Vestido para alienar.

+Azul e preto ou branco e dourado? Vestido polêmico ‘quebra’ a internet. Foto postada por internauta é o assunto mais comentado no Twitter. Rede social se dividiu entre os que veem #PretoEAzul e #BrancoEDourado.

Hã? Desfavor da semana.

SOMIR

Enrolamos para falar disso de propósito. Fora de moda com muito orgulho.

Se me dissessem o que aconteceu antes de acontecer, eu consideraria uma esquete de algum grupo de humor. Ver tanta gente discutindo sobre as cores de um vestido parece uma sátira ao comportamento do internauta médio. Mas, de ficção não teve nada. Aconteceu.

Não, nem acho que é o fim do mundo. A minha pouca fé na humanidade permaneceu inalterada. Espera-se que o cidadão médio desse planeta seja fútil o suficiente para se interessar por uma discussão dessas. Não fosse o vestido, teria sido qualquer outra banalidade.

Mas tem algo de revelador aí: o principal motivo para a popularização do tema não foi exatamente relacionado ao vestido ou às suas cores, e sim pela possibilidade de polarização proporcionada. Mais importante do que tudo, um tema sobre o qual pode-se formar uma opinião rápida e encontrar defensores prontamente.

Vivemos numa sociedade viciada em opiniões. Até mais importante do que descobrir a realidade é a necessidade de postular sobre ela. E com o menor dispêndio de sinapses possível! O assunto só se torna saboroso se temperado opiniões descartáveis. Se os “times” não tivessem se formado, com certeza a maioria das pessoas não teria nem a curiosidade de descobrir se o vestido era branco e dourado ou preto e azul.

O tema pode ser interessante de um ponto vista científico, o vestido em si era preto e azul, mas as cores sampleadas da imagem pendiam mais para o branco e dourado. Mas de ciência se viu pouco aqui. Não era sobre conseguir uma resposta objetiva. A pergunta em si já era uma armadilha opinativa: “que cor você vê?”. Cada um pode argumentar o que quiser e ninguém pode provar que você viu algo diferente!

E no fundo, esse é o tipo perfeito de discussão para muita gente: uma na qual não se pode ser provado errado. Se fosse algo como “qual a cor do vestido original” ou “quais as cores dos pixels da imagem”, teríamos respostas claras e reprodutíveis. Mas sem toda a diversão de opinar de acordo com a própria visão das coisas.

O problema – e isso aqui é o Desfavor da Semana no final das contas – é que o tema fez sucesso até demais, mesmo considerando seu potencial de divergência natural. As pessoas parecem já condicionadas a reagir dessa forma. As redes sociais venceram a guerra pela mente da maioria, fazendo-os acreditar piamente que suas opiniões valem alguma coisa independentemente de quanto esforço foi colocado nelas.

A pessoa se sente compelida a dar seu testemunho, como se todos estivessem esperando por isso! Pior, talvez estejam mesmo. Quando os lados de uma discussão viram torcida, cada aderente reforça a mensagem. E aí não é mais sobre o tema, e sim sobre sua popularidade. Essas pequenas batalhas sobre os mais diversos temas que abundam na grande rede são parte de uma guerra perdida.

O povão acreditou que o que diz vale! Não estou sendo elitista e tirando o direito de cada um se posicionar sobre o que bem entender, não estou nem dizendo que deva-se proibir opiniões rasas na internet: quem defende liberdade de expressão defende até o que não gosta de ouvir.

O que realmente incomoda aqui é que essa mensagem do valor da opinião é enganosa: a maioria não tem voz real nesse mundo. O desinteresse por assuntos mais complexos e um sistema talhado para funcionar mesmo sob o ruído da discordância generalizada criam essa ilusão de importância nas pessoas.

E o perigo é que isso suplante de vez a voz popular. Sua opinião de nada vale quando poderosos decidem quem vai mandar e desmandar em você, mas a internet está te esperando de braços abertos sobre aquele vestido da foto! É até natural que as pessoas acabem direcionando suas atenções para algo do qual finalmente se sentem parte.

E se é só o vestido e a próxima eliminação do BBB que contam, então serão esses os assuntos discutidos. É isso que vai inflamar as pessoas e gerar alguma reação de verdade. Adoro a internet, mas o que ela está fazendo com o mundo está deixando a antiga caixa bestificante (TV) como algo inocente em comparação.

Não tínhamos voz alguma antes, e isso gerava reações. As pessoas precisavam desabafar e se fazer ouvidas por alguém. Agora, temos uma válvula de escape perfeita para acalmar os ânimos: cidadão vai discutir cor de vestido na internet. Não vai mudar nada nesse mundo, mas serve como “caloria vazia” para apaziguar nossa fome de atenção.

Podia ser o vestido, podia ser qualquer outra coisa. Mas o conceito por trás de tudo isso é sempre o mesmo: manter pessoas distraídas o suficiente. Não sei se é uma conspiração ou se é uma tendência humana natural para conseguir lidar com a impotência (pendo para a tendência), mas seja lá o que for, vai funcionando.

O Brasil se acabando e a internet falando de um vestido. Conveniente, não?

Para dizer que acha que o vestido é azul, rosa ou verde (quem se importa?), para dizer que a gente encana com cada bobagem, ou mesmo para dizer que foi igualzinho nas eleições: somir@desfavor.com

SALLY

A semana bombou de desfavores, vocês podem conferir com seus próprios olhos na coluna A Semana Desfavor. Entretanto, tudo passou de forma superficial pelos olhos do Brasileiro Médio. O assunto da semana não foi a lista do Lava a Jato, não foi o Estado Islâmico barbarizando nem as sacaneadas que o PT dá nos trabalhadores ou os afagos que faz nos empresários. O assunto da semana discutido à exaustão foi a cor da porra de um vestido.

Uma foto de um vestido gerou polêmica: algumas pessoas enxergaram o vestido nas cores azul e preto enquanto outras pessoas enxergaram o mesmo vestido nas cores branco e dourado. O que seria uma mera curiosidade, um fato para se ater por dez minutos, virou o assunto da semana. Enquanto isso, fatos importantes no país e no mundo ganharam não mais do que alguns minutos de atenção. Coroação da inversão de valores.

O curioso é que logo que surgiu a polêmica, surgiu também uma explicação científica para ela. Não foi um fenômeno estilo “chupa-cabra”, onde se especula para tentar achar uma resposta. Cada ser humano enxerga as cores de um jeito diferente e, dependendo da quantidade de células em cada olho, pode sim haver uma diferença significativa na interpretação de algumas tonalidades. Mais: a fabricante do vestido se manifestou matando de cara a polêmica: o vestido era azul e preto.

Mesmo assim as pessoas continuaram falando sobre o maldito vestido. “Que cor você viu? Que cor você acha que é?”. Pessoas olhando a foto da porra do vestido várias vezes por dia para ver se tinham uma percepção diferente da cor. Se olhassem para os filhos, cônjuges, relacionamento, ou trabalho com tanto afinco certamente este país seria um lugar melhor.

É o culto ao nada. Pega-se um nada e inflaciona-se um nada até virar assunto. Enquanto isso, o tudo, o grave, o urgente acontece debaixo dos olhos de todos e é varrido para debaixo do tapete. Isso me assusta. Sempre me escorei na esperança de que quando as coisas ficassem insuportáveis no país o brasileiro cansaria, em algum momento, de alguma forma, e eclodiria uma reação em massa. Não digo uma revolução nem nada muito digno, apenas uma reação que mude e sacuda a realidade. Nem que fosse todo mundo atirar fezes na Dilma, feito chimpanzés. Qualquer coisa servia.

Mas não. Aparentemente a situação ficou insuportável e o brasileiro, em vez de fazer algo para mudar a realidade do país, fez algo para mudar apenas a sua realidade: se agarrou a pequenos factoides irrelevantes para se alienar e suportar a merda que o Brasil e a sociedade foram se tornando. Um mecanismo que talvez nem seja de todo consciente,está sendo passado adiante para a próxima geração sem nem ao menos perceber. Combater a realidade desagradável, criticá-la, se chatear com a situação atual do país virou algo chato, desvalorizado.

Bacana, descolado e tendência é ignorar uma realidade desgraçada, uma barbárie social e se apegar a Memes, a assuntos virais, a discussão da cor de um vestido, bastante brega, por sinal. Legal e moderno é se anestesiar, se alienar lendo apenas as manchetes mais importantes para estar a par do que acontece, mas na hora de aprofundar, correr para assuntos mais palatáveis como a cor de um vestido, a Madonna caindo ou uma briga no BBB. Sentir-se injuriado, afrontado, revoltado, é coisa obsoleta, de gente chata que reclama de tudo.

Enquanto tiver onde “se esconder”, o Brasileiro Médio não vai lidar com problema, vai fugir dele. Redes sociais utilizadas como depósito de imbecilidade e futilidade representam a fuga ideal já que são um alívio para uma vida miserável de baixa autoestima e privações nos mais diversos setores.

Ao gerar distração e diversão vazia, tornam suportável um sofrimento e retrocesso de qualidade de vida empurrados goela abaixo por uma quase ditadura burra e grotesca. Pior: ninguém nem ao menos percebe o mecanismo. Apenas o fazem por sentir que, de alguma forma, aquilo lhes é agradável. Muito mais fácil um paliativo que torne o sofrimento um pouco menos insuportável do que mergulhar na raiz do problema e resolvê-lo.

Assim vamos, com um assunto idiota por semana ou por dia dominando as redes sociais e a vida real. Mesmo quem não tem redes sociais é afetado. Portais de notícias falam do assunto até hoje e não consegui passar um dia desta semana sem que alguém saque um celular e me mostre uma imagem do tal vestido, perguntando qual era a cor que eu via. Enquanto não comecei a pagar de maluca e jurar de forma séria que o vestido era vermelho, não pararam de me encher o saco.

Só eu tenho essa sensação de “puta que pariu, eu tenho tanta coisa mais importante e urgente para fazer da minha vida do que especular sobre a cor de um vestido”? Pior do que isso é a sensação de ter que guardar essa observação para mim, sob pena de parecer chata, encrenqueira e mal humorada. Fato é que eu tenho coisas mais importantes para fazer do que discutir a cor de um vestido e lamento muitíssimo por quem não tenha. Enquanto estivermos focados nessas pequenas inutilidades, permitimos que essa corja que domina o país pinte e borde impunemente.

E nem me refiro a fazer uma revolução. Falo em prestar atenção ao que realmente interessa, para não cometer velhos erros. As pessoas perdem tempo e energia em babaquices que não acrescentam nada e não lhes sobra muito para aquilo que realmente interessa. Se unem para votar e eliminar um vilão do Big Brother por ele ter brigado com a mocinha, mas não se unem para votar e eliminar do poder uma filha da puta que está sacaneando o povo sistematicamente por anos.

Fica aqui meu desabafo: a versão moderna do pão e circo são as redes sociais. O Coliseu onde gladiadores tiram sangue um dos outros para deleite e alienação do povo são as redes sociais. O esquema continua o mesmo: brigas, diversão, distração e futilidade, porém de forma um pouco menos física e um pouco mais intelectual.

Na essência, o efeito é o mesmo. Fazer com que um povo bunda explorado suporte melhor e por mais tempo as sacaneadas que leva de quem está no poder. Assim como índios ganhavam espelhos, nós ganhamos redes sociais para postar selfies. Passam os séculos e o ser humanos continua esse lixo, otário e vaidoso, que cala a boca por qualquer merreca.

Para ignorar tudo que foi dito e ficar discutindo a cor do vestido nos comentários, para reclamar sobre eu reclamar muito ou ainda para postar este texto em redes sociais e ser trucidado pela opinião pública: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Etiquetas: ,

Comments (22)

  • Devíamos ruminar matéria de qualidade e descartar o “fast food literário”. Caso contrário, ocorre uma indigestão nauseante!

    Bem, parece que tais pessoas “viciam” neste tipo de comida fraca. Acabam gostando da guloseima do momento. E, assim, lendo e comentando o que é descartável, quantos manjares acabam perdendo…

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Não quero parecer puxa-saco mas qdo comecei a reclamar com as minhas amigas sobre essa imbecilidade em tentar decidrar a cor desse vestido cafona, fui chamada de “chata”, “hater” e “arrogante”. O lance é q não gosto da sensação de ser manipulada e foi justamente o q essa discussão insana me pareceu desde o princípio: manipulação e manobra de distração. Nem sei se foi isso mesmo mas a sensação esteve aqui comigo desde o começo. Me irritava deveras entrar em TODO e QUALQUER reduto digital e dar de cara com essa discussão. Até em grupos privados de familiares no whatsapp estavam discutindo sobre isso. Assustador.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • 5:30 da madrugada e acordei com o zapzap…qual cor vc acha que é esse vestido…..respondi: VTNC, isso é hora de perguntar babaquice???
    Assim foi o inferno do dia inteiro…mas o pior estava por vir, a noite, em casa, meu cunhado e minha mulher viam bc e dourado…..a noiva dele via az e preto…..eu tb via bc e dourado….resolvi tomar umas cervejas, depois da 3ª long neck, olhei de repente e vi az e preto…….ai tive que rir.

    Pior que continuei bebendo…depois da 5ª cerveja, voltei a ver bc e dourado.

    P.Q.P. – ninguém merece.

    Pensei que tava ficando maluco quando desci para ler os comentários e não tinha nada…..ainda bem que é só pegadinha do malandro….hahaha

    O que você achou?

    Loading spinner

  • E pelo jeito, a coisa é pior do que vocês focaram: O MUNDO ficou falando dessa porra.
    E pior, esse vestido horroroso teve suas vendas aumentadas em 300% por causa dessa polêmica. Sério, teve gente indo comprar esse vestido horrível, só pq falavam dele… lamentável.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • A história do vestido perdeu a graça 10 minutos depois, o problema é que as pessoas não sabem a hora de parar. A Madonna caindo, nossa… O que tive q aguentar de amigos fãs falando da “coragem” e “superação” dela por ter levantado e continuado a música, pelamorde! Todo mundo tropeça no meio fio da calçada cai e levanta todos os dias. Ninguém merece o povo falando como se a mulher tivesse morrido na cruz por nós. Mas de todos os babados da semana um em especial já torrou o saco que nem tenho: Xuxa na Record. Sério que tem gente com mais de 5 anos que gosta e acompanha essa retardada? Uma pessoa que, entre outras mongolices, anda com cachorro em carrinho de bebê . Cada país tem o Michael Jackson que merece mesmo.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • “Cada país tem o Michael Jackson que merece mesmo.”.

      Karina, te amo! (eu e essa minha mania de me apaixonar por mulheres inteligentes!)

      O que você achou?

      Loading spinner

  • “A pessoa se sente compelida a dar seu testemunho, como se todos estivessem esperando por isso! ” “… se alienar lendo apenas as manchetes mais importantes para estar a par do que acontece…” E também acontece por aqui, vide texto da gravidez e A Semana Desfavor. Quanto mais comentários tem naquele texto mais gente aparece para dar sua opinião.
    Se por uma lado comentam demais pelo outro eu duvido que as pessoas abram aquelas notícias todas. Não que alguém tenha obrigação de ler tudo ou comentar, mas tem dias que eu penso: com, sei lá, 100 notícias é isso que você tem pra dizer? As vezes eu acho que vocês esperam demais de quem frequenta o site…

    Sally, vamos falar do vestido da Anitta também? hahahah! Foi pobreza ou não?
    Aguardando um update na situação do nosso mártir transcendental. Happy P’day pra vocês.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Tem gente que não lê o texto todo, diz que não leu e mesmo assim comenta. NÃO LEU, sabe? Vai comentar o que se não leu?

      O que eu achei pobreza da Anita não foi o vestido em si, elegância não está ligada a marca. A merda foi ela tentar meter que era de um estilista famoso, tirar onda, para depois descobrirem de onde era. Tinha que ter batido no peito e falado que estava usando um vestido de uma loja popular por ser do povo. Deu mole.

      O que você achou?

      Loading spinner

      • Disse o mesmo!
        Se ela de cara falasse “Ih menina, comprei na Riachuelo, tava na liquidação!”, ia ser maneiro, mas chegou falando que era Versace… com rede social, NADA passa batido!

        O que você achou?

        Loading spinner

  • O brasileiro na verdade esta alienado de todas as formas, tanto na rede social quanto na vida pessoal. Como citado aqui nos últimos textos, só estão preocupados com a festa do final de semana, a porra do vestido, tocar o terror no trabalho, o próximo feriado, esperando a mensagem do whats, a aproxima fofoquinha no face, e por ai vai.

    Agora o principal disso são as pessoas se afastando umas das outras, casais, amigos e parentes que conversam sem que se olhe um para o outro . Não existe mais expressão, não existe mais emoção, não existe mais união. Essas pessoas transformaram suas vidas em futilidades.

    Acho que tem uma lição de criança que se encaixa bem nisso tudo, ‘tudo que é demais, faz mal’. E está fazendo muito mal, pessoas deixando se levar pelo pessimismo e puxando todos a seu lado. Em um pais com tamanha desordem tudo que não precivamos era isso. Mas tai a consequencia disso tudo.

    Para quem também enxerga dessa forma, acho que o que nos resta agora é parar de olhar o próprio umbigo e começar a mudar a nossa volta. Voltar ao bons modos, pequenas gentilezas, um bom sorriso no rosto e celular no bolso.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Dias desses entrei num embate pq falei que não concordava com uma ilustração dessas de coaching, cheias de verdades absolutas que mostrava uma lista de vencedores contrastando com uma lista de perdedores. E em um ponto falava que perdedores enxergam problemas, e os vencedores, resultados e possibilidades… Por aí vai essa lista. Olha eu tomo um cuidado enorme com essas verdades absolutas, se vc fala que teve uma fase da sua vida muito difícil, logo vêm com o pensamento dogmático de que se estar super valorizando o sofrimento e pessoas felizes não dão esse peso. Peso que eles mesmos projetaram no seu relato da fase difícil e que simplesmente vc só estava relatando, como uma fase de amadurecimento. “A diferença está no peso que se dá aos problemas e blá blá blá”

    Achei muito boa a crítica, existe uma evitação fóbica em enxergar os problemas pq vc pode ser considerada a chata, a baixo astral da turma. E em tempo de enveja… “Fulano vc está muito carregado”

    O que você achou?

    Loading spinner

    • O que eu mais costumo ouvir é que pensamentos bons atraem coisas boas e pensamentos ruins atraem coisas ruins, energia negativa e tal.
      Acho que o buraco é mais embaixo…

      O que você achou?

      Loading spinner

      • Sim, certamente. Olha eu acredito em energias, mas se alienar quanto à realidade em nome de “ai, tenho medo de atrair energias negativas” é burrice. As próprias técnicas de meditação possuem como objetivo a ampliação da consciência e o desenvolvimento de uma percepção mais clara.

        Acho, que a grande diferença está na atitude interna da pessoa, no não se deixar ser domado pela passividade (de uma maneira geral), por se acomodar com dificuldades internas, medos e bloqueios com relação aos próprios objetivos. Mas isso sempre dependendo de cada pessoa. Eu gosto do trabalho do coaching, só tomo cuidado com essas verdades absolutas.

        O que você achou?

        Loading spinner

    • Exato, Lichia! (seguindo nessa linha)

      Rola uma pressão pra ser feliz o tempo todo. Resolvi fazer terapia depois que percebi que a maioria das pessoas mais próximas não se interessavam em saber a verdade sobre o que eu sentia.
      Aí quando os outros me perguntam se tô bem, digo que sim, que estou ótima. Ninguém quer que você responda a verdade.

      Melhor coisa que fiz.

      O que você achou?

      Loading spinner

  • Ah… pensei que fosse alguma postagem sobre o Pilha e pensei que o júnior tivesse nascido. Nem dei bola! Pra mim o vestido seria todo rosa.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Deixa de ser pessimista, Sally. O Brasil é um belo país tropical, abençoado por Deus, uma das maiores economias e na ‘Gringolândia’ é só elogios a nós. Os outros países também tem defeitos e pelo menos não estamos na África passando fome. Se você reclama tanto, por que não vai embora pra Europa viver com aqueles branquelos frios e arrogantes? >:(
    Mi-mi-mi-mi-mi-mi-mi-mi-mi-mi-mi-mi

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Ai de você se reclamar do aumento de preços. Agora todo mundo pode frequentar a universidade, como vc ousa reclamar do PT? F0da-se se 80% dos seus colegas de faculdade não arrumam emprego na sua área de formação e tem um diploma que só serve pra pendurar na parede. O importante é que agora todo mundo pode se formar…

      O que você achou?

      Loading spinner

      • Pior: se formam, aceitam trabalhar em troca de uma coxinha e um refresco e fazem despencar o salário da classe

        O que você achou?

        Loading spinner

    • Espero q VC não esteja falando sério pq sinceramente não vai demorar muito pras coisas ficarem difíceis, bem vindo a África 2

      O que você achou?

      Loading spinner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: