Mulheres apaixonadas, perdidamente apaixonadas, podem ter seu discernimento prejudicado pela paixão. Eu, por exemplo, quando estou naquele rompante de paixão, sou capaz de fazer as coisas mais idiotas e ainda achar lindo! Tudo bem que homem também faz loucuras quando está muito apaixonado, mas sinceramente, eles que se fodam, minha preocupação é com vocês, Meninas! É por isso que hoje venho aqui escrever às mulheres perdidamente apaixonadas e pedir que NÃO SE DEIXEM FILMAR OU FOTOGRAFAR NUAS por seus parceiros.

Não importa o quanto você confia nele, não faça isso. Repito: NÃO FAÇA ISSO. Hoje em dia, vivemos em um mundo de privacidade zero. Mesmo que ele sejam uma pessoa bacana, mesmo que você confie nele, mesmo que você também tenha fotos ou filmes dele em situações íntimas, ainda assim, não faça essa besteira. Pode custar caro.

Sempre disse isso a todas as minhas amigas e freqüentemente fui chamada de paranóica e desconfiada. Até que uma delas viu sua intimidade revelada no Youtube. Tem coisas que a gente nunca acha que podem acontecer conosco. É sempre a casa do vizinho que pega fogo. Na hora, muitas vezes não pensamos direito, minimizamos as conseqüências. Aprendam uma coisa: frases como “ele não faria isso comigo” ou “depois eu vejo no que dá” são prenúncio da desgraça.

“Mas Sally, eu confio DE VERDADE nele, sabe? Você não consegue confiar nos outros? Não existe relação sem entrega, sem confiança. Eu tenho certeza que ele jamais faria nada para me sacanear, ele é uma pessoa correta”. Vamos lá. Confiar não quer dizer colocar sua vida nas mãos do outro. Confiar significa partilhar algumas coisas que você não partilha com qualquer um, não significa partilhar TUDO. Esse discurso mal entendido de que se você confia na pessoa faz TUDO é equivocado.

Além disso, por mais que você ache ele ótima pessoa e confie nele, sinto lhe informar, as pessoas só costumam revelar a carinha verdadeira depois do término. Muitos se transformam, principalmente quando levam um fora, ainda que amigável. O ser humano é estranho, é imprevisível. Não conte que esse caráter todo vai sobreviver após um término. Tomara que sim, mas trabalhe com a possibilidade do não.

E por fim, mesmo que ele seja um exemplo de retidão, mesmo que ele nunca tente te prejudicar com isso, é preciso lembrar que as informações digitais não são 100% seguras. Celulares são roubados, câmeras são roubadas, computadores são invadidos, etc. E se por algum azar do destino essa informação vazar sem culpa dele? Você vai se arriscar a que seu pai, sua mãe, seus irmãos, seus amigos, seu professores e seus futuros namorados te vejam como veio ao mundo, ou em cenas de sexo? Eu não arriscaria jamais, mesmo que houvesse apenas 0,0001% de chances disso acontecer.

“Mas Sally, eu também tenho fotos dele pelado, ele não seria burro de fazer isso comigo porque eu poderia fazer isso com ele” ou então “Mas Sally, ele também está no nosso vídeo caseiro pornô, jamais iria divulgar, porque ele também iria se expor”. Não sejamos inocentes… Apesar de tudo, a sociedade ainda é machista. Uma foto de uma menina pelada é sempre pior do que a de um homem pelado. E se for um vídeo de sexo, pior ainda. Ele é capaz até de sentir uma ponta de orgulho de ter um vídeo dele comendo uma mulezinha na internet. Quem fica na merda é você. Quem vai sofrer a reprovação social é você. E boa sorte ao tentar explicar isso para seu próximo namorado.

“Mas Sally, se ele fizer isso, deve ter alguma providência que eu possa tomar, tipo processar ele e obrigar a tirar o vídeo ou as fotos da internet. Ele não iria se arriscar a ser preso”. Lamento informar que o direito está muito atrasado quanto à regulamentação dos crimes virtuais. Duvido que uma pessoa seja presa por colocar um vídeo ou uma foto assim na internet. No máximo, teria que pagar uma indenização (e dinheiro algum no mundo apagam a sua vergonha). Mesmo assim, é muito difícil de provar quem colocou e onde. Será um processo longo, demorado. E ainda que, depois de muito tempo de processo, você consiga tirar a imagem da internet, quem salvou pode divulgar por e-mail e outros meios e não existe forma de fiscalizar isso. As pessoas tem a certeza da impunidade. A Polícia Federal comemora e vira manchete de jornal quando conseguem prender pedófilos que postam coisas na internet, de tão difícil que é. Não espere que a PF se mobilize em peso para descobrir um Zé Ruela que postou uma foto da ex mostrando o brioco, porque não vai. Eles tem outras prioridades.

“Mas Sally, se eu recusar, ele vai dizer que eu não confio nele e vai brigar comigo”. Bem, você pode tentar explicar que independe da sua confiança NELE e que essas coisas podem vazar independente da vontade dele. Você também pode dizer alguma outra coisa, como por exemplo”Não quero, não tenho a menor vontade e não me sinto bem fazendo” (mantra do “não vou dar o cu”). Se ele insistir, me perdoe, mas ele é um babaca por te pressionar para fazer uma coisa que você não gosta e que não se sente bem. Comece a pensar melhor se vale a pena ficar com um Zé Ruela desses.

Por fim, mesmo que ele nunca use isso contra você, mesmo que nunca vaze, mesmo que tudo dê certo, você sempre vai ficar com aquela pulguinha atrás da orelha, de saber que tem uma pessoa com esse material nas mãos, ou melhor, que tem uma pessoa que te tem nas mãos dessa forma. Sua paz de espírito vale mais. Poder colocar a cabeça no travesseiro sem sentir medo é um LUXO que só damos valor quando o perdemos. Não se coloque assim nas mãos de NINGUÉM: nem de amigo, nem de namorado, nem de marido… DE NINGUÉM.

E cuidado com a proposta canalha de “vamos filmar, depois eu apago, na sua frente”, minha amiga caiu assim. Foi filmada, viu ele apagando o vídeo, mas não sabia que era possível recuperar o que tinha sido excluído. O Zé Ruela recuperou o vídeo e quando ela deu um pé na bunda dele, o vídeo foi parar na internet, postado em um site russo, se não me engano. Da forma como ele fez, não é possível incriminá-lo (a menos que você entre com um processo lá e obrigue o provedor de lá a quebrar o sigilo sobre quem postou). Salvo engano, a marca da câmera era Cyber-shot. Me desculpem se cometi alguma imprecisão nesse último parágrafo, não entendo nada de informática e computação.

Fica o apelo: NÃO SE DEIXEM FOTOGRAFAR OU FILMAR, POR NINGUÉM, EM SITUAÇÕES QUE NÃO GOSTARIAM QUE SEJAM TORNADAS PÚBLICAS

Para me chamar de paranóica, para me perguntar como reaver aquele vídeo que seu ex fez de você e para sugerir temas: sally@desfavor.com

No Proces… Ele disse, ela disse de hoje falaremos sobre uma das figuras mais mitológicas que já viveram nas Américas: Fidel Alejandro Castro Ruiz, ou Fidel Castro para os mais íntimos.

Por que Fidel Castro é tema desta sessão? Sally e Somir tem visões BEM diferentes sobre o ex-governante cubano.

Fidel Castro, déspota esclarecido ou desfavor em forma de bandido?

Fidel Castro foi um ditador. Eu já considero a discussão ganha na primeira frase. Mas, prevendo que minha CARA vá tentar diminuir o impacto dessa afirmação com sua retórica, eu vou colocar as coisas em perspectiva aqui para você, leitor ou leitora, ter uma boa idéia do que isso realmente significa.

Exemplos de ditadores famosos: Hitler, Mussolini, Franco, Stalin, Mao Tse-tung, Khomeini, Pinochet, Videla, Médici, Idi Amin, Mugabe, Duvalier (Papa Doc), Fidel Castro.

Entenderam qual é a turma do Fidel? A turma da intolerância, da tortura, do genocídio e da corrupção.

Ditador nada mais é do que um líder com plenos poderes sobre as instituições e pessoas que governa. Pode-se chegar a essa condição por imposição pela força ou por apelo popular, tanto faz. Em um mundo cor-de-rosa e utópico, o ditador deveria resolver todos os problemas urgentes de uma nação e entregar o poder de volta para o povo. Mas… Plenos poderes costumam ser incrivelmente tentadores para quem os possui. E justamente por isso os ditadores tem essa mania incômoda de não querer mais sair da posição que conquistaram.

Fidel chegou ao poder em 1959 após participar de uma revolução contra a ditadura de Fulgencio Batista. Aclamado pelo povo por ser o símbolo da vitória do povo cubano contra a tirania, Fidel assumiu o posto de líder do país, posto que manteve até meados de 2007. Imagina-se que ele tenha sido a melhor opção para Cuba nesse tempo todo, certo? Jamais saberemos. Logo após derrubar uma ditadura, Castro instaurou outra e a população do país não teve mais oportunidades de escolher.

Por quase 50 anos Fidel Castro foi o único candidato do único partido do país. O PEMVO (Partido Eu Mando e Você Obedece. Também conhecido como Partido Comunista Cubano.). Alguém aqui consegue imaginar um governante se mantendo no poder por todo esse tempo com apoio popular maciço o suficiente para se recandidatar e ganhar sempre? Fidel manteve seu poder da ÚNICA forma que uma ditadura sabe fazer: Usando a força. Paredón neles!

Vamos lá: Fidel Castro foi apoiado pelo povo para LIVRÁ-LOS de uma ditadura, algo que sempre foi usado como ferramenta para crimes contra a humanidade. Ao conseguir o que queria, CAGOU NA CABEÇA DO POVO se tornando ditador.

Fidel não liga para nenhuma causa humanitária. Fidel foi um ditador. E se você acha que o sistema de saúde e educacional cubanos são provas contra essa afirmação, é melhor prestar mais atenção no que isso realmente significa, na prática, para a população daquele país.
Considerado o melhor indicador na atualidade para qualidade de vida num país, o IDH (Índicie de Desenvolvimento Humano, definido pela ONU) classifica Cuba como 48º lugar no ranking geral. Cuba está acima do Brasil, que ocupa a 70ª posição. Mas será que isso é prova de sucesso? Outros países caribenhos também ganham do Brasil… Antígua e Barbuda, Trinidad e Tobago, Santa Lúcia… Imagino se tem alguma conexão… Ah, tem sim! SÃO TODOS PAÍSES MINÚSCULOS! O que é mais fácil? Cuidar de 5 ou de 190 milhões de pessoas? Pense com calma… O Brasil é sim um país com problemas sociais graves, mas somos um país continental. Dá muito trabalho acertar as coisas, por melhor que seja a vontade de quem governa. (E não costuma ser boa…)

Cuba tem 110 mil quilômetro quadrados e uma população menor do que a cidade de São Paulo. Não estou dizendo que é fácil cuidar desse tanto de pessoas, mas os outros países minúsculos em posições elevadas no ranking de IDH provam que tem alguma relação sim entre os dois fatos.

Tudo bem, Cuba continua numa posição alta. Mas, novamente, isso pode ser colocado em perspectiva. Barbados, pertinho de Cuba, está em 37º lugar. Você já ouviu falar de algum grande programa social “barbadense”? Será que eles são exemplos mundiais de desenvolvimento humano e nós não ficamos sabendo? Não é isso. Barbados é uma ilhota com pouco mais de 300 mil habitantes. Mais baba de cuidar ainda do que Cuba.

ENTÃO QUER DIZER QUE DEPOIS DE 50 ANOS DE REGIME SOCIALISTA CUBA NÃO CONSEGUE SER O PAÍS COM O MAIOR DESENVOLVIMENTO SOCIAL NEM DA BOSTA DO CARIBE?

Sim. Viva la revolución! Julgando pela posição dos outros países da mesma região em comparação, até mesmo se o Batista continuasse no poder as coisas estariam mais ou menos na mesma. Obrigado por nada, cretino!

Fidel está cagando e andando para o seu povo. Sempre esteve. Tomou o poder para SI, criou políticas POPULISTAS para compensar sua teimosia e inépcia no trato das relações internacionais, que resultaram num embargo que deixou o país na mais completa miséria. Sabem como identificar uma política populista? A população ganha de um lado para parar de reclamar dos problemas óbvios da nação. Não há analfabetos em Cuba, mas isso não adianta muito se não há liberdade para crescer na vida. O sistema de saúde deles é excepcional, menos quando a doença é séria, porque faltam remédios e equipamentos. A política esportiva é um exemplo, desde que o atleta aceite ser um animal adestrado sem objetivos na vida.

Fidel tinha um sonho, e esse sonho era ser ditador. Até um retardado mental perceberia que se sua população preferisse subir numa jangada e remar até outro país do que continuar sob seu comando, alguma coisa está errada. Não estou tirando isso da cartola não, se você já freqüentou alguma universidade pública, deve conhecer algum cubano FELIZ DA VIDA por ter saído daquela ilha retrógrada e ter sua primeira chance de aprender com os avanços recentes da humanidade.

Revisão: Fidel foi um ditador que TRAIU o povo que o ajudou a chegar onde esteve. Instaurou um regime totalitário, violento e castrador. Falhou como líder socialista, já que as pessoas que realmente aproveitam a tal “excelência social” são as com dinheiro e poder suficiente para aproveitar isso em qualquer lugar.

E é uma pena que eu só tenha duas páginas… Vamos logo ao argumento principal: Fidel Castro tolheu a liberdade de seu povo usando a violência. Isso é crime. Fidel não fugiu à regra da categoria que representa: Não resolveu os problemas do país e cometeu crimes contra a humanidade.

Liberdade é condição INEGOCIÁVEL para o desenvolvimento humano. A escravidão só produziu monumentos gigantescos e preconceito. E não estou mudando de assunto não: Os cubanos são ESCRAVOS do regime de governo. Recebem o mínimo necessário para sobreviver (às vezes nem isso), não podem deixar o lugar onde vivem, não podem criticar ou sugerir mudanças, não podem se tornar independentes do sistema que os controla. Fidel nunca deu opção para seu povo porque sabe, como todo ditador, que liberdade é a inimiga número um da ignorância.

Não, não tem nenhuma característica abonadora em Fidel Castro. Se tinha, foi derrubada pelo mesmo golpe militar que o colocou no poder. Fidel é um ditador de merda, como todos os outros foram, são e serão. Tomara que o câncer no cu esteja doendo muito, camarada!

Para discutir sobre capitalismo, socialismo e outros achismos, para dizer que eu tenho inveja do Fidel porque também quero ser ditador: somir@desfavor.com


Acho inútil tentar classificar Fidel Castro. Ele é sui generis, ele foge de qualquer classificação. Entendo aqueles que o criticam, eu mesma tenho algumas críticas a fazer, no entanto o que não aceito é gente que apenas dá pedrada e se recusa a ver seu lado bom e seu mérito.

Para começo de conversa, não concordo quando dizem que ele é um “ditador”. Vejamos, de acordo com os dicionários, ditador é aquele que toma o poder sem a legitimidade conferida pela escolha popular. Que eu saiba, Fidel chegou ao poder nos braços do povo. Onze homens desembarcaram e Cuba e começaram a migrar pela selva, convencer a população e desafiar o governo de Fulgencio Batista, este sim uma ditadura. A população estava muito insatisfeita e aderiu ao movimento de Fidel e Che. Não fosse o apoio popular, em tempo algum onze homens seriam capazes de depor um governo. Nas fotos da queda do governo de Batista, podemos observar Fidel sendo carregado nos braços de uma multidão (parecia uma micareta comunista, minha gente!). Se isso não é legitimidade da escolha popular, eu não sei o que é. O fato de não haver eleição não quer dizer que ele não tenha sido legitimado pela escolha popular.

Tudo bem, Fidel era rígido, intransigente e cabeça fechada para algumas coisas. Acho que errou sim, errou muito. Mas isso não apaga o que ele fez de bom. “Mas Sally, olha a merda que você está dizendo! Deve ser uma bosta viver em um país onde você não pode falar mal do governo, não pode sair do país, não pode quase nada!”. Concordo plenamente com você, meu caro leitor reacionário, deve ser uma bosta MESMO. Eles não tem liberdade. Mas… contudo… eles tem igualdade. Todos tem hospitais com médicos competentes, todos tem escola, etc. E nós, que temos liberdade para dar e vender, mas não temos igualdade? Será que é melhor ter liberdade e não ter igualdade ou ter igualdade e não ter liberdade? Não sei responder. É como diz aquela frase de camiseta hippie: “Todos os dias milhões de crianças dormem nas ruas, nenhuma delas é cubana”.

“Mas Sally, Fidel é um monstro, quando ele assumiu o poder mandou um monte de gente para o paredón”. Sem dúvidas isso é uma atitude questionável. No entanto, Fidel não tinha por hábito torturar ninguém. Se era tido como inimigo, pegava e matava, porque aquele era um momento de guerra. Quantos governos se restringem a matar sem torturar seus inimigos? Ainda mais na América Lat(r)ina? O nosso com certeza torturou muita gente! E outra: quem acha pena de morte em tempos de guerra uma coisa cruel, desumana e monstruosa, deveria dar uma olhada com mais atenção à nossa constituição, porque a Constituição da República Federativa do Brasil prevê SIM pena de morte em crimes cometidos em tempo de guerra. É uma exceção expressa ao direito à vida. Então, Fidel mandar gente para o paredão não é nada de novo na nossa realidade.

O cara é exaltado. O cara isolou Cuba do mundo. O Bom Velhinho é mala sem alça, faz discursos de oito horas seguidas, mas porra, conseguiu manter uma país que estava “de mal” com o resto do mundo, tomando embargo de todos os lados, com uma medicina de ponta e educação exemplar! Será que algum político brasileiro faria isso? Papai Fidel conseguiu mobilizar um país inteiro e depôs um ditator com meia dúzia de armas e muita força de vontade! Assumam, o cara tem seu mérito! Numa Terra de Ovelhas Mansas como o Brasil, não me admira que “gente que faz” não seja reconhecida… Tem mil defeitos, mas tem qualidades. Não é um bicho-papão.

Fidel brigou com os EUA a vida toda. Cuba era uma ilhota cocô e os EUA eram a maior potência do mundo. E mesmo assim, ele durou quatro décadas no poder. O Véio tem seu mérito, porra! Atiraram em meia dúzia de líderes mundiais (Alô? Kennedy?) mas nunca conseguiram matar Fidel. O Véio é ninja!

“Mas Sally, os cubanos odeiam ele, vivem fugindo para os EUA em balsas”. Meu Querido Leitor Reacionário, é uma mera questão geográfica. Pense comigo: se o Brasil fizesse fronteia pelo mar com os EUA, quantos brasileiros não se enfiariam no primeiro caixote de isopor e iriam remando até os States? Dez vezes mais do que os cubanos. E muito cubanos amam o Fidel. Muitos mesmo.

O Véio é meio maluco, meio radical, eu não nego. Não estou dizendo que Cuba é um paraíso, porque não é, eu sei que não é. É um país com muitas privações, com muitas carências. Ao contrário da maior parte das pessoas que defende cegamente o Fidel, eu não acho que Cuba seja um país modelo. Acho que tem ALGUMAS COISAS muito boas que deveriam servir de exemplo para nós, e outras que são uma titica de sabiá amarelo. Só quero mostrar com este texto, que Fidel tem coisas boas, tem mérito. Assim como ele não é 100% bom, como defendem os hippies comunistas, também não é 100% ruim, como defendem os reacionários.

É mais forte que eu. Eu amo o Fidel. EU AMO O FIDEL. Sempre tive uma queda por um tirano (no bom sentido, no sentido de gênio forte) carismático. Não é a toa que namorei com o Somir.

Para me chamar de comunista hippie imunda, para me mandar ir morar em cuba e para dizer que eu sou uma afronta à pátria que me acolheu: sally@desfavor.com


Se você tem um desfavor de texto e quer vê-lo postado aqui, basta mandá-lo para desfavor@desfavor.com
Se nós temos coragem de postar nossos textos, imagine só os seus…

DIÁRIO DE UM TÉRMINO – VERSÃO MASCULINA

Li o pedido de uma versão masculina sobre o diário de um término que a Sally escreveu na comunidade do desfavor e resolvi falar sobre as minhas experiências nesse campo. Do mesmo jeito que a Sally falou de tomar um fora ou ter que dar um fora numa pessoa que ainda se gosta, vou contar pelo menos o que acontece comigo…
Podem postar se quiser… Mas sem colocar o meu e-mail.

Dia 1 – Na hora de terminar foi difícil, doeu, mas você conseguiu se segurar e não chorar na frente dela. Você se sente muito mal por não demonstrar o que estava sentindo de verdade, fica pensando se ia mudar alguma coisa. Depois do baque do término, vem uma sensação estranha, como se você não sentisse nada mesmo, acho que a gente acredita na pose que fez mais cedo… Nas primeiras horas você não consegue chorar ou mesmo falar sobre o assunto, fica aquele silêncio interno e externo.

Ninguém ainda sabe do que aconteceu, e você fica imaginando todo o sacrifício que vai ser contar para os amigos ou mesmo para a família. Não é egoísmo de querer evitar trabalho, é medo de estar fragilizado pelo o que acabou de acontecer e acabar demonstrando isso para outras pessoas. É hora de ficar na sua, e se conseguir, chorar um pouco no travesseiro para soltar um pouco do que está represado. Nem sempre você consegue.

Dia 2 – Você acorda meio perdido, como se tivesse tido um pesadelo. Não demora muito para a ficha cair e você lembrar de tudo o que aconteceu no dia anterior. “Será que foi o melhor que poderia ter acontecido? Será que eu não consigo consertar tudo?” Agora é hora das dúvidas – pessoais e intransferíveis – já que um homem tem certeza do que decide e não volta atrás. Certo? Não, não vai ser agora.

É o momento de fazer a primeira grande tarefa do pós-término, que é escolher quem vai ser a primeira pessoa com quem você vai falar sobre o assunto. É estranho ligar para alguém e desabafar, você não quer ser lembrado como o cara que liga para um amigo e começa a chorar. Mais uma grande dúvida que você não quer sanar agora… Ao invés de admitir que precisa de um ouvido amigo, você decide que agüenta seguir sua vida normalmente e resolve seguir sua rotina. A primeira pessoa que fica sabendo nem é tão sua amiga assim, é só um coitado ou uma coitada que te pergunta o porquê de suas olheiras. Mesmo abrindo o jogo, não dá para dizer o que realmente está acontecendo com você, se nem para um grande amigo você choraria as pitangas, imagina só para uma pessoa com quem não tem intimidade? Você solta algo do tipo “É… O que se pode fazer?” e torce para que não percebam que seus olhos marejaram. Normalmente não percebem ou não tem coragem de te dizer que perceberam.

Começa a cair outra ficha, a de que você não deveria ter pulado a etapa de sofrer e de que você não é tão macho assim. Saindo do trabalho você liga para o seu melhor amigo e solta a bomba. Chegou a hora do bar.

Dia 3 – O dia começa pela madrugada, que você passa enchendo a cara. A conversa com seu amigo – ou mais amigos – não chega a ser um desabafo, na verdade você quer se convencer que está fazendo tudo certo e não teve culpa pelo fracasso da relação, discurso que é reforçado por quem está ao seu lado naquela hora. Você solta bravatas do tipo “Agora eu estou solteiro e quero fazer um estrago!”, “Vamos aproveitar a noite!”… Mas no final das contas você vai no máximo espantar alguma pobre garota que está próxima. Você faz pose – de novo – para quem está perto de você e acaba acreditando nela. Se a bebedeira permitir, você volta para casa e aproveita a facilidade para dormir sem pensar em nada.

O primeiro momento de perigo é quando você acorda, com aquele gosto ruim na boca e uma dor de cabeça daquelas… Você se sente um babaca, um perdedor… Dá aquele desespero de achar que fez uma merda muito grande se separando dela. Tudo aquilo do qual você fugiu ontem continua exatamente onde você deixou, você vai até o telefone e disca o número dela até o penúltimo dígito… E repete para si mesmo toda aquela argumentação babaca onde você é totalmente inocente e ela totalmente culpada. Não, não vai ser agora.

Se foi você que terminou, ela costuma não resistir mais e acaba te ligando. Pronto, você escapou dessa! Agora é hora de dizer o que está sentindo, de abrir o coração e contar como está sendo horrível para você, como você está completamente perdido… Mas não, não vai ser agora. Um nó na sua garganta não te deixa falar, e ela também não ajuda, parece que depois de só três dias toda a naturalidade que vocês tinham um com o outro se foi… Silêncios estranhos, perguntas banais… E você, frouxo, passa a imagem de quem não está nem aí para nada. Tudo continua na mesma.

Dia 4 – Parabéns, você conseguiu vencer a fase do choro fácil. A sua cabeça começa a voltar para o lugar, parece que finalmente o pior passou. Foram três dias difíceis… Você resolve comemorar, seja saindo de novo com seus amigos ou mesmo se permitindo alguma atividade solitária divertida. Se ela tenta falar com você hoje, você está inteiro, coloca a cabeça no lugar e diz tudo o que uma pessoa racional diria. É a sua função como homem pensar nessas coisas, você diz para ela que ela vai encontrar outra pessoa, que você nem era o homem certo pra ela mesmo… E todas essas bobagens que dizemos – à toa – para sentirmos que estamos a protegendo novamente.

O dia segue bem. Você ri, se diverte, começa até a fazer algumas piadas com o assunto. Acabou e você aceitou.

Dia 5 – A vida continua, você tem mais o que fazer. Aparece uma força de vontade incrível e você resolve arrumar suas coisas, colocar um pouco de ordem na sua vida. Aí começa a perceber alguns detalhes… Você não fez a barba nesse tempo todo, pediu pizza quatro dias seguidos e não jogou fora as embalagens, esqueceu de desligar a TV antes de dormir… E tem a sensação que dormiu abraçado com o travesseiro nas últimas noites. Estranho… parecia que você estava vivendo no automático. Se for parar para pensar, mal se lembra do que aconteceu até ali. Um homem não tem tempo de ficar pensando nessas coisas… Você começa a arrumar sua bagunça, pensa demoradamente na frente do espelho se deixa o bigode que acabou de aparecer ou não, tira aquela toalha mofada do chão do quarto…

Está na hora de seguir em frente, você já se convenceu. Até que você encontra alguma coisa dela perdida no meio da zona que você chama de casa… Uma foto, um brinco, um cartão de aniversário… Você acha que já superou, mas não, não vai ser agora.

Você olha para essa lembrança, não te parece nada demais. Até que acontece… E eu garanto para vocês que não sei se é só comigo ou se acontece com outros homens, nunca tive coragem de perguntar isso para outro… Um calafrio te anuncia o que vem por aí, e você não consegue mais se segurar, você chora de verdade pela primeira vez. A tristeza toma conta de você como um raio e toda aquela força anterior é reduzida a pó de uma vez. A sua única alegria é não ter ninguém para ver isso. “Acabou… Eu não vou mais ter ela por perto. Acabou…”

Do jeito que você é burro e teimoso, deve ter marcado algum programa para a noite e precisa se livrar dessa cara inchada urgentemente. Com um sacrifício enorme, você faz como sempre te ensinaram e engole o choro. Não importa se passou ou não a vontade, você para de chorar e se força a não ter nenhuma recaída. Quem vê de fora já acredita que você superou, e você vai manter as pessoas pensando assim custe o que custar.

Dia 6 – Você está desesperado porque percebeu que não está imune ao término. Você quer fazer o que puder para resolver isso. E já que você parou de mentir para si mesmo, fica muito mais difícil mentir para os outros. As pessoas mais próximas podem até perceber e taxar de recaída, mas você sabe que acabou de começar… O pior de tudo é que você já perdeu a oportunidade de desabar na frente dos outros. Ela está na sua cabeça, pela primeira vez desde o primeiro dia tomando quase todos os seus pensamentos. E pelo o que você já está sabendo, ela já até saiu com as amigas de novo… Sabe-se lá o que elas aprontaram.

Você não tem escolha a não ser engolir tudo o que estiver sentindo e não dar o braço a torcer. Homem não chora. Sorte que você já sabe como lidar com todo esse sofrimento sem dar nenhum sinal. Uma das melhores formas de fazer isso é não ficar sozinho, é muito mais fácil fingir que está tudo bem quando tem alguém olhando.

“Foda-se, eu não vou ficar em casa hoje… E se eu achar uma mulher razoável hoje, eu vou pegar, não quero nem saber…”

Essa vontade toda de sufocar a tristeza vira uma confiança das grandes, e confiança pega mulher. Sem contar que ainda dá para aproveitar a deixa de “acabei de terminar um namoro, sabe?”. Fácil fácil. Com sorte você até consegue evitar passar uma semana sem sexo.

Dia 7 – Você sabe que vai começar a sentir tudo o que ignorou até agora, e sabe que ainda vai tomar mais algumas dessas rasteiras dos seus sentimentos. Mas acabou o seu sofrimento para o mundo exterior. Você só se permite demonstrar um pouco de tristeza, de uma forma mais controlada e mais conformada, para algumas pessoas bem próximas. Não é exatamente o que você quer dizer, mas quebra o galho.

Você vai entregar as coisas dela que ficaram com você. Ela te devolve as suas. Se você olhar muito tempo para ela, desaba. Se você se permitir abrir o jogo com ela, vai passar a mensagem errada. Você não precisa querer voltar com ela para querer mais um tempo com ela. É mais ou menos o que ela devia estar sentindo quando te ligou logo após o término… Mas os nossos tempos são diferentes… Eu sou o homem, eu agüento. Talvez aconteça um sexo de despedida, mas bem lá no fundo você sabe que é uma idéia burra.

Nada fica resolvido.

Dia 8, 9, 10, 11… – Um homem supera o fim de uma relação em uma semana? Não, pelo menos eu não… Mas depois disso é só comigo. Eu vou fingir que tudo está bem bem antes de tudo estar bem. Vai passar, sempre passa. Você se distrai com o trabalho, resolve dar mais atenção aos amigos, pula de mulher em mulher para passar o tempo… Um homem dá o seu jeito…

Anônimo

Na última quarta-feira (11/03), Tim K., ex-aluno de uma escola da cidade de Winnenden na Alemanha invadiu as dependências do local armado causando a morte de dezessete pessoas durante um ataque violento que só foi terminar a vários quilômetros de distância, em outra cidade, com seu suicídio após ter sido encurralado pela polícia.

Categorizado como mais um caso de vingança de uma pessoa desajustada socialmente contra outros que supostamente causaram essa situação, soma-se aos tantos outros incidentes parecidos ocorridos nos últimos anos. O desfavor da semana é que tem gente que ainda debate se a “sociedade” tem culpa na alienação desses assassinos e se no final das contas, eles foram as vítimas.


FONTE: g1.globo.com

Posso dizer que tenho certo conhecimento de causa sobre o assunto. Sempre digo aqui que sou um nerd e sinceramente, me orgulho disso. (Para desespero da Sally…)

Na verdade, nerd não passa de um termo amplo, que pode ter vários significados de acordo com o seu pré-conceito sobre o assunto. Para uma pessoa como eu, nerd é aquela pessoa que gosta de computadores, videogames, tecnologia, quadrinhos, desenhos e coisas do gênero. Mas, acima de tudo, tem noção exata da diferença entre fantasia e realidade. E aqui eu posso estar sendo corporativista: Os nerds tem mais capacidade de separar as duas coisas do que as pessoas ditas normais. Quantos de vocês morreriam de vergonha de admitir que já jogaram RPG? Aposto que a maioria… Mas eu não. Já joguei e me diverti muito, é só um jogo e você não vira um elfo de verdade, não precisa ter medo, viu? Dá para sair de uma sessão de RPG e ir encontrar sua namorada numa boa sem tentar cortá-la em pedacinhos com uma espada+3.

Não estou falando disso para defender a classe. Estou falando disso para mostrar como eu não tenho a MENOR simpatia pelos SOCIOPATAS que cometem esse tipo de crime por não conseguirem viver no mundo real. Eles até podem ter gostos parecidos com nerds, mas não são. Eles são desajustados, problemáticos e quase sempre os maiores responsáveis por se afastarem do mundo que os cerca.

E olha que nesse aspecto eu tenho mais um ponto em comum: Eu FUI vítima do famoso “bullying” durante boa parte da minha adolescência. Não guardo mágoa ou rancor de nenhuma das pessoas que fizeram isso comigo. Eu perdoei até a pessoa que MAIS contribuiu para tornar esses anos da minha vida miseráveis: Eu mesmo.

Bastou eu aprender que tinha que fazer minha parte, não entrando no papel de vítima e permitindo que as pessoas se aproximassem de mim. E tudo acabou. Simples assim. Em questão de meses eu já tinha grandes amigos e uma namorada. Lá se foi a raiva do mundo. Não existe maior interessado no seu bem-estar do que você mesmo, caro nerd. Faz o seu que o mundo te aceita.

As interações humanas são uma selva mesmo. E imagine só como isso é pesado numa época da vida onde todo mundo está tentando se impor no mundo, custe o que custar? Não é à toa que a maioria desses tiroteios ocorre quando os “párias escolares” estão na adolescência, além deles terem uma capacidade menor de lidar com seus problemas, o resto do grupo está numa das fases mais cruéis de sua vida. Receita de problemas, sem dúvida.

Se você vive no mundo real, sabe que sair atirando em todo mundo e se matar depois é patético e não vai resolver nada. Se você vive fora da realidade, pode achar que estará passando uma mensagem e que quando der “respawn” vai ter uma vida melhor. Até por isso eu prefiro definir esses estúpidos responsáveis pelos tiroteios como sociopatas. Nerds não tem nada a ver com isso.

Mas aí eu entendo como as pessoas misturam as coisas, se tem uma coisa pela qual os nerds são conhecidos é pelo afastamento do grupo, escapismo. Os sociopatas também.

(Não estou me atendo a definições acadêmicas sobre o transtorno de personalidade dissocial, tenham em mente.)

Mas a diferença termina aí, os nerds sabem que estão inseridos numa sociedade com regras e principalmente com outras pessoas. O sociopata se sente completamente alheio a tudo isso. É exatamente esse tipo de mentalidade que faz um indivíduo sair atirando em tudo e em todos sem ter nenhum problema com as conseqüências de seus atos.

O desfavor da semana é que a cada tiroteio desses levanta-se a discussão sobre a crueldade dos adolescentes, o já citado “bullying”. Realmente, caros leitores populares na escola, é uma merda! Nos sentimos mal, sofremos e parece que não vai ter fim. Mas de forma alguma é o fim do mundo, é possível sim sobreviver a isso e aprender lições valiosíssimas sobre a vida.

A minha grande lição foi: “Caiu? Levanta!”

Se você se sente diferente do grupo, isso não quer dizer necessariamente que você ou o grupo estejam errados. Às vezes não é culpa de ninguém. Calha de personalidades conflitantes dividirem o mesmo espaço, e a lei da selva é a lei da selva não importa onde se esteja. O mais forte sobrevive. (Algum daqueles BOSTAS sobreviveu aos tiroteios? Pois bem…)

Seja quem você é e CONVIVA com o mundo ao seu redor. Eu não trocaria nenhuma das minhas sessões de RPG do passado por bebedeiras com outros amigos menos compatíveis comigo, mas mais populares. Mas também não trocaria nenhuma das minhas ex-namoradas (mesmo as piores) por um videogame de última geração. Existe um equilíbrio em tudo: Tenha seus interesses, não mude seus gostos para parecer mais agradável ao mundo; mas acima de tudo, não deixe de interagir com outros seres humanos. É a parte mais importante da vida, nos bons e nos maus momentos.

Essa lição um sociopata nunca vai aprender.
Um nerd talvez não aprenda e fique se vitimizando a vida toda, mas não vai sair atirando por aí.

Como vocês vão ver no texto logo abaixo do meu, Sally usa o termo nerd para tudo. Eu deveria ficar ofendido, mas não fico porque eu sei que ela faz a diferenciação exata entre alguém que sabe consertar um computador e alguém que mata dezenas de pessoas porque não consegue se adaptar a sociedade. Não se enganem, estamos concordando plenamente em nossos textos, como é de praxe no desfavor da semana. Eu tenho asco do mesmo tipo de pessoa que ela vai descrever, sem tirar nem por. (Estou avisando porque ela vai pegar um enfoque diferente do assunto.)

Um dia desses eu ainda vou convencê-la a não usar o termo nerd de forma tão pejorativa, mas vai ser de forma amistosa.

Para me chamar de nerd, para perguntar se eu era espinhento ou para perguntar como resolver aquele problema com o seu Windows: somir@desfavor.com


Crianças são criaturas cruéis. Sempre foram. Sempre ridicularizaram o diferente, sempre se uniram covardemente contra as minorias e sempre fizeram brincadeiras além do limite do aceitável que magoam. Isso sempre foi normal, escola sempre foi selva. Até que começaram a criar alarde em cima de uma coisa normal e classificá-la como Bullying. Pronto, virou um DRAMA. Todo nerd se sente uma pobre vítima de uma barbárie que justifica qualquer atrocidade.

Todos nós passamos por maus momentos no colégio e nem por isso viramos assassinos. Acho muito fácil culpar os colegas ou qualquer outro fator externo (como vídeo-game, drogas, etc) em vez de responsabilizar os imbeciloides que fizeram isso e seus pais. O caso ocorrido na Alemanha mostra bem a (i)responsabilidade paterna: Enquanto o filhão nerd, armado com uma submetralhadora, matava os colegas, mamãe estava no salão, se embonecando. Onde foi que o infeliz conseguiu a arma? Era de papai, que é colecionador.

Um jovem transtornado não acorda completamente diferente de um dia para o outro. Mesmo nos casos mais extremos de surtos psicóticos, há uma piora gradual e sintomática. Evidente que estes pais não prestavam a menor atenção a seus filhos, a ponto de deixar armas disponíveis (ou ao menos ao alcance) de meninos com sérios problemas.

Nesses casos, costuma-se jogar a culpa para os colegas. O infeliz se diz discriminado, volta e mata todo mundo. Bullying tá na moda! Se vitimizam, quando na verdade as vítimas reais estão deitadas no chão com o corpo perfurado por balas. Todo mundo tenta entender o lado do nerd. Engraçado que quando um assim dito “bandido” mata, a sociedade não tem a menor pena e pede uma condenação severa, mas quando o assassino é um menino classe média, branquinho, “gente como a gente”, as pessoas ponderam mais, afinal, poderia ser o seu filho a estar ali.

Não consigo não ter nojo dessa nerdalhada emo que ostenta uma mágoa de rejeição cultivada tortuosamente todos os dias. Desenvolvem traumas em cima disso: distúrbios alimentares, distúrbios de relacionamento, fobias sociais e etc. Dá um tempo! Levanta a cabeça e toca a vida, deixa de ser bebê chorão de ficar valorizando estresse! Foda-se se o nerd é rejeitado, leva cuecão, leva moca… Todos nós passamos por maus momentos na vida, e nem por isso pegamos armas e saímos matando os outros (não por falta de vontade, eu garanto).

Fazer desses panacas, desses bostinhas, as vítimas me chateia muito. Colégio é selva, todo mundo sabe disso. Só os fortes sobrevivem. Todo mundo sofre, só que o nerd, quando sofre, fica abalado de tal forma pela falta de estrutura, que isso o acompanha para o resto da vida e o faz surtar, a ponto de querer matar todo mundo. Ei! Nerd! Você não é melhor que ninguém, ok? Porque você acha que em você dói mais? Todos nós encaramos isso sem matar ninguém, se componha, vire homem e seja macho de decidir NA MÃO, sem covardia. Isso mesmo, cai na porrada. Não cai, né? Não tem coragem. De malucos eles não tem nada, são bem espertos.

Essa nerdalhada que eu sempre detestei (e eles sempre me detestaram também, porque eu sempre fui popular), desses que se vitimizam, acha que tudo é uma sacanagem pessoal com eles. Se por uma infelicidade um desses se apaixona por você e você não retribuir, periga o elemento chorar abraçado com seu bonequinho do Star Wars por seis meses enquanto planeja te matar e no fim das contas de dar 25 tiros no peito. Alou? Bando de nerds babacas! APRENDAM a lidar com frustrações, ok? Todo mundo dá seu jeito, vocês também tem que dar. A vida não é fácil para ninguém.

No fundo são uns mimadinhos, inseguros, protegidos da mamãe, medrosos e covardes. NÃO TENHO PENA. Não compro esse discurso de “coitadinho ele foi tão provocado” ou de “coitadinho, ele é doente”. É um MIMADO, UM BOSTINHA que tem que cumprir pena trancado que nem um animalzinho. Tenho pena de quem nasce sem condições de escolher o que quer ser da vida e tem como única solução entrar para o crime para comprar remédios para a mãe doente. Playboy que teve tudo de mão beijada achar que pode passar a mão em uma arma e matar quem o aborreceu tem mais é que se foder. Eu tenho pena das famílias que perderam brutalmente seus filhos queridos assassinados.

Nerds se acham injustiçados, preteridos e excluídos. Fazem um drama enorme em cima disso e canalizam tudo para a raiva. Em casa, não devem encontrar limites satisfatórios. Para gente que não tem limites, existe a lei. Vai beijar na boca de alguém, vai fazer sexo! Que seja, vai praticar alguma atividade nerd como jogar RPG, mas não mata. Cadê o Arcebispo de Olinda para excomungar esses dois?

Para quem tiver interesse no assunto, recomendo um livro muito bom chamado “Precisamos falar sobre Kevin”.

E para todas as mães e pais: ter filhos implica em RENÚNCIA. Dediquem tempo a seus filhos e tenham o trabalho de educar e ensinar limites. Eu sei que é mais fácil não colocar limites, mas custa caro no final. Ou vocês botam filho no mundo e se dão ao trabalho de criar, ou então façam como eu: não tenham filhos porque não querem essa encheção de saco, limitação e aborrecimento. Cá entre nós, hoje em dia só tem filho quem quer…

Para contar sua história triste de Bullying, para tentar me matar por debochar de nerds e de Star Wars e para sugerir temas: sally@desfavor.com


ATENÇÃO! DR FOREVER É FICÇÃO.
SOMIR E A PSICOLOGIA CANINA

Sally: Somir, hoje é seu dia de trocar o jornal do cachorro
Somir: Saco…
Sally: Saco digo eu, o cachorro é SEU, eu nem deveria trocar
Somir: Já vai
Sally: Somir, você sabe que ele não faz se o jornal estiver sujo…
Somir: O cachorro é meu ou não é? Pare de ser preocupar tanto com cachorro, tem criança passando fome no mundo!
Sally: Somir, o cachorro está chorando e olhando para o jornal, acho que ele está apertado…
Somir: EU conheço muito bem o MEU cachorro, já vou trocar
Sally: Deixa que eu troco…
Somir: NÃO! agora eu faço questão!
Sally: Deixa de ser bobo…
Somir: EU vou trocar quando Eu quiser, você não manda em mim
Sally: Não quero mandar, quero trocar o jornal
Somir: Você acha o que? que eu não conheço MEU cachorro? Que eu não sei cuidar dele? Nós vivemos muito bem por 5 anos antes de você chegar…
Sally: Ok, como quiser. Vou deitar para dormir um pouco

Passam-se dez minutos. Sally escuta choro alto do cachorro e os tiros de Unreal na TV. Abre a porta do quarto e vê Somir sem piscar, jogando video game, sentado no chão a aproximadamente 20cm da TV, torcendo o corpo de um lado para o outro e dizendo palavrões. O cão chora num canto olhando para o jornal.

Sally fecha a porta e volta a dormir.

Sally é acordada com berros:

Somir: FILHO DUMA PUTAAAAAAAAA!

Sally confusa pensa se as ofensas não para o video game

Somir: SEU BOSTINHA, TÁ PENSANDO O QUEEEEE?

Sally senta na cama

Somir: ISSO NÃO VAI FICAR ASSIM! NÃO VAI!

Sally anda até a porta e abre uma fresta. Sally se choca com o que vê: Somir está urinando no cachorro.

Sally corre para a sala.

Sally: Você está maluco?
Somir: ELE COMEÇOU, ele mijou em mim!
Sally: Claro, ele estava apertado! Você não trocou o jornal…
Somir: DE QUE LADO VOCÊ ESTÁ?
Sally: Ele é um pobre animal irracional!
Somir: Bem feito, tá mijado para ver como é bom

O cão, todo molhado, apenas pisca.

Somir: Vai dar banho nesse cachorro…
Sally: Eu não!
Somir: Tá vendo? Você não me ajuda em NADA!


BATISTUTA

Sally vendo TV

Somir: Você está passando mal, Sally?
Sally: Não, porque?
Somir: Não sei, está muito quieta…
Sally: Tá querendo dizer que eu falo demais?
Somir:
Sally: Vai se foder
Somir: É que temos um almoço marcado e já estamos atrasados, você não vai se arrumar?
Sally: ssshhhhh
Somir: O que está acontecendo?
Sally: SSSHHHHHH
Somir: Mas o qu…
Sally: SSSHHHHH PORRA!
Somir: Você está vendo futebol???
Sally:
Somir: Você não gosta de futebol!
Sally:
Somir: É por causa daquele jogador de novo???
Sally: hã?
Somir: É?
Sally: Nem sei do que você está falando
Somir: Então porque o caderno de esportes está aberto na página da entrevista com o Batistuta e a foto está recortada?
Sally: Você pode ter suas pornografias de internet e playboy e eu não posso ter um recorte de uma notícia de jornal, onde todo mundo está vestido?
Somir: Desliga essa TV para a gente conversar
Sally: Eu não
Somir: Eu posso, mas com você é diferente…
Sally: Posso saber porque?
Somir: Porque eu sou homem, oras…
Sally: saco… nem vou responder
Somir: Sally, eu considero isso uma falta de respeito comigo
Sally: Somir, você conversa comigo quando está vendo jogo?
Somir: É diferente, eu GOSTO de futebol
Sally: Eu também gosto
Somir: É mesmo?
Sally: É mesmo
Somir: É MESMO?
Sally: É MESMO!
Somir: Que campeonato é esse?
Sally: não vou discutir com você…
Somir: Desliga
Sally: Não vou desligar
Somir:
Sally: coxão…
Somir: CHEGA
Sally: ops…
Somir: Você pode reparar na coxa de outro homem???
Sally: E você não fica olhando para as coxas das mulheres???
Somir: Ah é? Vou sair mostrando a coxa pra todo mundo!
Sally: Vai ser vaiado…
Somir: (arregaça a calça, dobrando até a altura de um short)
Sally: você é ridículo
Somir: Não! Você não gosta de coxa de homem??? Eu vou no almoço assim, com as coxas de fora
Sally: ai meu saco
Somir: Olha pra minha coxa!
Sally: afe
Somir: Anda logo, vamos
Sally: Você vai mesmo assim?
Somir: VOU, PORQUE? TEM VERGONHA DE MIM?
Sally: