Falha Crítica: Floresta Intocável.

SEMANA NERD: Para comemorar o dia nacional do Nerd, o desfavor apresenta “Falha Crítica”, a saga RPG do desfavor. Espadas, magias, poções e muita baixaria nos esperam nos próximos dias.

SALLYEL: Qual a diferença entre esses dois caminhos?
SOMERLIN: A Floresta Intocável ou as Catacumbas do Rainha Grande?
SALLYEL: Sim!
SOMERLIN: Não sei
SALLYEL: Oi?
SOMERLIN: Não sei
SALLYEL: Mas você não disse que conhecia toda a região como a palma da sua mão?
SOMERLIN: Sim, e eu menti
PILLIA: Seu imbecil! Porque você mentiu?
SOMERLIN: Para que o Rei me escolha no meio de tantos outros
SALLYEL: E você acha justo que as pessoas escolham entre diversas opções com base em informações enganosas?
SOMERLIN: É assim desde que o mundo é mundo e vai continuar assim para sempre, as pessoas gostam de ser enganadas!
LINDAMER: Hihihi! Que gracinha o mentirosinho… *apertando o pescoço de Somerlin
SALLYEL: Deve existir alguém que conheça esses dois povos e possa nos informar!
PILLIA: E quais são as chances da gente encontrar essa pessoa?
SALLYEL: Somerlin, usa sua magia para trazer algum sábio que possa nos dizer o melhor caminho!
FERDINANDINHO: Somerlin vai fazer BUM!
PILLIA: Esperemos que desta vez dê certo…

Somerlin abre os braços e os levanta em direção aos céus gritando palavras irreconhecíveis. Núvens negras tomam o entorno do grupo e um feixe de luz se abre após ventos e trovoadas. Uma criatura aparece no feixe de luz e intriga a todos. Um ancião de corpo esquálido, com uma longa barba e aspecto estranho, trajando apenas ceroulas. O ancião caminha lentamente em direção a Sallyel, se aproxima de seu ouvido e faz um minuto de pausa que deixa a todos apreensivos.

ANCIÃO DE CEROULAS: Delííííciiiaaa…
SALLYEL: * puxando o machado
LINDAMER: *segurando Sallyel
SALLYEL: EU VOU TE MATAR, CRIATURA DECRÉPITA!
ANCIÃO DE CEROULAS: Perdão?
LINDAMER: Para obter o perdão tem que colocar moedinhas no saquinho! *estendendo uma sacolinha
ANCIÃO DE CEROULAS: Não era minha intenção ofender
PILLIA: Você ouviu a Dona, moedinha no saquinho, vovô!
ANCIÃO DE CEROULAS: Não foi para praticar a arte da sedução que me chamaram aqui?
SOMERLIN: *assoviando
SALLYEL: Não! Queremos uma informação! Arte da sedução? Você?
ANCIÃO DE CEROULAS: Sim, em meu povoado eu sou referência na arte da sedução, considerado o melhor e mais atraente
SOMERLIN: Deve ser um povoado muito atrasado
ANCIÃO DE CEROULAS: As mulheres ostentam pública admiração carnal por mim
LINDAMER: *sacudindo a sacolinha, ainda aberta esperando por moedas
PILLIA: Para não perder a viagem, diz ai qual é o melhor caminho: a Floresta dos Intocáveis ou as Catacumbas do Grande Rainha?
ANCIÃO DE CEROULAS: *pensando
SOMERLIN: Temos que passar por um dos dois caminhos, qual seria o menos perigoso?
ANCIÃO DE CEROULAS: Creio que a Floresta dos Intocáveis, ouvi dizer que há um pacto proibindo qualquer tipo de agressão naquela área
SALLYEL: Parece seguro
SOMERLIN: Então está decidido, vamos pela Floresta dos Intocáveis
LINDAMER: *gesticulando para que Pillia furte as moedas de dentro da ceroula
SALLYEL: Bem, obrigada pelo conselho
ANCIÃO DE CEROULAS: *piscada pretensamente sexy

O grupo rumava em direção à Floresta do Intocávei: Ferdinandinho na frente, carregando os pertences do grupo todo, Pillia atrás para, de tempos em tempos, desferir chutes em Ferdinandinho na tentativa de apressar o passo. Ao se aproximarem da Floresta, começaram a ouvir choros, lamentos e gemidos vindo de todas as direções.

