O Processa eu de hoje com certeza vai desencadear muito polêmica (fiquei com inveja do sucesso do Somir no Deleta Eu). Venho falar de um desfavor que não está mais entre nós. Não, não é Clodovil, dele já falei, é de um pior ainda: Lohn Jennon (obs: Obrigada, Mark Chapman, valeu mesmo!)

Lohn Jennon sempre foi um perturbado, um débil mental, um escroto. Não vou questionar seus dons musicais, os retardados mentais podem ter aptidões, porque não? Ou por acaso ninguém aqui viu o filme “Rain Man”? Pois bem, ele era um imbecilóide que virou herói nas mãos da mídia e mais herói ainda quando morreu. Vamos chegar um pouco mais perto do mito e ver que ele não era flor que se cheire.

Papai Jennon era um marinheiro que vivia ausente. Mamãe Jennon era uma piranha boêmia cachaceira que traía o marido abertamente, sem a menos compostura. Desde que saiu da buceta da mãe, aquela coisa horrenda, magrela e nariguda via os pais brigarem. Uma recente biografia da moda conta que com 14 anos ele quase comeu a própria mãe, para que vocês tenham uma idéia de como essa mulher se dava ao respeito. Um lar saudável, não? Mais tarde, Jennon confessaria a uma de suas esposas que se arrependia de não ter feito sexo com a mãe. Mentalmente fodido é pouco.

Pois é, aos seis anos, quando a mãe fugiu com seu amante, Lohn teve que escolher se ficava com a mãe ou com o pai. Escolheu ir com a mãe, mas sua personalidade repulsiva e a personalidade piranha da mãe, fizeram com que ela se encha o saco dele e o doe para sua Tia.

Criança problemática, Lohn quase matou de tanta pancada uma menina (sim, uma menina) no colégio. Mandou a infeliz para o hospital. Parece que ele tomou gosto pela coisa, pois mais tarde se tornaria um agressor de mulheres profissional.

Sujeito violento e venenoso, Jennon conheceu sua primeira esposa no colégio, Pynthia Cowell. Ele tratou esta mulher muito, muito, muito mal. Teve um filho com ela, o que não o impedia de espancá-la. Tentou esconder de todo mundo que era casado quando começou a ficar conhecido. A infeliz escreveu um livro contando como comeu o pão que o diabo amassou ao lado desse bostinha, então, vamos aos detalhes sórdidos…

Aos 17 anos, Lohn viu Pynthia dançando com um colega de classe em uma festa. Dançando, apenas. Como era um covarde raquítico de merda, não fez nada na hora. Mas, no dia seguinte, seguiu Pynthia até o banheiro feminino, (era a única dos dois na qual ele conseguiria bater, imagina se ele teria culhões de acertar isso com o cara!) e a encheu de porrada, a ponto de bater com a cabeça dela na pia e deixá-la ali sangrando. Mandou um joinha e foi embora. Pois é, aquele hipócrita que pregava paz e amor é um mero Dado Dolabela da Inglaterra.

Certa vez, teria dito à esposa e ao filho, que ele não era porra nenhuma para ele e que teria sido concebido em uma noite de bebedeira. Outra vez, esqueceu a esposa em uma estação de trem… detalhe: era na Índia. Chifrava a mulher com meio mundo e não se dava ao trabalho de esconder.

Quando não estava espancando a patroa, Jennon se juntava a colegas para tocar em uma banda. Muitas pernadas e puxadas de tapete depois, conseguiu ter alguma projeção. A banda, Bhe Tealtes estourou e ele ficou famoso, rico e idolatrado. Praticamente um macaco com uma navalha nas mãos. Os primeiros shows foram marcados por orgias, bebedeiras e outras atividades muito corretas.

Um belo dia, a infeliz da esposa de Jennon foi viajar por um curto espaço de tempo. Perdeu Preibói! Quando voltou, descobriu que tinha sido trocada por aquele Dragão Chinês (ela é japonesa, eu sei), aquela criatura desgrenhada, baranga e de aspecto sujo que todos nós conhecemos: YoCU Ono. Curioso é ler os requintes de crueldade: semanas antes Jennon teria dito à esposa que ela era maluca por implicar com o Dragão Chinês e que o Dragão Chinês não era importante para ele, que ela era a única mulher de sua vida. Ela acreditou, coitada. Tomar chifre de um homem horrendo deve ser uma bosta. Com uma mulher mais horrenda ainda então… puta merda.

Jennon achou que estava pouco, que tinha que sujar um pouco mais seu curriculum, então, no meio do caminho, decidiu que teria uma caso com o agente da banda, Brian Epstein. O nível subia cada vez mais. Não contente, sua esposa contou que ainda queria comer Maul Pcartney, colega de banda, também. Mas Maul era espada e recusou o convite, porque era espada. Seu empresário era gay assumido e apaixonado por Jennon e ele tripudiava. Certa vez, quando estavam pensando em escrever uma biografia deste empresário, Jennon sugeriu o título “Judeu afeminado”.

Só que, um belo dia, Jennon teve um rompante e resolveu viajar dez dias sozinho com o “Judeu Afeminado”. Ninguém soube ao certo o que se passou, mas dizem que Jennon liberou seu brioco magro. A fofoca comeu solta. Um amigo deles, Dj da casa noturna onde eles tocavam, fez uma brincadeira insinuando que Jennon teria dado o roscofó nessa viagem. Jennon espancou o infeliz, que supostamente era seu amigo. Me pergunto como é que ninguém nunca deu umas porradas nessa tripa inglesa. Tão magrelo… acho que até eu poderia sair na mão com ele!

Jennon se amarrava numa violência. Se desentendeu com o primeiro baixista da banda, por outros motivos, brigou com ele e em um gesto covarde (só assim para aquele pau de virar tripa conseguir bater em alguém) chutou sua cabeça. Resultado? Sérias lesões e a morte do rapaz, aos 21 anos de idade, poucos meses depois, diretamente relacionada com essa briga. Jennon se importava? Não, não se importava. Arrumou um novo baixista e tocou o barco.

Para não perder o hábito, Jennon espancava YoCU também. Ela, por sua vez, também dava uns cascudos nele. Uma relação super saudável. O Dragão Chinês começou a envenenar o Lohn contra seus colegas de banda e ele, como bom frouxo covarde que era, começou a querer viver em um mundinho só deles. Chegou a declarar que eles eram praticamente a mesma pessoa. Saudável, hein Campeão?

E por falar em declarar, disse que sua banda era mais famosa que Jesus Cristo. Modesto, hein? Depois dizem que Mark Chapman era transtornado. Transtornado é quem idolatra esse bosta egocêntrico covarde e espancador. Mark Chapman é um sopro de lucidez no meio das zebras.

O cara tava se achando. Se achando? Não, ele não se achava, ele se tinha certeza. Rompeu com os colegas de banda e foi para uma carreira solo vergonhosa.

O Dragão Chinês declarou que Lohn tinha tesão em Maul, seu colega de banda. Povo moderninho, né? Eu não continuaria com um homem que tem tesão no amigo. O pai de Jennon conta que o filho o hospedou em sua mansão, estava tudo ótimo, até que um dia Lohn surtou, mandou ele embora vomitando mágoas e descreveu com detalhes como o mataria se ele voltasse a procurá-lo. Comer a mãe e matar o pai… Alô? Freud?

Mas YoCU não foi a única responsável pela briga da banda, justiça seja feita. A vaidade galopante de Jennon contribuiu. Com o tempo, Maul, mesmo sem perfil de liderança, por ser muito bonzinho e pacato, começou a se destacar. Tudo quanto era música que estourava era dele. Jennon começou a ficar nervoso e começou a brigar. Competia em tudo, até mesmo nos desfavores. Quando Maul disse a uma revista que havia experimentado LSD, Jennon ficou putinho, porque ELE queria ter dito isso primeiro e ter seu nome ligado à fama de drogado. Olha que bacana, competindo para ver quem tem mais fama de drogado! Nessas horas me pergunto se Rafael Pilha poderia ter sido um Teatle.

Jennon fez YoCU listar todos os homens com os quais já havia feito sexo, e depois proibiu-a de continuar sendo amiga deles. YoCU ficou sem amigos (como tem barangueiro nesse mundo, não?). Muito amor, muita liberdade. Faz-me rir, Jennon, seu hipócrita do caralho! Claro que a clausura só valia para ela. Ele, por sua vez, teve um caso até com a secretária de YoCU, Pay Mang.

Enquanto a multidão cega idolatrava este imbecilóide, criminoso, espancador, assassino, covarde, um sopro de inteligência se fez notar: em 08 de dezembro de 1980 Mark Chapman deu uns tiros de 38 (revólver de atirar em sogra e em amigo, diga-se de passagem) em Jennon, calando de uma vez por todas essa boca arrogante e imbecil. Dá para acreditar que prenderam o cara? Eu teria dado uma medalha, mas tudo bem. Relatos médicos dizem que ele morreu após perder 80% do seu sangue. Morreu facinho, né? Traficante carioca leva dez tiros e vai andando para o hospital. Será que ele gostou quando finalmente a covardia foi COM ELE?

Lohn Jennon era um babaca, arrogante, hipócrita e transtornado que passava mensagens comerciais ao mundo, da boca para fora. Eu sempre digo que palavras são muito fáceis, cada um fala o que quer, mas atos… ahhh os atos! Eles dizem tudo! Jennon era uma fraude, um desajustado social, que se não tivesse aptidão musical estaria preso desde os 20 anos. Porque tem essa: se é famoso, é apenas “excêntrico”, se é pobre, é um “vagabundo marginal”.

Drogado, idiota, pernóstico, criminoso, feio e covarde. Um desfavor ambulante. E olha que falou espaço para falar muita coisa desse bostinha. Mais bostinha do que ele, só quem o admira. Quem o admirava na época eu não culpo, porque esse lado negro era camuflado e abafado, mas quem o admira ainda hoje, como ser humano, tem minha presunção de analfabetismo.

Para me xingar por falar mal de um homem tão bom, tão correto e tão ético, para me ameaçar de morte e para sugerir nomes para os próximos Processa Eu: sally@desfavor.com

Crítica do HTP ao Deleta Eu!:

Voltei a ler … Ao analisar nossa “linha editorial” (ups!) vejam o que o Palhaço Socrático manda:

Novamente, utilizando um ponto fraco do público feminino, as autoras adoram classificações e categorias. Sempre com a temática circense, o que faz todo o sentido se considerarmos o nome do blog e que só uma pessoa muito estúpida conseguiria confundir um palhaço com uma pessoa comum.

Parei, né?
Acho que só uma pessoa muito estúpida pode se dar ao trabalho de analisar uma piada e explicar o sentido que a temática circense faz num blog cujo título remete a palhaços. É querer levar tudo muito a sério, é se achar muito cheio de opiniões e achismos e ser palhaço em grau elevadíssimo. Porque o pior palhaço, talvez, seja aquele que não ri de si mesmo.


Trecho da postagem original:

Novamente, utilizando um ponto fraco do público feminino, as autoras adoram classificações e categorias. Sempre com a temática circense, o que faz todo o sentido se considerarmos o nome do blog e que só uma pessoa muito estúpida conseguiria confundir um palhaço com uma pessoa comum. (Se você lê o HTP, não vai entender a piada que acabei de fazer…)


Resultado:

São Paulo, 18/03/2009

O irritante som do despertador cumpre sua função ao retirar Arnaldo dos braços de uma loira escultural e trazê-lo de volta à realidade dos turnos de trabalho iniciados pela manhã. Num movimento repetido tantas vezes a ponto de ser praticamente instintivo, os apitos desafinados cessam e dão lugar aos não mais harmônicos grunhidos matinais de nosso recém-descoberto protagonista.

Juntando coragem para enfrentar mais um turno de sua maçante contribuição para a sociedade, Arnaldo abre suas pálpebras lentamente, de forma a ganhar o máximo de tempo possível antes de se considerar oficialmente acordado.

Enquanto a luz do ambiente começa a criar formas mais definidas, ele percebe que há algo de diferente na imagem que começa a se formar. Ao perceber que há um borrão semelhante a um rosto diretamente sobre sua face, por puro reflexo arregala os olhos e em um movimento brusco, senta-se na cama.

Agora ele pode enxergar perfeitamente. Há mais uma pessoa no quarto. Arnaldo mora sozinho há mais de cinco anos e nenhuma de suas ex-namoradas tem a chave do apartamento. O que mais o intriga não é o fato de não estar sozinho naquele momento, o que realmente o deixa confuso é quem está dividindo o ambiente com ele.

Esfregando os olhos, na tentativa vã de trazer um pouco de sanidade para sua visão, não consegue fazer sua companhia desaparecer. Olhando fixamente para o rosto do invasor, Arnaldo profere sua primeira palavra no dia:

“Clodovil?”

Clodovil Hernandes sorri e revira os olhos de forma irônica. Vestido um terno cor-de-rosa, senta-se numa cadeira frontal a Arnaldo, com as pernas cruzadas e a mão esquerda apoiando o rosto levemente inclinado, responde:

“Não, meu bem, é a Madonna. Não reparou no meu sutiã feito pelo Jean-Paul Gaultier?”

*som de risadas*

“Você… morreu… eu estou so … sonhando…” – Arnaldo balbucia de forma praticamente incompreensível.

“Meu corpo terreno se foi. Mas minha alma eterna continua vivíssima, amor. Vem cá, não sei se você ficou sabendo, mas os anos setenta acabaram e junto com eles a moda de revestir móveis com esses adesivos imitando madeira…” – Clodovil olha ao seu redor, aponta para um armário e dá um olhar sarcástico em direção à parede.

*som de risadas*

“O quê… O que está acontecendo aqui? Por que eu estou vendo o Clodovil no meu quarto? Que risadas são essas? P…(apito)…riu. Eu nem bebi ontem!” – Arnaldo mal consegue fixar sua visão em algum ponto específico. Ele procura outros indícios de que está tendo um sonho insano, tal qual um elefante cor-de-rosa ou um duende.

“Meu bem, você é o coadjuvante no meu novo programa de TV. Nem Morta! – Clodovil termina a frase e olha novamente para a parede.

*uma música alegre toma conta do local*

Bicha não morre, bicha vira purpurina
Bicha não morre, bicha vira purpurina
Bicha não morre, bicha vira purpurina
Bicha não morre, bicha vira purpurina

Arnaldo é o Pierrô, Clodovil a Colombina

Bicha não morre, bicha vira purpurina
Bicha não morre, bicha vira purpurina
Bicha não morre, bicha vira purpurina
Bicha não morre, bicha vira purpurina

Clodovil continua olhando fixamente para a parede enquanto diz: “Nem moooorta!”

“Ca…(apito)…o, agora estou até ouvindo música… Pirei de vez. Oficial.” – Arnaldo se enfia debaixo das cobertas, como uma criança se escondendo do bicho-papão.

“Não adianta, meu querido. Eu vim para ficar. Você não tem que trabalhar não?” – Para desespero de nosso coadjuvante(?) a voz de Clodovil ainda pode ser ouvida dentro da cabana formada pelo cobertor.

Arnaldo se levanta num pulo só, evita contato visual com a aparição e segue diretamente para o banheiro. Parece determinado a recobrar sua sanidade a qualquer custo. Enquanto tira sua cueca velha e carcomida, liga o chuveiro na posição verão e se enfia debaixo da torrente de água gelada.

“Gente, vai ser a menor barra de censura da história da televisão.” – A voz de Clodovil parece vir de dentro do banheiro.

*risadas*

“A água está gelada, sua bicha velha!!!” – Arnaldo, sentindo sua masculinidade ridicularizada, abaixa suas defesas contra a evidente situação estapafúrdia que vive naquele instante.

*risadas*

“Agora para de me encher o saco que eu tenho que trabalhar daqui a pouco, coisa que você obviamente não entende já que era deputado.” – Arnaldo nem se preocupa em olhar para trás, apenas ensaboa o seu corpo.

*risadas e palmas*

“Geeeente, ele ficou nervoso! Vocês sabem como eu sou, né? Não tenho papas na língua, sou sincero até a última gota. Fui criado para falar a ver…” – Clodovil discursa.

“Blá blá blá blá blááá… Não tem como trocar de canal não?” – Arnaldo termina seu banho e pega uma toalha bem ao lado de Clodovil.

*risadas*

“Ui, alguém acorda de mau humor. Azar, meu bem, porque o nosso público é o único que pode mudar de canal. E aposto que ninguém vai querer ver o programa do Chacrinha com participação especial do senso de humor do Jô Soares.” – Clodovil olha para a parede novamente.

*gritos de incentivo*

Enquanto se dirige novamente para o quarto e pega roupas no armário, Arnaldo questiona: “Por que você fica olhando para a parede? Quem está vendo isso?”

“Os desencarnados. Você nem imagina o tamanho do público que está nos acompanhando agora. E eu estou olhando para as câmeras, você não é iluminado o suficiente para enxergá-las. Assim que eu morri me ofereceram o papel de protagonista de um show onde eu daria dicas de moda, comportamento e etiqueta para um pobre coitado como você. Disseram que assim que eu completar um ano com o programa no ar, eu vou para o céu.” – Clodovil lixa as unhas enquanto fita as nádegas expostas de Arnaldo.

“Bom jeito de te manter longe do paraíso. Quando você não caga na entrada…” – Arnaldo, desconfortável com os olhares de Clodovil, veste-se apressado.

“Eu não te aconselharia a usar essa roupa, querido. Não combina e ainda evidencia essa sua barriguinha…” – Clodovil abre novamente o armário e suspira decepcionado. “Meu Deus, eu vou precisar operar um milagre aqui para te deixar na moda…” – Com um estalo de dedos da alma penada (de pavão), um turbilhão de purpurina obscurece a visão de Arnaldo, que fica sem reação.

*palmas e gritos*

“Hã?” – Arnaldo nota que sua roupa está completamente diferente, tanto o modelo quanto os tons do tecido. “Cadê a minha roupa, Clodovil?”

“Numa lixeira do Além! Agora sim você vai causar um impacto e abalar o mundo dos vivos, meu bem!” – Responde o espílhafatoso.

“Você tem certeza? Me parece um tanto quanto… gay. Principalmente a calça de couro.” – Arnaldo está pensando seriamente em se matar e trocar de canal para sempre.

“Quem é o estilista do recinto?” – Clodovil indaga.

“Se tem algum aqui deve estar mais morto do que você, porque eu não estou vendo nenhum…” – Arnaldo volta a demonstrar seu mau humor.

*vaias*

“Além disso, quem enfiou na sua cabeça que eu preciso de um assessor para estilo? Eu sou feliz do jeito que eu sou, não preciso ficar fazendo pose para o mundo ou interpretando um papel ridículo e caricatural porque sou uma bicha insegura e fracassada! E mesmo se eu quisesse alguém para me dar dicas sobre essas futilidades, eu com certeza não escolheria você. Primeiro porque você nunca se respeitou durante sua vida, e além disso fez todo tipo de papelão para aparecer enquanto dizia aos quatro ventos que não ligava para a opinião alheia. Não, Clodovil, eu não quero nada, nada mesmo, vindo de você. Vai embora daqui e nunca mais volte.” – Arnaldo começa o difícil processo de arrancar a apertadíssima calça que esmaga seus genitais.

*silêncio*

“Gordo, feio, invejoso! Você nunca vai ter o glamour que eu tive!” – Clodovil, visivelmente alterado, se volta para a parede e com um gesto pede a aproximação da câmera invisível.

Arnaldo veste novamente uma roupa masculina.

“Agora eu vou falar umas verdades para vocês, telespectadores. Vocês me conhecem, né? Eu não me escondo não, dou a cara a tapa e não tenho medo de ningu…” – Clodovil, dedo em riste, parece compenetrado em seu discurso.

Arnaldo pega sua carteira, celular e chaves e sai de casa.

Clodovil escuta a porta batendo, vira-se e contempla o apartamento vazio. Olhando novamente para a parede, solta um palavrão multi silábico desconhecido até para as almas milenares na platéia. Visivelmente chateado, senta-se na cama e esconde o rosto, do qual já brotam lágrimas.

Um celular começa a tocar. Clodovil busca o aparelho em seu bolso e atende com um gemido tristonho. Depois de escutar algumas frases, arregala os olhos e demonstra um sorriso surpreso:

“Como assim um sucesso? O público quer muito que eu continue com o programa? Com outros coadjuvantes? Um por mês? Mas você viu o que aconteceu… Ele me odiou! Quem garante que outro vivo vá gostar de ter minha companhia vinte e quatro horas por dia? Aaaahhh… entendi… Claro que eu topo! Vamos começar agora mesmo… Meu bem, eu voltei com tudo!”

***

Alguns minutos depois, no Rio de Janeiro:

“Clodovil?”

“Bom dia, Belo.”

*palmas*

Bicha não morre, bicha vira purpurina
Bicha não morre, bicha vira purpurina
Bicha não morre, bicha vira purpurina
Bicha não morre, bicha vira purpurina…

FIM
(Tomara…)

Clodovil, obrigado por deixar o mundo um lugar melhor para se viver, ontem. Essa é a homenagem do desfavor para um desfavor.

Mulheres apaixonadas, perdidamente apaixonadas, podem ter seu discernimento prejudicado pela paixão. Eu, por exemplo, quando estou naquele rompante de paixão, sou capaz de fazer as coisas mais idiotas e ainda achar lindo! Tudo bem que homem também faz loucuras quando está muito apaixonado, mas sinceramente, eles que se fodam, minha preocupação é com vocês, Meninas! É por isso que hoje venho aqui escrever às mulheres perdidamente apaixonadas e pedir que NÃO SE DEIXEM FILMAR OU FOTOGRAFAR NUAS por seus parceiros.

Não importa o quanto você confia nele, não faça isso. Repito: NÃO FAÇA ISSO. Hoje em dia, vivemos em um mundo de privacidade zero. Mesmo que ele sejam uma pessoa bacana, mesmo que você confie nele, mesmo que você também tenha fotos ou filmes dele em situações íntimas, ainda assim, não faça essa besteira. Pode custar caro.

Sempre disse isso a todas as minhas amigas e freqüentemente fui chamada de paranóica e desconfiada. Até que uma delas viu sua intimidade revelada no Youtube. Tem coisas que a gente nunca acha que podem acontecer conosco. É sempre a casa do vizinho que pega fogo. Na hora, muitas vezes não pensamos direito, minimizamos as conseqüências. Aprendam uma coisa: frases como “ele não faria isso comigo” ou “depois eu vejo no que dá” são prenúncio da desgraça.

“Mas Sally, eu confio DE VERDADE nele, sabe? Você não consegue confiar nos outros? Não existe relação sem entrega, sem confiança. Eu tenho certeza que ele jamais faria nada para me sacanear, ele é uma pessoa correta”. Vamos lá. Confiar não quer dizer colocar sua vida nas mãos do outro. Confiar significa partilhar algumas coisas que você não partilha com qualquer um, não significa partilhar TUDO. Esse discurso mal entendido de que se você confia na pessoa faz TUDO é equivocado.

Além disso, por mais que você ache ele ótima pessoa e confie nele, sinto lhe informar, as pessoas só costumam revelar a carinha verdadeira depois do término. Muitos se transformam, principalmente quando levam um fora, ainda que amigável. O ser humano é estranho, é imprevisível. Não conte que esse caráter todo vai sobreviver após um término. Tomara que sim, mas trabalhe com a possibilidade do não.

E por fim, mesmo que ele seja um exemplo de retidão, mesmo que ele nunca tente te prejudicar com isso, é preciso lembrar que as informações digitais não são 100% seguras. Celulares são roubados, câmeras são roubadas, computadores são invadidos, etc. E se por algum azar do destino essa informação vazar sem culpa dele? Você vai se arriscar a que seu pai, sua mãe, seus irmãos, seus amigos, seu professores e seus futuros namorados te vejam como veio ao mundo, ou em cenas de sexo? Eu não arriscaria jamais, mesmo que houvesse apenas 0,0001% de chances disso acontecer.

“Mas Sally, eu também tenho fotos dele pelado, ele não seria burro de fazer isso comigo porque eu poderia fazer isso com ele” ou então “Mas Sally, ele também está no nosso vídeo caseiro pornô, jamais iria divulgar, porque ele também iria se expor”. Não sejamos inocentes… Apesar de tudo, a sociedade ainda é machista. Uma foto de uma menina pelada é sempre pior do que a de um homem pelado. E se for um vídeo de sexo, pior ainda. Ele é capaz até de sentir uma ponta de orgulho de ter um vídeo dele comendo uma mulezinha na internet. Quem fica na merda é você. Quem vai sofrer a reprovação social é você. E boa sorte ao tentar explicar isso para seu próximo namorado.

“Mas Sally, se ele fizer isso, deve ter alguma providência que eu possa tomar, tipo processar ele e obrigar a tirar o vídeo ou as fotos da internet. Ele não iria se arriscar a ser preso”. Lamento informar que o direito está muito atrasado quanto à regulamentação dos crimes virtuais. Duvido que uma pessoa seja presa por colocar um vídeo ou uma foto assim na internet. No máximo, teria que pagar uma indenização (e dinheiro algum no mundo apagam a sua vergonha). Mesmo assim, é muito difícil de provar quem colocou e onde. Será um processo longo, demorado. E ainda que, depois de muito tempo de processo, você consiga tirar a imagem da internet, quem salvou pode divulgar por e-mail e outros meios e não existe forma de fiscalizar isso. As pessoas tem a certeza da impunidade. A Polícia Federal comemora e vira manchete de jornal quando conseguem prender pedófilos que postam coisas na internet, de tão difícil que é. Não espere que a PF se mobilize em peso para descobrir um Zé Ruela que postou uma foto da ex mostrando o brioco, porque não vai. Eles tem outras prioridades.

“Mas Sally, se eu recusar, ele vai dizer que eu não confio nele e vai brigar comigo”. Bem, você pode tentar explicar que independe da sua confiança NELE e que essas coisas podem vazar independente da vontade dele. Você também pode dizer alguma outra coisa, como por exemplo”Não quero, não tenho a menor vontade e não me sinto bem fazendo” (mantra do “não vou dar o cu”). Se ele insistir, me perdoe, mas ele é um babaca por te pressionar para fazer uma coisa que você não gosta e que não se sente bem. Comece a pensar melhor se vale a pena ficar com um Zé Ruela desses.

Por fim, mesmo que ele nunca use isso contra você, mesmo que nunca vaze, mesmo que tudo dê certo, você sempre vai ficar com aquela pulguinha atrás da orelha, de saber que tem uma pessoa com esse material nas mãos, ou melhor, que tem uma pessoa que te tem nas mãos dessa forma. Sua paz de espírito vale mais. Poder colocar a cabeça no travesseiro sem sentir medo é um LUXO que só damos valor quando o perdemos. Não se coloque assim nas mãos de NINGUÉM: nem de amigo, nem de namorado, nem de marido… DE NINGUÉM.

E cuidado com a proposta canalha de “vamos filmar, depois eu apago, na sua frente”, minha amiga caiu assim. Foi filmada, viu ele apagando o vídeo, mas não sabia que era possível recuperar o que tinha sido excluído. O Zé Ruela recuperou o vídeo e quando ela deu um pé na bunda dele, o vídeo foi parar na internet, postado em um site russo, se não me engano. Da forma como ele fez, não é possível incriminá-lo (a menos que você entre com um processo lá e obrigue o provedor de lá a quebrar o sigilo sobre quem postou). Salvo engano, a marca da câmera era Cyber-shot. Me desculpem se cometi alguma imprecisão nesse último parágrafo, não entendo nada de informática e computação.

Fica o apelo: NÃO SE DEIXEM FOTOGRAFAR OU FILMAR, POR NINGUÉM, EM SITUAÇÕES QUE NÃO GOSTARIAM QUE SEJAM TORNADAS PÚBLICAS

Para me chamar de paranóica, para me perguntar como reaver aquele vídeo que seu ex fez de você e para sugerir temas: sally@desfavor.com

No Proces… Ele disse, ela disse de hoje falaremos sobre uma das figuras mais mitológicas que já viveram nas Américas: Fidel Alejandro Castro Ruiz, ou Fidel Castro para os mais íntimos.

Por que Fidel Castro é tema desta sessão? Sally e Somir tem visões BEM diferentes sobre o ex-governante cubano.

Fidel Castro, déspota esclarecido ou desfavor em forma de bandido?

Fidel Castro foi um ditador. Eu já considero a discussão ganha na primeira frase. Mas, prevendo que minha CARA vá tentar diminuir o impacto dessa afirmação com sua retórica, eu vou colocar as coisas em perspectiva aqui para você, leitor ou leitora, ter uma boa idéia do que isso realmente significa.

Exemplos de ditadores famosos: Hitler, Mussolini, Franco, Stalin, Mao Tse-tung, Khomeini, Pinochet, Videla, Médici, Idi Amin, Mugabe, Duvalier (Papa Doc), Fidel Castro.

Entenderam qual é a turma do Fidel? A turma da intolerância, da tortura, do genocídio e da corrupção.

Ditador nada mais é do que um líder com plenos poderes sobre as instituições e pessoas que governa. Pode-se chegar a essa condição por imposição pela força ou por apelo popular, tanto faz. Em um mundo cor-de-rosa e utópico, o ditador deveria resolver todos os problemas urgentes de uma nação e entregar o poder de volta para o povo. Mas… Plenos poderes costumam ser incrivelmente tentadores para quem os possui. E justamente por isso os ditadores tem essa mania incômoda de não querer mais sair da posição que conquistaram.

Fidel chegou ao poder em 1959 após participar de uma revolução contra a ditadura de Fulgencio Batista. Aclamado pelo povo por ser o símbolo da vitória do povo cubano contra a tirania, Fidel assumiu o posto de líder do país, posto que manteve até meados de 2007. Imagina-se que ele tenha sido a melhor opção para Cuba nesse tempo todo, certo? Jamais saberemos. Logo após derrubar uma ditadura, Castro instaurou outra e a população do país não teve mais oportunidades de escolher.

Por quase 50 anos Fidel Castro foi o único candidato do único partido do país. O PEMVO (Partido Eu Mando e Você Obedece. Também conhecido como Partido Comunista Cubano.). Alguém aqui consegue imaginar um governante se mantendo no poder por todo esse tempo com apoio popular maciço o suficiente para se recandidatar e ganhar sempre? Fidel manteve seu poder da ÚNICA forma que uma ditadura sabe fazer: Usando a força. Paredón neles!

Vamos lá: Fidel Castro foi apoiado pelo povo para LIVRÁ-LOS de uma ditadura, algo que sempre foi usado como ferramenta para crimes contra a humanidade. Ao conseguir o que queria, CAGOU NA CABEÇA DO POVO se tornando ditador.

Fidel não liga para nenhuma causa humanitária. Fidel foi um ditador. E se você acha que o sistema de saúde e educacional cubanos são provas contra essa afirmação, é melhor prestar mais atenção no que isso realmente significa, na prática, para a população daquele país.
Considerado o melhor indicador na atualidade para qualidade de vida num país, o IDH (Índicie de Desenvolvimento Humano, definido pela ONU) classifica Cuba como 48º lugar no ranking geral. Cuba está acima do Brasil, que ocupa a 70ª posição. Mas será que isso é prova de sucesso? Outros países caribenhos também ganham do Brasil… Antígua e Barbuda, Trinidad e Tobago, Santa Lúcia… Imagino se tem alguma conexão… Ah, tem sim! SÃO TODOS PAÍSES MINÚSCULOS! O que é mais fácil? Cuidar de 5 ou de 190 milhões de pessoas? Pense com calma… O Brasil é sim um país com problemas sociais graves, mas somos um país continental. Dá muito trabalho acertar as coisas, por melhor que seja a vontade de quem governa. (E não costuma ser boa…)

Cuba tem 110 mil quilômetro quadrados e uma população menor do que a cidade de São Paulo. Não estou dizendo que é fácil cuidar desse tanto de pessoas, mas os outros países minúsculos em posições elevadas no ranking de IDH provam que tem alguma relação sim entre os dois fatos.

Tudo bem, Cuba continua numa posição alta. Mas, novamente, isso pode ser colocado em perspectiva. Barbados, pertinho de Cuba, está em 37º lugar. Você já ouviu falar de algum grande programa social “barbadense”? Será que eles são exemplos mundiais de desenvolvimento humano e nós não ficamos sabendo? Não é isso. Barbados é uma ilhota com pouco mais de 300 mil habitantes. Mais baba de cuidar ainda do que Cuba.

ENTÃO QUER DIZER QUE DEPOIS DE 50 ANOS DE REGIME SOCIALISTA CUBA NÃO CONSEGUE SER O PAÍS COM O MAIOR DESENVOLVIMENTO SOCIAL NEM DA BOSTA DO CARIBE?

Sim. Viva la revolución! Julgando pela posição dos outros países da mesma região em comparação, até mesmo se o Batista continuasse no poder as coisas estariam mais ou menos na mesma. Obrigado por nada, cretino!

Fidel está cagando e andando para o seu povo. Sempre esteve. Tomou o poder para SI, criou políticas POPULISTAS para compensar sua teimosia e inépcia no trato das relações internacionais, que resultaram num embargo que deixou o país na mais completa miséria. Sabem como identificar uma política populista? A população ganha de um lado para parar de reclamar dos problemas óbvios da nação. Não há analfabetos em Cuba, mas isso não adianta muito se não há liberdade para crescer na vida. O sistema de saúde deles é excepcional, menos quando a doença é séria, porque faltam remédios e equipamentos. A política esportiva é um exemplo, desde que o atleta aceite ser um animal adestrado sem objetivos na vida.

Fidel tinha um sonho, e esse sonho era ser ditador. Até um retardado mental perceberia que se sua população preferisse subir numa jangada e remar até outro país do que continuar sob seu comando, alguma coisa está errada. Não estou tirando isso da cartola não, se você já freqüentou alguma universidade pública, deve conhecer algum cubano FELIZ DA VIDA por ter saído daquela ilha retrógrada e ter sua primeira chance de aprender com os avanços recentes da humanidade.

Revisão: Fidel foi um ditador que TRAIU o povo que o ajudou a chegar onde esteve. Instaurou um regime totalitário, violento e castrador. Falhou como líder socialista, já que as pessoas que realmente aproveitam a tal “excelência social” são as com dinheiro e poder suficiente para aproveitar isso em qualquer lugar.

E é uma pena que eu só tenha duas páginas… Vamos logo ao argumento principal: Fidel Castro tolheu a liberdade de seu povo usando a violência. Isso é crime. Fidel não fugiu à regra da categoria que representa: Não resolveu os problemas do país e cometeu crimes contra a humanidade.

Liberdade é condição INEGOCIÁVEL para o desenvolvimento humano. A escravidão só produziu monumentos gigantescos e preconceito. E não estou mudando de assunto não: Os cubanos são ESCRAVOS do regime de governo. Recebem o mínimo necessário para sobreviver (às vezes nem isso), não podem deixar o lugar onde vivem, não podem criticar ou sugerir mudanças, não podem se tornar independentes do sistema que os controla. Fidel nunca deu opção para seu povo porque sabe, como todo ditador, que liberdade é a inimiga número um da ignorância.

Não, não tem nenhuma característica abonadora em Fidel Castro. Se tinha, foi derrubada pelo mesmo golpe militar que o colocou no poder. Fidel é um ditador de merda, como todos os outros foram, são e serão. Tomara que o câncer no cu esteja doendo muito, camarada!

Para discutir sobre capitalismo, socialismo e outros achismos, para dizer que eu tenho inveja do Fidel porque também quero ser ditador: somir@desfavor.com


Acho inútil tentar classificar Fidel Castro. Ele é sui generis, ele foge de qualquer classificação. Entendo aqueles que o criticam, eu mesma tenho algumas críticas a fazer, no entanto o que não aceito é gente que apenas dá pedrada e se recusa a ver seu lado bom e seu mérito.

Para começo de conversa, não concordo quando dizem que ele é um “ditador”. Vejamos, de acordo com os dicionários, ditador é aquele que toma o poder sem a legitimidade conferida pela escolha popular. Que eu saiba, Fidel chegou ao poder nos braços do povo. Onze homens desembarcaram e Cuba e começaram a migrar pela selva, convencer a população e desafiar o governo de Fulgencio Batista, este sim uma ditadura. A população estava muito insatisfeita e aderiu ao movimento de Fidel e Che. Não fosse o apoio popular, em tempo algum onze homens seriam capazes de depor um governo. Nas fotos da queda do governo de Batista, podemos observar Fidel sendo carregado nos braços de uma multidão (parecia uma micareta comunista, minha gente!). Se isso não é legitimidade da escolha popular, eu não sei o que é. O fato de não haver eleição não quer dizer que ele não tenha sido legitimado pela escolha popular.

Tudo bem, Fidel era rígido, intransigente e cabeça fechada para algumas coisas. Acho que errou sim, errou muito. Mas isso não apaga o que ele fez de bom. “Mas Sally, olha a merda que você está dizendo! Deve ser uma bosta viver em um país onde você não pode falar mal do governo, não pode sair do país, não pode quase nada!”. Concordo plenamente com você, meu caro leitor reacionário, deve ser uma bosta MESMO. Eles não tem liberdade. Mas… contudo… eles tem igualdade. Todos tem hospitais com médicos competentes, todos tem escola, etc. E nós, que temos liberdade para dar e vender, mas não temos igualdade? Será que é melhor ter liberdade e não ter igualdade ou ter igualdade e não ter liberdade? Não sei responder. É como diz aquela frase de camiseta hippie: “Todos os dias milhões de crianças dormem nas ruas, nenhuma delas é cubana”.

“Mas Sally, Fidel é um monstro, quando ele assumiu o poder mandou um monte de gente para o paredón”. Sem dúvidas isso é uma atitude questionável. No entanto, Fidel não tinha por hábito torturar ninguém. Se era tido como inimigo, pegava e matava, porque aquele era um momento de guerra. Quantos governos se restringem a matar sem torturar seus inimigos? Ainda mais na América Lat(r)ina? O nosso com certeza torturou muita gente! E outra: quem acha pena de morte em tempos de guerra uma coisa cruel, desumana e monstruosa, deveria dar uma olhada com mais atenção à nossa constituição, porque a Constituição da República Federativa do Brasil prevê SIM pena de morte em crimes cometidos em tempo de guerra. É uma exceção expressa ao direito à vida. Então, Fidel mandar gente para o paredão não é nada de novo na nossa realidade.

O cara é exaltado. O cara isolou Cuba do mundo. O Bom Velhinho é mala sem alça, faz discursos de oito horas seguidas, mas porra, conseguiu manter uma país que estava “de mal” com o resto do mundo, tomando embargo de todos os lados, com uma medicina de ponta e educação exemplar! Será que algum político brasileiro faria isso? Papai Fidel conseguiu mobilizar um país inteiro e depôs um ditator com meia dúzia de armas e muita força de vontade! Assumam, o cara tem seu mérito! Numa Terra de Ovelhas Mansas como o Brasil, não me admira que “gente que faz” não seja reconhecida… Tem mil defeitos, mas tem qualidades. Não é um bicho-papão.

Fidel brigou com os EUA a vida toda. Cuba era uma ilhota cocô e os EUA eram a maior potência do mundo. E mesmo assim, ele durou quatro décadas no poder. O Véio tem seu mérito, porra! Atiraram em meia dúzia de líderes mundiais (Alô? Kennedy?) mas nunca conseguiram matar Fidel. O Véio é ninja!

“Mas Sally, os cubanos odeiam ele, vivem fugindo para os EUA em balsas”. Meu Querido Leitor Reacionário, é uma mera questão geográfica. Pense comigo: se o Brasil fizesse fronteia pelo mar com os EUA, quantos brasileiros não se enfiariam no primeiro caixote de isopor e iriam remando até os States? Dez vezes mais do que os cubanos. E muito cubanos amam o Fidel. Muitos mesmo.

O Véio é meio maluco, meio radical, eu não nego. Não estou dizendo que Cuba é um paraíso, porque não é, eu sei que não é. É um país com muitas privações, com muitas carências. Ao contrário da maior parte das pessoas que defende cegamente o Fidel, eu não acho que Cuba seja um país modelo. Acho que tem ALGUMAS COISAS muito boas que deveriam servir de exemplo para nós, e outras que são uma titica de sabiá amarelo. Só quero mostrar com este texto, que Fidel tem coisas boas, tem mérito. Assim como ele não é 100% bom, como defendem os hippies comunistas, também não é 100% ruim, como defendem os reacionários.

É mais forte que eu. Eu amo o Fidel. EU AMO O FIDEL. Sempre tive uma queda por um tirano (no bom sentido, no sentido de gênio forte) carismático. Não é a toa que namorei com o Somir.

Para me chamar de comunista hippie imunda, para me mandar ir morar em cuba e para dizer que eu sou uma afronta à pátria que me acolheu: sally@desfavor.com