¡AY QUE RICO!

Agora que Madame está de férias, posso escrever meus textos de mulézinha sem ele me chamando de medíocre para baixo.

O assunto que venho tratar hoje é desagradável. Já passei por situações como essas mais de uma vez na minha vida, evidente, por culpa da minha própria imbecilidade – e não aprendi com os meus erros. Talvez muitas de vocês tenham discernimento e maturidade para não fazer esse tipo de bosta. Nesse caso, passem amanhã, porque vão achar o texto idiota.

Ficar com alguém pensando em outra pessoa. Entendeu? Quando você está completamente apaixonada por uma pessoa com a qual, seja lá por que motivo for, não tem condições de ficar com você naquele momento (não vale nada e só te faz sofrer, tem outra relação, está distante, etc). É aquela situação onde você tem muito claro na sua cabeça quem é a razão do seu afeto, entretanto, sabe que não pode ou que é melhor não tê-lo ao seu lado.

Pessoas racionais procuram manter outros relacionamentos paralelos com parcimônia e maturidade, e, caso não consigam, não se relacionam com ninguém até a poeira abaixar. Pessoas descompensadas da cabeça pagam paixão até a exaustão, até que tem um rompante de “Chega! Isso está me consumindo! Preciso ficar com alguém para parar com esse TOC” e se colocam nesta tenebrosa situação de se forçar a ficar com alguém pensando em outro.

É injusto com todo mundo, inclusive com o Zé Ruela que vai ser usado para tentar esquecer o outro Zé Ruela. Já me aconteceu de ficar com homens que eu achava absurdamente atraentes nestas condições e acabar pegando um nojinho absurdo deles. Mas… porque falar assim, por alto, se eu posso contar detalhes sórdidos da minha danação para vocês?

Quando acontece uma porra dessas comigo, costuma se dar da seguinte forma: Zé Ruela atraente assediando e eu resistindo, porque afinal, gosto de outra pessoa. Um belo dia, por razões que a razão desconhece, me dá um revertério mental e me sinto compelida a tomar uma atitude. Daí fico repetindo frases babacas para as minhas amigas, frases como “Chega! Não agüento mais viver assim! Tá na hora de sair, de conhecer gente, de dar uma chance para mais alguém!” ou ainda “Eu preciso ficar com outra pessoa, para ver se tiro ele da minha cabeça!”.

Eu sei que dá merda. Eu sei que vai ser ruim. Mas eu vou e faço mesmo assim, afinal “vai que dessa vez dá certo?”. Daí, no meio do surto de revolta por estar gostando tanto de alguém que não está comigo, eu começo a retribuir o flerte do Zé Ruela Estepe, assim, de uma hora para outra. Ele, que antes estava apenas Under my Umbrella, vira a bola da vez. Você também faz isso, leitora? Ou eu sou a única demente aqui?

Daí lá vamos nós sair com o Zé Estepe. Como dizem nossos cultos leitores, a LEI DE SMURF (wat) impera. Sempre que você sai com o Zé Estepe, o Zé Oficial liga, manda mensagem ou se faz presente de alguma forma, mesmo que seja através de uma música que toca no rádio do carro. Daí começa a bater aquela depressão, aquela saudade e aquele arrependimento mortal de estar ali. Mas já é tarde, agora você tem que ser educada e sorrir. Você começa a contar o tempo mentalmente para o final daquele encontro, tipo criança em viagem que fica perguntando “falta muito?”.

Eu, que sou particularmente surtada, quando sou beijada pelo Zé Estepe, começo a sentir uma vontade de gritar o nome do Zé Oficial. Mais alguém sente isso? Acho que não. Também sinto uma vontade quase que incontrolável de sair correndo, tipo, abrir a porta do carro e correr, correr, correr, até chegar onde está o Zé Oficial. Tudo isso se passa na minha cabeça e é impressionante como os Zé Estepe nunca percebem. Lá estou eu sorrindo, com uma cara normal, pensando em sair correndo.

Daí você está lá, no meio do encontro, no barzinho, no cinema, no restaurante ou onde for, e enquanto o Zé Estepe fala, tentando te impressionar, e você só pensa no Zé Oficial. Minto. Você também pensa “O que *&¨%$#@! eu estou fazendo aqui!” Daí vem a vontade de chorar. Às vezes meu olho até se enche de lágrimas. Mas você é forte, você sorri e faz sinal afirmativo com a cabeça enquanto o Zé Estepe fala, como se estivesse muito interessada. O Zé Estepe pode estar lá pedindo seu cuzinho que você sorri, meiga, com o pescoço tombado para o ladinho, fazendo sinal afirmativo com a cabeça, com o pensamento sem parar no Zé Oficial.

E quanto mais o Zé Estepe tentar contato físico com você (beijos, amassos, agarrões e cia) maior será o nojinho que começa a bater. E quando o nojinho vem, é como menstruação no dia que você saiu de casa de branco. Você pensa “não, isso não pode estar acontecendo comigo AGORA, é só impressão… não… não… nã… PUTA QUE PARIU, está acontecendo, se eu ficar bem quieta ninguém vai perceber, não posso me mexer” – mas as pessoas acabam percebendo, em ambos os casos.

Quando o nojinho começa a aflorar, depois dessa primeira fase de negação e auto-esculhambação do tipo “Puta merda, o cara é bonito, é legal, é inteligente… qual é o meu problema? COMO PODE eu não estar atraída por esse homem? Eu sou uma mula!”, começa a bater o desespero. Você pensa nas horas que ainda vai ter que passar com o Zé Estepe e começa a mentalizar qual será a desculpa menos vergonhosa para fazer esse encontro acabar mais cedo.

Minhas favoritas são: algum problema de saúde, tipo uma dor ou algum outro sintoma, um telefonema fictício me chamando para alguma emergência ou ainda uma falsa obrigação de acordar cedo no dia seguinte. E nasce toda uma atriz em mim. Procuro dar a maior veracidade possível á minha interpretação, apesar de que, nem precisaria, homem não saber ver o desespero nos olhos de uma mulher, homem não sabe ver sinais claros de rejeição.

Se o Zé Estepe resistir a esta retirada precoce – e geralmente eles resistem, porque vem batalhando faz tempo e tomando um monte de “não” – pode ficar complicado se retirar. É preciso ceder terreno e continuar mais um pouco naquele inferno na terra, sempre sorrindo, com o pescoço de ladinho, fazendo um “uhhumm” de vez em quando, fingindo concordar, torcendo para que neste momento ele não esteja pedindo seu cuzinho. Negar cuzinho depois que concordou em dar é missão impossível.

Quando finalmente você consegue se livrar do Zé Estepe e fazer ele te deixar em casa, vem aquele pior momento de todos: a agarrada final. Seja no carro, a pé, na porta de casa… enfim, depois do programa o Zé Estepe quer sua contraprestação e essa é a hora em que ele cobra. Daí vem as mais diversas desculpas para não fazer nada de cunho sexual, que vão desde um simples “não, acho que ainda é muito cedo” até o risco máximo na tabela Sally: “Eu queria muito, mas estou menstruada”, porque vai que o cara topa? Além de dar para quem não quer, ainda paga de mentirosa se não estiver menstruada. A Treva. Mas tem gente que usa, só para o Zé Estepe não ficar enchendo o saco e insistindo.

Você dá uns amassos no Zé Estepe, só para constar, em um misto de pena e obrigação social, se jurando que nunca mais faz isso na vida. Daí o Zé Estepe vem com aquele papo de deixar marcada a saída para o dia seguinte, ou quer trocar contatos, ou quer fazer alguma coisa que prenda ele a você. Você só consegue pensar em como nunca mais quer sair com ele na vida e passa seu telefone, sorrindo, porque também não quer magoá-lo. Ele anota, todo pimpão, crente crente que você está caidinha por ele. Fazer o que? Eu não tenho sangue frio o bastante para dizer “Olha, te achei muito bacana, mas não vamos sair uma segunda vez não”.

Daí você entra na sua casa louca para ligar para o Zé Oficial e dizer o quanto gosta dele, o quanto sente falta dele e o quanto queria ficar com ele. Mas não faz, porque ta tarde pra caralho e isso seria um atestado de maluca. Não que você não seja, porque se você, como eu, faz essas coisas, você é doida varrida, mas ele não precisa saber disso. Não tão cedo. Se a saudade for muita, é possível uma crise de choro. Normal. Norrrrmaaaal.

Enquanto você amarga sua ressaca moral e pensa que deve se odiar muito para se obrigar a fazer esse tipo de coisa, chega uma mensagem no seu celular. É o Zé Estepe, dizendo que adorou sair com você, mandando um beijo de boa noite ou algo do tipo. Você sente um arrepio. Você queria que fosse uma mensagem do Zé Oficial. Mas não é.

Nessa hora, às vezes surge um dilema. Se o Zé Estepe te tratou muito bem, dá aquele peso na consciência, aquela sensação de “quem sabe se eu der mais uma chance a ele…”. Sabe aquele discurso antigo de que “o amor vem”? Não sei para vocês, mas para mim o amor NÃO VEM quando eu me forço a sair com alguém pensando em outra pessoa. O que vem são o nojinho, a aversão e o desespero. No meu caso, é pior ainda, porque como eu não bebo, tenho que passar pelo encontro todo plenamente consciente e sóbria. Visão do inferno.

O fato é que em algum momento pode dar uma pena em jogar fora uma pessoa legal que está interessada em você. Jogue. Jogue porque é sacanagem sair com alguém estando nessas condições. Dificilmente sai alguma coisa boa de um encontro forçado. Um segundo encontro forçado vai ser ainda mais ruim do que um primeiro.

Além disso, parece que rejeição é afrodisíaco para homem. Quanto mais cagando e andando a gente está internamente, mais eles parecem se interessar e se apaixonar! Sério, acho que mulher deve exalar algum hormônio da rejeição que desperta o interesse de um homem! Se você continuar saindo com o Zé Estepe pensando no Zé Oficial, o Zé Estepe vai acabar perdidamente apaixonado por você.

Dito isto, temos outro problema: como dar um fora no Zé Estepe sem magoar. Dizer a verdade magoaria, além de causar uma certa putez: se estávamos com outro na cabeça, porque merda aceitamos sair com eles? Zé Estepe, a gente aceita porque está tentando esquecer esse outro. A gente aceita porque a gente tem a esperança de que ficar com você seja algo tão maravilhoso, praticamente mágico, que vá diminuir um pouco a dor de não estar do lado da pessoa que gostamos. A gente aceita porque está se sentindo sozinha. A gente aceita porque tem a esperança fantasiosa de conseguir transferir para você todos os sentimentos que tem pelo outro. Não fique com raiva da gente, Zé estepe. Não é por mal.

Na maior parte das vezes, a gente acaba mandando um fora genérico daqueles manjados: “estou confusa” ou “estou num momento ruim” ou pior ainda “não quero me envolver com ninguém agora”. Vergonhoso. Muito vergonhoso. Essa mania que mulher tem de querer ser salva. Cabe a nós lidar com os nossos sentimentos, esquecer o Zé Oficial e só depois começar a pensar em se envolver com alguém. Mas na prática isso é muito difícil. Quem nunca ficou com um pensando em outro em um momento de desespero?