SALLYEL: O QUE É ISSO?
PILLIA: Não parece um lugar inofensivo
SOMERLIN: Como pode ser perigoso se está proibido qualquer tipo de agressão?
LINDAMER: Shhh! Vamos tentar escutar o que as vozes dizem…

*Nããããoooo… Coitado de miiiim… pobre de miiiiim… nãããããoooo… quanto sofrimentoooo…
*soluços
*choro
*gritos

KAR-LAUM: Diboa? Bora voltar
SOMERLIN: Criatura estúpida! Pensa que tem mais sabedoria que o Ancião de Ceroulas? *dando um cascudo em Kar-Laum
LINDAMER: *orando em voz baixa
PILLIA: Tudo vai dar certo, Lindamer está pedindo proteção para nós!
TODOS: *silêncio repentino
LINDAMER: … e me proteja, fodam-se os outros, ninguém vale merda aqui…
TODOS: *olhando feio
SALLYEL: Sinceramente, acho melhor recuar
SOMERLIN: Bando de covardes!
SALLYEL: Quem vota por desistir da Floresta dos Intocáveis?

Todos, exceto Somerlin levantam a mão

PILLIA: Ótimo, pega o Príncipe e vamos dar meia volt…
SALLYEL: ONDE ESTÁ O PRÍNCIPE?
SOMERLIN: Ali!

Ferdinandinho é visto correndo para dentro da Floresta dos Intocáveis gritando “Amigoooooo!” e desaparece entre a densa vegetação. Todos correm a sua procura e acabam penetrando na Floresta. Ao entrar, uma surpresa: diversos humanos com a mesma feição de Ferdinandinho o cercam e o abraçam. O grupo se olhava intrigado se perguntando como aquilo seria possível, menos Kar-Laum que não percebeu nada. Teria o Rei Dalborg tantos filhos? Porque eram tão parecidos? Mas os gritos e lamentos que ecoavam de dentro da Floresta os fez abandonar estas dúvidas.

SOMERLIN: Vem, Ferdinandinho! Mudamos de ideia, não vamos mais usar este caminho!
FERDINANDINHO: AMIGOS! *apontando para as criaturas
LINDAMER: Lindinho… não vamos mais…
FERDINANDINHO: AMIGOS
LINDAMER: Amorzinho, é que decidimos volt…
FERDINANDINHO: AMIGOS
LINDAMER: CALA A BOCA! CALA A PORRA DA BOCA! VAMOS EMBORA SEU IMBECIL! *chutando Ferdinandinho
CRIATURAS: *chorando alto
PILLIA: Tá vendo o que você fez?
CRIATURAS: Estão indo embora porque não gostam da genteeeee! *chorando mais
SALLYEL: Oi?
CRIATURAS: DÓÓÓI NO MEU CORAÇÃÃÃÃO! *apontando para o próprio peito
SOMERLIN: Ok, o que está acontecendo?

Diversos humanos com feições maltratadas e visível déficit de sono aparecem e cercam o grupo. Cabelos desgrenhados, olhar infeliz e uma fúria interior inexplicável. Começam a rodear o grupo, andando em sua direção, e enchê-los de acusações:

