Sugestões?

Você tem alguma ideia de tema que quer sugerir para nós? Aqui é o lugar. É muito difícil acompanhar as sugestões que vocês fazem na nossa rotina diária de posts, e com tudo centralizado aqui queremos simplificar o processo de vez. Vale sugerir qualquer tema, vamos analisar cada uma das suas ideias, e se for possível (vulgo soubermos falar disso de forma decente), pode apostar que vamos escrever sobre o assunto e te mencionar no post. Se quiser dar ideias sobre CONTEÚDO, este é o lugar. Vamos lá?

Comentários (481)

  • Desfavor Explica: dicas e técnicas de auto-controle para conter demonstrações de impaciência em situações e lugares onde não seja apropriado – burrices de subordinados e chefes no trabalho e de atendentes de banco ou de repartições públicas – , tendo como objetivo diminuir o estresse e não sair mandando tudo e todos para a casa do caralho o tempo todo.

  • Vendo a Sally comentar “O brasileiro médio quer levar vantagem em tudo, é sufocante viver no Brasil” pensei se não daria pra termos um texto aqui sobre a “Lei de Gérson”.

  • Reli há pouco tempo uma coluna do Drauzio Varella que me deu uma idéia. Nessa coluna, publicada na Folha em março do ano passado, o Varella cita um artigo de uma revista americana que discute a existência de um lobby da indústria farmacêutica junto ao governo dos EUA para modificar os critérios médicos a partir dos quais uma pessoa é considerada diabética e assim lucrar mais empurrando remédios para mais gente. Para piorar, não é difícil imaginar que calhordices como essa aconteçam também em diversos outros ramos de atividade, com espertalhões de todo tipo e grandes empresas criando dificuldades para vender “facilidades” em busca somente de mais e mais dinheiro. Acham que isso rende um texto?

    • Com certeza, só tenho receio de não conseguir material, pois é o tipo de coisa da qual não se deixam registros…

  • Falem sobre essa problematização que “as mina” tem feito de elogiarem a beleza delas. Agora inventaram que elogios como gata e bonita são vazios e tem que ver outras qualidades como inteligência e a “luz que elas irradiam”

  • Avatar

    Wellington Alves

    Sally, gostaria de sugerir um filme do Netflix para que você fizesse um texto sobre ele. Chama-se Peles, é uma produção espanhola.
    É um filme que rompe com os padrões estéticos da beleza, buscando gerar o sentimento de asco, mas com uma mensagem de Trabalhar a questão da aceitação. Tem uma personagem surreal, inventada para potencializar esse sentimento de asco, mas os demais casos são factíveis.
    Chamei minha esposa pra assistir, pois precisava que ela me descrevesse as cenas e as personagens, e no final ela estava indignada comigo! kkkkk
    Sabendo do seu dom para descrever imagens, estou muito curioso para ouvir suas impressões.

  • Pergunta para o Somir: é mais difícil escrever ficção científica hoje do que era entre o séc. XIX (época de Júlio Verne) até os anos 40 e 50 (época de Isaac Aisimov e Aldous Huxley)? O fato de a ciência e a tecnologia terem avançado tanto de lá pra cá é um facilitador ou um complicador na hora de especular possibilidades de futuro? Nessas épocas que mencionei, imaginava-se muita coisa que hoje é realidade mas também havia quem pensasse que “tudo o que poderia ser inventado já foi inventado”. Tem também a questão de como essas mesmas ciência e tecnologia que nunca param de avançar impactam – ou ainda vão impactar – a vida das pessoas; algo que, creio, seja bem mais complexo atualmente. O que acha? Sai um texto daí?

    • Não acho que rende um texto inteiro, mas é um ponto interessante para pensar. Eu noto que o grau de insanidade dos escritores aumenta exponencialmente com a curva tecnológica. Verne previu um submarino, Aasimov previu inteligência artificial. Hoje em dia tem vários autores que analisam civilizações ficcionais inteiras em suas obras. No final das contas, acho que equilibra: os antigos tinham uma facilidade de encontrar bases novas para ficção, mas os modernos tem zilhões de ramificações delas para seguir.

      • Também gostei da sugestão. Lembrando que Natal e Ano Novo aconteceram há pouco tempo e logo mais tem carnaval. E o que não falta nessas épocas é gente enchendo o rabo de cachaça e fodidos querendo se matar de overdose.

  • Processa eu não é feito com muita frequência, mas um sobre dom Pedro I seria muito interessante. Eu reconheço que ele deu a nossa independência… Mas sério que um cara que traía a mulher, negligenciou o país que ELE MESMO CRIOU e queria dar uma de Luís XIV é tratado como uma lenda?

  • Grandes fails de brasileiros com línguas estrangeiras, sobretudo o inglês. Dá para mencionar muita coisa, porque o que não falta nessa seara é pagação de mico. Tem desde o já folclórico Joel Santana em sua passagem como treinador da seleção de futebol da África do Sul até cantores nacionais dos anos 70 tentando se passar por gringos e cantando em inglês. Sobre isso cabe uma explicação: era uma época de um certo marasmo sócio-econômico depois do “milagre” dos anos Médici, em que se pagava muito pau para tudo que era estrangeiro e as gravadoras obrigavam os artistas iniciantes a adotar pseudônimos ou até ficarem sem aparecer na televisão para “manter o mistério”. Muitos nem sequer entendiam o que cantavam enquanto outros tinham pronúncia muito ruim, tornando-os incompreensíveis e fazendo o público desconfiar do embuste.

    Ainda sobre músicas em inglês: um grupo americano de hip-hop chamando Gillette emplacou numa trilha de novela da Globo no meio dos anos 90 uma música super-repetitiva com o título de “Don’t Wanna Short Dick Man”, cuja tradução é “Não Quero Homem de Pinto Pequeno”. Como naquela época muito pouca gente falava inglês por aqui, até mesmo dentro do quadro de funcionários da maior emissora do país, tal barbaridade passou batido e o tal grupo até veio cantar esse troço – com playback, claro – no programa da Xuxa! Eis o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=BMwZcMwmaic.

    Lembram que havia um monte de brasileiro tentando se passar por estrangeiro buscando “se dar bem” durante a Copa 2014 e a Olimpíada 2016, quando tinha muita gente de fora por aqui? Tem também mentirosos que garantem ter “inglês fluente” no currículo e na hora do “vamos ver” não consegue responder nada numa entrevista de emprego feita na língua de Shakespeare. O caso das traduções de títulos e dublagens escabrosos de filmes e séries já até mereceram texto próprio aqui no Desfavor. Por fim, há ainda as hediondas versões de sucessos internacionais que “assassinam” a obra original porque palavras que rimam em um idioma não rimam em outro e a nova letra é feita com a preocupação de manter alguma semelhança de sonoridade nos fonemas em vez de dizer algo que seja profundo ou que faça sentido.

    Tanta coisa… E olhem que eu nem falei ainda de fails de brasileiros lidando com outras línguas… Mais uma coisa: talvez cada um dos tópicos que citei aí em cima possa virar um texto separado, mas aí fica a critério de vocês. O que acham?

    • Muito legal! E tem também o “Melô do Papel” dos Housemartins e os golpes do Street Fighter que o pessoal chamava de Alec Ful, Protec Turuguen, Mini Táxi e Tiger Robocop.

    • Tema bem legal (Já cantei muito “Melô do Papel” nos karaokês da vida hahaha)! Hoje eu nem me emputeço mais com essas versões nacionais de músicas internacionais, só dou muita risada!

      Antigamente até justificava os “fails” do brasileiro no inglês, mas hoje, dependendo de quem vem, é imperdoável (Quando o Multishow tava transmitindo o show do Scorpions no Rock in Rio, postaram que o momento da sofrência tinha começado porque a banda começou a tocar “Wind of Change”, sendo a música nem é sobre isso).

  • Desfavor Explica: Técnica Feynman, que promete tornar seus praticantes capazes de aprender qualquer coisa e também de dominar qualquer assunto a ponto de discorrer sobre ele com facilidade. Pelo que eu já vi, em leituras e em vídeos, a técnica, atribuída ao físico teórico norte-americano Richard Feynman, consiste em quatro passos que me pareceram ser o próprio modus faciendi da coluna “Desfavor Explica”. Eis os tais passos:

    1 – definição do assunto ou conceito
    2- ensinar – ou fingir ensinar – uma criança, procurando evitar ao máximo jargões técnicos
    3- durante esse “ensinar”, descobrir falhas na própria compreensão do assunto e revisão do que não foi entendido
    4- simplificação da explicação recorrendo, quando possível ou necessário, a analogias

    O que acham?

  • Vocês já fizeram textos sobre nomes escrotos de pessoas e outro sobre nomes ridículos de candidatos. Que tal agora um sobre nomes ruins – e ou duvidosos – de marcas e de estabelecimentos comerciais? Há algum tempo, um rapazinho que trabalhava como office boy no escritório do meu tio me disse uma vez que se o nome do lugar começa com “Ki”, pode ter certeza que é de pobre. Depois disso eu passei a reparar e percebi que é verdade. Já passei em frente a uma sorveteria chamada “Kimel” e a um PF chamado “Ki-Delícia” (assim mesmo, com hífen) e creio que deve haver dúzias de outros exemplos.

  • Desfavor Explica: Expressões Latinas, usadas em Direito, liturgia cristã tradicional, canto gregoriano, selos nacionais, brasões de armas, emblemas dos mais diversos e até mesmo em escudos de times de futebol na Europa. Vale falar dos significados, traduções, variações, utilização em países cujos idiomas não são de origem latina e o porquê do uso ainda hoje, mesmo o Latim sendo considerado “língua morta”.

    • Tu tens um negócio com línguas, ein W.O.J? rs
      Uma das hipóteses mais plausíveis pro uso do latim no direito e em países que não são de origem latina é porque o direito romano, (bem como a ideia de “democracia”, que na verdade vem dos gregos) que utilizava o latim, dominou o mundo inteiro, não só o mundo ocidental, e esse é o modelo a ser seguido por todos os outros países.

      Quanto ao canto gregoriano, o que tu quer saber espeficicamente? Sobre os sete modos gregos? Porque ele não tem nada demais, ele só segue as escalas(modos) gregos e é cantado em uníssono, bem sem graça. Mas o objetivo da homofonia é justamente a tentativa de meditação, pra que o coletivo vibre em determinada frequência e entre em contato com o sagrado.

  • O que será de nós meros espectadores dessa histeria coletiva brasileira, lulistas ,bolsonarista , globalistas e o diabo a a quatro. Mais perdida que cego em meio de tiroteio.

  • Músicas mundialmente famosas antigas dos anos 70 à 2000 como as do “Bee Gees”, “Carpenters”, “Earth, Wind & Fire”, “Back Street Boys”, “Michael Jackson” e as que fizerem sucesso aqui no Brasil como as do “Engenheiros do Hawaii”, “RPM”, “Paralamas do Sucesso” e “Ultraje a Rigor”

  • Aproveitando o gancho com o texto de hoje sobre gagueira, que tal mais dois sobre “deficiências” que nem são tão “deficiências” assim? Falo sobre o que meus avós chamavam de “problema da vista” (miopia, hipermetropia, astigmatismo, daltonismo, etc.) e sobre canhotismo.

    Uso óculos desde os seis anos e lembro que, nessa época, um monte de adultos dizia “tadinho!” pra mim por me verem ainda tão pequeno e já com um par de lentes na cara. Na escola, claro, fui chamado vezes sem conta de “quatro olhos” e me incomodava que se apiedassem de mim só por causa dos óculos. Eu sempre fui perfeitamente normal, caramba!

    Quanto aos “southpaws”, meu pai – que é canhoto – dizia que, antigamente, crianças que seguravam os lápis com a mão esquerda na escola eram tidas por “defeituosas”, “retardadas”, “rebeldes” ou até mesmo “possuídas pelo demônio”. Pode? Meu pai não chegou a pessar por isso, mas ele também conta que essas crianças eram forçadas, às vezes com coerção física (reguadas, palmatórias, puxões de orelhas, vara de marmelo) a usarem a mão direita.

  • Sally ou Somir, vocês já viram a série Irmandade da netflix?? Já teve amigo meu falando que glorifica criminoso e é esquerdista… queria ver uma crítica de vocês! bjs

  • Desfavor Explica: Evolução Humana – Do Sopão Primordial ao Homo Sapiens. Eu acho que dá pra cobrir o período mostrado na abertura deste desenho animado educativo francês chamado “Il Était Une Fois l’Homme”, que foi produzido no fim dos anos 70 e criado por Albert Barillé – https://www.youtube.com/watch?v=b8BrjvOs-eA.

  • Desfavor Explica: Vaporwave (tem quem diga que o movimento surgiu pra criticar o capitalismo, outros acham que foi feito pra zuar, que é puramente estético, enfim… Acho interessante de qualquer maneira).

  • Que tal algo sobre as semelhanças e as diferenças entre as “máquinas de fazer doido/babás eletrônicas” de ontem (televisão) e de hoje (smartphones)?

  • Sugestões de temas para a Sally:
    Relacionamentos abertos; psicanálise; testes de personalidade;
    autoajuda; humor; epigenética; relação psiquiatria-nutrição; sonhos; paladar; solidão; “neurodiversidade”

    Sugestões de temas para o Somir:
    Gosto musical; people analytics; reconhecimento facial; antinatalismo; pós-modernismo e suas influências hoje; millenials; arte x tecnologia; moralismo; metáforas; “neoliberalismo”; nudging

  • Meu sonho é um Siago Tomir em que a Sally conte o episódio em que ela ganhou um filhote de porco do pai do Alicate. Ou um Siago Tomir aleatório mesmo, estou com saudades dessa coluna.

    Já para o Somir, seria algum descult de algum desses programas evangélicos que passam de madrugada (juro que não te odeio!)

  • Sugiro um texto sobre os exageros a que muitos veganos, minimalistas e ecochatos em geral têm se submetido voluntariamente apenas para adequar seus estilos de vida a suas respectivas convicções, às quais às vezes aderem de forma fanática e radical como se fizessem parte de algum culto. Estou falando dessa gente que, por diversos motivos, resolveu viver com apenas uma muda de roupa num quartinho minúsculo, só comer coisas orgânicas, usar exclusivamente remédios e produtos de higiene pessoal dos tipos “naturais” e “alternativos” e abolir da vida qualquer produto de origem animal.

  • – Piores empregos do mundo
    – Mentiras que os pais contavam para os filhos
    – Nomes mais escrotos de produtos (shampoo, esmalte de unha, etc)
    – Possíveis eventos que levem ao fim do mundo, descrevendo cada um deles e como tentar se salvar
    – Traumas de infância da década de 80/90

  • Ei, Sally, Aniversário Guanabara começa amanhã!
    A uns anos atrás você prometeu pra gente que iria em um para registrar como era e postar aqui.
    Daqui a pouco você muda de país e não cumpre a promessa.

  • Aproveitando o gancho do “Ele Disse, Ela Disse” desta semana, intitulado “Idioma universal”, e ainda falando de línguas, seria interessante um “Desfavor Explica: Etimologia”. Curioso notar que idiomas que aparentemente têm pouco ou nada a ver uns com os outros têm em seus respectivos léxicos palavras assemelhadas e de origem comum, como por exemplo “arrival” (inglês) e “arrivée” (francês) ou “willkommen” (alemão) e “welcome” (inglês). Também dá pra falar das palavras que dois ou mais idiomas “tomam emprestado” mutuamente, dos falsos cognatos, de expressões de uma língua adotadas em outra, muitas vezes até sem tradução (como as expressões francesas “cul-de-sac”, “rendez vous”, “garçonnière” , etc.). O que acham?

    • O tipo de texto pra quem é das letras. Essas semelhanças se dão pelo fato de que, lá atrás, uma língua influenciou a outra pelo aspecto regional. O francês, embora seja de origem latina, sofreu grande influência do germânico, fora outros dialetos locais como o île-de-france, o langued’oc, o bréton e o occitano. Já o inglês e o alemão que temos hoje, vem do proto-germânico que é uma das várias derivações do hindu-europeu.

      Sugiro a leitura do livro “a aventura das línguas no ocidente” de Henriette Walter. Lá explica direitinho como foi o processo histórico e geográfico de influência de cada língua.

  • Querido pessoal do Desfavor,

    Gosto muito do site de vocês e gostaria de pedir por favor, se não for abusar da boa vontade de vocês, um texto com dicas domésticas. Desde já agradeço muito.

  • não é sugestão de post mas sabe o que seria sensacional? se o desfavor tivesse um cantinho na página onde aparecesse de forma aleatória uma frase ou comentário qualquer (seja de Sally ou Somir, seja dos leitores) sem o menor contexto, sem autoria, que foi originalmente postado em algum lugar do desfavor, que nem aquelas quotes aleatórias do kiwi farms
    o problema seria achar essas frases, mas…

  • Sugestão para o Somir: desfavor explica moda evangelica, para homens e mulheres. Deve conter texto e imagens.

    Sugestão para o Somir: descult novelas mexicanas. Somir deverá assistir um episodio inteiro de A Usurpadora (certeza que tem no you tube) e fazer um texto comentando. Pode ser audio também.

    Cu, você esta fazendo um otimo trabalho.

  • Sally, nunca te pedi nada, por favor, faz um Processa Eu de comidas brasileiras! Sei que você não escreve mais a coluna pq crítica raivosa tá sobrando hoje em dia bla bla bla, mas esses patriotismo viralata nunca fala mal das comidas nojentas brasileiras. Pleeeeaaase!

  • Avatar

    Innen Wahrheit

    Des Cult: resenha de “Cabaret Mineiro” (eu não vi o filme, mas é muito bom), e a performance épica de Nelson Dantas em “Suíte do Quelemeu”.

  • Avatar

    Bolsonaro de Sunga

    * em homenagem ao dia das crianças um texto sobre as maiores cagadas que os pais fazem com os filhos
    * maiores roubalheiras do futebol
    * como um estado deve lidar com psicopatas, pedófilos e outras doenças que não tem cura?

  • Vale para qualquer um: um texto defendendo uma opinião extremamente impopular que vocês não teriam coragem de defender em redes sociais.

  • qualquer um dos dois: um Ei Você, não quero passar um mês sem a coluna!

    sally: vivemos em uma matrix?
    somir: universos paralelos

  • piores acidentes aereos da hisoria
    piores cagadas em laboratorios da historia
    piores catástrofes naturais da história da humanidade

  • Eu poderia sugerir um “dia de princesa” pro Somir em um SPA: drenagem linfática, esfoliação, fazer as unhas das mãos e pés, design de sobrancelhas, banho de lama, massagem com pedras quentes, uma aplicação de reiki, enfim, ele escolheria três itens do pacote, depois faria um relato vivencial de blogueirinha. Claro que não poderia ser um “SPA” com massagem tântrica, Nuru, essas coisas mais viris. Porém, vou sugerir, já que me comprometi a pegar leve com ele este mês. Lembro que vocês não prometeram nada…

  • Sally:
    * Tipos mais irritantes de leitores do Desfavor
    * Como se livrar da insônia
    * Ei Você falando só sobre cu, em homenagem ao C.U.

    Somir:
    * O que aprendi com relacionamentos amorosos
    * análise do primeiro ano do governo Bolsonaro
    * Ei Você sobre comentário do filme do Coringa

  • Temas: o que é real sobre UFOs (o que a ciência não desmentiu), wikileaks sobre UFOs ou relatos sobre abdução que não foram cientificamente explicados (objetos encontrados no interior da pessoa etc)

  • Uma pra série de Primeiros Socorros: o que fazer com vítimas de acidentes de trânsito – gente presa nas ferragens ou dentro de um carro capotado – enquanto a ambulância não chega.

  • Vocês já têm algo planejado para o próximo dia 12 de outubro? Afinal, aqui no Brasil o desfavor nessa data é duplo: feriado religioso e dia das crianças…

Deixe uma resposta para W.O.J. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.