CAPÍTULO 30 – RAFAEL RECONHECE: “FOI O MAIOR SURTO DA MINHA VIDA”

Estamos no pós-surto no elevador, Pilhão já medicado, internado em uma clínica para se recuperar não apenas do vício, mas do mega surto de “chega dessa merda” que teve, causando uma tentativa de suicídio no elevador do prédio da sua avó. Continue lendo

CAPÍTULO 29 – COM RAFA NA UTI, MÃE E EX-MULHER BRIGAM NA TV

Pois é, Dona Sylvia e a Biscate de 50 foram para a TV lavar roupa suja enquanto o coitado do Pilha estava hospitalizado. Adivinha em qual programa se deu parte desta belíssima baixaria? Isso mesmo, no programa da autora do livro, que viria a ser também madrinha do Rafael. Bacana, né? Mãe que se recusa a atender o chamado do filho prestes a se suicidar, ex que o impede de ver o filho e madrinha que ganha ibope com seu suicídio e briga familiar. No lugar do Pilha, acho que eu enfiava um caco de vidro e nem seria na garganta não, na garganta seria pouco: enfiaria no cu e subia rasgando até a nuca. Continue lendo

A porradaria entre Pilha e Mocréia-Fé continuou nesta quinta.

A mulherzinha casada com a Mocréia-Fé disse “o cara fica chamando a minha mulher de Jararaca na minha frente, eu vou fazer o que?”. Qualquer coisa menos choramingar a respeito. Ou ignora, ou toma uma atitude. Ela, é claro, jogou a culpa da falta de respeito que cometeu no Pilha: “Ele consegue tirar o meu pior”. É sim, a culpa é dele, que estava quietinho na arquibancada assistindo a prova. Quietinho não, com seus tiques nervosos, mas estava em silêncio. É sempre “o outro” que te tira do sério, “o outro” que desperta seu pior. A culpa é sempre do outro. Continue lendo

CAPÍTULO 28 – O SURTO: CACO DE VIDRO E CORTE NO PESCOÇO

Eu gosto que o título de cada capítulo é excessivamente explicativo. Se a Sonia Abrão tivesse escrito o roteiro do filme “Sexto Sentido” o filme se chamaria “O menino que vê o Bruce Willis morto”. Eu sei que o público deste livro é, como posso dizer… eclético. Mas porra, gente, não tem necessidade desses títulos-spoiler. Continue lendo

Pilha continua meio estressado. Ficou andando em círculos em volta da piscina falando mal de Mocreia-Fé. Disse coisas pouco gentis como “se fosse homem eu já tinha voado no pescoço” e “vontade de pegar uma faca e cortar o pescoço dessa jararaca”. Infelizmente a edição do programa optou novamente por não dar destaque para os rompantes do nosso herói. Continue lendo