HUMANO 1: QUEM VOCÊS PENSAM QUE SÃO PARA HUMILHAR NOSSOS ANJOS DE LUZ?
SALLYEL: Oi?
HUMANO 2: Nossos filhos. Eles são de uma raça muito especial chamada ANJOS DE LUZ. Eles são melhores do que vocês!
SOMERLIN: Anjos de Luz?
HUMANO 1: Sim, eles tem uma rara mutação genética que os deixa especiais
SALLYEL: Ahhh… agora compreendo… bem que eu percebi algo anormal…
HUMANO 2: ANORMAL? Está chamando meu Anjo de Luz de ANORMAL?
SALLYEL: Mas vocês mesmos disseram que é uma mutação genética. Uma mutação é algo fora do normal e…
HUMANO 2: ELES SÃO NORMAIS E ACIMA DA MÉDIA!
PILLIA: *rindo
SOMERLIN: Não é nossa intenção humilhar, nós apenas erramos o caminho estávamos voltando, desculpem o incômod…
HUMANO 3: CALADO SEU MONSTRO! Está muito claro o que aconteceu aqui! ELES QUEBRARAM O PACTO!
TODOS OS HUMANOS: *gritando e fechando o cerco em torno do grupo
LINDAMER: Deus apazigue o coraçãozinho de todos vocês…
HUMANO 4: É evidente que vocês transitavam por aqui e ao ver nossos ANJOS DE LUZ sentiram uma falsa superioridade e decidiram que eles não são dignos da sua presença!
SALLYEL: Não! Não! Não é iss…
HUMANO 5: CALADA! Elfos… essa raça prepotente! Escravizam os Orcs, se acham superiores… Nossos Anjos de Luz são muito melhores do que você, eu prefiro ter um filho Anjo de Luz do que um filho Elfo! MORTE AOS ELFOS!
SOMERLIN: Ok, é tudo um mal entendido, vamos apenas esquecer isso e…
HUMANO 6: Vocês não merecem estar na mesma Floresta que eu e meu Anjo!

Os humanos recolhem pedaços de pedras e paus do chão e atacam o grupo. Somerlin se encolhe em posição fetal, Lindamer usa Fernandinho como escudo, Pillia grita compulsivamente “ME RESPEITA! ME RESPEITA!” enquanto Sallyel e Kar-Laum desferem golpes e aniquilam todos os humanos presentes. Quando o grupo finalmente volta a respirar aliviado, percebem passos rápidos vindos da Floresta. Sallyel e Kar-Laum empunham suas armas ao ver sair um Mago com uma longa túnica escrito “100% Mago”. Somerlin intervem:

SOMERLIN: NINGUÉM ATACA! NINGUÉM ATACA!
SALLYEL: Agora você sai da posição fetal, né?
SOMERLIN: Este é Dejunior, estudamos juntos na escola de magia
DEJUNIOR: Porém eu concluí o curso…
PILLIA: Porque tanta pressa? Está fugindo dos humanos?
DEJUNIOR: Pior, muito pior. Estou fugindo do Orc das Oito Árvores
SOMERLIN: Quem é esse Orc? Ele te ameaçou?
DEJUNIOR: É um Orc conhecido por sua habilidade em combates que vive em uma área delimitada por oito árvores. Sim, ele me ameaçou!
LINDAMER: Está com medo, Lindinho?
DEJUNIOR: Evidente que não, o que me incomoda é sua voz estridente
SOMERLIN: Quão estridente?
DEJUNIOR: Eu vou quebraaaaaaaar o seu cajaaaaaado! *imitando uma voz fina com desdém
SOMERLIN: Que coisa irritante!
DEJUNIOR: Esta Floresta toda é insuportável
SALLYEL: Estamos percebendo, acabamos de ser atacados por alguns humanos sem motivo algum!
DEJUNIOR: Sim, ainda hoje um grupo de Orcs tentou me atacar também por causa da minha túnica “100% Mago”. Não se pode mais nem ter orgulho da sua estirpe que daí se presume o desprezo pelos demais!
SOMERLIN: Mas aqui não existe um pacto proibindo qualquer tipo de agressão nesta área?
DEJUNIOR: Sim, mas o pacto diz que só se pode agredir se for agredido, e estas pessoas se sentem agredidas o tempo todo! Comunidade agressiva…
PILLIA: Isso vai ser um problema…
DEJUNIOR: Boa sorte para vocês, eu não fico aqui mais nem um segundo. Não se esqueçam, na saída da Floresta vocês encontrarão o Orc das Oito Árvores, aconteça o que acontecer, tapem os ouvidos quando passarem por ele.

O grupo seguiu andando. Quanto mais entravam na Floresta, mais fortes ficavam os lamentos e o choro. Chegaram a uma clareira onde, para seu espanto, se depararam com diversos humanos que se arrastavam no chão com as mãos.

SOMERLIN: Boa tarde, viemos em paz, não queremos ofender…
HUMANO 1: Vocês não podem passar por aqui
PILLIA: Porque não?
HUMANO 1: Porque é uma área preferencial para nós, que não podemos mover as pernas
SOMERLIN: Ok, compreendemos e aceitamos. Mas no momento, vocês não estão usando a área toda, será que não poderíamos passar por um pequeno espaço que vocês não estejam utilizando?
HUMANO 2: NÃO
SALLYEL: Porque não?
HUMANO 3: Porque vamos disputar uma corrida aqui
PILLIA: *rindo
LINDAMER: Oi?
HUMANO 4: UMA CORRIDA, ALGUM PROBLEMA?
GRUPO: *prendendo a respiração
KAR-LAUM: Ué… mas não se corre COM AS PERNA?
SOMERLIN: ai…

Os Humanos começaram a gritar, protestar e proferir palavras de ordem. Aos poucos foram se arrastado em volta do grupo, apontando para eles e gritando.

HUMANO 5: Você está dizendo que nós não podemos correr?
KAR-LAUM: *confuso com os diversos sinais que o grupo fazia compulsivamente para ele ficar quieto
HUMANO 6: NÓS PODEMOS CORRER! VEJA! VEJA! *se arrastando com as mãos
SOMERLIN: É ÓBVIO QUE VOCÊS PODEM CORRER
KAR-LAUM: Porque não fazem outra coisa que não precise das pernas?
HUMANOS: AGRESSÃO! AGRESSÃO! ELES QUEBRARAM O PACTO!
LINDAMER: Lá vamos nós…
KAR-LAUM: Podiam tocar piano, pintar, escrever livros…
HUMANO 7: NÓS SOMOS EXEMPLO DE SUPERAÇÃO! NÓS CORREMOS!
KAR-LAUM: Não, vocês não corre, vocês se arrasta cas mão
SALLYEL: *puxando o machado com cara de quem está de saco cheio
HUMANOS: NUNCA NOS DIGAM DO QUE NÃO SOMOS CAPAZES!

Os humanos lentamente se arrastaram até o grupo e tentaram desferir golpes com as mãos. Kar-Laum e Sallyel os aniquilaram rapidamente. Pillia chutava os que já estavam mortos gritando “ME RESPEITA! ME RESPEITA”. O grupo seguiu caminho.

SALLYEL: NUNCA DEVERIAMOS TER VINDO POR AQUI
SOMERLIN: Uma coisa você deve admitir, o lugar de fato não é perigoso
SALLYEL: MAS É INSUPORTÁVEL! Eu não aguento mais nem um segundo nesta Floresta onde não se pode dizer nada!
LINDAMER: Acho que estamos prestes a sair, os lamentos estão ficando mais baixos e tem uma clareira ali na frente
PILLIA: Até que não foi tão ruim
FERDINANDINHO: se arrastando no chão com as mãos
SALLYEL: Culpa sua, Somerlin! Em vez te conseguir uma sábio para nos orientar, trouxa aquele Ancião de Ceroulas tarado!
SOMERLIN: Olhem em volta

O grupo observou que se encontrava no centro de uma clareira delimitada por oito árvores, uma em cada ponta. Começaram a ouvir passos pesados. Mas foi apenas quando a voz se manifestou que perceberam onde estavam. Uma voz fina, estridente, ensurdecedora, que chegou a quebrar alguns vidros de poções de Somerlin:

VOZ: Eeeeeeeuuuu vou quebraaaaar o seu machaaaaaaaadooooo!

Um Orc gigantesco sai do meio da Floresta e olha fixamente para Sallyel com cara de fúria

SALLYEL: Rápido! Tapem os ouvidos!
ORC DAS OITO ÁRVORES: *gritando de forma estridente
SOMERLIN: Se a gente falar qualquer coisa ele vai entender como uma agressão pelo fato dele ser Orc e vai poder nos atacar! Fiquem calados!
SALLYEL: Eu vou ter que ouvir desaforo calada?
SOMERLIN: Sim!

Ao ver que o grupo estava com os ouvidos tapados, o Orc se aproximou de Sallyel e esbarrou propositadamente com seu ombro na Elfa

SOMERLIN: Aguenta calada, Sallyel! Ele vai dizer que estamos oprimindo a raça Orc se a gente reclamar!
SALLYEL: MAS ELE ESBARROU EM MIM!
SOMERLIN: Não interessa, ele vai dizer que Elfos escravizaram Orcs por séculos e…

O grupo percebe que Ferdinandinho estava prestando uma atenção especial no Orc das Oito Árvores e começa a sinalizar para ele ficar quieto. Como é do costume da raça dos Anjos de Luz, Ferdinandinho nada percebe:

FERDINANDINHO: ORC FEIO!

O Orc das Oito Árvores levou a sério a ofensa de alguém que mal conhecia e começou a gritar ainda mais agudo.

ORC DAS OITO ÁRVORES: Eeeeeeeeuuuuu vou queeeeeebrar todos os dentes da boca deleeeee!
SALLYEL: É assim que você resolve as coisas quando alguém fala algo que você não gosta?
ORC DAS OITO ÁRVORES: Eeeeu vou araaaaancar dente por deeeeeente da boca deeeleeeeee *andando em direção a Ferdinandinho
SOMERLIN: CORRE FERDINANDINHO!
FERDINANDINHO: *correndo em direção ao Orc

Prevendo a morte do Anjo de Luz, Kar-Laum e Sallyel se jogam na frente com as armas em punho, prestes a desferir golpes, mas são interrompidos por Lindamer:

LINDAMER: SAIAM! Com este tipo de criatura não se lida com violência! Ele é forte demais para vocês, existe outra forma de lidar com isso!
SALLYEL: NÃO! Ele está furioso! Ele vai te matar!
LINDAMER: Confie em mim!
SALLYEL: *guardando o machado e se afastando
LIDAMER: Oi Senhor Orc! *acenando
ORC DAS OITO ÁRVORES: Eeeeeuuuu voooou mandar ele para o hospitaaaaal
LINDAMER: Senhor Orc, o Senhor já ouviu a palavra de Deus?
ORC DAS OITO ÁRVORES: *confuso
LINDAMER: Deus tem um plano para a sua vida, Senhor Orc. Você é muito especial para Deus, ele está olhando por você agora
ORC DAS OITO ÁRVORES: *sentando para escutar
LINDAMER: Não estamos sozinhos no mundo, Deus está sempre com a gente e quando a gente precisa pode contar com ele
ORC DAS OITO ÁRVORES: *entortando o pescoço
LINDAMER: Senhor Orc, o Senhor tem que deixar Deus entrar no seu coração. Sinta a presença de Deus! Se abrir o seu coração para ele vai sentir um bem estar, vai sentir a presença Dele e Ele vai operar milagres na sua vida!
ORC DAS OITO ÁRVORES: *lágrima escorrendo do olho esquerdo

Algumas horas depois o Orc das Oito Árvores não apenas deixou o grupo passar como ainda entregou todo seu ouro a Lindamer porque compreendeu que esta era a vontade de Deus. O grupo finalmente caminhava em direção à saída da Floresta dos Intocáveis.

SOMERLIN: BRILHANTE! BRILHANTE!
LINDAMER: hihihi
SALLYEL: Pelo visto essa raça reage bem aos… ensinamentos da Lindamer
PILLIA: O QUE É ISSO?
SALLYEL: Parece um portal…
SOMERLIN: SENSACIONAL! Portais podem ser usados como atalhos! Pode nos levar direto ao reino de Rogerius Skylab! Isso vai reduzir a nossa jornada!
PILLIA: O que está escrito?
SOMERLIN: É um idioma muito antigo… diz “Apenas aos Intocáveis será permitida a saída, diga a palavra chave e a porta será abrida”
SALLYEL: ABRIDA?
SOMERLIN: SHHHHH! CALA A BOCA!
PILLIA: Aqui até o portão pode se ofender!
LINDAMER: Onde vamos conseguir um nativo desta floresta para dizer a palavra chave?
TODOS:  *Olhando para Ferdinandinho
LINDAMER: Meu Anjinho, você pode dizer uma palavra para mim? Eu te dou um docinho se você falar!
FERDINANDINHO: BALA!
LINDAMER: Isso, muitas balinhas!
SOMERLIN: Segundo os escritos, a palavra chave é PLINK
LINDAMER: Fala para mim, queridinho… PLINK
FERDINANDINHO: COCÔ!
LINDAMER: Hihihihi! Não, Amorzinho. A palavra é PLINK! PLINK!
FERDINANDINHO: BUMBUM!
LINDAMER: Mais uma vez, meu anjo, vamos tentar mais uma vez… PLINK
FERDINANDINHO: PUM!
LINDAMER: É PLINK SEU BASTARDO! PLINK! TÁ SURDO? FALA LOGO! PLINK! PLINK! *segurando Ferdinandinho pelos cabelos e batendo com a cabeça dele no portão
TODOS:
LINDAMER: Hihihi… acho que ele dormiu
SALLYEL: Ótimo, agora que nosso Intocável está desmaiado, como vamos abrir a porta?

Sallyel tentou usar seu machado, Somerlin sua magia, Pillia gritou com a porta e Lindamer orou. Nada foi capaz de abrir a passagem. Foi quando Somerlin teve uma ideia:

SOMERLIN: Kar-Laum, você é um Orc, certo?
KAR-LAUM: Não, não, sou humano
SOMERLIN: Humano, né? Foi isso que você respondeu quando o CENSO REAL passou na sua casa?
KAR-LAUM: Sim, foi isso que eu respondi, humano
SOMERLIN: Mas para estar nesta missão, você disse que era humano?
KAR-LAUM: *coçando a cabeça
SOMERLIN: Ou você disse que era Orc?
KAR-LAUM: Eu disse que era Orc, porque tinha vaga reservada para Orc
SOMERLIN: Está claro para todos nós que você é humano…
KAR-LAUM: *sorrindo
SOMERLIN: Agora faz a gentileza de vir aqui e dizer PLINK?

Kar-Laum se aproximou do portal e estufou o peito:

KAR-LAUM: PRINK!
SOMERLIN: *tapa na própria testa
SALLYEL: PLLLLLINK, Kar-Laum
KAR-LAUM: PPP… PPP… PRRRINK!
SALLYEL: Kar-Laum, fala a palavra PROBLEMA
KAR-LAUM: PLOBLEMA
SALLYEL: Tá vendo? Você consegue dizer o encontro consonantal PL! Agora faz o mesmo som, só que dizendo PLINK!
KAR-LAUM: PRINK! PRINK! PRLRLRLINK! *suando e exausto

O portão se abre, mas devido à falha na pronúncia, a passagem para o reino de Rogerius Skylab estava bloqueada. Há apenas duas opções: a reserva dos Elfochatos ou a Baía dos Porcos que Riem. Todos se olham sem saber para qual direção seguir.

SEU TURNO, IMPOPULARES!

Que caminho o grupo deve seguir?

  • Baía dos Porcos que Riem (70%, 120 Votes)
  • Reserva dos Elfochatos (30%, 52 Votes)

Participação Impopular: 172

Carregando ... Carregando ...

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Etiquetas:

Comments (26)

Deixe um comentário para Marciel Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: