Tag: contos

Stella suspira ao ver o horizonte desaparecendo mais uma vez pela janela de seu minúsculo apartamento. A vista foi uma das tantas promessas vazias do operador que lhe vendera o local meses atrás. A impossibilidade de trazer os amigos para uma visita ou mesmo ter um animal de estimação já era incômodo suficiente. Ver as grandes montanhas perdendo a definição no horizonte antes de desaparecem completamente, levando consigo quase toda a cidade até poucos quarteirões dali sugaram o resto da empolgação com sua compra mais recente: um sonho.

Continue lendo

Enquanto isso, num famoso canal de YouTube:

JOVEM: E aí, galerinha, Panda falando e hoje tem liveeeee! Super jóia jóia? Deixa uma curtida pra fazer parte da família do Panda Power e não se esquece de fazer a inscrição e tocar o sininhooooooo… Hoje a gente vai cumprir a promessa e jogar o jogo mais polêmico dos últimos tempos! Crazy Chicken! Nesse jogo você é uma galinha psicopata que quer destruir o mundo! Você começa num galinheiro, e se mexe com o mouse. Primeiro você tem que sair do ninho… deixa eu ver se eu coloquei um ovo… hahahaha… eu coloquei um ovooooo! Panda bota ovo? Hahaha! Primeiro você tem que achar a saída do galinheiro, é só seguir a seta que…

Um som de batida no microfone interrompe a narração. A galinha no jogo para e o vídeo fica em silêncio.

Continue lendo

Eu tenho quase certeza que esta não é uma carta de suicídio. Não quero que você sofra, do fundo do meu coração, mas eu tinha que sair. Não é possível que O Evento tenha sido algo tão terrível assim, não o suficiente para nos prender aqui a vida toda. Seja lá o que aconteceu, já deve ter passado. Não é possível que não tenha passado.

Continue lendo

“Eu não prendi o cinto.”

A frase passou pela sua cabeça de Karin no segundo entre o tranco habitual da reentrada atmosférica e a fria e dura realidade do chão metálico da cabine. Os estabilizadores lá fora entram em ação, permitindo seu retorno ao compartimento da cama. O colchonete fino cheirava mal e parecia sempre úmido, mas depois de quatro meses de viagem num velho cargueiro do tempo das colonizações, qualquer coisa macia já era um alento.

Continue lendo