Desfavor explica: Os Numerati.

Conte com eles?

Não sou chegada a teorias conspiratórias, acho brega. Mas o que venho lhes dizer hoje passa longe da conspiração, por mais fantasioso que possa parecer. Talvez vocês encontrem algumas versões mais alarmistas e enfeitadas sobre o tema e talvez elas sejam até verdadeiras, mas aqui me limito a escrever apenas sobre o que tenho absoluta certeza, em nome da minha credibilidade, então, muitas informações das quais não tenho certeza foram cortadas.

Pois bem, o Desfavor Explica de hoje é sobre os NUMERATI. Já ouviu falar? Muitas pessoas não. Numerati é o nome dado a um grupo de pessoas especialistas em transformar comportamentos humanos em equações matemáticas na intenção de prevê-los, catalogá-los e avaliá-los. Modelos matemáticos da sua personalidade, gostos, comportamentos e produtividade. Grandes empresas como a IBM já vem aplicando esse tipo de “avaliação” para verificar o quanto vale cada funcionário seu, o quanto ele rende e como melhorar sua produtividade. A questão é, será que um cálculo matemático consegue expressar os prós e contras de um ser humano?

A técnica dos Numerati vem sendo utilizadas não apenas no mercado de trabalho. Na política, por exemplo. Obama se elegeu com auxílio de renomados Numerati. Para quem tiver curiosidade, o nome do mentor da campanha é Josh Gotbaum. Como eles atuam? Fazem pesquisas para esmiuçar os hábito, preferências e valores de determinado grupo e são complementadas com uma vasta pesquisa dos hábitos de consumo. Com estas informações nas mãos, traçam um perfil detalhado de cada grupo eleitoral e fazem uma campanha “personalizada”, voltada principalmente para os indecisos, muito certeira, uma vez que os valores e preferências desse grupo já foram dissecados. O candidato acaba falando, para aqueles grupos, exatamente o que eles querem ouvir, porque os Numerati já passaram a cola.

Além do mercado de trabalho e política, os Numerati vem sendo requisitados no mercado de consumo também. Vou citar um exemplo. Mimos inocentes oferecidos por redes de supermercados, como cartões de fidelização, são fontes importantes de informações para os Numerati. Com estes cartões eles tem acesso aos produtos que você costuma comprar com maior freqüência e isso lhes permite traçar o seu perfil e até fazer ofertas especializadas para agradar e fidelizar o consumidor. Nos EUA, uma rede de consultoria chamada Accenture desenvolveu um software para descobrir como convencer consumidores a testar novas marcas. Funciona assim: fazem cálculos com base nos dados que tem do consumidor (gasto médio, renda familiar e produtos de preferência) para calcular um desconto que justifique uma troca de marca. Por exemplo, se o consumidor só compra Coca-Cola, eles calculam quanto uma Pepsi tem que estar mais barata para que se torne uma oferta irresistível para aquela pessoa, com aqueles gostos e com aquela renda.

Nada se salva. Até as relações pessoais estão na mira dos Numerati. Existem sites de relacionamentos (aqueles onde você supostamente vai achar seu par ideal) que vem usando a matemática Numerati para unir casais que, segundo cálculos, teriam uma afinidade maior. No site chemistry.com (não, eu não freqüento, ok?) as perguntas que a pessoa tem que responder para se cadastrar tem a intenção de avaliar não só sua personalidade, como também os hormônios que predominam no seu corpo e influenciam em sua personalidade. Eles tentam juntar combinações de pessoas que se complementem em diversos aspectos biológicos, por exemplo, unir pessoas com mais testosterona, que são consideradas mais analíticas, com pessoas com mais estrogênio mais intuitivas.

Ao contrário do que dizem alguns histéricos por aí, os Numerati não são necessariamente maus. É uma nova forma de aplicação da matemática nas relações interpessoais que pode ser usada para o bem ou para o mal. Nem sempre eles são “espiões” e nem sempre querem nos manipular. Muitas vezes estas equações e banco de dados podem ser utilizados para o nosso bem, como por exemplo, na medicina, onde se pode calcular a probabilidade e riscos de determinados comportamentos, escolhas e hábitos na nossa saúde. Podem até mesmo diagnosticar uma doença antes que ela manifestes sintomas em nosso organismo.

O grande problema não são os Numerati em si e sim a forma como isso vai ser utilizado. Para aplicar estes conhecimentos de forma benéfica seria preciso bom senso e respeito, artigos de luxo quando se trata de seres humanos. Duvido muito que predomine o bom senso e o respeito. Quando se trata de ser humano, o que costuma predominar é ambição, ganância e interesse pessoal. Quando os Numerati aplicam suas equações na nossa vida privada sem o nosso conhecimento e autorização a coisa começa a ficar perigosa. Isso configura uma invasão de privacidade. Tecnicamente, não é invasão de privacidade, porque eles não obtém os dados de forma fraudulenta ou ilegal, mas ainda assim, eu me sentiria invadida. E você?

Hoje em dia, praticamente tudo que a gente faz acaba deixando um rastro de informação a nosso respeito. Uma compra no cartão de crédito, um e-mail, uma pesquisa por uma palavra no Google. Eu fiz um teste no começo do ano, quando saiu uma matéria na revista Superinteressante sobre os Numerati, justamente para escrever este texto (que seria um Sally Surtada, mas virou Desfavor Explica). Todos os dias entrei com meu login no Google e em outros sites como Mercado Livre, Yahoo e cia, procurando por produtos para bebês. Não tenho filhos e não estou grávida. Mas comecei a receber e-mails publicitários me oferecendo descontos em produtos para bebês. Coincidência?

Os comentários deixados em blogs também são avaliados pelos Numerati, sabiam? Um Numerati chamado Howard Kaushansky desenvolveu softwares capazes de “entender” o contexto da frase que está sendo dita e avaliar mais de 35.000 comentários em cinco minutos. Pobre Sally Somir, ela vai ter muita dificuldade para conseguir um emprego depois das diversas barbaridades que ela andou comentando por aí nos blogs!

O assunto é novo mas já existem livros falando a esse respeito. O mais famoso é o The Numerati, de Stephen Baker, foi muito badalado, não tem como não fazer menção a ele. No livro ele detalha como o trabalho dos Numerati pode ser aplicado nos mais diversos grupos sociais, desde consumidores até mesmo terroristas. Sem querer ser esnobe, não vale a leitura. Achei repetitivo e sem poder de síntese. Apenas uma curiosidade que eu acho que merece destaque: ele conta que todo mês o Yahoo reúne 110 bilhões de dados sobre seus usuários. O Google estava ficando para trás, não conseguia tantos dados, por isso criou o GMail, para “nos conhecer melhor”. Você tem GMail? Créu na quinta velocidade para você! Novamente: pobre Sally Somir, nunca vai arrumar um emprego quando virem as coisas que ela procura no Google.

Não tem como fugir dos Numerati. A menos que você se isole no alto de uma montanha. Uma ligação no celular, um pagamento de pedágio, uma compra no cartão de crédito… tudo vai sendo computado. A vida moderna nos obriga a fornecer material aos Numerati. E no Brasil, a coisa ainda está light, porque nosso Governo é imbecilóide e incompetente (até que enfim algum benefício nisso!). Pensem como seria perigosa a atuação de Numeratis em um país com Governo forte, bem estruturado, que queira manter a população na rédea curta! Praticamente um Big Brother – não o programa de TV, e sim o do livro 1984. Recentemente tive o prazer de conhecer a Suellen e tivemos uma conversa sobre os Numerati quando saímos para jantar. Chegamos a conclusões assustadoras – que não cabem aqui.

Não adianta espernear, os Numerati são uma realidade. Sou contra essa postura rebelde-revolucionária de se bater de frente com as instituições das quais não gostamos. Fracamente, acho que não adianta nada. Euzinha com mais meia dúzia de amiguinhos não vamos derrubar o Google. É vexame tentar. Não vou ficar dando murro em ponta de faca. Mas também não precisamos nos entregar e nos resignar em ser zebras. Abolir os Numerati não é a solução, eles podem ser benéficos para muitos de nós! Só para variar, vamos usar a inteligência.

Convoco todos vocês, que já tem ao menos uma iniciação troll, a trollar silenciosamente os Numerati. Sem alarde, sem escândalo, sem briga. Apenas vamos mostrar que o ser humano não é mensurável por equações matemáticas. Já induziu um Numerati a erro hoje? Está esperando o quê?

Para me perguntar se eu vendo seus comentários no desfavor para algum Numerati, para me perguntar se o nosso Presidente da República sabe ao menos pronunciar a palavra Numerati e para me dizer que está muito surpreso com o fato de eu saber escrever sobre outras coisas que não envolvam relacionamentos: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Comments (23)

  • Achei gracinha o comentário da Sally – "Não, Deja, eu não entendi a piada"

    Tenho certeza de que a Sally fingiu que não entendeu pra cativar os consumidores – Deja, Laivine – do blog, estimulando postagens, contato. Confesso que também me deu vontade de repetir o comentário da Laivini "Sally, alguma coisa me diz que ele estava sendo irônico! x)", MAs, felizmente, foi só o tempo de rir e ver as respostas. Sally- A verdadeira numerati!!!!
    Sally, vc tem um traço de modéstia que desconhecia. O Somir Jamais conseguiria deixar um comentário em que pudesse parecer bobo. Inteligência feminina com sensualidade! AH, não sei, diz pra mim vai? haha

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Vão rindo, vão acreditando que seja uma mera ferramenta de CRM…esses convênios com bancos, foi só meu banco fazer o convênio com a rede de hipermercados com a qual tinha um cartão para o limite desse cartão quase triplicar…detalhe, não faço compras com essa rede de hipermercados há mais de um ano, só pago a taxinha mensal do seguro…

    Há ainda a manipulação na indústria farmacêutica, mas deixa eu terminar o texto sobre a soja (estou no final, tem umas 10 páginas até agora)

    Suellen

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Rudimentar em comparação com algoritmos genéticos, fuzzy computing e outras técnicas mais pesadas, Deja. Não é rudimentar em termos absolutos, mas é em termos relativos, e foi em termos relativos que eu quis dizer.

    Bebeste café demais, hoje?

    Beijo nas crianças!

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Sim, alguém no Google faz isso, mas me parece que é uma A.I. daquelas bem rudimentares, se perigar é só um bot de mineração de dados e olhe lá.

    Por que rola cada anúncio tonto que eu vou te contar, viu!
    Depois vocês dão uma olhada nos anúncios do malvados.com.br e do jesusmechicoteia, pra ver se eu não tenho motivo pra pensar assim.

    Abração!

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Vocês já repararam na coluna de anúncios do Gmail!??!

    Pois é, ela sempre tem anúncios de acordo com palavras-chave presentes na mensagem.

    Citando uma colega minha: "o google lê meus emails!!!"

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Não, Deja, eu não entendi a piada.

    Aliás, fico desapontada que seja uma piada, estava toda me achando crente que era de fato uma ameaça.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • vc não sabe …
    eles estão monitorando tudo q vc faz na net ….
    cuidado ….
    vamos fazer chapeus com papel aluminio pra não lerem nossos pensamentos ….

    *faz cara de tarso *

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Sally, você realmente não entendeu a piada do anônimo?

    (Em se tratando de mulheres, a gente nunca sabe… são estranhas.)

    Então, Sallie, meu software de CRM ajuda vendores a manterem seus clientes e a conquistarem novos, é complexo, mas nem tanto, nada "fantástico".

    Agora eu gostaria de desenvolver um sistema que utilize redes neurais, daí sim…

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Sabem tudo sobre mim?

    Mal posso esperar para você começar a contar.

    CONTE ALGO, por favor!

    É feio blefar e depois peidar. Faça o favor de revelar algo que ninguém sabe sobre mim para não ficar desmoralizado, ok?

    No aguardo.

    171 171 171 171 171 171 171 171 171

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Sabemos tudo sobre você.

    67399e92k99112nq1110029374m2223882hj228128
    g2214j09d93415542346jj636554p7sh5263889263

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Esse post me lembrou de umas idéias de um projeto de pesquisa que eu trabalhava na faculdade.

    A história era criar um agente de monitoramento para TV Digital, que coletaria informações como canal que está sendo visto e quanto tempo que a pessoa ficou assistindo tal programa de TV,
    com o objetivo de traçar um perfil do telespectador. Isso serviria para monitoramento de audiência, e para entrega de propaganda personalizada. Exemplinho:

    Se um aparelho de TV só é sintonizado em canais de esportes, e fica 5 segundos em um determinado canal onde passa uma novela, pode se concluir que provavelmente o dono desse aparelho de TV é homem, e podemos começar a passar propagandas de cerveja, carros, e oferecer filmes de ação no pay-per-view.

    Toda essa coisa de análise de comportamento é o sonho das emissoras de TV, pois dá mais garantia que a propaganda vai surtir efeito, e consequentemente mais grana no bolso.

    E dá-lhe invasão de privacidade.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Gente, o que foi esse "você mexeu com as pessoas erradas"?

    teria sido minha primeira ameaça pública?

    Ai Gentemmm… que emoção!

    Numerati ameaçador, faz um favorzinho para a Tia Sally? Em vez de bravatear aqui, PROCESSA EU, vai! Tô louca para responder a um processo!

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Numerati, schumerati…

    Falando sério, quero ver a dor de cabeça do coitado que tentar puxar algo da minha produção eletrônica.

    Acho que vou começar a trollar alguns de propósito (por que, fora de brincadeira, meus gostos costumam trollar com eles pelo menos metade do tempo).

    E se vocês quiserem mandar sugestões, http://seuzenando.blogspot.com/, o jeito mais inútil de desperdiçar meia hora na rede.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Tô lendo Hábitos de Consumo, de Neale Martin, onde ele explica (baseado em pesquisas neurológicas) que o ato de consumir uma marca tem muito mais a ver com o que ela desperta emocionalmente no nosso incosnciente do que pela manifestação da nossa mente executiva explicando o custo-benefício.

    Nunca compraríamos a Pepsi por ela estar mais barata, pois quando compramos Coca-Cola, compramos a Felicidade (exemplo, posicionamento atual), compramos as festas de aniversário da infância, os almoços de domingo, etc, etc, etc…

    Acho que os Numerati podem ser úteis (dentro dessa minha área maldita) enquanto coletadores de informação. Vão sempre descobrir O QUÊ a gente compra, mas nunca POR QUÊ.

    Rá, taí um jeito de trollar com eles.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Você mexeu com as pessoas erradas.

    67399e92k99112nq1110029374m2223882hj228128
    g2214j09d93415542346jj636554p7sh5263889263

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Ha! Ja viu 'Sim senhor' com o Jim Carrey?
    Tem um exemplo clássico de atuação dos numerati por trás… é divertido.

    Mas, sinceramente? Estou me lixando pra privacidade. Bando de voyeurs gostam de olhar o que os outros fazem? Analisar o comportamento da sociedade? Estudar as respostas à certas propagandas? Eu também.

    Vou estudar pra virar uma Numerati. Teehehe 'w'

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Deja, dê as mãos ao Somir, que vive de convencer consumidores inocentes a comprarem coisas que eles não precisam mas acham que precisam e ainda se sentem VIPs comprando.

    Bando de manipuladores" hahaha

    O que você achou?

    Loading spinner

Deixe um comentário para Sally Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: