FALA, DESFAVOR!

Continuando o que foi iniciado semana passada, hoje veremos alguns trechos de e-mails mandados para o Somir. Fala, desfavor!

“(…) ,por que eu não tenho medo de dizer quem sou eu, diferentemente de certas pessoas que se achama as maiorais criticando de forma covarde quem tem a moral de falar a real sem esconder a cara… aposto que você é um nerd sem vida que precisa pagar de fodão na internet para compensar as vezes que apanhou na escola, né?
Eu tenho pena de você, só isso… palhaço!(…)”

Eu não posso ser só uma pessoa desagradável? Tem que existir um motivo “envejoso” para qualquer crítica que uma pessoa receba? Não entendo essa mentalidade de achar que uma pessoa dizendo algo que não te agrada na internet está automaticamente tentando se vingar de uma sociedade maligna que a maltratou na adolescência! Tem gente vendo muito filme… A querida “psicóloga de internet” que me mandou esse e-mail colocou o nome dela no corpo da mensagem como prova de “coragem”. Eu editei por um motivo bem simples: EU NÃO DOU A MÍNIMA. Entendam isso, histéricos e histéricas, eu não ligo para quem você é ou como você se parece. Se tiver algo para dizer, eu presto atenção. Se não tiver, continue nessa NERDICE de ficar fazendo pose na internet longe de mim. A dúvida que me corrói é: Um nerd sem vida é imune a acertos críticos?


“(…) Sei que todo radicalismo tende a utilizar o remorso como arma, e isso não é das mais agradáveis sensações…E antes que pense alguma besteira, não, não sou vegetariano. Mas achei de uma total falta de consideração esse seu blog que prima por atacar o que os outros produzem ao invés de criar algo criativo! Opa, destruir os outros é algo criativo! Afinal é aquela mesma sensação que a gente tem de qndo foi o gordinho zuado na sala de aula…ou o rejeitado pela familia que resolveu se vestir de preto pra todos do colégio te notarem!(…)”

O “Deleta Eu!” é minha coluna favorita, eu já disse? Esse e-mail foi até narrado de forma dramática numa das (duas) edições do histórico e finado “Papagaiada”. Mas vale o bis. Caro defensor da criação criativa, você exemplifica muito bem o crítico habitual do desfavor: Escreve mal, se contradiz, emenda um clichê atrás do outro e ainda projeta seus medos e inseguranças para cima de seu adversário. Eu realmente adoro ler os comentários e e-mails metendo o pau no que eu escrevo… Se é essa gente que não gosta, então eu estou no caminho certo! Mais ou menos como ouvir de um pedófilo que você se relaciona com crianças da forma errada.


“(…)patético… homem gosta de sexo anal pq é mais degradante para a mulher? para de postar e deixa a sally e a somira escreverem pq com você falando coisas assim o blog ñ dura um mês… afff(…)”

Ainda bem que eu lembrei de fuçar o meu e-mail antigo do blog para escrever esta coluna! Eu tive essa bela surpresa dos tempos que o desfavor ainda não era “.com”. Cara leitora vidente, fizemos o desfavor de durar bem mais que um mês, mesmo com a Somira tendo uma crise de estafa mental e passando seus dias atuais numa clínica de recuperação para virgens balzaquianas na Patagônia. Lembro de alguns episódios de iluminação na desativada comunidade do Orkut, onde algumas pessoas “investigaram” e descobriram que Somira na verdade era uma personalidade criada pela mente doentia deste que vos escreve. Nota: Naquela época eu ainda respondia as perguntas feitas para a Somira na voz masculina. Como é possível confundir? Se eu começar a assinar meus textos como Jesus vai aparecer um monte de crente para me adorar? Depois, quando eu digo que quem se preocupa com nome e foto de autor nos textos que lê é burro, me pintam como preconceituoso.


“Sabe eu gostaria de entender porquê voce acha que Deus te fes de tão mal para você ter tanto ódio Dele… Jesus te ama você sabia? Jesus morreu na cruz para nos salvar e vocês ateus e filósofos fiam se enganado com sua ciência… oh nós entedemos tudo enão precisamos de Jesus… mas vocês precisam sim porquê a sabedoria do homem é mero grão de areia diante Dele que tudo criou… eu vou rezar por você e portodos que não percebem que nunca é tarde para se arrpender e aceitar Deus no coração… o julgamento esta chegando…..”

É nisso que dá ficar desviando verba da Educação. Se todo meu contato com pessoas religiosas fosse pelo e-mail do desfavor, eu já estaria defendendo a esterilização compulsória de qualquer pessoa que entrasse numa igreja… Eu tenho mais uns cinco e-mails com níveis parecidos de domínio da língua pátria oriundos de pessoas que querem me “salvar”. Acho que entendo agora porque a Sally segue uma linha tão compreensiva ao falar de religião. Deve evitar essas desgraças. Ah sim, eu não tenho ódio de nenhum deus, acho bem estúpido ter algum sentimento tão forte assim por um ser fictício.


“Você é nojento! Trollzinho ordinário!”

Cara Sally, sinto saudades dos seus e-mails indignados de uma linha me esculhambando nas manhãs de segunda-feira, após ler minha parte do “Ele disse, ela disse”. Torço para que você tenha mais tempo nas próximas semanas. beijosmeescreve


Para me dizer que prefere acreditar, pelo bem da humanidade, que eu inventei esses e-mails, para me perguntar se eu odeio o saci-pererê e a mula-sem-cabeça, ou mesmo para dizer que perto da minha caixa-postal a da Sally é até agradável: somir@desfavor.com

Atenção, imagem chocante! Não olhe.

Recentes episódios de ataques de animais a seres humanos e a reação de comoção babaca da sociedade me inspiraram a falar sobre este assunto. E quase sempre que abordo este assunto, desperto raivinha nos corações e uma série de ofensas, então, o assunto me é ainda mais tentador (sinto que daqui vou tirar algum Fala Desfavor! Juro que sinto): Eu acho que gente que perturba os animais, deliberadamente, irresponsavelmente e sem bom senso tem mais é que se foder, se machucar e ser comido.

Todo mundo deve conhecer algum imbecilóide que fica cutucando animais e achando divertido. Algum demente que trata animais selvagens como se fossem gatinhos. Gente que acha que tem tudo sob controle, onipresente, onipotente. Até que dá merda, a pessoa é morta e vem a família do imbecilóide chorar e dizer o quanto aquele animal é violento e agressivo. Ou então vem alguém dizer que foi “uma fatalidade”. Não, Minha Senhora, não foi uma fatalidade, foi BURRICE do seu filho.

Quem aqui não se lembra do caso do Pentelho Mor, Steve Irwin, “O caçador de crocodilos”? O sujeito dedicava sua vida a PER-TUR-BAR os animais. Vivia futucando crocodilos por nada – e não venha me dizer que aquilo tinha algum propósito além de aparecer. Fazia exibições em seu parque onde futucava jacaré o dia todo (crocodilo, jacaré… tudobolsa). Pior: pegava sua filha bebezinha e ia futucar crocodilos com ela no colo! Se fosse meu marido eu enfiava um crocodilo ânus adentro nele! Óbvio que ia dar merda.

Podia acabar bem um cidadão desses? Não podia. Tanto é que foi morto por um bicho notoriamente pacífico, uma arraia. Tava futucando a arraia e ela lhe deu uma ferroada no coração. Vejam só como o sujeito é desagradável, conseguiu ser morto por um bicho zen! Não venham me dizer que ele não estava futucando a arraia, porque é inconcebível que uma arraia saia de onde está para ir atrás de um mergulhador só para ferroá-lo (porque esse vídeo não foi parar no YouTube? PORQUE?).

Eu achei bem feito quando a arraia o ferroou (essa palavra existe?). Não que eu tivesse desejado a morte dele, tenho mais o que fazer da vida, mas quando se trata de pessoas que perturbam os animais que estavam quietos no seu canto, eu torço pelos animais. Achei bem feito e verbalizei. Pra que? Escrevi sobre isso em uma comunidade do Orkut na época. A coisa mais legal que falaram sobre mim foi me chamar de vaca.

E por falar em vaca, nem preciso dizer a minha alegria nas touradas quando o touro, mesmo debilitado e sangrado, consegue pegar o toureiro a fazer uns buracos. Não se trata de discurso ecológico nem de proteção aos animais (como fígado de ganso e foda-se o ganso, lembram?), se trata de justiça. A pessoa tem o que procura. É o mesmo raciocínio que me faz não sentir um pingo de pesar quando morre um demente no alto de uma montanha ou por overdose. A frase chave é: QUEM MANDOU?

Os seres humanos tem um mínimo de poder de previsibilidade. Tem coisas que você vê e pensa: “Não vai prestar”. Temos a capacidade de olhar e pensar: “Vai dar merda”. Claro que muitas vezes nós erramos, em situações duvidosas. Mas existem situações onde é muito claro que vai dar merda. Apenas seres humanos extremamente burros ou extremamente prepotentes se colocam em situações visivelmente perigosas, e convenhamos, o mundo fica melhor sem ambos.

O que dizer de um elemento que achou bacana pular pelado em um tanque com baleias orcas? Ele se escondeu, esperou que o parque aquático feche, tirou a roupitcha e se jogou em um tanque com carnívoros do tamanho de um ônibus. Merece o que um sujeito desses? Nessas horas concordo com a filosofia do Prêmio Darwin: melhor que pessoas assim morram e não passem adiante seus genes burros. Aliás, recomendo o livro “O Prêmio Darwin, a evolução em ação”– Wendy Northcutt, onde narra as mortes mais imbecilóides premiadas. É inacreditável do que os seres humanos são capazes.

Alguém aqui teve a infelicidade de ver um documentário sobre um anormal chamado Timothy Treadwell? É um ecochato que adora ursos e decidiu que iria se meter no Alasca e ficar sufocando ursos de forma invasiva e desrespeitosa. Mais do que isso, ele era ridículo. No filme fica tecendo elogios às fezes quentes dos ursos. Merece o quê? Ficou mais de dez anos futucando ursos, uma hora ia acabar mal. Morreu mastigado por um dos ursos que ele não soube respeitar.

Um pouco de temor reverencial pela mão natureza cai bem. Se você não está armado, é saudável que não fique tirando onda com a cara dos bichos. E esse meu pensamento vem desde pequena. Lembro da primeira vez que fui a um circo e o domador de leões estava gritando, dando cascudos e futucando os leões. Em certo ponto, um deles se aborreceu e atacou o domador. Eu vi tudo, ao vivo e a cores (com predominância na cor vermelha) e lembro claramente de achar bem feito. Para mim, era evidente que ia dar merda, e olha que eu só tinha cinco anos de idade. Tive aquele sentimento claro de que o domador procurou por aquilo.

Gente que faz essas coisas está procurando por algo. E uma hora encontra. E por incrível que pareça, não são poucos os seres humanos burros, prepotentes e autodestrutivos que ficam flertando com o desastre nas mãos de animais. Existe um programa só sobre isso em um canal de TV a cabo. Só sobre pessoas que se foderam futucando animais. Não perco um! Sento com minha pipoquinha no colo e fico torcendo para os bichos. Quem planta merda colhe bosta. É incrível como tem gente que acha que pode, por exemplo, pegar uma moréia e beijar na boca. Tá de sacanagem, só pode!

O curioso é como as pessoas reescrevem a história. Uma vez vi em um documentário de um canal famoso de TV aberta o exemplo mais canalha de autoperdão por falta de semancol. Um imbecilóide estava filmando Dragões de Komodo. Os Dragões estavam na deles, tomando sol, na paz. Daí o imbecilóide se aproximou e começou a cutucá-los com um pedaço de pau, na barriga. Os Dragões apenas olharam com desprezo. Daí o imbecilóide começou a cutucá-los na cabeça! Chegou uma hora que tomou uma corrida de um e de brinde uma dentada. Ficou horas narrando como estes animais eram violentos. ALOOOOOU? Se der com um pau na minha cabeça ATÉ EU vou morder! Inconveniência mandou lembranças!

E quando tem uma fêmea com seus filhotinhos? Tem sempre um imbecilóide que quer ir lá meter a mão nos filhotes. Meu Pai Eterno, que fêmea não protege seus filhotes? Evidente que vai levar um pau! Por mais dócil que seja o bicho, é BICHO porra! É tão difícil perceber que vai dar merda? Todo mundo sabe que não se mexe em bicho com filhotes e em bicho comendo. Mas tem sempre um que mete a mão na cria alheia e é trucidado logo depois.

E nem precisamos nos afastar da civilização para ver exemplos de igual inconseqüência. Alguns cães tem o potencial de matar um ser humano. Eu tive um desses, que pesava aproximadamente 80kg. E não é que as pessoas metiam a mão nele quando eu passeava com ele na rua, sem nem ao menos perguntar se ele era manso? “Aaaai, que graciiiiinha!” diziam as Felícias e metiam a mão no meu cachorro. Depois, quando perdem o braço, aparece Bonner Simpson no Jornal Nacional dizendo que tal raça de cão é muito violenta e todos devem ser castrados! Pior: deixavam seus filhos, crianças de poucos anos de idade, meter a mão e algumas vezes até se pendurar no meu cachorro. Um vez uma criança efetivamente tentou montar nele em um parque. Eu não mexi um dedo e disse para a mãe: “Meu cachorro vai comer seu filho e eu não vou me mexer para impedir”.

E gente que pega um animal selvagem e acha que pode criá-lo como animal doméstico? Minha ex-sogra levou uma surra de um macaco, tá? (não riam, é sério… ok, podem rir, mas aconteceu de verdade). Eu não posso negar que tenha achado bem feito, apesar de gostar dela. Comprou um macaquinho num desses criminosos de beira de estrada e levou o bicho para casa. Eu avisei exaustivamente que não era um animal doméstico e que ia dar merda. O macaquinho foi crescendo, crescendo… até ficar quase do meu tamanho (grandes merda, né?). Um dia ele se aborreceu porque ela estava comendo mingau e não deu para ele (sim, eu me relaciono com pessoas estranhas) e deu-lhe uma surra. Com direito a pegar cabo de vassoura e porrá-la a vassouradas. Pergunta se eu não falei para ela que foi bem feito?

O que move todos estes tipos de idiotas a ignorarem o bom senso e os sinais evidentes de que vai dar merda? A arrogância, a prepotência. As pessoas nunca acham que vai acontecer com elas. É o mesmo mecanismo que faz um bêbado pegar a direção de um carro: a pessoa se acha muito fodona. Só que o bêbado, ao menos, tem a desculpa de estar com sua percepção alterada pela bebida.

Deus tem senso de humor. Vira e mexe um desses ecochatos é morto pelo objeto de sua admiração, um animal ao qual ele pretendia adorar e proteger, que simplesmente vai e devora seu protetor. Deus é sádico e debochado. E eu adoro. O destino de quem abusa a longo prazo de animais com um mínimo de potencial lesivo é um só: o cemitério. E mesmo assim, as pessoas continuam.

Faz um tempo vi um programa na TV onde um anormal tentava intimidar um leão com um rolo de papel higiênico na mão. Sim, no meio da savana africana, o sujeito chegava perto de um leão e ameaçava jogar um rolo de papel higiênico. Já fiz um bolão com meus amigos sobre quanto tempo vai demorar para ele morrer.

Se quer brincar de Johnny Knoxville com animais que podem te machucar, fique à vontade, como eu disse, quanto menos gente burra no mundo melhor. O problema é a sociedade sentindo pena quando um desses vira ração. Pena eu tenho é de quem morre por uma causa para a qual não contribuiu. Criar toda uma comoção porque um bicho despachou um cutucador compulsivo é tão ridículo quanto transformar o animal (ou sua raça) em vilão e a pessoa em vítima. Fizeram com animais como o tubarão branco ou com o cão Pit Bull. Sempre farão, porque é muito mais fácil achar que o bicho é assassino do que achar que o infeliz que morreu era um retardado sem critérios que procurou por aquilo.

Repito: não estou pregando o amor e respeito irrestrito pelos animais. Se você tiver um fuzil na mão, pode pintar e bordar, pode debochar, pode dar tapa na cara de urso e apagar o cigarro em cu de crocodilo. Qualquer coisa dá uma trabucada na nuca do bicho e pronto. Nesse caso, você será apenas (mais) um escroto. O que eu acho o fim é ficar enchendo o saco de animais na cara de pau, colocando sua vida em risco. Se quer viver para pentelhar animais (novamente: escroto!) ao menos tenha a decência e a inteligência de preservar sua vida.

Para me perguntar se foi a mãe do Somir que apanhou de um macaco, para me dizer que qualquer morte de um ser humano é triste e eu não tenho o direito de achar bem feito e para dizer que rola de rir quando vem gringo proteger sapinho cururu da barriga roxa na Amazônia e acaba morrendo envenenado pela porra do sapo maldito: sally@desfavor.com

Para votar no Pilha, digite 516924.

ATENÇÃO: HOJE TEMOS MAIS UMA EDIÇÃO “MENTIROSA”. CABE A VOCÊ, DESFAVOR DE LEITOR, DESCOBRIR QUEM ESTÁ VERSANDO UMA OPINIÃO CONTRÁRIA À HABITUAL.

(20/09/2009) RESPOSTA NO FINAL DO TEXTO.

Sim, não estamos nem perto de uma eleição, mas isso não impede que o desfavor discuta o assunto. Até porque a idéia de anular um voto mexe com noções bem mais complexas do que apenas um evento eleitoral. Sally e Somir vão discordar completamente sobre a validade ou não de um voto anulado (de protesto).

Tema de hoje: Vale a pena anular seu voto?

Sim, vale. Democracia é muito mais do que a vontade da maioria. Democracia é um governo do povo para o povo, que por questões práticas, escolhe representantes para acumularem poder de decisão e a responsabilidade por essas decisões.

Representantes. Se o povo é a fundação, essas pessoas ESCOLHIDAS do povo pelo povo são as que dão forma para uma civilização democrática. Hierarquia e ordem são necessárias para que as pessoas saibam que caminho seguir. O que é bom-senso para um pode ser bobagem para outro. O que é sagrado para um pode ser ofensivo para outro. O que é crime para um pode ser mais um dia na vida de outro. Talvez num futuro bem distante, não precisemos disso para conviver de forma minimamente pacífica, mas esse tempo está longe de chegar.

Democracia é a vontade, a voz, os direitos e os deveres de cada um. Todos nós somos as maiores autoridades nesse sistema. Todos. Mas não precisa pensar muito para perceber que obviamente as coisas não funcionariam se o poder fosse dividido de forma igual para pessoas diferentes. É questão prática, simples: Não é possível que todas as pessoas de uma nação democrática tenham exatamente os mesmos objetivos.

Por isso a idéia de escolher representantes que consigam ser a voz e a vontade de várias pessoas ao mesmo tempo. O representante não é você, mas está perto o suficiente dos seus objetivos para ser uma boa escolha para assumir cargos de poder. E cabe a cada cidadão com direito a voto fazer sua escolha. Quem vai te representar?

Eu, por exemplo, jamais votaria num candidato que usa idéias ou símbolos religiosos para se promover. Como um candidato evangélico representaria uma pessoa que ACHA UM CRIME que igrejas não paguem impostos nos dias de hoje? Mas, ao mesmo tempo, uma pessoa que deseja dogmas e “favorecimentos cristãos” estatizados vai achar esse candidato muito próximo do seu objetivo.

Pessoas diferentes, representantes diferentes. É perfeitamente justo que uma pessoa possa se candidatar desde que respeite os pré-requisitos básicos para o cargo. Nisso não se mexe de forma alguma, isso é uma idéia básica da democracia.

Mas eu tenho como influenciar com minha vontade e minha voz. O meu voto é uma declaração, com ele eu posso dizer quem merece me representar e cuidar dos meus interesses nas esferas superiores de poder.

E se ninguém merece ou pode me representar? Hoje em dia uma pessoa que quer ética e eficiência em sua representação política pode mesmo dizer que está bem servida? Ano após ano, administração após administração, o grau de corrupção e incompetência de nossos políticos demonstra que algo está muito errado com a idéia de democracia. O senador que desvia milhões de reais de projetos e programas de saúde básica representa seus eleitores? Representa a vontade de alguém ter uma das cargas tributárias mais altas do mundo sendo pilhada (há) por bandidos e incompetentes enquanto nos falta infra-estrutura das mais básicas no país? Representa você?

E é nesse momento onde um voto de protesto, um voto anulado de forma consciente, quer dizer que você não compactua com corruptos e vagabundos. Um voto anulado tem uma mensagem: “Vocês NÃO me representam.”

Democracia é muito mais que a vontade da maioria. É a voz dissidente. É a liberdade de discordar e a capacidade de influenciar. Se a maioria está escolhendo pessoas que não são dignas do poder que vão ter em suas mãos, não se esqueça que você é parte da fundação. Você é o dono da democracia. Um voto anulado é a sua voz dizendo que escolher por escolher é pouco. Quando você vota tentando minimizar danos, reforça o comportamento negativo de nossos representantes.

Quando você vota em alguém sem convicção, você está dizendo que para eles basta ser MENOS PIOR. Depois não sabe porque isso aqui é uma república das bananas! Muito me admira que a Sally ache bonito abaixar a cabeça e aceitar qualquer merda.

É como tentar fechar um buraco de bala com um band-aid. A noção de menos pior vai se deteriorando conforme continuamos votando por votar. Não importa quantos band-aids você colocar em cima, a ferida causada pela bala vai continuar piorando as chances de sobrevivência da pessoa. A cada vez que você vota no menos pior, ele vai baixando o nível geral, e na próxima eleição, a idéia de menos pior vai ser ainda mais generosa.

Se você, que é a fundação da democracia, deixa que pessoas incapazes moldem a sociedade, você perde o seu significado. Nem a melhor das fundações pode evitar que uma casa mal construída desabe.

É a sua, a minha, a nossa função fiscalizar e escolher quem pode ou não ter essa responsabilidade. E se você não encontrar quem o valha, pode e DEVE protestar. Tem muita gente boa por aí querendo uma chance e você vai continuar votando no menos pior, que a cada eleição fica pior? O problema é seu também! Quem desiste é quem vota em qualquer um.

Deixe de compactuar. Se não encontrar quem te represente, diga isso da forma mais contundente que cada um de nós, como bases dessa democracia, podemos dizer: Vote nulo. O voto em branco é um voto em menos pior “por tabela”. Apenas o nulo diz que você NÃO quer esses candidatos falando por você. Isso é, se você tiver coragem de assumir uma postura ao invés de ficar sendo “levado pelo vento” por aí.

Você pode ser o seu representante. Vote em você. Vote nulo.

Para dizer que eu estou mentindo dessa vez porque da última foi a Sally, para dizer que eu sou um anarquista maldito ou mesmo para dizer que está esperando o Pilha se candidatar para ter seu primeiro representante de verdade: somir@desfavor.com


Anular voto é pirraça. É sentar e espernear no chão. É imaturidade, protesto vazio, rebeldia a qualquer preço. Não me entra na cabeça como alguém pode achar alguma produtividade em anular voto.

Quando ao menos se podia escrever qualquer nome em uma cédula, até entendo o espírito de porco de alguns em colocar nomes de pessoas que não são candidatas (deve ser a maior emoção poder votar para Rafael Pilha para Presidente da República, não nego). Mas ainda assim, bancar o troll com a sua cidadania passa dos limites. Quem dirá agora que votamos nessa urna eletrônica que nem sequer nos dá a oportunidade de fazer uma piadinha!

Em qualquer eleição, até mesmo para síndico, existe um candidato menos pior. Mesmo que você pense que todos os candidatos são uma merda, mesmo que você não simpatize com nenhum, sempre tem algum que é menos merda e que no cômputo geral, que pelo conjunto da obra, te favorece mais. Anular o voto é pura preguiça de parar para pensar nos prós e contras de cada candidato.

Quem acha que faz algum tipo de protesto anulando voto se engana. Ninguém se importa. Não tem efeito prático algum. Ainda que uma eleição possa ser anulada se tiver um número determinado de votos nulos, isto dificilmente acontecerá. É muito mais útil escolher um dos candidatos em vez de bancar o rebelde.

Quando falamos de eleições para cargos políticos é pior ainda. O direito ao voto direto foi tão batalhado aqui no Brasil que me dá náuseas ver pessoas rasgando seu voto ao meio achando que com isso mostram alguma rebeldia. Melhor seria se o povo aprendesse a votar, tivesse memória política (Collor no Senado? Oi?) e não votasse repetidas vezes em candidatos reconhecidamente desonestos (Maluf? Oi?).

Não sou muito entusiasta da democracia não, viu? Isso não é um discurso de esquerda. A democracia é uma merda, só que os outros sistemas são ainda mais merdas. O que fundamenta minha campanha por um voto válido é a aversão que eu tenho a deixar que os outros decidam por mim. Se esquivar de responsabilidades é uma coisa nojenta. O cidadão tem a responsabilidade do voto, sua obrigação é utilizá-lo da melhor forma possível.

Protestos que não tem utilidade prática também me tiram do sério. Graças a eles tenho pavor de algumas ONGS, de ecologistas no geral (Greenpeace? Oi?) e outros grupos que gostam de fazer barulho sem resultado nenhum. Se utilizassem essa força de vontade toda para um fim produtivo, resolveriam o problema de forma muito mais eficaz. O que te traz anular o voto? Nada. Porra nenhuma. Quer ir contra o sistema? Quer manifestar inconformismo? Faça um voto de protesto, vote naquele candidato mais radical. Anular voto é votar com a maioria, não importa qual ela seja.

Alguém sabe me dar um exemplo, acobertado pela legislação nacional (não vale aquela eleição para Chefe de Estado de uma republiqueta qualquer) de um único caso onde anular o voto tenha trazido algum resultado prático positivo? Pois bem, se não há resultados práticos positivos, porque merda anular o voto? Vaidade? Rebeldia? Descontrole emocional?

Anular o voto é se eximir de responsabilidade. Tenho horror a gente que foge de responsabilidade. Respeito mais quem votou com convicção na Mãe Loira do Funk, Verônica Costa, ou no Cãozinho dos Teclados, Frank Aguiar, do que em uma pessoa que se omitiu. Nunca gostei de covardes. Prefiro gente que faz bosta do que gente que se esconde e foge.

“Mas Sally, não adianta nada, é um bando de ladrão filho da puta, não faz a menor diferença mesmo…”. Eu até concordaria com esse argumento se o voto fosse facultativo no Brasil. Mas é obrigatório. Você vai ter que levantar o popô do sofá, fazer fila e votar. Porra! Já que se deslocou até lá, custa escolher um que seja menos pior? Um que reflita melhor as suas convicções?

E é aí que reside o problema. Para escolher, é preciso conhecer. Ninguém se dá ao trabalho de conhecer os candidatos. Alguém procura saber sobre suas propostas? Sobre seu passado? Sobre sua credibilidade? Sobre suas alianças? Não. Mas a trama da novela das nove, quem matou quem, quem é filho de quem, quem vai casar com quem, isso todo mundo sabe. Assim fica fácil colocar a mão na cintura e dizer que este país não tem jeito.

Votar implica muito mais que meter o dedão na urna e ouvir aquele barulhinho irritante. Votar implica em um estudo prévio dos candidatos. E não me refiro apenas à política. Eu presto atenção em quem eu voto, mesmo que seja para melhor cantor do ano. Posso até me enganar, mas ao menos tento fazer a coisa certa. É esse estudo prévio que falha aqui no Brasil. Fica mais fácil se convencer que tudo é uma bosta por igual e que não tem mais jeito para justificar a alienação. É cômodo anular o voto. É cômodo deixar a responsabilidade nas mãos dos outros.

Sabe aquela sua colega de trabalho que é uma anta? Pois é, ela vota. Sabe aquele seu vizinho que é EMO? Pois é, ele vota. Sabe aquela sua tia que acha que o Brasil estava melhor na época da ditadura militar? Pois é, ela vota. Sabe aqueles ex-BBBs que se acham celebridades? Pois é, eles votam. Sabe a Carolina Dieckmann? Pois é, ela vota. Tem certeza que quer deixar a decisão nas mãos dessas pessoas?

OBS: Já que o assunto é voto… a Revista VIP está escolhendo “O Homem do Ano”. Eu já fui lá e votei no Rafael (P)Ilha. Está esperando o que para exercer sua cidadania?

Para me dizer que você não vota porque sempre viaja e justifica o voto com algum atestado médico mentiroso, para me dizer que quando houver votação para melhor blog não vai votar no desfavor porque o desfavor é do mal e para dizer que também vai votar no Pilha como homem do ano: sally@desfavor.com

(20/09/2009) QUEM MENTIU: SOMIR

Comentário do mentiroso: Eu simplesmente distorci a argumentação sobre participação no processo democrático para defender o voto nulo. Na verdade, pelos mesmos motivos, eu acho um ABSURDO que alguém simplesmente se abstenha de usar sua voz e sua vontade para mudar a situação do seu país. Mude o sistema estando dentro do sistema.

“O site inglês “F1SA” publicou nesta quinta-feira a íntegra do depoimento de Nelsinho Piquet à Federação Internacional de Automobilismo (FIA) sobre o caso do acidente deliberado do GP de Cingapura de 2008. O brasileiro admite a “armação” no documento.”

Fonte

Para quem não acompanhou, Nelsinho confessou que bateu propositalmente numa corrida de Fórmula 1 para beneficiar o seu companheiro de equipe na disputa de uma corrida. Depois de ser demitido. Ainda está se fazendo de vítima e dizendo que foi pressionado por estar num momento “difícil” de sua vida. Desonestidade, covardia, vitimização? Desfavor da semana nele!

Somir

Imagino que boa parte de nosso público não entenda muita coisa e não se interesse muito por automobilismo. Mas hoje falaremos da peça mais falível de um carro: A que vai atrás do volante. Pessoas controlam as equipes da categoria, pessoas dirigem os carros. Mesmo que você não ache grandes coisas que um piloto bata seu carro de acordo com as ordens da equipe, ainda há algo cheirando muito mal nessa história.

Não é sobre a ética da Fórmula 1, é sobre ética pessoal e responsabilidade pelo o que faz. Infelizmente a mola do Rubinho pegou no piloto errado.

Já surgiram provas que garantem que Nelsinho realmente bateu o carro propositalmente, como se pode observar aqui. Para quem não entende muito do assunto, basta compreender que ele acelerou o carro em direção ao muro e isso pode ser comprovado.

Nelsinho garante que foi instruído a fazer isso pela equipe, algo que faz muito sentido considerando que o chefe da equipe é um notório usuário de táticas sujas: Flavio Briatore. Não é necessário ir até o fundo da história, mas acreditem em mim quando eu digo que o pessoal da categoria sabe que Nelsinho não está inventando. A tendência é que tudo termine em pizza nas investigações oficiais, mas o piloto brasileiro vai sair muito sujo dessa história. E não sem motivos.

Armações fazem parte da Fórmula 1 desde… sempre. Nem mesmo os grandes campeões estão limpos nessa. (Schumacher ganhou seu primeiro título na equipe que Nelsinho acusa, aprontando algumas coisas parecidas. O próprio ídolo mor nacional do automobilismo, Senna, não está livre de ter participado de algumas tramóias envolvendo posições de chegada.) Mas é a primeira vez que um piloto TRAI sua equipe contando oficialmente que foi instruído a modificar o resultado de uma corrida.

Não precisa pensar muito rápido para perceber a ligação entre a demissão de Nelsinho e a merda atirada ao ventilador. Há quem diga que o pilotinho de papai brasileiro está simplesmente devolvendo a sacanagem da qual foi vítima nas mãos de Briatore e Cia. Mas Nelsinho não foi demitido da equipe por ser feio, bobo ou chato. Nelsinho foi da pista pra rua por ser um piloto RUIM. Não conseguia resultados sequer parecidos com seu companheiro de equipe e só servia mesmo para beijar muro e cagar em cima do nome do pai. (Que não era nenhuma flor que se cheirasse, aliás…)

Vejam só que bonito: O rapaz ESCOLHE fazer algo desonesto para ser aceito no seu ambiente de trabalho, já que não servia para mais nada. Recebe muito dinheiro por isso. Até aí, dinheiro no bolso e ética relativa.

Mas bastou levar um pé na bunda e o senso de dever com a ética e a verdade ressurgiram magicamente. Típico caso da histérica que se vinga do namorado que a deixou por ser uma porcaria na cama.

Vi vários comentários por aí elogiando a postura dele de trazer a verdade à tona. Parece que não estão enxergando o que aconteceu: Nelsinho não teria nenhum problema financeiro se se recusasse a bater o carro e dedasse sua equipe logo após a prova. É compreensível que uma pessoa desesperada pelo emprego faça coisas com as quais não concorda para se manter nele.

Não é o caso dele. Nelsinho não PRECISAVA obedecer à ordem. Mas fez. E não mostrou nenhum arrependimento até ser demitido. A ética dele não vale porra nenhuma. Vingancinha barata. Vai pagar com sua carreira por isso. Não tem que bater palma para ele não, dá para ser muito desonesto só dizendo a verdade. Estou torcendo para a equipe sair ilesa dessa, ele merece mesmo quebrar a cara e cair sozinho.

E olha que o chefe da equipe, o nosso desfavorável Briatore, não vale nada também. A idéia dele de contra-argumentação é insinuar que Nelsinho Piquet gosta de dar a ré… É mais ou menos como se o Berlusconi tivesse uma equipe de Fórmula 1.

Se for verdade, não deixa de ser uma piada cósmica com Nelson Piquet, o pai. Adorava sacanear o Senna dando a entender que o ex-campeão e ex-vivo piloto era viado (o que tem lá seu fundo de verdade) e agora tem que lidar com a fama que vai surgir para cima de sua cria. Talvez se tivesse deixado o garoto seguir seu sonho de fazer um curso de moda ao invés de correr, essa vergonha toda não estaria acontecendo.

Não a vergonha de ter criado um homossexual, grandes merdas o que cada um faz com sua bunda (há! Embora o Briatore seja uma fonte pouco confiável), a vergonha de ter criado um viadinho. E tem diferença. O viadinho nem precisa gostar de homem, basta não ter coragem de assumir a responsabilidade pelo o que faz e ficar dando desculpinhas ridículas para conseguir ser visto como vítima.

Nelsinho disse que estava num momento difícil de sua vida e acabou tomando decisões erradas. Até aí tudo bem, acontece mesmo. Mas ele não se contenta e tenta fazer parecer que foi um mero peão nesse tabuleiro de mentiras. Que foi influenciado negativamente. Óh! Daqui a pouco ele vai dizer que tinha uma arma apontada para sua cabeça.

Quem tem caráter não se entrega tão fácil, essa não cola para cima de mim. Todo mundo erra, mas nem todo mundo conserta. E isso não é consertar as coisas, isso é chilique de mulherzinha rejeitada. Ele não ligou no dia seguinte? Risque o carro dele com uma chave!

Ah sim, o Rubinho criticando é a cereja no bolo. Bunda suja, esse é o rabo mal lavado. Rabo mal lavado, conheça a bunda.

Para dizer que este texto deu muitas voltas, para dizer que concorda com a diferença entre homossexual e viadinho, ou mesmo para perguntar qual botão do volante do Rubinho solta molas: somir@desfavor.com


Sally

Sabe aquele texto que eu escrevi recentemente sobre como neguinho acha que o fato de assumir a cagada e se desculpar gera uma obrigatoriedade de perdão? Pois é, hoje temos uma variação sobre esse tema. Cá entre nós, o desfavor da semana foi o hacker que invadiu o site da AFA e colocou o Maradona com a camisa do Brasil (porque, Senhor, alguém, voluntariamente, associaria o nome da sua nação a Maradona? Comeu bosta?), mas deixa para lá. O Desfavor da Semana é o Baby Piquet dando uma de corno.

Entendo tanto sobre Fórmula 1 quanto entendo de física quântica (= porra nenhuma de nada). Aliás, cago. Qual a graça de ver carrinho dando voltas? Só Galvão Bueno vibra com essa merda. Mas, nesta semana vazou um desfavor cometido no ano passado que merece comentários.

Nelsinho Piquet decidiu ser sincero, de uma hora para a outra, e contar que em 2008 provocou uma batida a mando da Renault para garantir a vitória do seu companheiro de equipe. Bateu de propósito o carro contra um muro, em uma curva onde não havia acesso para que guindastes reboquem seu carro, para obrigar a entrada do safety car.

O benefício? Quando entra o safety car as ultrapassagens estão proibidas. Ele porrou seu carrinho quando seu colega de equipe, Fernando Alonso, estava na frente, obrigando a entrada do safety car, garantindo que ninguém possa ultrapassá-lo.

Porque ele fez isso? Não, ele não é frouxo como o Barrichello que cede passagem para o Alemão. Ele fez por ambição, porque seu contrato estava vencendo e ele não é lá grandes bosta, então, condicionaram sua permanência a isso (Vê lá se alguém faz isso com o Alemão?). Até aí, nem seria desfavor da semana, apesar de colocar a sua vida em risco e a dos demais competidores. Foi apenas canalha. Sagrado direito de ser canalha. Azar o dele se quer ser uma pessoa desprezível. Teria sido merecidamente punido e ponto final.

Mas não. Além de tudo é Madalena Arrependida. Teve um surto de honestidade o moço. Resolveu abrir a boca para contar tudo o que fez. Parece mulher chifrada, um vexame. Disse que foi obrigado a fazer isso. Dá licença, mas bater o carro é uma decisão, em última instância, só dele. Podia ter se recusado a fazer. Vai dizer mais o que? Que foram os remédios que ele estava tomando? Que foi alfabetizado em inglês?

Olha, se quer ser Moleque Piranha e fazer merda e sujar seu nome em troca de dinheiro (= renovação de contrato), beleza. Mas faz com firmeza, faz com convicção. Porque fazer e peidar é feio demais. E não venha tirar onda de Madalena Arrependida, porque ele só abriu a boquinha para contar essa armação por um motivo: acaba de levar um belo chute no cu da Reanult e ser demitido.

Faixa branca, né? Evidente que falar mal de quem acaba de te rejeitar suja ainda mais sua imagem. Que comportamento mais ridículo! Pessoa boba, babaquinha, infantil e sem caráter. Sem contar que, para queimar a Renault, ele SE queimou absurdamente. Tem gente que se comporta feito corno, mesmo quando sexo não está envolvido. Sério: vergonha alheia total.

Isso porque nem sabemos dos bastidores. Deve ter sido lindo ele barganhando com a Renault: “Olha que se me demitir eu contou hein?”. Muito bem fez a Renault, que não negociou com um terrorista. Toda minha vida eu sempre disse essa frase para o Somir: “Eu não negocio com terroristas”. Podem me foder toda, eu não ligo. Processa eu! No fim das contas é tudo blefe mesmo… tudofrouxo. A Renault vai sair bem disso, já ele…

Se ele não teve o bom senso de perceber que ELE se fodeu muito mais com isso do que fodeu a Reanult, deve ser porque sabe que em um país sentimentalóide e hipócrita existem grandes chances das pessoas acharem que se falou a verdade tem que ser perdoado. Vai posar de arrependido, de “ele me obrigou” e vai acabar saindo como mártir. Mas não aqui no Desfavor.

Ridículo. Frouxo. Tenha a hombridade de dizer “Fiiiiiz siiim, fiz porque queria a porra do dinheeeeiro, a porra da renovação do contrato, porque Papai me pressiona para ser um sucesso e eu sou um bosta que fracassa tanto que rói todas as unhas de cagasso da reprovação do Papai”. Um marmanjo dizendo que foi obrigado? Um marmanjo com sobrenome de peso! Não cola. Não cola e ainda ofende a nossa inteligência.

Também me espantaram as críticas de Barrichello apontando e reprovando, quando ele mesmo abriu as pernas e deu passagem para o Alemão. Vai dizer que é diferente? Não fode. Tudofraude.

É essa babaquice de culpa cristã: pode cagar no pau a vida toda que se disser e fizer os outros acreditarem que está arrependido, se confessar e assumir o erro está perdoado. Aqui não tem disso, a gente não vai perdoar e vai lembrar sempre que foi um sujeito babaquinha, mau profissional, mau caráter, covarde e desonesto. Péssima essa postura: quando alguém que foi parceiro não o quer mais ele vai e joga as merdas no ventilador! Quem será que vai se arriscar a ficar do lado dele agora, hein? Hoje a traição é com a Renault, amanhã será com quem vier. Nada confiável, hein?

Eu acho que, apesar do Papai influente, a carreira desse bosta dedo-duro acabou. A Renault errou, mas o erro dele foi pior, porque o da Renault tinha uma causa mais nobre (vencer um campeonato), enquanto que o dele tem um motivo extremamente viadinho (vingancinha pós-rejeição). Espero, de coração, que esse cidadão não se candidate a nada, porque eu não vou deixar ninguém esquecer a babaquice que ele fez.

Para me dizer que você não tinha a menor idéia de que isso tinha acontecido, para me perguntar se pai dele é aquele piloto todo queimado e para falar que qualquer coisa é melhor do que aquele chatonildo do Senna: sally@desfavor.com

FALA, DESFAVOR!

Depois do (in)sucesso do primeiro “Fala, desfavor!”, Sally e Somir decidiram adicionar a coluna de vez no rol de seções do blog. Hoje temos trechos memoráveis de e-mails recebidos por Sally, semana que vem será a vez de Somir.
“Sally, amodoro o seu blog! Eu gosto de tudo que você escreve, principalmente do Dr. Forever, mas eu tenho uma dúvida: quem é Dr. Forever? É o médico da Sally e do Somir? Deve ser, porque do jeito que esses dois brigam devem precisar mesmo de um psiquiatra! Me conta quem é Dr. Forever e quando ele vai entrar na história?”

Querida Leitora, DR Forever é uma abreviação. DR Não é a abreviação de “Doutor”, é a abreviação da palavra Discussão de Relacionamento. A idéia era fazer sátiras das brigas mais comuns entre casais. Já repararam que tem casais que realmente parece que vivem em uma DR Forever? Achei que a expressão DR fosse nacional, mas pelo visto ela é regional.


“Você se acha muito esperta mas não é. Tá na cara que você é a Suellen e o Somir é o Deja. E pensa bem antes de me chingar na resposta do e-mail, porque se me chingar eu conto lá no blog a verdade!”

Querida Detetive, eu não sou a Suellen. E tenho certeza que o Somir não é o Deja. Se por acaso o estilo de redação da Suellen parece com o meu, só posso agradecer a honra. Conheço a Suellen pessoalmente, já nos encontramos mais de uma vez, apesar de morarmos em estados diferentes. Temos, inclusive, várias fotos juntos. Provavelmente você não vai acreditar em mim, e eu realmente não me importo com isso. Suellen conhece o Somir também, na verdade, ela é amiga do “casal”, e por “casal” quero dizer de ambos. Pior ainda confundir o Deja com o Somir. Ambos são escrotos, mas cada um a seu estilo. Somir é debochado, não esquenta com nada e é formal na escrita. Deja manda ver no palavrão e quando se irrita dá coices fortes e se diverte com isso. Pensando bem… seria mais fácil que eu fosse o Deja e que o Somir fosse a Suellen. Em todo caso, são quatro seres humanos diferentes. E “xingar” é com X. Só para terminar, não me parece muito ameaçador você dizer “verdades” em um blog cujos comentários são moderados. Miacabo reprovando comentários e pensando na raivinha da pessoa por não ver sua ofensa pessoal publicada.


“Só eu que percebo que você e o Somir são a mesma pessoa?”

Querida Detetive II, Somir e eu não somos a mesma pessoa. Novamente: temos fotos juntos e temos diversas testemunhas que já nos viram juntos e em separado. Não que você vá acreditar em mim, e eu realmente não me importo com isso II. Em todo caso, se eu tivesse o conhecimento em photoshop que o Somir tem, pode ter certeza que nosso blog seria muito mais ilustrado com montagens muito mais maldosas. Sem contar que se você observar os horários das postagens no fórum vai perceber que se nós fossemos a mesma pessoa, essa pessoa não dormiria nunca. Mesmo assim, não deixa de ser um elogio você achar que eu tenho a capacidade de escrever o que o Somir escreve. Grata.


“você não passa de uma piranha invejosa que queria dar pro Chico Buarque mas ele não quis te comer ne por isso essa inveja toda pessoas como você so sabem falar mau dos outros e da vida dos outros e dos outros vai escrever sobre alguma coisa que preste em ves de ficar falando mau”

Querida Não-Pontuo, em primeiro lugar, cumpre esclarecer que eu não sou piranha porque eu nem sequer cobro para fazer sexo. Bem fazem elas de cobrar, por sinal. Em segundo lugar, eu não me dedico APENAS a falar mal (bem/mal, bom/mau) da vida dos outros. Faço isso no Processa Eu, de 15 em 15 dias. Nos demais dias, falo sobre tudo um pouco: Holocausto, Ateus, escatologia, relacionamentos e muitos outros assuntos. Nem vou responder argumentos infantilóides como “ele não quis te comer” ou “é inveja” porque me cansa só de ler. Só posso sugerir que, se minhas postagens te parecem tão despropositadas e inconvenientes, não leia o blog. Agradecida por você ter me dado importância o suficiente para se dar ao trabalho de abrir seu e-mail e escrever esse amontoado de palavras não pontuadas. Bom saber que eu desperto tanta raivinha em outras pessoas. É um poder que nem todos tem.


“Eu te vi na rua outro dia, Sallyyyyy! Porque vc naum falou comigo? Eu te chamei e daí vc não virou e eu corri atrás de vc e daí vc ficou negando q fosse vc. Eu sei q vc gosta de manter a sua privacidade mas tipo assim, não achei legal fazer isso com uma leitora do seu blog. Nem adianta negar, eu tenho certeza que era vc, pq era igualzinha naquela foto da novelinha drama. Fiquei mto triste, naum sabia q vc era tão metida.”

Querida Decepcionada, não sei quem você importunou na rua, mas com certeza não fui eu. A julgar pelos trechos do seu e-mail que eu cortei, presumo inclusive que a abordagem tenha sido em outro estado diverso daquele onde eu resido. Se a pessoa parecia com a Sally da foto do primeiro capítulo da DRAMA!, mais um motivo para que eu tenha a certeza de que você não me abordou. Lamento pela moça que foi importunada sendo chamada de Sally (certeza de que ela deve ter te achado maluca). Eu jamais destrataria uma leitora ao vivo e muito menos negaria que eu sou eu.


Para me dizer que não imaginava que tinha tantas pessoas malucas no mundo, para me dizer que sabe que eu não sou a mesma pessoa que a Suellen mas com certeza sou a mesma pessoa que a Lindamar e para dizer que quer muito aparecer nesta coluna e que só por isso vai me mandar um e-mail absurdo para ter o prazer de vê-lo no blog: sally@desfavor.com