Para pedir que o Somir volte e me faça postar Desfavor Explica ou Flertando com o Desastre, para dizer que você é doida varrida que nem eu e gostou do texto e para dizer que acabou de perceber que já foi Zé Estepe de uma mulher: sally@desfavor.com

¡RIQUISSIMAS!

RUBIA: Lola, no tinhamos que usar uma ilustración sobre o tema?
LOLA: Somos mucho más hermosas.
RUBIA: Verdade.

¡HOLA! Aqui quem habla é Lola, nosso amado Señor Somir saiu em suas merecidas vacaciones de fim de año e nos deixou em seu lugar aqui en el disfavor! Sí, NOS deixou. No estou sozinha aqui, no… Minha hermana linda, maravilhosa, perfecta e caliente, Rubia (que também é minha gêmea) também vai postar comigo! Cierto, Rubia?

¡HOLA! Rubia aqui! Minha querida hermana, precisamos avisar nossos leitores que temos un pequeno problemita com la língua portuguesa. Creo que quase ninguém perceberá, mas já evitamos problemas, no?

SÍ! Nosotras fomos alfabetizadas metade em castellano numa escola paraguaya e metade em português semana passada por Señor Somir (Santo hombre, cobró em troca apenas um contrato de trabalho escravo vitalício!). Rubia, vamos hablar do tema de hoje! Lembre-se que a introdución tem que ser imparcial, sí?

SÍ! Hoje hablamos sobre homens (muy malignos) que batem em suas namoradas e as abandonam completamente por causa da pornografia. Sally habla em defesa desses monstros porque odea las mujeres e tem enveja de nosotras.

Verdade, mas creo que isto no está mucho imparcial, hermana. Deixa-me tentar…

Tema de hoje: Homem que vê pornografia está desrespeitando a namorada?

Estamos muy felizes de poder postar aqui no blog, no começo ficamos com vergoña, mas después Señor Somir disse-nos que somos tão inteligentes quanto la média dos leitores! Vamo-nos agora responder la pergunta do tema de hoje, sí?

POR SUPUESTO que é desrespeito que um homem veja pornografia se tem uma namorada! Achamos un absurdo que tenhamos que hablar sobre isso, um homem que AMA sua mujer sequer olha para los lados. Esto és amor verdadero! Mujeres fracas como esta tal de Sally acham bonito que seus homens fiquem desejando e queriendo comer otras, pero nosotras somos mujeres poderosas!

¡AY QUE RICO! PODER PARA LAS MUJERES!

Homens, que são todos palhaços, nón são capazes de ver um culito que já saem babando e querendo te trair, estoy mentindo, hermana?

NO! Homens fazem isso miesmo! Lembro-me de meu… trixésimo quinto namorado… acho que foi isso… aquele que eu achei que ia casar até, lembra-te?

SÍ! Você até começou a furar los condones dele para ver se ficava embaraçada logo e conseguia evitar que ele te deixasse. Amor verdadero!

SÍ! El monstro terminou tudo comigo na mesma noche que eu descobri as revistas de mujeres desnudas embaixo de sua cama fuçando nas coisas dele para achar los condones escondidos! Culpa da pornografia!

SÍ! Se ele te amasse de verdade no trairia sua confiança vendo otras mujeres desnudas numa revista! Um homem fiel só pensa em sua mujer! E nosotras, tontas, ainda deixávamos ele masturbar-se se pensasse em mim!

Em ti?

… Você deve ter ouvido errado, hermana. Vamos continuar, sí?

SÍ! Se você mujer não se respeitar, os homens não vão te respeitar. Você tem que ser fuerte! Seu homem tem que saber que você não vai aceitar amor meia-boca! Tem que ter entriega total! Como você espera que um homem te ame se ele no pensa solo em você? Traição acontece dentro de la cabeza também!

SÍ! E no consigo entender qual a graça que eles enxeregam em la pornografia… Se eles tem uma namorada como nosotras, caliente e disponível para ficar embaraçada qualquer hora de lo dia, por que no fazer sexo de verdade? E todas las mujeres que aparecem em filmes pornográficos parecem putas siliconadas!

Nem todas, hermana.

Combinamos que isso ficaria enterrado em nuestro passado.

SÍ! Se os homens apenas vissem los vídeos pornográficos eu apenas beliscaria, choraria e gritaria com eles como faço com os que olham para outras na rua, pero eles fazem isso masturbando-se escondidos de nuestras vistas! Eles tem orgasmos longe de suas namoradas… vendo otras mujeres! OTRAS MUJERES!

Nem sempre, hermana.

Até hoje fico triste de ter achado aqueles vídeos no computador de Arnaldinho… era um rapaz tán bem vestido, tán gracioso quando bailava… Ele me trocou por su personal trainer, aquele gigante musculoso que vivia me dando foras. Novamente, culpa de la pornografia!

SÍ! Se você é uma mujer poderosa e segura, nón deixe seu namorado sequer olhar para o lado, senão ele vai te largar por causa de la pornografia! Grude nele e nón deixe ele perceber que existem otras opciones no mundo.

SÍ! Se proibirmos nossos homens de ver la pornografia eles ván ficar fiéis e nunca vão nos trocar por otras! Nosotras somos mujeres poderosas! Superiores aos homens em todos los aspectos!

SÍ! PODER FEMININO! Controle a miente de seu namorado! Tire várias fotos suas desnudas e mande para ele caso ele queira mesmo gozar e você nón estiver em su período fértil! Ele só pode pensar em você!

