mesmo, Elicarlos, agora todos nós temos que ver um hermano nos sacaneando em entrevistas coletivas! Tremendo desfavor…

Lutar contra o racismo no futebol é uma causa muito nobre. Mas ajuda bastante saber diferenciar um xingamento “catimbeiro” de racismo propriamente dito. Se Elicarlos fosse loiro de olhos azuis, Maxi provavelmente teria ofendido do mesmo jeito, mudando apenas a expressão.

Não existia nem mesmo uma relação de poder que justificasse intimidação. Era só o atacante do outro time sendo um babaca…

Para dizer que é fácil reclamar sendo branquinho, para dizer que eu só estou fazendo média com a argentina ou mesmo que riu imaginando a cena que eu sugeri: somir@desfavor.com


Durante um jogo pela semifinal da Copa Libertadores da América, onde disputavam Grêmio e Cruzeiro, um jogador do Cruzeiro chamado Elicarlos acusou um jogador do Grêmio chamado Maxi Lópes, que é argentino, de racismo. Este não foi o desfavor da semana, o grande desfavor foi uma briga dentro de campo ter virado um grande circo e o jogador do Grêmio ser crucificado.

O desfavor da semana não é nenhuma novidade, já aconteceu antes e é um assunto complicado de se abordar. Por isso, em vez de usar de sensibilidade e eufemismos vou meter logo o dedo na ferida: neguinho (com trocadilho) adora se fazer de vítima. O mesmo aconteceu com o jogador Grafite, e foi aquele escândalo.

A acusação é que o jogador Maxi Lópes teria usado expressões racistas em um bate boca dentro de campo. Pode ser? Pode ser. Mas será que ele nunca foi chamado de “Argentino filho da puta” em campo? Claro que foi. Mas teve vergonha na cara para não se fazer de vítima e sair chorando para o mundo. Todo mundo se xinga dentro de campo, se não pode suportar isso, não jogue futebol.

A discussão se deu porque o jogador Elicarlos cometeu uma falta dura em um jogador do Grêmio, então, Maxi foi tirar satisfações com ele. Elicarlos começou a dar faniquito. Conclusão: ao final do jogo Maxi foi conduzido à delegacia. Em solidariedade seus colegas de time o acompanharam.

Elicarlos está se vitimizando o quanto pode. Sinceramente, será que ele nunca fez um comentário pejorativo contra um argentino em campo? Será que ele é tão coitadinho assim? Será que vale a pena mobilizar o judiciário por uma babaquice dessas?

E como SEMPRE tem alguma pessoa infeliz que se mete a afirmar coisas que desconhece nos comentários, antes que venha uma demonstração de ignorância dizendo “Mas é crime de racismo! É inafiançável! É crime hediondo!”, vou perder algumas linhas explicando. A Lei nº 7.716/89, que regula os crimes de racismo (“resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”), se baseia nos seguintes verbos: impedir, negar, obstar, recusar e similares. Ou seja, é crime de racismo impedir alguém de usar o elevador social em função de cor, raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. É crime de racismo impedir que uma criança seja matriculada em uma escola em função de cor, raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Chamar de macaquito ou o que quer que seja, por pior que seja, não é crime de racismo, inafiançável, hediondo e tudo mais que se queira. É crime de INJURIA (com uma pena bem ridícula), art. 140 § 3º do Código Penal (e nem isso é, porque os ânimos estavam exaltados, mas nem vou entrar nesse mérito). Então, antes de falar, peço aos ignorantes de plantão que se informem antes de começar a falar da lei nos comentários.

Voltando ao tema. É bonito ofender alguém com base em raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional? Não. É feio demais. É horrível. Mas eu faço e você provavelmente também faz. Quem dirá em uma situação de briga, onde você acaba de ver um colega seu ser agredido. Precisa desse escarcéu? Precisa desse escândalo? Precisa ir parar todo mundo em uma delegacia? Puta que pariu, é passar muito atestado de inseguro.

Eu acho uma coisa de pobre essa tara por processar. “Olha que eu te processo, heeeeein?”. Que medo. Um vexame fazer esse tipo de coisa. Alguém já viu um argentino processar porque foi sacaneado quanto a seu país de origem? Eu nunca vi. Mas brasileiro tem esse complexo de vira-lata, que qualquer coisinha, qualquer crítica, já fica todo mordido, já que “percurar os seus direitchos”. Sério, vamos parar de abarrotar o judiciário com essas merdinhas? É tanta coisa sem importância sendo resolvida na justiça: é briga de vizinho, é picuinha de marido e mulher, é briga de futebol, é mulher histérica enchendo o saco de ex com Lei Maria da Penha… Depois dizem que o Judiciário é uma merda porque é muito lento. Ora, parem processar tudo e todos por bobagem!

O Cruzeiro evidentemente está fazendo a coisa render. Eles tem um jogo de volta e querem desestruturar o Grêmio. Coisa de gente que não se garante. O que Elicarlos fez foi o mesmo que uma criança que apanha de um colega e vai correndo contar para o Papai, chorando. E não estou defendendo porque o Maxi é argentino, eu realmente penso assim, tanto é que cansei de ouvir comentários a respeito da minha nacionalidade e similares sem procurar delegacia, na pior das hipóteses, o que faço é dar uma patada de volta e vida que segue (não é de todo ruim, graças a uma dessas nasceu o blog desfavor).

As pessoas tem que parar com essa tara por processar (ou pior, ameaçar processar) os outros! Supostas minorias tem que parar de se fazer de vítima. A sociedade tem que parar de passar a mão na cabeça desse tipo de faniquito. Dá medo ter bom senso e contrariar a histeria punitiva da população hipócrita que clama por justiça mas amanhã suborna o guarda?

Elicarlos foi um cuzão. Um cagão. Correu chorando para que o Tio Delegado o proteja, como se ele nunca tivesse feito nada parecido. Tomara que o Cruzeiro leve uma trolha do Grêmio e, tal qual fizeram com o Grafite, cinqüenta mil torcedores entoem um coro bem elogioso para Elicarlos, nos mesmos termos que a suposta ofensa. Quero ver levar cinqüenta mil para a delegacia depois do jogo! Não fode!

Para me chamar de argentina filha da puta, para dizer que acha que essas coisas se resolvem na mão e para dizer que isso sim que é desfavor da semana e não as eleições no Irã: sally@desfavor.com

I'm dead, i'm dead, uh! Yeah yeah yeah!

Hoje não é dia de Processa Eu. Mas, são 19hs e acabo de ver que foi anunciada a morte de um grande desfavor do mundo pop. Não pude me conter. Provavelmente não vai ter o mesmo nível dos demais, porque foi escrito em uma hora (e em cima da hora), mas mesmo assim, eu não deixaria vocês sem essa… o Processa Eu de hoje é sobre Jicael Mackson.

Nascido em uma família suíça muito humilde e sem qualquer controle de natalidade, Mackson foi o sétimo dos nove filhos. Nasceu negro, eu juro. De pais negros.

Muito se ouve falar do pai de Mackson, que ele teria sido cruel, abusado sexualmente dos filhos, que os deixava trancados em casa o dia inteiro enquanto trabalhava… mas eu acho que o pior veio da mãe. Mamãe decidiu que eles seriam Testemunhas de Jeová e os fazia ir de porta em porta tentando evangelizar os demais. Tudo bem, o próprio pai admitiu que o surrava, que o fazia ensaiar exaustivamente, mas pelo menos não privava seus filhos de receber transfusões de sangue em caso de necessidade.

Papai Mackson trabalhava em uma empresa siderúrgica e era um músico frustrado. Tinha tentado a sorte em diversas bandas furrecas e nunca tinha conseguido nada. Começou a perceber que seus filhos tinham habilidades artísticas e resolveu descontar seu trauma loser-fracassado nas pobres crianças. Começou a ensaiá-los exaustivamente, aplicando punições severas a cada erro. Já dava para ver que Jicael era o mais promissor: era afinado e dançava muito bem. A cobrança era maior em cima dele.

As crianças formaram uma banda chamada Mackson Five e ralaram um bom tempo até o dono de uma gravadora que se dedicava a lançar astros negros decidir investir neles. Em 1969 eles lançam a primeira música de suscesso. E as cobranças em cima de Jicael só aumentam. Em uma entrevista para um documentário, Jicael disse que seu pai era tão cruel com ele, que às vezes vomitava de nervoso quando o via.

Os ensaios eram supervisionados pelo pai com um cinto na mão. Papai Mackson, além de espancar, ainda fazia terror psicológico com seus pimpolhos. Como Jicael esquecia a janela aberta antes de dormir, e isso poderia ser prejudicial para sua voz, Papai resolveu ensinar-lhe uma lição. Escalou a janela, no meio da noite, usando uma máscara e deu um tremendo susto na criança. Jicael contou em um programa famoso de entrevistas que pesadelos envolvendo seu seqüestro por um homem que entra pela janela o atormentaram por anos, e chora quando lembra da sua infância.

A carreira continua. Em 1973 os Macksons Five lançam uma musiquinha simpática chamada Mancing Dachine e Jicael dança imitando um robô durante sua execução. A dança se tornou famosa e começou a ficar claro que ele se destacava muito mais do que os irmãos.

Vou ter que dar um salto no tempo e selecionar sobre o que vou falar, porque não vai caber em quatro páginas nem fodendo. Vamos para 1979, quando Jicael lança seu primeiro disco solo. Foi um sucesso de crítica e ele ganhou um Grammy. Virou o álbum de black music mais vendido da história. Em um único álbum solo ele vendeu mais do que os Macksons Five em onze anos de carreira. Mas mesmo assim, ele “decidiu” continuar cantando com os irmãos (olha o cintoooooo!), o que é comumente chamado “efeito Sandy”.

Também em 1979, em um ensaio, Jicael caiu e quebrou o nariz, que ocupava metade da sua cara. Passou por uma rinoplastia, mas aparentemente não teria resolvido o problema, ele continuava se queixando de dificuldades para respirar. Foi submetido a uma segunda cirurgia – e tomou gosto pela coisa. Anos depois chegou a beirar a total remoção nasal.

Em 1980 ainda estava levando os quatro irmãos parasitas nas costas. Mas, em 1982, quando lançou seu álbum mais famoso, decidiu seguir de vez a carreira solo. Seu álbum “Lhritter” foi o álbum mais vendido da história, com mais de 106 milhões de cópias vendidas pelo mundo. Ficou por 37 semanas em primeiro lugar no ranking dos álbuns mais vendidos da Suíça. Influenciou a música, a moda e a dança mundiais.

Para comemorar os 25 anos da gravadora e divulgar seu disco, foi realizada uma mega-apresentação onde o astro principal era Jicael Mackson. Três mil VIPs lotaram um teatro suíço. Jicael Subiu ao palco e cantou um dos sucessos do disco, “Jillie Ben”. Em determinado momento, ele parou de cantar, foi até o canto esquerdo do palco e voltou deslizando de costas. Nasce assim seu passo mais famoso, o Woonmalk (difícil pra caralho de fazer). Nascia o rei do pop.

Em 1984, Jicael gravava um comercial para uma famosa marca de refrigerantes quando sofreu um acidente. O cabelo de Jicael foi incendiado pelos fogos de artifício. Teve queimaduras de segundo grau no couro cabeludo. Não me perguntem como AQUILO pegou fogo, ele deveria usar gasolina em vez de gel…

Uau! Jicael era mesmo foda, hein? Conseguiu tudo isso!

ERRADO. Tudo bem, o menino era afinado e dançava pra caralho, mas o mérito maior foi de seu empresário, que sabia muito bem o que tinha em mãos e como explorá-lo. O empresário sabia que Jicael era todo errado, todo esquisito e todo prejudicado em função dos abusos cometidos por seu pai, então, impôs uma regra absoluta: Jicael seria misterioso. Não daria entrevistas (a menos que ele autorize e que sejam muito ensaiadas), não falaria de sua vida pessoal e seria o mais discreto possível. Mais: Jicael tinha que andar na rédea curta. Era monitorado o tempo todo, pois se portava como uma criança pronta a fazer merda a qualquer momento. Não podia nem sair de casa sem a autorização do empresário.

O empresário sabia que sua personalidade infantilóide, desestruturada, hipocondríaca e transtornada não eram atraentes. Logo, em vez de um adulto retardado ele criou um astro misterioso, imagem que só ruiu quando Jicael abandonou esse empresário – e ruiu junto com a sua carreira.

Em 1984, Jicael já havia batido todos os recordes de venda e conquistado 94 prêmios por seu álbum “Lhritter”. Ganhou também uma estrela na calçada da fama. Vez por outra um hábito ou comportamento bizarro de Jicael vinha a público (naquela época não havia instrumentos violentos de invasão de privacidade como há hoje, pouca coisa vazava). Como era de vez em quando, ele ganhou apenas fama de “excêntrico” e não de maluco da porra. Andava para cima e para baixo com seus animais de estimação exóticos, o famoso macaco Lubbles e uma cobra (mmmmmmm…) chamada Sumcles.

Também fez muitos trabalhos caridosos. Sua mais bem sucedida campanha foi aquela chatice de música “We are the Word”, sobre um arquivo de textos do Windows. Arrecadou 200 milhões de dólares para combater a fome de um país africano. Ninguém conta que isso era deduzido do imposto de renda, mas tudo bem, fica mais bonito se não contar.

Em 1986 ele lançou outro álbum: “Dab”. Também foi um sucesso. Porém, ele começou a se achar demais e achar que não precisava mais obedecer empresário. Começou a tentar seguir carreira empresarial: comprou os direitos das músicas dos Bhe Teatles, Pelvis e outros. Sem amarras, suas “excentricidades” começaram a pipocar. Por exemplo, ele tentou comprar os ossos e roupas de John Merrick, o “Homem Elefante”, coisa que desmentiria por anos posteriormente, para assumir muito tempo depois. Suas feições também mudaram. Ele dizia que fez apenas duas cirurgias plásticas. Só se foram duas, operado pelo Edward Mãos de Tesoura, a cara do infeliz ficou retalhada e irreconhecível. Sua pele também começou a clarear. Ele alegou que sofria de vitiligo. Mentira da porra, a pele clareou toda por igual?

Pensem em uma criança de cinco anos. Agora pensem em uma criança de cinco anos sem pais que a controlem e com bilhões de dólares para gastar como quiser. Esse era Jicael. Nunca teve liberdade na vida, quando não era monitorado pelo pai, era monitorado pelo empresário. Quando finalmente se viu livre, só fez merda.

Em 1988 se mudou para uma mansão isolada que ele chamou de Levernand. O local parecia uma casa construída por uma criança, tinha parques de diversões, zoológico e outros luxos infantis. Em parte, porque Jicael tinha a idade mental de uma criança, em parte porque Jicael queria de fato atrair criancinhas.

Em 1993 explodiu na imprensa a acusação de que Jicael teria molestado sexualmente um menino de 13 anos. Jicael interrompeu uma turnê no meio e sumiu do mapa. Reapareceu um mês depois, dizendo que teve que se internar para se tratar do vício em analgésicos. Se defendeu dizendo que era “incapaz de causar mal a uma criança”. Questão de ponto de vista, talvez para ele aquilo não fosse “causar mal”, vai saber até onde a cabecinha fodida de um imbecilóide pode ir… O fato é que Jicael pagou uma fortuna e o caso foi encerrado. 15 milhões de dólares, esse foi preço pelo qual os pais venderam o cuzinho do filho para Jicael. Se seu filho tivesse sido abusado sexualmente, você faria um acordo?

O escândalo foi tanto, que modificaram a legislação. Vítimas de abuso sexual não poderiam mais fazer acordo por dinheiro. Acusou? Tem que levar o processo até o fim. Jicael tentava limpar sua fama de pedófilo casando. Casou com a filha do Rei Pelvis, uma mulé macho do caralho (complementariedade, né?) mas não conseguiu enganar ninguém. O casamento durou muito pouco e acabou com a moça pedindo desculpas por envergonhar a família e a memória do pai.

Em 1996, ele se casa com uma enfermeira. Tem dois filhos com ela. Vejam o naipe da mulher: ela assina um contrato abrindo mão de todos os direitos maternos e passando a guarda para Jicael. Ainda disse em um programa de TV que os filhos teriam sido um “presente” dado por ela ao astro. O mais curioso é que os filhos nasceram branquinhos. Minha gente, Jicael é negão na sua essência. Por mais que a mãe fosse transparente, não tinha como nascer criança daquela cor. Só eu que percebi isso?

A essa altura, a gravadora estava putíssima. Jicael estava começando a se tornar uma baita queimação de filme (e de rosca). Começaram a boicotá-lo. Lançaram um álbum, deixaram três meses nas lojas e depois recolheram. Não deixaram ele gravar uma música com outros astros para arrecadar fundos em prol das vítimas do atentado de 11 de setembro. Assim, ele foi sendo colocado, pouco a pouco, na geladeira. Continuava gastando como se não houvesse amanhçã e ganhava cada vez menos. E as plásticas continuavam. A esta altura, sua cara estava irreconhecível. O cabelo então… parecia a Mloria Garia!

Em 2002 fez mais um filho branquinho com uma mãe “anônima” (fodeu com uma garrafa de água sanitária?). Em meio a uma turnê, os fãs pediram para ver seu filho e ele simplesmente pegou o bebê e o sacudiu do lado de fora de uma janela no hotel onde estava hospedado. Detalhe, o bebê estava com um pano na cara. Sem noção mandou lembranças. Uma criança não pode cuidar de outra criança.

Mais um tempinho de geladeira e discos meia-bomba. Mais uma plástica para ficar com cara de boneco de cera. Foi então que Jicael foi acusado de pedofilia MAIS UMA VEZ. Para limpar sua barra, já que não podia mais comprar o silêncio (e o cu) da vítima, resolveu participar de um documentário para uma famosa rede de TV britânica. Em vez de se limpar, se sujou mais ainda, dizendo que ele dividia a cama com crianças meeeeerrrmo e que não tinha problema nenhum com isso. O jornalista que conduzia o documentário ficou putíssimo, o confrontou, questionou e o grau de absurdo das respostas só piorava. O jornalista resolveu usar o documentário como denúncia contra o maluco da porra lunático e pedófilo Jical Mackson.

O julgamento durou cinco meses e foi permeado por escândalos. Por ordem judicial reviraram a residência de Jicael, onde acharam coisas muito, muito, muito bizarras que dariam mais dez páginas (já estou na quinta, fudeu). Por exemplo, um quarto onde as paredes eram completamente cobertas por fotos de bebês e crianças. No final, foi absolvido por falta de provas. Um ator foi à imprensa dizer que quando ele era criança frequentava a casa de Jicael e ele teria dito e feito coisas muito inapropriadas.

No fim das contas, resumindo muito e cortando pôdres, Jicael acabou solitário, marginalizado e endividado. Mas branco, isso sempre! Mais branquinho que um copo de leite. De vez em quando era visto circulando com máscaras cirúrgicas e com seus filhos igualmente alvos, com cobertores na cara. Ninguém se importava mais com ele. Sua saúde parecia ruim, ele estava emagrecendo e havia boatos de uma série de doenças, inclusive câncer.

Recentemente, as dívidas apertaram. Estima-se que ultrapassaram os 30 mil dólares. Teve que se desfazer de seus bens. Foi quando uma proposta tentadora surgiu: lançar um novo disco avassalador e fazer uma mega-turnê, surgindo das cinzas. Jicael precisava do dinheiro e aceitou, mesmo depois de dizer em entrevistas anteriores que não tinha mais vontade de se desgastar em longas turnês.

A questão é, Jicael, com cinquenta aninhos nos cornos, teria como suportar um ritmo puxado de turnês? As promissórias foram batendo. As ameaças de penhora e a pobreza morderam seu calcanhar. Ele aceitou. Foi montada uma equipe fuderosa para alavancar essa turnê. Como preparador físico, escolheram o ator que estrelou a série Hulk na década de 70. Estava se submetendo a treinamentos muito pesados, quando hoje, 25 de junho de 2009, teve uma parada cardíaca em sua casa (ou assim o foi divulgado). Chegou MORTO ao hospital, que o colocou em máquinas e disse que ele estava “em coma”, para dar tempo da família chegar e anunciar a morte primeiro aos parentes. No final do dia, anunciaram que estava morto.

Claro que tudo isso que eu escrevi vai ser esquecido. Quando a pesso morre, vira herói, vira mártir. As informações ruins vão sumindo e todo mundo lembra das coisas boas. Não aqui, no desfavor, não aqui, no Processa Eu. Você pode sentir até uma ponta de pena de Jicael, mas sinceramente? Muitas pessoas que eu conheço tiveram uma infância difícil e nem por isso se tornaram pedófilas escrotas imbecilóides, e olha que nem ao menos tiveram dinheiro para compensar isso. Jicael era um demente, um irresponsável, um mentiroso e um racista.

Primeira coisa que eu quero ver agora: faz um DNA naquela três crianças branquinhas. Quero só ver se são filhos dele. Porra nenhuma! O bostão ainda me morre POBRE, endividado e deixa dívidas para os filhos. Não acho justo fazer crianças tão brancas pagarem por dívidas de um pai que visivelmente não poderia ser seu pai. E NINGUÉM TOCA NO ASSUNTO, CARALHO! Só porque ele era negro! Se fosse um alemão criando um filho japonês todo mundo ia falar!

O filho duma puta mal lavada ainda me morre sob suspeita de ter se excedido nos exercícios, o que vai dar margem para que uma horda de flácidos sedentários falem mal de ginástica e condicionamento físico. Manucuviado!

Galera, estou no meio da sexta página. Paro por aqui. Jicael Mackson já foi tarde. Verme imundo que só fazia peso no mundo! Deixem para sentir pena de quem não abusa sexualmente de crianças, de quem não sacode filho pela janela e de quem rala de verdade para sobreviver.

Para me dizer que caluniar mortos é crime, para me dizer que apesar de tudo você gostava de Jicael mesmo sem saber explicar muito bem o porquê e por me agradecer por sentar a bunda e fazer um Processa Eu Edição Extraordinária duas horas após a morte desse desfavor: sally@desfavor.com

Sally, respondendo antecipadamente seus comentários: Sim, é tudo Enveja.

Olá, caros desfavores. Cá estou eu novamente falando sobre um fórum. Se da última vez eu falei de um abertamente homossexual, o dos furries, desta vez falarei sobre um que embora não o seja oficialmente, dá uma bandeeeeeeira

ROID RAGE!

Fisiculturismo Brasil é um fórum sobre… fisiculturismo. A arte de ficar musculoso para o deleite de pessoas do mesmo sexo. Não percamos tempo, vamos definir o assunto e começar a hipertrofia de desfavores!

O FÓRUM:

Proposta: “Isso, gostosão!”

Uma pessoa com um mínimo de bom-senso não tiraria sarro de homens cuja circunferência do braço é maior que a de sua perna… Mas para o deleite do público, eu não sou conhecido pelo meu senso de auto-preservação. O Fisiculturismo Brasil é um grande ponto de encontro de (milhares de) homens e (duas) mulheres que tem uma coisa em comum: O desejo de ficarem mais atraentes para o sexo masculino.

Dentre chiliques depressivos, perguntas sobre espinhas, comentários sobre mudanças completas de aparência em questão de poucas semanas, fornecedores de suplementos que não passam pela alfândega e discussões sobre saúde eqüina, uma coisa todos tem em comum: São contra os anabolizantes.

O fórum aprova o trabalho duro e cheio de veias saltitantes.

Auto proclamado “O maior fórum de fisiculturismo do Brasil”, não há o que se discutir: São mais de 65 mil cadastrados. O que faz sentido considerando que a palavra “fisiculturismo” está na URL da página, qualquer outro termo e os usuários jamais teriam o achado. Mesmo assim é um número impressionante de aspirantes a Miss…ter Universo na nossa querida e desfavorável internet. Imagino que os homens da sua própria academia acabam perdendo aquele encanto depois de um tempo.

O Fisiculturismo Brasil é um espaço de troca. O povo troca, troca… Informações, sugestões, experiências e principalmente fotos com pouca roupa. Eu sofri para analisar, mas imagino que as nossas leitoras vão encontrar algum mérito nesse fórum.

Para evitar mais repetições e esforço, sigo logo para a próxima parte…

O PÚBLICO:

De cada 10 membros, 11 são homens, 12 são cariocas, 13 postam fotos seminus, 14 não entendem o conceito de parágrafos e 15 comem mais ovos em um dia do que você vai comer em um ano. Se você acha que essas estatísticas não cheiram bem, fique longe de pessoas que passam muito tempo fazendo força em locais fechados.

É óbvio que em qualquer lugar com tanta gente reunida, teremos uma quantidade avassaladoras de idiotas sem capacidade de se expressar. Mas o Fisiculturismo Brasil tem algumas peculiaridades. Até mesmo o mais mongo dos mongos de lá consegue escrever sem maiores problemas nomes de músculos que nem mesmo alguns médicos imaginam existir. Mesmo após escrever “voçê” na mesma frase.

De uma certa forma, não deixa de ser auto-conhecimento.

Coloque dois fisiculturistas numa mesma sala e eles viram melhores amigos, adicione mais um e dois vão se juntar para falar mal do terceiro. O povo de lá parece ser bem unido, camaradagem das mais saudáveis, até que o assunto proibido vem à tona: Anabolizantes.

Sabe quando uma mulher solta comentários “venenosos” sobre outra desmerecendo sua forma física? Pois então, percebe-se claramente em alguns tópicos o revirar de olhos irônico de alguns brutamontes ao dizer que a forma física do colega em questão não parece natural.

Mas não se pode negar a quantidade avassaladora de testosterona que emana das postagens. (E das seringas…) A figura masculina está em voga a todo instante. Gordura corporal é tratada como crime inafiançável. Nada contra preferir uma figura mais “saudável”, é natural. Mas… Não parece muito másculo para mim ficar criticando outros homens com base na sua barriguinha saliente. Aliás, não parece muito másculo sequer pedir opiniões sobre isso para outros homens…

Mas o fórum não é só crítica. Frases de efeito e incentivo despertam a máquina em você. Naquela típica auto-confiança furiosa de instrutores de musculação, todo mundo se torna capaz de virar uma pessoa melhor. Ah sim, uma pessoa melhor é uma pessoa com mais músculos. Peculiaridades do público em questão…

“Eu não consigo definir meu abdômen… Peso 379 quilos.”

“VOCÊ CONSEGUE!”

“E sou tetraplégico, estou postando com a boca.”

“CHEGA DE DESCULPAS, VOCÊ QUER PASSAR A VIDA TODA COMO UM PERDEDOR?”

*começa a tocar “Eye of the Tiger”*

Nós, seres inferiores que ainda não vimos a luz, temos de nos contentar com a próxima parte deste “Deleta Eu!” enquanto ainda conseguimos encostar nossos pulsos.

TÓPICOS (COMENTADOS):

O fórum está bem dividido. Muita estupidez, propagandas e comentários homo-eróticos, cada um em seu devido lugar. Como fica difícil achar alguma postagem com mais substância (legal), mencionarei e comentarei várias.


ENJOEI DE MUSCULAÇÃO (CAIXA ALTA! ESTOU BERRANDO, PORRA!)

NA VERDADE ENJOEI DE TODAS AS ATIVIDADES FÍSICAS. (POSTOU COM O PODER DA MENTE? CONTINUO BERRANDO!)
SEI QUE VOU FICAR COM A MUSCULATURA CAÍDA (É QUE NEM ESPINHELA CAÍDA? BERRANDO!!!) E BARRIGUDO (HOMEM = BARRIGA. BERRANDOOOO!) POIS TENHO TENDENCIA (TAMBÉM ACHO, MÓ TENDÊNCIA, AÍ… AAAAAHHHH!) MAS É QUE NADA ANDA DANDO CERTO PARA MIM QUE ESTOU SOFRENDO DE DEPRESSÃO (FODA ESSES HORMÔNIOS DE CAVALO, NÉ? ESTOU FICANDO ROUCO JÁ…), NADA TEM GRAÇA (MAS QUEM MALHA É 100% FELIZ O TEMPO TODO! TÁ MALUCO???), CASAMENTO FALIDO NEM COM MINHA FILHINHA TENHO PRAZER EM ESTAR. (FORÇA PRA VOCÊ, MERMÃO!)
ESSE É UM DESABAFO (AINDA BEM QUE VOCÊ AVISOU, MAS NÃO PRECISAVA BERRAR!), DESCULPEM POR POSTAR ESSA BOSTA DE MENSAGEM. (FINALMENTE! FINALMENTE ALGUÉM ASSUME ISSO AQUI NO DELETA EU! OBRIGADO!)


Postectomia! o pós operatorio ta um inferno! (O que é postectomia? Bom, vamos lá…)

Vamos lá, vou descrever o q estou passando. (Postectomia é a remoção do poste?)
O meu urologista era conhecido e de extrema confiança. (Urologista? Lá vem…)
Durante a cirurgia a tensão foi foda! (Espero que o “n” de tensão não tenha sido uma typo…)
Não senti nenhuma dor durante (Só no comecinho?) a não ser as malditas agulhadas da anestesia, tomei 15 picadas (*segurando o riso*) ao todo, mas até a sexta picada foi foda (*fazendo mais força do que um halterofilista para não rir*), depois anestesiou tudo, a sexta picada foi no freio do cacete. (HAHAHAHAHAHAHA!)

Voltei para casa no mesmo dia depois de ficar algumas horas em observação. (Precisava contar isso num fórum de fisiculturismo?)
O pênis completamente enfaixado só com o lugarzinho para urinar. (Não precisava, né?)
Em casa começa o sofrimento. (Até tem mais, mas eu vou poupá-los… O nosso sofrimento termina aqui…)


ajuda por favor (Opa!)

oi pessoal me ajudem (Eu disse: Opa!),eu malho ja faz um pouco mais de um ano em casa por que nao posso ir a academia mas tenho duas marombas (Hã?) em casa e ja tonifiquei meus biceps triceps ante braço coxa. (Cacete, se você falasse como escreve, morreria por falta de ar…)

mas falta as minhas pernas as panturrilhas (As pernas dele são as panturrilhas?) ,me digam qual o melhor exercicio para deichar (Acerta “bíceps”, “tríceps” e erra “deixar”. Não disse?) elas bem grossas emusculosas (O que seria “emusculoso”?) ,obs.não tenho nenhum aparelo em casa (Ok.) exceto duas (Hã? Ou tem ou não tem!) um bastao de ferro (Algo me diz que o banheiro deve estar com um vazamento agora.) e duas marombas (Hã? Próximo!)


EvoPro – proteína do leite materno (Leite materno? O que diabos tem de errado com vocês, marombeiros?)

Informações – Evopro:
Evopro possui em sua fórmula as mesmas proteínas utilizadas em Muscle Milk (Leite de Músculo?) (o primeiro produto do mercado que usa a fórmula do melhor alimento com efeito anabólico produzido pela natureza: o leite materno), (Mães, cuidado! Vocês anabolizam seus bebês! Eu não vou mais comentar isso… Próximo!)


ENQUANTO ISSO, NA SEÇÃO DE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (VÁRIOS TÓPICOS):

“Meu peito ta desproporcional? sinto que ele eh mto pequeno em relacao ao resto :S” (Relaxa, quando chegar a puberdade e você virar moci… Peraí… é homem?)

“Olá a todos os menbros (“Semsacional!”) estou chegando para aprender e tbm ajudar os marombas e estou onrado (“horgulhoso” também?) por fazer parte deste forum. Eu usei muito esse forum em minhas pesquisas e senpre (Antônimo de “numca”.) encontrei artigos de ótima qualidade!!!” (A primeira resposta do tópico pediu algumas fotos dele. Óbvio que era um homem.)

“Chega a dar dó, falar que eu tomo bomba é fácil … (Olha a Enveja aí!)
quero ver é ser eu (Hahahahahaha! Foi um homem que escreveu isso.), treinar como eu ,se alimentar e se dedicar como eu! (Hahahahhahaha…)
tudo isso é recalque pq você treina a 10 anos e tem esse corpo ridiculo? (Humilha ele, BEE!)
Um usuario “expert” como você que está a tanto tempo no forum , soltar comentarios como esse tsc tsc tsc só lamento “ (Sério… imaginem um homem dizendo isso…)

“curti heim!
parece ta maior doq as medidas” (Resposta dada depois de ver a foto de um membro… Do fórum!)


DELETA EU?

Pela primeira vez tenho que dizer isso… NÃO DELETA!
Trolls do desfavorum, vocês estão pensando no que eu estou pensando?

Para me perguntar se eu estou com raiva por não ser bombado, para dizer que gostaria de ir no meu inevitável funeral depois que a Sally vir o que eu escrevi ou mesmo para pedir uma foto do meu pânceps definido: somir@desfavor.com