Traição é um assunto cheio de galhos. Sally e Somir já deram suas opiniões sobre quem seria a maior vítima no caso de uma traição. Você pode conferir clicando aqui.

Agora, mais uma vez os idealizadores deste desfavor de blog vão discordar sobre o assunto. Nesta coluna ambos darão suas respostas para a pergunta:

É possível existir uma relação duradoura sem infidelidade conjugal? (Simplificando: Traição é inevitável?)

Nem preciso ler o que a Sally vai escrever. Nós já discutimos sobre isso várias vezes e caso ela seja honesta ao invés de “fazer refletir”, conheço de cor e salteado os argumentos dela. Por algum motivo que eu não entendo, ela gosta de sofrer por antecipação…

Eu sou ruim, mas não sou tanto. Não vou adiantar o que ela vai escrever ponto-a-ponto, vou defender a minha argumentação e deixar essa frase para vocês pensarem enquanto lêem o que minha CARA escreveu: “Sally concorda comigo, mas não quer admitir.”

Quem lê pensa que eu vou defender o ponto-de-vista mais pessimista. Errado.
É possível sim existir uma relação amorosa SAUDÁVEL sem traição, até porque quase sempre quem diz que traição é inevitável está querendo falar mal de homem. (*apontando para baixo*)

O ser-humano não é instintivamente monogâmico. Ok, eu entendo isso. A tentação de olhar para o lado e descobrir se o gramado do vizinho é tão verde quanto parece vai nos perseguir durante toda a constância de uma relação com presunção de fidelidade.

Não ser instintivamente monogâmico não é desculpa para traição, muito embora vivam dizendo isso para explicar o motivo de tanta infidelidade nas relações amorosas. Assim como vários outros animais (a grande maioria), somos poligâmicos, mas escolhemos o melhor parceiro. E aí que está a idéia principal.

Fidelidade é ESCOLHA. E quando a pessoa escolhe direito e entende o que faz, torna tudo simples a ponto de não ser um sacrifício mantê-la.

“Ah, Somir… Mas e quando a tentação é muito grande?”

A tentação é muito grande quando:

1- Você ESCOLHE deixar a tentação ser grande;
2- Você ESCOLHE a pessoa errada para ser fiel.

A única vítima numa traição é quem é traído. Quem trai SEMPRE fez alguma merda, ou escolheu alguém que não era o melhor parceiro ou escolheu arriscar a relação em troca de prazer.

“Ah , Somir… Mas e quando foi o(a) corno(a) que começou?”

Um crime não compensa o outro. E além disso, se foi a outra pessoa que começou, bela merda você que continuou com ela mesmo assim, hein? Escolheu (palavra-chave) continuar e ao invés de procurar novamente o melhor parceiro, resolve que tem carta-branca para chifrar.
Na minha (nunca) modesta opinião, isso é gostar de chifre.

Pois bem, posto isso eu digo que fidelidade não é obrigatória numa relação.

“Somir, ficou maluco? Está se contradizendo!”

Muito pelo contrário. O que é escolha não é obrigação. Quando duas pessoas resolvem manter uma relação amorosa duradoura, não existe nenhum contrato “cósmico” que as obrigue a serem fiéis sexualmente. Fidelidade é mais do que uma presunção, tem que ser um acordo explícito entre um casal.

Conheço pessoas que não sofrem por saber que seu(sua) parceiro(a) está tendo um envolvimento com uma terceira pessoa. E não tem nada a ver com gostar mais ou menos dessa pessoa.

Conheço pessoas (vejo uma no espelho todo dia) que terminariam um relacionamento para sempre se fossem traídas. E também não é obrigatoriamente por gostar muito da outra pessoa.

Como eu já disse e repito: Fidelidade é escolha. Escolha do melhor parceiro. Escolha se você quer ou não uma relação com esse limite. Escolha no sentido de o quê vai caracterizar traição.

“Tá bom, Somir… Mas é possível nunca ser traído(a) numa relação longa?”

Claro que é. Basta fazer as escolhas certas.
Se você é uma pessoa possessiva, escolha uma pessoa possessiva também. Ambos vão ter prazer em saber que são os únicos. Se você não acredita em monogamia, escolha outra pessoa que pense parecido… Traição é agir de forma contrária do que se esperava de você.

O instinto humano pode jogar de várias formas com o nosso comportamento. Poligamia está nos genes? Ok. Mas o homem também tem nos genes a necessidade de ser O alfa. A mulher tem nos genes a necessidade de procurar O provedor.

Sem precisar racionalizar nem um pouco, já sabemos que não procuramos apenas nos reproduzir, procuramos o MELHOR PARCEIRO POSSÍVEL. A nossa capacidade de continuar desejando outros parceiros depois de nos acertarmos com um não quer dizer que é natural trair. Uma fêmea não larga o macho-alfa até outro tomar o posto.

O natural é termos a liberdade de procurar a pessoa certa caso descubramos que a que escolhemos não tinha o que queríamos. É POR ISSO que somos poligâmicos.

Traição não tem desculpa. Principalmente porque traição não é o simples ato de ter um relacionamento e se envolver com outra pessoa, traição é fazer isso SABENDO que vai fazer mal para seu(sua) parceiro(a). Assim como uma pessoa que não liga para fidelidade pode se sentir muito traída caso seu(sua) parceiro(a) exija isso dela.

Fidelidade só é falta de oportunidade quando se QUER trair.

Se você traiu, você escolheu errado em alguma parte do processo. Eu acredito piamente que é possível uma existir uma relação monogâmica feliz. Quanto melhores foram minhas escolhas até hoje, menos vontade de escolher de novo eu tive. E é assim que a nossa mente funciona.

Traição não é algo absoluto e inevitável. Já temos a morte fazendo esse papel nas nossas vidas.

Escolha direito. E se alguma coisa der errado, aprenda com o erro. Instinto é algo poderoso, mas se fosse do nosso instinto trair, jamais teríamos nos tornado essencialmente monogâmicos.

Para dizer para eu falar isso para aquele safado do seu ex: somir@desfavor.com


É possível ter um relacionamento a longo prazo sem traição? Bem, a resposta que vou dar é pensada tomando por base a regra geral, e como toda regra, comporta exceções. Mas que existe uma regra geral, isso existe. E a regra geral diz que em um relacionamento de muitos anos acaba acontecendo, em algum momento, uma traição.

Não estou falando de um namoro de dois ou três anos. Falo de relacionamentos a longo prazo, que enfrentam o desgaste da convivência. Casamentos de vinte ou trinta anos, por exemplo. Talvez em outra realidade social (afinal, o Brasil comporta várias realidades), como por exemplo, em uma cidade de interior com 500 habitantes onde todos se conhecem, a regra seja não haver traição, mas na minha realidade, na minha geração e na minha cidade a regra é o bom e velho chifre.

Eu costumo classificar as pessoas em dois tipos de infiéis: os infiéis ativos e os infiéis passivos. Os ativos são fáceis de identificar: são aqueles que correm atrás de pessoas para trair seu parceiro. Os passivos são aqueles que não correm atrás, ficam na deles, mas quando surge uma oportunidade tentadora não tem coragem de dizer “Vista-se, não vou ter nada com você, eu amo minha esposa”.

Eu sei que a maior parte das pessoas é infiel passivo. Eu sei que é possível amar muito uma pessoa e ainda assim trair. Eu sei que muitas vezes alguns homens nem querem ficar com a mulher e trair a esposa, mas acabam não conseguindo dizer que não. Um homem bem provocado perde o controle sobre si mesmo. Se os homens soubessem disso e não dessem abertura para flerte talvez não traíssem tanto, mas eles adoram flertar (literalmente) com o desastre.

E nem sempre para trair precisa ser com uma amante fixa (isso é canalhice em último grau). Pode ser uns beijinhos por aí, tomando um chopp depois do trabalho, pode ser uma trepadinha com a secretária na hora do almoço, pode ser um papinho picante com uma ninfetinha no MSN… pode ser de mil formas diferentes. Traição é tudo aquilo que você esconde do seu cônjuge porque se ele souber vai ficar puto.

Atenção mulheres! Vou tentar explicar de uma forma que vocês me entendam: sabe quando você está determinada a fazer uma dieta, diz a si mesma que vai ficar sem comer doce e o diz de uma forma sincera, na real intenção de não comer doce? Sabe quando chega a noite e bate aquela vontade absurda de comer doce? Você sabe que o certo é não comer, que é melhor para você se não comer, mas mesmo assim, você vai e come aquela fatia de bolo ou aquele sorvete! Você não queria comer… mas queria e comeu. Ambivalência. Você come e ao mesmo tempo que se sente satisfeita também sente uma ressaca moral e se acha uma merda sem força de vontade. Pois é. Acredito que com homem seja assim no que diz respeito a traição. Simplesmente não se controlam. Só que nós, quando fazemos dieta, sabemos que não temos que ter doces em casa se não acabamos comendo. Infelizmente, no caso deles, não dá para tirar todas as outras mulheres do mundo.

Toda relação duradoura, por mais bonita e bem estruturada que seja, passa por momentos de crise, momentos onde você acha o parceiro um chato, um babaca ou onde se questiona se quer mesmo ficar ao lado dele. Nesses momentos a relação fica vulnerável. Não tem como negar que se abre um espaço para uma terceira pessoa entrar no meio.

Mesmo que você ame muito seu parceiro (e quando digo “parceiro”, me refiro tanto a homens como a mulheres), ao longo dos anos, é normal encontrar alguém que mexa com você além dele. É uma realidade, ninguém está livre de se apaixonar ou de se sentir muito atraído por outra pessoa . E é difícil resistir, sobretudo quando a relação vai mal, porque o novo deslumbra. A adrenalina na paquera nos faz sentir bem.

Deve ter muita gente se perguntando: “Porra, se quer ficar com outra pessoa, porque não termina?”. Gente, não sejam inocentes. O ser humano quer sempre ter tudo e nunca quer abrir mão de nada. Seria o mais correto a fazer? Seria. É isso que 99% das pessoas faz? Claro que não!

Muitas vezes o homem ama sua esposa, ama de verdade, mas sente um desejo absurdo por outra mulher. Boba da mulher que pensar que amor suprime o desejo do seu homem por outras mulheres! E mesmo que ele seja correto e não faça nada, se essa mulher que desperta esse desejo resolver partir para cima dele com competência, não vejo muitas chances dele conseguir negar. Talvez se não for ao vivo ele resista, mas se for ao vivo e a cores e a mulher for competente, só lamento.

E para quem pensa que mulher não dá em cima do homem alheio, bem, aqui na minha realidade social isso é uma constante! Muitas vezes só dão em cima PORQUE é homem alheio! Acontece e é violento. Certa vez um amigo me contou que estava terminando de resolver umas pendências no escritório, quando sua estagiária (20 anos mais nova que a esposa e muito gostosa) entrou NUA na sala dele, desfilando lentamente e começou a abrir o zíper da calça dele. Vamos ser honestos aqui, quantos homens diriam “Vista-se, eu amo minha esposa”? Ele inclusive chegou a me dizer que tentou dizer isso, que queria fazer isso, mas que na hora simplesmente não conseguiu, tudo se apagou da mente dele: esposa, filhos… Comeu a estagiária, foi uma merda, ele se sentiu um merda, se arrependeu, etc, etc. Mas traiu. Sem contar que tem muitos idiotas que ainda acreditam que se uma mulher bonita dá em cima violentamente, eles tem que pegar se não ficam com fama de viado! (aff)

Somos bicho. Somos uma versão mais light de bicho, cagamos em privada, usamos talheres, mas na nossa essência ainda existe uma carga de instinto muito grande que nós, arrogantemente, fazemos de conta não existir. O mundo não é como a gente gostaria que fosse, ele é como é, e o mundo tem alguns aspectos muito feios. Pessoas traem.

Claro que para todos vocês vai ser muito mais tentador acreditar na versão cor de rosa e hipócrita da Madame aqui de cima, que prega uma coisa que ELE MESMO não conseguiu colocar em prática. Traição é que nem a morte, um dia chega mas é melhor viver a vida sem pensar nisso, se não a gente não vive.

“Mas Sally, você está dizendo que eu tenho que me conformar com um chifre, porque ele vai acabar chegando?”. Nem pensar. Eu, por exemplo, não nasci para ostentar uma galhada na cabeça. Chifrou? Beleza. Acontece. Mas do meu lado não fica mais. NUNCA MAIS. Minhas relações terminam na hora se descubro um chifre. Que seja eterno enquanto dure.

Para me encher os ouvidos tentando me provar que seu marido ou sua esposa é diferente e o que vocês tem é especial e ele nunca te traiu: sally@desfavor.com


Se você tem um desfavor de texto e quer vê-lo postado aqui, basta mandá-lo para desfavor@desfavor.com
Se nós temos coragem de postar nossos textos, imagine só os seus…

Os Mitos e a Auto-Ajuda.

Os livros da auto-ajuda são, por si só, um desfavor. É um absurdo pagarmos 10, 20, 30, 40 reais, o que for, por algum desses livros que acabarão se acumulando pela casa, já que, no final, a experiência em campo é o que conta.

Daí porque não utilizar os mitos para extrairmos lições para nós mesmos? Além de ser uma perspectiva interessante, é algo pelo qual não precisamos pagar para ler, uma vez que essas estórias já estão no domínio público. Aqui vão algumas dessas estórias:

1) Merlin e o Mito do Velho Babão

O mago Merlin era conselheiro do Rei Arthur e grande amigo dos Cavaleiros da Távola Redonda, a quem prestou inestimáveis serviços.

Tinha muito orgulho dos seus poderes, cujos segredos não dividia com ninguém. Era um homem a quem o cantor (brega) Falcão chamaria de “Estudado e Sabido”, pois fazia questão de passar o tempo todo aprimorando e aprofundando esses poderes. Tanto que quem o conhecia nunca o viu (usar sua varinha) com outra mulher.

Ou seja, na medida em que se dedicava aos conhecimentos, voltados para ajudar o reino, esqueceu-se completamente das próprias necessidades. Tornou-se uma sumidade em aspectos intelectuais, mas uma nulidade em termos sexuais, por não ter buscado equilibrar esses aspectos ao longo da vida.

E com o passar dos anos, a velhice chegou, e Merlin percebeu que não teria para quem deixar seus conhecimentos, pois nunca havia pensado em nomear um sucessor e não havia constituído família.

Nisso, Viviane apareceu. Não sabemos se era uma mulher de beleza fenomenal, ou apenas uma pessoa, digamos, gente boa. O fato é que ele acreditou que a mulher seria a solução para seus problemas – de sucessão e de solidão – e por ela se apaixonou.

Diante desse sentimento inédito em sua vida, Merlin sabia que não tinha muitos atributos pessoais, se é que possuía algum. Afinal, era um velho decrépito e ruim de papo, monotemático, pois passara praticamente a vida toda trabalhando na corte.

Logo, para conquistar a jovem, utilizou-se de todos os seus recursos, ao enchê-la de presentes e de agrados. Mas, ao se desdobrar nesses esforços, deixou de verificar se a jovem correspondia seus sentimentos.

Viviane, por sua vez, levou Merlin na conversa. Obviamente, aceitou de bom grado ser aprendiz dele, mas se fazia de desentendida quanto à segunda aspiração do velhinho. Rei Artur, Lancelot, a Mulher do Lago, os demais Cavaleiros, os súditos, os anglo-saxões, enfim, todos perceberam o que se passava com o querido Mago: ao tentar acabar com a nulidade em termos sexuais, acabou trazendo a zero o bom-senso.

Questionado pelos amigos, estava ciente de que estava se deixando enganar. Porém, resignado como todo nativo da Cornuália, confessou sua impotência diante de um sentimento pelo qual nunca se permitiu passar, e continuou a depositar sua dupla esperança em Viviane.

Assim, cometeu a tolice de ensiná-la feitiços que não poderiam ser desfeitos, o que selou seu destino. Em um derradeiro esforço para conquistá-la, o antigo herói da corte – agora bobo-da-corte da nação – criou um aposento no alto de uma montanha, com a mais bela das decorações. Nesse local, Merlin esperava consumir sua paixão.

Quando lá chegaram, Viviane pediu para ele ir primeiro. Logo que ele entrou, ela soltou uma daquelas mágicas irreversíveis, e o tolo ficou preso dentro do cômodo para sempre.

Moral da Estória: O que ocorreu com Merlin também se passa conosco. Quem não desce do pedestal acaba se deixando seduzir pelas pessoas mais inapropriadas, isso porque investiu apenas no aprimoramento profissional, quando deveria ter dedicado parte do seu tempo a trabalhar sua experiência emocional.

Se você for uma pessoa que busca o equilíbrio em todos os aspectos, revelar-se uma pessoa disposta a aprender com a vida, ao invés de tentar dominá-la, terá mais chances de emplacar um relacionamento saudável, mesmo que, em termos materiais, não tenha muito mais a oferecer além de uma singela varinha.

Suellen


ATENÇÃO! DR FOREVER É FICÇÃO.

AMIGA DESCOLADA

Sexta feira, de noite:

SALLY: Tenho que te contar uma coisa.
SOMIR: Hmhum… (assistindo TV)
SALLY: Promete que não vai ficar bravo?
SOMIR: Hmhum…
SALLY: É que a Marinês…
SOMIR: Hmhum…
SALLY: Vem passar o fim de semana aqui em casa.
SOMIR: Hmhum…

*pausa

SOMIR: O QUÊ???
SALLY: Você disse que não ia ficar bravo.
SOMIR: Aquela chata escrota que até hoje diz que você não tinha que ter casado comigo?
SALLY: Não fala assim dela.
SOMIR: Aquela ogra burra que tentou provar para você que eu estava tendo um caso com a minha irmã?
SALLY: Ela não sabia que era sua irmã…
SOMIR: Caralho, Sally! Eu odeio aquela mulher!
SALLY: Ela está mudada.
SOMIR: Nem com todas as plásticas do mundo aquele jaburu muda.
SALLY: Respeito!
SOMIR: Porra, e você só me avisa agora? Se eu soubesse tinha reservado um hotel.
SALLY: Larga de drama! Você não vai nem perceber que ela está aqui.
SOMIR: Merda…

Sábado de manhã.

SALLY: Mari!
MARINÊS: Sá!
SOMIR: Merda…
SALLY: Não liga pro grosso.
MARINÊS: Não ligo mesmo!
SOMIR: Ainda bem, eu não ia atender… hahahaha.
SALLY: Sem graça… Mari, você vai ficar naquele quarto…
MARINÊS: Vamos ver. Conta tudo, amiga!

Sábado de noite:

SALLY: Fiz aquela batata assada que você adora, Mari!
MARINÊS: Oba!
SOMIR: Porra, eu também adoro, e você nunca faz…
SALLY: Larga de ser chato.
MARINÊS: Ninguém mandou tratar mal, mulher só capricha com quem gosta.
SOMIR: É assim que você trata o Shrek? Hahahaha
SALLY: Grosso!
MARINÊS: Continua besta e infantil. O que você vê nele, Sally?
SOMIR: Algo que você já nem lembra mais que existe. Sexo.
SALLY:
MARINÊS: Você devia dar graças a Deus por ter UMA mulher que…
SOMIR: Eu dou graças todos os dias por não pegar uma baranga que nem você.
SALLY:
MARINÊS: Prefiro ser baranga que…
SOMIR: Prefere mesmo, não se cuida, está parecendo a macaca Chita!
SALLY: Eu…
MARINÊS: Balofo e careca!
SOMIR: Mal-comida! Nunca teve um homem que te aguentasse… foi chifrada por todos!
SALLY:
MARINÊS:(fazendo cara de choro)
SOMIR: Além de feia é burra! Pagou detetive para descobrir que eu estava saindo com a minha irmã! Hahahahahahahahahahahaha….
SALLY: Não faz isso com ela.
MARINÊS: Você… Buááááááá
SOMIR: Bem feito. Tá na minha casa, vai aguentar o que eu digo.

*Marinês sai correndo para o quarto.

SALLY: Grosso, estúpido!
SOMIR: Ela mereceu, porra!
SALLY: Ela só pensa no meu bem. Você é morto por dentro?
SOMIR: Não é bem assim, ela me provocou…
SALLY: Você bateu forte demais, seu imbecil.
SOMIR: Ah, agora a culpa é minha?
SALLY: Vai pedir desculpas.
SOMIR: Nem fodendo!
SALLY: Ou isso ou você vai dormir no sofá por um mês.
SOMIR: Ai saco…

*Somir vai até o quarto, Marinês percebe a presença dele e começa a chorar mais alto.

MARINÊS: Fora daqui!
SOMIR: Calma, eu vim me desculpar.
MARINÊS: Sério?
SOMIR: É. Eu estava irritado, mas você não merecia escutar aquelas coisas.
MARINÊS: Eu só queria proteger a minha amiga…
SOMIR: Ok, eu entendo, se você gosta tanto da Sally, eu vou aprender a gostar de você.
MARINÊS: Eu sou tão feia assim?
SOMIR: Não! Eu estava sendo cruel, você é uma mulher interessante e bonita.
MARINÊS: Jura?
SOMIR: Juro.
MARINÊS: Eu te perdôo. (pedindo um abraço)
SOMIR: Obrigado… (respirando fundo e abraçando)
SOMIR: Volta lá pra jantar com a gente.
MARINÊS: Tá bom, eu já vou. (enxugando as lágrimas)

*Somir sai do quarto, poucos segundos depois Sally entra.

SOMIR: Estou aqui comendo, venham logo.

*Sally chega na cozinha, pisando duro e com semblante enfurecido.

SALLY: VOCÊ DEU EM CIMA DELA???
SOMIR:


HEMORRAGIA

SOMIR: Hoje eu vou fazer o almoço! Descanse que você merece!
SALLY: Acordar homem com sexo oral realmente melhora a relação…

Sally vendo TV e Somir na cozinha.

SOMIR: AAHHHHHHHHH!!!
SALLY: O QUE FOI???
SOMIR: MEEEEEEU DEEEDOO!
SALLY: Você cortou fora seu dedo???
SOMIR: Praticamente!
SALLY: Rápido, pega gelo e….

Sally vê um pequeno corte quase imperceptível no dedo de Somir. Mal sangra.

SOMIR: VOU LEVAR PONTO?
SALLY: Aff…. nem tá sangrando…
SOMIR: Tá sim, OLHA! (espremendo o dedo na tentativa de conseguir uma gota de sangue)
SALLY: Deixa de ser fresco… passa uma água e volta a cortar a cebola…
SOMIR: TÁ MALUCA? E SE EU PEGAR TÉTANO? TEMOS QUE IR AO HOSPITAL…
SALLY: Eu me corto todo dia e nunca peguei tétano
SOMIR: Você não está vendo que eu estou com DOR Sally?
SALLY: saco…
SOMIR: Rápido, me ajuda!
SALLY: Toma, coloca um band-aid…
SOMIR: TÁ SANGRANDO, TÁ SANGRANDOOO
SALLY: Eu sangro todo mês…
SOMIR: (fica branco)
SALLY: Você está bem?
SOMIR: (fica mais branco)
SALLY: Somir?
SOMIR: (desmaia)
SALLY: Somir, acorda!

Sally sacode Somir até ele acordar

SOMIR: Bom saber que não posso contar com você, Sally
SALLY: Use seu fator de cura mutante, da próxima vez… hahahaha
SOMIR: Tomara que a dor de parto seja tão terrível quanto dizem!
SALLY: FRESCO! BICHINHA!
SOMIR: Tá me chamando de bicha?
SALLY: BICHA! BICHA! VIADINHO!
SOMIR: Você quer me ver morto, Sally!
SALLY: saco…
SOMIR: Não vai me levar pro hospital? Não posso dirigir assim…
SALLY: Eu não! Faz como eu, chupa o dedo e continua cozinhando…
SOMIR: Você é uma ignorante e incosequente!
SALLY: Você é um FRESCO!
SOMIR: Vou me deitar, não tenho condições de cozinhar nem de fazer nada agora…
SALLY:
SOMIR: É SÉRIO, SALLY, ESTOU ME SENTINDO MAL
SALLY:

Somir deita com cara de sofrimento. Sally se aproxima sorrindo e abre o zíper da calça de Somir.

Somir sorri.

SALLY: PRA ISSO VOCÊ TÁ BEM, NÉ?
SOMIR: Tá vendo como você é? Não valoriza os esforços que eu faço por você…

(Este texto não é original para o desfavor, mas eu decidi que ele merecia mais uma chance de ser publicado antes de desaparecer para sempre nos meus arquivos desorganizados.)

Carta aberta às mulheres, ou: “Mas, Dr. Maligno, por que você fez isso?”.

INTRODUÇÃO

Quantas vezes você já não viu o herói ou a vítima da história fazer essa pergunta para o vilão? Essa cena de explicar o plano maligno é um dos clichês mais bem sucedidos da história das narrativas ficcionais.
Normalmente, o vilão não se dá ao trabalho de contar em detalhes o que estava fazendo até o momento definidor. A pergunta de ouro: “Por quê?”.
Entendo os vilões, não há a menor graça em expor seu estratagema genial para quem não está interessado em ouvi-lo. A reação da vítima, um misto de horror e admiração, deve ser deliciosa de se contemplar.

E é isso que estou prestes a descobrir. Faço parte do plano maligno, posso me considerar o vilão. E a vítima já fez a pergunta:

“Os homens estão diferentes, tem algo de muito errado com eles, mas… o quê?”.

Hoje em dia, de várias formas diferentes, essa pergunta povoa a mente de grande parte da população feminina. E esse é o meu sinal. Está na hora de explicar o plano maligno.

Os homens jamais aceitarão a ascensão feminina. Ou as mulheres realmente achavam que essa história de igualdade iria durar muito? Mulheres no poder? Isso é só uma fase, minhas caras leitoras. Querem entender melhor o plano? Vou simplificá-lo agora e entrar em detalhes depois. Confesso que estou adorando isso.

Problema: As mulheres decidiram que queriam igualdade. Mulheres são mais da metade da população mundial, algumas são extremamente inteligentes e a maioria tem habilidades que excedem e muito as masculinas, em incontáveis áreas. As mulheres lideram uma revolução muito poderosa, praticamente sem falhas exploráveis.
Só que esse não é o problema. O problema é como isso foi feito.

Solução: Descobrir a forma de ataque das mulheres, criar uma defesa, e logo após isso, achar o ponto fraco delas e atacar impiedosamente.

Não se surpreendam, mas os homens já estão na fase de “atacar impiedosamente”. Nesse exato momento em que você está lendo isso, as mulheres estão perdendo mais e mais território. Essa guerra já está chegando ao seu clímax. E, nos perdoem, mas vamos gozar primeiro.

Se você achava que a guerra dos sexos era algo puramente em tese, vai rever os seus conceitos a partir de agora. Agora, o plano masculino, em detalhes:

O PLANO

1 – Descobrir a forma de ataque do inimigo e criar uma defesa.

Na verdade, resolvi unir esses dois pontos por um simples motivo, o plano das mulheres apresentava algumas falhas primárias, que assim que expostas, tornaram-se a defesa dos homens.
Percebam que eu não estou diminuindo a inteligência do plano, apenas estou salientando que táticas de guerra sempre foram incumbência masculina. E que essa primeira tentativa das mulheres de mudar o mundo sofreu com a inexperiência das próprias.
De qualquer forma, parabéns pelo esforço.

1.1 – Como as mulheres atacaram.

Oras, se os homens estão no poder, estão por algum motivo. Estão por ter uma coisa neles que os torna mais aptos a liderar, algo que os fazem ter a capacidade se posicionar corretamente na escala de poder. Isso é algo inerente ao homem.

Espera aí! Se ser homem é condição básica do poder tradicional, como as mulheres poderiam ter chegado tão perto disso nos dias atuais?

A resposta é simples. Tão simples que cai na categoria de óbvio demais para perceber:
Se as mulheres nunca vão poder ser homens, é mais fácil descaracterizar o papel do homem e aproveitar essa falha deles para mudar a dinâmica do poder em escala mundial.

E foi exatamente isso que as mulheres fizeram. O homem foi desvalorizado, e a maior parte das mulheres participou ativamente disso. Pensem com calma: Qual a maior fraqueza da maioria dos homens?

Exatamente. Mulheres.
O instinto masculino urge, a cada minuto, incessantemente na busca pelo sexo oposto. Homens foram programados para isso, para atrair e conquistar a fêmea. O papel passivo feminino na mecânica da atração sexual apenas parece passivo. Na verdade, é muito mais ativo do que sugere. A mulher permite que o homem se apodere dela, é ela que escolhe quem vai aceitar ou não, e os homens sempre vão lutar por esse lugar cativo entre as pernas delas. Sempre.

Estou dizendo que as mulheres escolhem os homens. Esse poder sempre foi delas.
Mas elas queriam mais, não? Infelizmente para elas, o tiro saiu pela culatra, e tudo o que conquistaram até agora vai ser perdido, e, além disso, vão sofrer as retaliações por esse ato de rebeldia.

Não se brinca com natureza humana. Mas foi exatamente isso que aconteceu.
As mulheres queriam desmontar a figura do homem para conquistar ainda mais poder na sociedade. E como fizeram isso?

Usando o seu próprio poder. As mulheres ditaram suas novas escolhas para os homens, abusando especificamente do seu ponto fraco. Uma baixaria, se me permitem o comentário.
E como era de se imaginar, os homens atenderam.
O homem tradicional, seguro, corajoso e grosso foi preterido pelo chamado “homem-moderno”. Homem-moderno? Homem-inseguro, digo eu.
Essa demanda por um homem vaidoso, sensível e romântico destruiu as fundações do poder masculino. Utilizando o desejo sexual masculino como isca, as mulheres conseguiram criar uma distração momentânea, suficiente para garantir uma revolução feminina sem precedentes na história. E é exatamente aí que as coisas começam a dar errado.

1.2 – O ponto fraco, ou: “A melhor defesa é o ataque”.

A revolução está se estabilizando. Na maior parte dos países avançados, as mulheres estão encontrando barreiras cada vez menores. Estão tendo a liberdade inédita de escolher como viverão suas vidas. Não tenho nada contra isso.
A forma como essa revolução foi conquistada é que me incomoda. E, por uma doce ironia do destino, é exatamente o que incomoda vocês, mulheres.
Os homens andam confusos? Com dificuldade de assumir seu papel, principalmente nas relações amorosas? Você precisa se esforçar muito mais do que sempre precisou?
Perdoem-me, mas estou rindo. Os homens aceitaram esse jogo, e simplesmente deram o que as mulheres pretendiam querer.
Vocês usaram o seu poder de escolha para o mal. E percebem claramente que estão pagando o preço. Mas eu garanto que não é só a sensação de “faltar homem no mercado” que cria esse incômodo. O pior é que vocês mesmas estão se traindo. Típico, não? E esse é o gancho para o próximo capítulo.

2 – Atacar impiedosamente.

Pois bem. Para cada ação há uma reação.
Percebam que essa insatisfação feminina é um fenômeno recente. Acontecendo praticamente ao mesmo tempo que temos as primeiras presidentas em vários países, ao mesmo tempo que mulheres de todas as cores, credos e nacionalidades conseguem seu espaço no mercado de trabalho.
Essa insatisfação não ocorre sem motivo. Não se muda a natureza masculina. Somos excelentes estrategistas, e não deixaríamos uma ofensa como essa passar sem retaliações.

2.1 – Papéis invertidos.

Não foi usando o poder de escolha que as mulheres mudaram as características básicas do homem moderno? Pois é exatamente assim que estamos revertendo o processo.
Ao exigir do homem algo que não é da natureza dele, foi criada uma “zona cinza” nas relações entre os sexos. As mulheres foram obrigadas a assumir muitas das responsabilidades dessa relação, e ao mesmo tempo, cederam seu poder de escolha para os homens. Igualdade, certo?
Estamos escolhendo. Estamos escolhendo as mulheres que não se valorizam. As que abdicam do seu conjunto em detrimento do seu puro poder sexual. Xeque-mate.
As mulheres tiraram do homem grande parte de suas características masculinas. Um homem enfraquecido não deixa de ser um homem, e ainda vai buscar o poder de ser o macho de uma relação.
Mas, se esse homem perdeu grande parte do seu poder, como ele vai conseguir manter essa relação? Simples. Procurando mulheres ainda mais vulneráveis que ele.
Lei da oferta e da procura.

2.2 – Seus filhos pagarão por seus crimes.

Dramático, não? Mas é assim que as coisas estão se desenvolvendo.
Querem um sintoma de que o plano masculino está funcionando? Observem o mundo ao seu redor.
A quantidade de garotas desesperadas por atenção, sendo valorizadas apenas pelos seus corpos e nada mais é incrível. E esse comportamento cresce numa progressão geométrica.

Eu não consigo nem explanar corretamente o quão irônico é isso. Vocês percebem o que aconteceu? O discurso de valorização da mulher em detrimento de ser apenas um pedaço de carne está sendo soterrado justamente pelas mulheres usarem o sexo como base de sua revolução.

As novas gerações de mulheres terão de se adaptar aos novos tempos. Se os homens se assustam com mais facilidade, se eles não têm mais coragem de conviver com uma mulher poderosa, vão buscar refúgio em águas mais calmas.
E as mulheres que não se tornarem essas “águas mais calmas”, vão observar, impotentes, as que aprenderam a se rebaixar tomar a maioria absoluta dos homens do mundo.

Adivinhem só quais genes serão repassados e quais serão preteridos?

A segurança que as mulheres desenvolveram nessas últimas décadas está sofrendo um impacto enorme com a dificuldade dos homens em conviver com elas. E isso é percebido, de forma inconsciente, por todos. As mulheres mais novas já sofrem com esse abalo. Só que elas vão se adaptar. E as filhas delas já virão ao mundo com uma mentalidade bem parecida. E as mulheres inseguras que só conseguem se valorizar por características sexuais vão dominar o mundo.

Percebem onde isso vai parar? Vocês nos enfraqueceram, nós estamos devolvendo. Com juros e correção.

Eu já escrevi cheque-mate? Nunca é demais reforçar nesse caso: Xeque-mate!

CONCLUSÃO

Outro clichê famoso envolvendo a revelação do plano por parte do vilão é que ele sempre conta tudo antes da hora. E com isso dá uma oportunidade para a vítima de escapar.

Será que é o caso?
Será que as mulheres vão perceber que criaram um padrão de escolha para os homens que querem que na verdade só cria desgosto para as próprias?
Será que elas vão voltar a valorizar o homem verdadeiro e dar uma chance desse se posicionar ao lado delas ao invés de ter de derrubá-las impiedosamente?
Será que as mulheres vão perceber que não há nada errado em ser mulher?
Há uma chance das mulheres inseguras não destruírem completamente o que outras gerações de mulheres criaram baseadas numa premissa falha?

Essa e outras respostas no próximo capítulo.
Seja lá quando for.

Se eu ganhasse um real por cada vez que um Zé Ruela me fez um elogio que eu não gostei, estaria rica. E se eu ganhasse dois reais por cada elogio que eu não gostei mas que o Zé Ruela achou que mandou muito bem, estaria mais rica ainda.

Já repararam que elogio de homem é sempre mais ou menos igual? É padronizado. Ô raça sem criatividade! Parece que quando um elogio funciona uma vez eles repetem exaustivamente, sem se dar ao trabalho de analisar o público alvo, o contexto e a ocasião!

O que eles não percebem é que muitas vezes esses elogios trazem mensagens implícitas que nos aborrecem. Parece que eles repetem, quase que no piloto automático. Porque eles se recusam a fazer elogios personalizados? Porque jogam frases feitas na gente? Será que custa tanto assim reparar na mulher que eles tem do lado e fazer um elogio específico, que só sirva para aquela mulher? Tem que usar um elogio genérico? Porra, queremos elogios personalizados!

Recicle lixo, recicle papel, mas não recicle elogios. A mulher percebe e se sente desprestigiada. Nunca vamos nos sentir especiais com elogios toscos. Muito pelo contrário, passa uma imagem de homem canalha que está tentando nos enganar deliberadamente!

Vou fazer a minha lista pessoal de Elogios Desfavor. Claro, cada um tem a sua (e peço que contem nos comentários). Mas fiquem atentos, Cuecas, porque geralmente a motivação para desgostar do elogio é sempre muito parecida.

BONITINHA E CIA – Bonitinha é feia arrumadinha. Bonitinha e demais INHAS não são bem vindos. Ou por acaso quando vocês olham o ensaio da Scheila Carvalho no Papaeazzo vocês acham ela bonitinha também? Manucu! Bonitinha nos coloca no lugar de mulezinha padrão, para casar e ter filhos. E todo mundo sabe o que homem faz com mulezinha para casar e ter filhos, certo? Mulher quer ser muito mais que esposa para o homem! Tem que ser mulher, em primeiro lugar. Não é que nunca possa falar que está bonitinha, em algumas situações até passa, mas fazer desse o elogio padrão nem pensar! Prefiro que me chame de gostosa mesmo. Todos os elogios terminados em INHA trazem uma conotação negativa, acredito eu, para a maior parte das mulheres. Pensem dez vezes antes de soltar um elogio com INHA.

ALGUÉM JÁ TE DISSE… – É o elogio que vem em forma de pergunta. “Alguém já te disse que você é linda?”. Porra, por mais horrenda que seja uma mulher, ela já escutou isso de alguém alguma vez na vida, nem que seja de um trabalhador da construção civil! O que responder a essa pergunta? “Já sim, meio mundo me fala isso”? Em vez de perguntar, AFIRME. Eu fico com a maior cara de bunda quando perguntam esse tipo de coisa. Não esta outra opção a não ser rir e olhar para baixo. Isso se eu não estiver em um dia ruim.

VOCÊ É A MULHER MAIS LINDA DO MUNDO – Qual é né? Dá um tempo! Duvido muito que eu seja e duvido mais ainda que ELE ache isso. Já amei com todas as minhas forças, de ficar cegar de amor e mesmo assim eu sabia muito bem que tinha homens mais bonitos que ele no mundo. Não dá para acreditar nesse elogio. Claro, fica consignada a boa vontade do cidadão, que mesmo sem achar isso, tem a cara de pau de abrir a boca para mentir tão descaradamente só para te ver feliz. Mas pretender que eu acredite? Nem a pau. Poxa, faça outro elogio, algo mais pessoal e mais plausível.

VOCÊ É LINDA DE QUALQUER JEITO – Costuma ser muito usado quando eu tenho um faniquito e não quero ser vista em momentos toscos, como ao acordar ou pintando o cabelo. Não, eu não sou linda de qualquer jeito. Como é que ele sabe, se ele nunca me viu largada? Homens não tem idéia do quanto uma mulher pode piorar sem uma bela arrumação. É dar pouco crédito à nossa inteligência dizer que somos lindas de qualquer jeito, parece aquele pai que diz ao filho “Não se preocupe, Papai não vai morrer nunca”. Sai fora.

VOCÊ PARECE UMA BONEQUINHA – Tenho pavor. Quer coisa mais broxante que parecer com uma bonequinha? Quando um ex me disse isso, eu respondi na hora: “Inflável?”. Ele ficou sem graça. Porra, eu quero ser sexualmente desejável e não uma bonequinha! E daí podemos concluir que outros “elogios” como comparar com um neném, com criança ou qualquer coisa do gênero não são bem vindos. Fazer o elogio com voz de neném menos ainda.

GENTE BOA – Geralmente esse eles soltam para terceiros. “Fulana é muito gente boa”. Fulana é você. Porra, gente boa é terrível, é um tapa na cara! É quase um atestado de baranga! Pelo amor de Deus, se alguém perguntar como é a mulher com a qual você está saindo, diga tudo, menos que ela é gente boa!

ADORO VOCÊ! – “adoro você” é um “ainda não te amo”. Muita gente me adora, até aí… A razão de ser do elogio não é me fazer sentir especial? Não me sinto especial com um sujeito que me adore. Talvez se ele falar exatamente as coisas que adora em mim, a coisa melhore. Aposto que ele adora o próprio cachorro também. Grandes merda adorar. A gente adora praticamente tudo. Eu adoro brócolis. Adorar é pouco, muito pouco, quase que uma esmola emocional. Adorar me ofende. Eu espero mais, mesmo que ainda não seja namorado.

TÁ LEGAL – Muito usado quando você passa duas horas se produzindo e pergunta pro Zé Ruela se ele gostou, desfilando o resultado do efeito Bastidores. Ele olha e diz “É, ta legal”. LEGAL? Legal é um jogo de vídeo-game. Legal é sua mãe lavar seu tênis. Uma namorada/mulher que passa duas horas se arrumando para você merece muito mais que um “Tá legal”.

VOCÊ ESTÁ LINDA – Ok, esse é implicância minha, mas eu odeio muito, fazer o que? ESTOU linda? Não, Querido, eu SOU linda. Estar significa uma situação transitória. Eu sei, eu sei, pentelha… Mas me aborrece.

SEUS OLHOS – Também é implicância minha. Porra, que coisa mais comum ficar elogiando olho e olhar! Já escutamos tanto isso que perdeu o valor. Se tentar me convencer que a primeira parte do meu corpo para a qual olhou foram meus olhos então, eu viro bicho. Falo logo um palavrão! Elogiar os olhos dos outros é fácil, porque olho é tudo IGUAL, só muda a cor. Olho é olho, ao contrário de bunda, que pode ser dura, mole, caída, em pé… Elogiar olho é apelar!

Com um pouco de observação, qualquer Cueca vai saber fazer os elogios certos para a mulher que tem do lado. Avalie a importância que ela dá às coisas, as prioridades da vida dela e seus pontos fortes.

Para elogios personalizados: sally@desfavor.com