SÍ! E mujeres como Sally só dizem que acham tudo natural porque são capachos de los homens! JAJAJAJAJAJAJAJAJA!

Para pedir fotos de nosotras, mande su extrato bancário más recente para vermos se és um homem de caráter, inteligente e bonito. Fotos desnudas só despues do terceiro e-mail, no somos vadias!

SÍ! Mande los e-mails para lolayrubia@desfavor.com

BESOS!


Existem graus e graus de utilização de pornografia na vida de uma pessoa. Se um namorado meu utiliza de forma subsidiária, de forma secundária, de forma complementar, não vejo problema algum. O problema reside quando a pessoa faz da pornografia sua fonte primeira de prazer sexual, deixando sua mulher em segundo plano. Acredito que a maior parte dos homens utilize pornografia como forma secundária, e é com esta hipótese que vou trabalhar.

Pornografia, para fins deste texto, são imagens de mulheres que ele nunca vai conhecer na vida. Ficar manjando aquela vizinha gostosa pela janela enquanto ela troca de roupa é motivo para tiro na testa do filho da puta. Qual é a diferença? A pornografia não tem a menor intenção de se tornar real, é apenas uma fantasia. Se pode se tornar concreto, real, na minha humilde opinião, passa a ser traição.

Não sei o que as mal comidas (que não gostam de mim, diga-se de passagem) vão argumentar, mas já adianto que a cabecinha delas vive fora da realidade. Pornografia você vai achar em qualquer computador de homem. É com um álbum de figurinhas para adultos. É saudável. Homem gosta de colecionar ou de ver pornografia. Natural, eles são criaturas visuais. Não há nada de traição nisso.

O que incomoda esse tipo de mulher histérica é a idéia de que o homem possa, por um segundo de sua vida, sentir atração sexual e pensar em outra mulher. Pois adivinhem só! Isso acontece o tempo todo, independente de pornografia: com a secretária, com a estagiária e quem sabe até com a namorada do amigo. Gente, o pensamento é livre! E ainda bem que o é.

Fantasias são apenas isso: fantasias. Muito boba, eu diria até infantil, a mulher que pensa que seu homem tem apenas fantasias com ela, que se masturba pensando apenas nela e que só se sente atraído por ela. Isso não existe. Nem seria saudável.

Querer se apoderar do pensamento e do desejo do outro é de uma histeria controladora que chega a ser sufocante. Deixa o sujeito em paz! Deixa ele ter umas fotinhas de mulezinha pelada, pô! Quando se trata desse tema, a gente faz tãããão pior… (não, eu não vou trair o movimento, não entrarei em detalhes).

Não entendo exatamente o que pode ser considerado “falta de respeito” em seu homem ver outras mulheres nuas e/ou nuas fazendo sexo. Tudo bem, a idéia não é propriamente agradável, mas também não me parece razão para faniquito e proibição. A gente por acaso não olha quando passa um homem bonito na rua? Eu tenho uma coleção de óculos escuros, um maior que o outro, justamente para isso, para usufruirrrrr a praia em toda sua plenitude (ah, as sungas brancas… elas são tão reveladoras…).

“Mas Sally, eu não fico olhando para outros homens, muito menos para o pau de outros homens, inclusive te acho uma piranha”. Ok, mas de qualquer forma, é bom saber que você TEM O DIREITO de olhar. E se você não olha, não pretenda que seu amado se comporte exatamente como você. Lembre-se, se ele se portar como você, ele acaba virando uma MENINA. ME-NI-NA. Eu aviadei muito homem até me tocar disso. Não meça o que ele faz usando você como critério, não queira que ele pense e se porte como você se portaria. Ele é macho. Você não! ME-NI-NA.

Mais: homens sentem necessidade de variar sim. Se ele não olhar pornografia, acho até mais provável que varie na vida real.

Homens são bobos. Homens gostam de sentir que tem um território só deles, que são reis em seus tronos (só se for na privada! Hahaha). Manter um arquivo de mulé pelada no computador dá essa sensação de poder e eles não se sentem tão encoleirados como realmente estão. Porque sim, homem tem todo um cagasso de perceber o quanto está encoleirado por uma mulher. Deixa ele achar que com 150 fotos de mulher pelada ele é mais dono da situação. Quem se importa? Se um dia você for embora e ele ainda gostar de você, o sofrimento dele vai ser o mesmo.

Bicho babaquinha que é, homem adora uma transgressão. Torne proibido e ele vai fazer mais ainda (vide Somir fumando, fumando e fumando). Não tem como vencer a pornografia. Se eles quiserem, eles darão um jeito de esconder. Tenho um amigo que abriu um e-mail secreto que ninguém conhece e manda fotos pornográficas para esse e-mail, que fica sendo seu arquivo pornô. A namorada nunca vai saber (ele manda do próprio e-mail secreto para ele mesmo). Não vale a pena entrar em uma batalha que a gente sabe que vai perder.

Ignore. Abstraia. Não me agrada a idéia de mentalizar meu homem vendo pornografia, confesso. Entretanto, pessoas vem em pacotes, coisas boas e coisas ruins. Essa é uma das coisas ruins dos homens. Melhor aceitar de bom grado. “Mas Sally, não são todos os homens do mundo que gostam de pornografia! Porque você generaliza assim?”. Porque trabalho com a regra geral. Se um dia conhecer um que não goste, ótimo. Mas não vou contar com isso, até porque, a maioria esmagadora gosta e tem pornografia em sua posse.

Uma pessoa é muito mais do que isso. Os critérios para decidir quem estará ao seu lado devem ter outros focos muito mais importantes. Ele é bom caráter? Te trata bem? Te respeita? Te faz feliz? Então deixa o Zé Ruela ver uma pornografia, não leve a vida tão a sério.

Para me dizer que você tem certeza que seu namorado não gosta de pornografia porque ele te disse isso, para dizer você tem um milhão de fotos pornográficas no seu computador mas diz para a sua namorada que não vê a menor graça nisso e para dizer que prefere nem pensar no assunto: sally@desfavor.com

Équissa!

FLAMENGO HEXA (ainda estamos esperando o processo do Sport, que por sinal, se emburacou na segunda divisão tomando uma trolha de 4 dos bambis e também estamos comemorando que os porcos estão fora da Libertadores)

Quero parabenizar toda a nação rubro-negra, que fez um espetáculo cinematográfico no Maracanã, sem brigas, sem violência e sem baixarias. Só quem estava lá para ver este capítulo da história do futebol brasileiro sabe quão linda foi a festa.

E quero fazer um rápido comentário. Enquanto todos apostavam em uma enorme confusão envolvendo a torcida do Flamengo, tida como “violenta” e que “briga entre si”, foi lá no Sul, Paraná, Curitiba, Estádio Major Antônio Couto Pereira, que aconteceu um dos eventos mais horrendos do futebol brasileiro.

Os tão civilizados torcedores do Coritiba (sim, o nome do time é com “o”) promoveram atos de vandalismo medonhos depois de perder para o Fluminense, que, diga-se de passagem, está de parabéns, porque tinha 97% de chances de rebaixamento e continua na primeira divisão. Me curvo aos tricolores, foram de uma raça invejável.

Curitiba sujando o nome do país internacionalmente. Amanhã isso vai estar em todos os jornais do mundo. Essa violência que acarretou mortes, no país que vai sediar uma Copa do Mundo. Vergonha. O Coritiba caiu para a segundona, muito bem feito. E espero que perca o mando de campo em TODOS os jogos por um ano, porque a punição para o que essa torcida loirinha fez tem que ser exemplar. Espero também que com as filmagens, todos os responsáveis sejam presos.

Agora somos nós, rubro-negros, tantas vezes tachados de favelados, violentos e bandidos, que apontamos os dedos para os loirinhos de Curitiba e dizemos “VOCÊS ENVERGONHAM O PAÍS”. Vamos todos repetir: “CURITIBA ENVERGONHOU O PAÍS, INTERNACIONALMENTE, NO DIA 06 DE DEZEMBRO DE 2009, OS TORCEDORES SE PORTARAM COMO ANIMAIS”.

Agora, somos todos nós, Cariocas, tantas vezes tachados de ter uma polícia incompetente, violenta e despreparada, que apontamos os dedos para os tão civilizados loirinhos de Curitiba e dizemos “A POLÍCIA DE VOCÊS FOI EXTREMAMENTE INCOMPETENTE, DESDE A FORMA COMO SE POSICIONOU EM CAMPO, A FORMA COMO ATUOU E A FORMA COMO SOCORREU OS FERIDOS”.

Agora somos nós, da região Sudeste, tantas vezes tachados de incompetentes, antro de violência urbana e descontrole social, que apontamos os dedos para os loirinhos de Curitiba e dizemos “VOCÊS É QUE NÃO TEM A MENOR CONDIÇÃO DE SEDIAR UMA COPA DO MUNDO”.

Chupa essa manga. Nossos primos finos pagando mico nacional e internacional. Não tem preço.

Esta imagem pode curar sua epilepsia. Contine olhando.

Foi dada a largada para um campeonato que acontece todo ano desde que a China conseguiu colocar seus produtos a preços competitivos aqui no Brasil: O de quem consegue ser mais ridículo com suas pequenas luzes natalinas.

Infelizmente para todos nós, neste campeonato só há perdedores. Desfavor da semana, desfavor das festas natalinas dos últimos anos.

(E não demos a mínima para a morte da Leila Lopes, Sally preferiu falar de algo que brilha, Somir achou o filme dela fraquinho…)

Somir

Por mais que eu perceba o fator de desperdício de energia inerente ao assunto, meu lado reaça neo-liberalista anti-natureza acha o máximo que gastem energia até não poder mais. Eficiência sim, economia jamais!

Apesar disso, concordei com Sally sobre o desfavor que são essas lampadinhas bregas que infestam a noite brasileira durante o Natal. Nem preciso dizer que acho uma cretinice uma festa que celebra o aniversário (errado) de um Zé Ruela que provavelmente nem existiu… Mas, já que rende um feriado para os adultos e brinquedos para as crianças, vá lá.

Mas poderíamos viver muito bem sem o tal do espírito natalino. Na prática isso quer dizer consumir produtos chineses de péssima qualidade para saciar o gosto horrível da maioria das pessoas em decoração. Além, é claro, da carta branca para encher a cara e passar vergonha em reuniões de família.

Eu adoro a gastança de energia elétrica, mas desde que produza alguma coisa. Nem que seja uma demanda maior para aumentar a capacidade de produção energética… Mas essas porcarias de lâmpadas natalinas nem pra isso servem. Não produzem nada além de uma pequena renda para os camelôs, e nada mais é do que um pico de consumo previsível.

Do jeito que a coisa funciona, é apenas um ralo para escorrer dinheiro. E se fosse apenas o dinheiro suado de algum pobre (de espírito) querendo “enfeitá a árvre e dexá briano”, estaria de bom tamanho. Mas políticos estúpidos querendo aprovação popular fazem questão de gastar os tubos para entulhar qualquer obra pública com milhares de pequenas obras-primas da engenharia chinesa/paraguaia.

Eu tento sonegar o máximo possível perto do final do ano para o meu dinheiro NÃO pagar esse tipo de porcaria. Mas uma andorinha não faz verão, e um amargo não faz economia… E dá-lhe prédios “enfeitados” para onde quer que se olhe. E não se engane achando que o governo paga os mesmos preços praticados nos camelôs e lojas vagabundas por aí, é bem capaz das super-faturas públicas estarem contabilizando o custo por piscada.

Mas vamos tentar abstrair dessa forma (mais uma) de escoar dinheiro público. Eu sou da opinião de que se vai fazer algo estúpido, que pelo menos o faça direito. Mas nem pra isso a nossa nação de luzes “piscantes” presta. Quase todos os enfeites são toscos por definição, mas tem gente que PIORA quando instala.

No caso público, dá para entender que o coitado que foi contratado (recebendo uma miséria) se embanane todo na hora de colocar 50 mil lâmpadas ao redor de uma prefeitura. Percebam que na maioria das grandes instalações brega-luminosas, sempre tem um começo mais ou menos simétrico e esticado contrastando com o final “foda-se, eu ganho muito pouco”.

Mas ninguém vence a inépcia do brasileiro médio! Em qualquer lugar que se vá pode-se perceber casos onde pessoas conseguiram estragar a decoração que consiste de meio metro de fio (verde, todos são verdes) com algumas dezenas de lâmpadas. Só pode ser de propósito!

Claro que não podemos nos esquecer da belas cores natalinas tradicionais no Brasil: Todas. Temos (como nação) o que eu chamo de “Complexo de Olodum”. Brasileiro adora descobrir quantas cores diferentes consegue enfiar em qualquer coisa que está fazendo. Os baianos com bom gosto que me perdoem, mas aquelas sequências com TODAS as cores que um chinês conseguiu colocar ao redor de um fio são o cúmulo da baianice.

Na maioria desses conjuntos de lâmpadas existe um padrão de iluminação seqüencial. Primeiro as de uma cor, depois de outra, ou mesmo primeiro um grupo de X lâmpadas, depois outro… Seja como for, é tocante a forma como conseguem pegar um conceito idiota como esse e PIORAR! A anta que vai instalar, provavelmente aquele seu tio que vive bêbado, pega o fio e sai enrolando em cima da árvore (quase sempre de “prástico”) em movimentos “fluídos e circulares” que invariavelmente enroscam em tudo quanto é lugar e deixam o símbolo natalino mais sem conexão com o natal parecendo um pesadelo epilético.

E nem me lembrem das sacadas de apartamentos… As pessoas tem mesmo que fazer aqueles abortos visuais para dizer que perceberam que estamos em Dezembro? Aí começa uma das piores breguices que existe: A da classe média. Pobre tá pouco se fodendo para passar alguma mensagem, ele só quer enfiar o máximo de luzes que puder saindo da janela do seu barraco e voltar a encher os cornos. A maioria nem sabe escrever “Feliz Natal” mesmo…

Agora, quando a classe média-baixa dos apartamentos resolve enfeitar a casa, não tem limites… Quer dizer, não além do limite de não gastar mais que “déi real” em todo o processo. Aquelas mesmas lâmpadas que piscam de forma errática em cima de sua árvore de natal também servem para fazer desenhos e escrever mensagens “edificantes” na sacada.

E até parece que vão fazer direito… Não bastassem as estrelas clichês tortas, ainda tudo pisca de forma desorganizada, quase sempre para deixar a mensagem ilegível. Primeiro aparece metade do “F”, depois um quarto do “eliz”

Sério: Ninguém liga. Milhões de pessoas vão fazer exatamente a mesma coisa, com exatamente o mesmo desenho e os mesmos dizeres. Queridos compatriotas: Enfiem as lampadinhas no cu para ver se a barriga pisca colorido. Aquele abraço!

Para me chamar de amargo, para dizer que as pessoas só querem ser retar… felizes, ou mesmo para dar chilique porque eu disse que Gezuiz provavelmente nem existiu: somir@desfavor.com


Sally

Natal é uma época que eu considero escrota e hipócrita, mas já deu o que tinha que dar falar mal do natal em si. Como se não bastasse o desfavor que é o natal em si, temos seus acessórios nefastos: presépios com bonecos medonhos, Papai Noel de shopping, obrigação de ostentar felicidade e outros. Dentre eles, um nos chamou a atenção em especial a ponto de merecer destaque nesta semana: as escrotas luzes natalinas.

Sim, chega de políticos e subcelebridades. O desfavor da semana são as malditas luzes natalinas que podem ser encontradas por todos os cantos da cidade nesta época do ano: varandas, troncos de árvore, edifícios e qualquer outra superfície onde uma alma (brega) consiga pendurar esses infernos piscantes.

Por si só já seriam um desfavor. Acho horrendo. Mas tenho argumentos consistentes que vão além do que eu acho, porque vocês sabem o que eu penso de quem baseia argumentos em “acho”, né?

Nesta época do ano há uma série de fatores que causam um déficit de energia elétrica, o que gera uma certa necessidade de utilização racional desta energia elétrica. Ou deveria. Porque neguinho faz campanha pedindo para que energia elétrica não seja desperdiçada, mas também entrega prêmio para a casa mais bem enfeitada com decoração natalina, cheia de luzes piscando.

Não temos a orientação para fazer uso racional e moderado de energia elétrica? Não chegam até mesmo a falar em “racionamento” e “horário de pico”? Isso significa cortar gastos de energia supérfluos. Tem coisa mais supérflua do que luzes natalinas que piscam? Você, leitor (cafona), pode até achar bonitinho, mas não venha me dizer que é algo útil ou funcional!

“Mas Sally, são só alguns pisca-pisca, não gasta muita energia”. Ok, vamos somar todas as luzes que todo brasileiro (brega) decide pendurar em algum lugar. Quantos habitantes tem o país? 190 milhões (ou mais, porque o povo procria que é uma beleza…). Imagina que apenas metade deles coloque luzes de natal adornando as suas casas. Em média, essas luzes consomem, segundo seus fabricantes, 16 KWh/mês quando usadas algumas horas por dia (imagina se deixar o dia todo, coisa que na prática, acontece). Faça as contas e multiplique esses 16KWh/mês por cem milhões. Ou melhor, multiplique por mais, porque outras estruturas não residenciais também estão sendo emperiquitadas, como por exemplo, árvores nas ruas.

Se não houvesse a necessidade de racionar, eu nem me daria ao trabalho de escrever esta postagem, afinal, as pessoas tem o sagrado direito de serem cafonas. Mas porra, ser cafona às custas de eu ter que ficar no escuro NÃO DÁ.

E se esta postagem fosse feita há um mês atrás, ia ter algum Dilma-Cover para me chamar de exagerada e alarmista, dizendo que apagão é coisa do passado e que não teríamos mais apagões, porque afinal, o Brasil é uma potência. IN YOUR FACE! Mega-apagão no mês passado. E aí? Tem condições de botar aquelas porras para piscar na sua varanda?

Não sei como está a situação em todo o país, mas aqui no Rio de Janeiro os apagões continuam em diversos bairros. E são democráticos: acontecem em bairros de rico e em bairros de pobre. E são mal explicados. Uma coisa é certa: estão relacionados com o excesso de consumo de energia elétrica. Enquanto isso, as luzes de natal estão esgotadas nas lojas e aquelas mesmas pessoas que vem aqui me dizer que TV educa transformam suas varandas em algo muito parecido com uma penteadeira de puta.

O que eu acho mais babaca é que muitos daqueles que penduram pisca-pisca em tudo quanto é canto se mostram preocupados com racionamento. A boa e velha hipocrisia do brasileiro não falha: “naquilo que não me incomoda, serei super correto”. Daí vai o pai de família, pendura trocentas luzes natalinas, mas pega no pé de todo mundo para que não deixem luzes acesas sem necessidade. É, Bonner, talvez você esteja realmente certo: tudohomersimpson.

E se eu fizer este discurso ao vivo, as pessoas começam a dar pedrada: amarga, azeda, sem espírito natalino, de mal com a vida, etc. Na minha terra tem outro nome: RACIONALIDADE, porque como diz o Somir para seus estagiários e estagiárias, cabeça não é só para passar formol ou para usar boné, serve para pensar também. Ou ao menos deveria.

Mas, o natal pode tudo. O natal é mágico. O natal ganha de qualquer racionalidade. É super mal visto ser racional no natal, natal é emoção, é perdoar aquele filho da puta que te sacaneou, é abraçar aquele parente que te meteu o pau o ano todo, é continuar num relacionamento de merda em nome das crianças, etc. Vamos todos jogar nossa racionalidade no vaso e dar a descarga, porque aparentemente, pessoas só podem ser consideradas felizes caso se entreguem e vivam esta data festiva sem um pingo de racionalidade, enchendo o rabo de rabanada e gastando a luz que eu usaria para trabalhar, resfriar alimentos na geladeira e ler, em luzes cafonas que fazem a cidade parecer um grande episódio de Pokemon.

Quando olho aqueles milhões de varandas piscando freneticamente vários pensamentos me vem à cabeça: 1) Ainda vou ter uma convulsão por causa desse pisca-pisca todo, 2) Essa pessoas que fazem tanta questão de ostentar o clima natalino não devem ser muito felizes para precisar fazer essa estardalhaço todo e 3) Em vez de piscar luzes, podiam ficar piscando seus cus para homenagear o natal, assim eu e outras pessoas racionais não ficamos sem luz…

Para me chamar de amarga, azeda e etc, para dizer que o importante é que sua casa e sua cidade fiquem bonitas e para mandar que eu também tire férias porque pareço estressada: sally@desfavor.com


ATENÇÃO! DR FOREVER É FICÇÃO, OU NÃO
SOMIR: Gostou do banner do Flamengo?
SALLY: Adorei! Só achei que poderia ter colocado por mais tempo o escudo do meu Mengão…
SOMIR: Hehehe… Legal, eu vou deixar lá um bom tempo.
SALLY: Hmmm…
SOMIR: Você sabe que eu não acho muito legal fazer uma postagem só de seu time e ainda dar esse destaque todo, né? Mas você merece.
SALLY: Saco!
SOMIR: O quê?
SALLY: Vai querer mais coisa…
SOMIR: Você está insinuando que eu, JUSTAMENTE eu…
SALLY: O nosso acordo foi bem vantajoso pra você!
SOMIR: Não estou negando isso.
SALLY: Mas?
SOMIR: Por que você sempre acha que tem um “mas”?
SALLY: Mas?
SOMIR: Você me ofende assim!
SALLY: Mas?
SOMIR:
SALLY: Tudo bem então, se não tem mais nada, precisamos decidir o…
SOMIR: Mas eu acho que a minha boa vontade nos ensinou uma lição.
SALLY: SEMPRE tem um “mas” com você, Madame!
SOMIR: Eu deixei de lado uma convicção minha, a de fazer só o que eu quero, para o nosso bem.
SALLY: Nosso bem? Foi uma porra de um banner!
SOMIR: E você tem a convicção que nunca vai tirar férias do desfavor.
SALLY: Você está me ouvindo?
SOMIR: Está na hora de deixar essa convicção de lado, para o nosso bem.
SALLY: Alô?
SOMIR: Veja bem, se ficarmos postando sem parar em Dezembro vamos gastar assuntos na época onde menos pessoas vão ler.
SALLY: Puta que pariu! Eu odeio quando você começa a argumentar sozinho!
SOMIR: Com as férias, as datas comemorativas, as viagens… O número de leitores vai desabar.
SALLY: Eu recebi um convite para desfilar no Carnaval só com um tapa-sexo e vou aceitar, viu?
SOMIR: O QUE FOI QUE VOCÊ DISSE?
SALLY: Vai ter um pouco de purpurina, para não dizer que é só um tapa-sexo…
SOMIR: VOCÊ FICOU MALUCA?
SALLY: Bacana que vai ser bem no alto de um carro alegórico, certeza que todo mundo vai me ver. Se o tapa-sexo cair aí que eu fico famosa mesmo!
SOMIR: EU TE MATO! TÁ ME OUVINDO?
SALLY: Acho que vou pedir pro rapaz que cola o tapa-sexo pra deixar uma folguinha pra aumentar as chances, se eu pedir com jeitinho… ele topa.
SOMIR: ALÔ?
SALLY: E daí para o convite para posar nua vai ser um pulinho.
SOMIR: DÁ PARA RESPONDER?
SALLY: Não gosta que eu fique te ignorando, meu bem?
SOMIR: NÃO!
SALLY: Nem eu.
SOMIR:
SALLY: Do que você estava falando mesmo?
SOMIR: Você… vai… desfilar… com… o tapa… sexo?
SALLY: Claro que não! Parece até que não me conhece! Meu querido, eu nunca que sairia pelada com o cu purpurinado na frente de uma escola de samba….
SOMIR: Eu sabia.
SALLY: Não, não sabia. Eu conheço os seus chiliques e esse foi um.
SOMIR: Por que eu daria chilique? Nós não estamos namorando…
SALLY: Então você não liga? O convite foi verdade, sabia?
SOMIR: Mas você nunca aceitaria.
SALLY: Você falou uma verdade, eu não preciso me segurar por homem nenhum… Posso muito bem aceitar.
SOMIR: SE VOCÊ ACEITAR EU TE…
SALLY: Caiu de novo! Não sabia coisa nenhuma. Está aqui a prova.
SOMIR:
SALLY: Entenda isso como uma MSE. Se me ignorar eu te ignoro.
SOMIR:
SALLY: Ficou mudo, é? Está planejando a vingança?
SOMIR: Sobre as férias…
SALLY: Você pode sair à vontade. Eu vou continuar postando.
SOMIR: É estranho se só eu sair. A regra-de-ouro deveria valer nas férias.
SALLY: Você vai sair de vez do desfavor?
SOMIR: Não, só umas duas semanas.
SALLY: Então não tem regra-de-ouro. A gente não precisa fazer tudo junto.
SOMIR: Eu sei que não, mas eu não quero deixar você se fodendo sozinha com o blog enquanto eu estou descansando, eu não acho justo.
SALLY: Não precisa se preocupar. Eu dou meu jeito.
SOMIR: Além disso, vai parecer que eu não ligo para os leitores…
SALLY: Hmmm…
SOMIR: Merda!
SALLY: Sempre se entrega quando resolve exagerar na mentira.
SOMIR: Tá! Eu não quero que você poste umas 15 colunas mal formatadas sobre o que o povo pedir…
SALLY: Então o problema é não ter essa sua tirania “do contra” durante suas férias? Agora sim parece você falando.
SOMIR: Sejamos honestos… Se deixar rolar solto você vai acabar transformando o desfavor no Diário do Pilha!
SALLY: Quer dizer que você acha que eu sozinha vou baixar o nível?
SOMIR: Basicamente, sim.
SALLY: VOU MERRRMO! Quando você voltar o blog vai estar cheio de vídeo de dançarinos de Axé quicando no calcanhar! Tudo de sunga branca!
SOMIR: Visão do inferno…
SALLY: Vou te poupar da minha opinião sobre o inferno se ele for mesmo assim…
SOMIR: Obrigado.
SALLY: Larga de ser babaca, Somir. Você quer que eu tire férias também para eu não ficar te chamando de faixa-branca.
SOMIR:
SALLY: Fraquinho! Precisa de férias! Está estafado? Precisa que eu pegue mais leve para você agüentar, é?
SOMIR: Só nos seus sonhos! Já que você não liga para o nível do desfavor… Vamos fazer do seu jeito.
SALLY: Eu trabalho e você descansa?
SOMIR: Também. Mas para garantir que você sinta na pele como vai ser um desfavor deixar o blog sem a minha presença elitista, eu vou chamar umas pessoas para cobrir minhas férias.
SALLY: Umas pessoas?
SOMIR: Você conhece, eu já fiz isso antes no Orkut, lembra?
SALLY: Não… elas não.
SOMIR: Elas sim.
SALLY: Isso é ridículo demais até para o desfavor, Somir…
SOMIR: Calma, tem mais…
SALLY: Não, Somir!
SOMIR: Sim.
SALLY: Não ouse trazer aquela coisa amarela pra cá também!
SOMIR: Faço questão de ver o “Ele disse, ela disse”
SALLY: Você ganhou! Eu tiro férias!
SOMIR: Fraquinha! Precisa de férias? Quer que eu pegue mais leve para você agüentar, é?
SALLY: Eu te odeio…
SOMIR: Boa sorte nas minhas férias!
SALLY: Vamos negociar!
SOMIR: Boa noite, minha CARA!
SALLY: Somir?
SALLY: Somir?
SALLY: Somir?