Coração aberto.

No fundo todos sabemos que Alborghetti estaria falando mal de máscaras e vacinas se ainda estivesse entre nós. Provavelmente em fidelidade ao tipo de presidente que pedira a Deus tantas vezes. Mas nossa relação com o homenageado neste feriado nacional nunca foi de concordância em relação à maioria das suas visões políticas, sociais… na verdade, quase nenhuma concordância mesmo. O que a gente valoriza nesta data é o coração. Então, imbuído do espírito d’alborgheano, aqui vai um lado podre do meu:

Se você queria uma prova que Deus não existe, é só olhar para o brasileiro. Se essa merda de universo tivesse alguma ordem que seja, essa gente escrota começaria a cair que nem mosca nas ruas. Mas não, estão no meio de uma pandemia esfregando o cu uns nos outros sem parar, se divertindo horrores enquanto meia dúzia de otários se preocupam com distanciamento social e proteção do grupo.

Você que lembra de levar mais máscaras para trocar quando fica muito tempo fora de casa, você que passa álcool nas compras antes de guardar, você que está com o cabelo cagado porque está cortando em casa, você que está na mão há alguns meses para não se contaminar… você é motivo de piada para essa gentalha. E eu não estou falando de pobre. Porque o miserável está no cio em bailes funk e os ricos nos seus surubões em ilhas. Não é a cor do seu saldo bancário, é o conteúdo do seu caráter mesmo.

Esse lixo de gente que foi rebolar e se bronzear no final do ano voltou pra casa e começou a matar mais de mil por dia todos os dias. Era pra pegar toda esse povo, enfiar em campos de concentração e injetar uma caralhada de doenças neles, filhos de mil putas! E quer apostar quanto que vão fazer a mesmíssima coisa na folga do carnaval? Sempre dizendo que “vão tomar todos os cuidados”, depois de encher a cara e começar a chafurdar no chão cheio de urina das ruas, certeza que todas as medidas de proteção serão respeitadas…

Adiantou tomar cuidado no final do ano, arrombados? Não adiantou porra nenhuma! Está morrendo gente a rodo, as variações do coronavírus estão fazendo a festa. Só tem um cuidado pra tomar: não aglomerar sem necessidade absoluta. Máscara, álcool gel e o resto é para diminuir a chance de dar coisa errada no caso de você ser obrigado a sair.

Vamos dar um exemplo simples: aglomeração é que nem enfiar o dedo num cu aleatório. Seu dedo pode sair sujo de merda. Não queremos dedos sujos de merda, certo? Qual a melhor forma de não ter merda nos seus dedos? Colocar uma camisinha no dedo? Mas e se tiver muita merda? E se a camisinha rasgar? E se a merda for mole e escorrer pela camisinha até a sua mão? E se na hora de tirar a camisinha do dedo você sujar a outra mão de merda? Existem muitos cenários onde vai ter merda em você.

Então, qual a melhor forma de não sujar o dedo de merda? NÃO ENFIAR O DEDO EM CUS ALEATÓRIOS. Você pode ficar alguns meses sem enfiar dedos em cus, não pode? Pelo visto o brasileiro não consegue, dedo eternamente encravado dentro do cu um do outro. Não é sempre que tem merda dentro do cu, mas tem merda o suficiente para feder mais de mil vezes por dia. E se você é um profissional que precisa enfiar dedos em cus aleatórios para se sustentar, minha simpatia pelo seu esforço. Mesmo com camisinha, é uma roleta russa de bosta.

E vai falar com essa gente? Dedo marrom dizendo que não sabe de onde vem o cheiro ruim. Ou pior, que é frescura, que o problema dos dedos sujos de merda não é tão sério assim; e se você se recusar a apertar a mão esmerdeada deles, é tratado como exagerado. Eu não sou exagerado, eu não quero merda em mim, eu não quero merda na minha família. Se você se acostumou a essa vida de porco que suja tudo ao seu redor, problema seu. Vai feder longe de mim.

Já tem gente com orgulho desse dedinho marrom. Achando que é o máximo ter pegado covid, que é hilário se aglomerar e tocar o foda-se para a sociedade. Depois volta pra casa e contamina todo mundo, normalmente não bancando a pose e se desesperando quando começa a ver gente próxima morrendo. Mas aí tem o momentinho Instagram de dizer que foi uma fatalidade e para as pessoas tomarem cuidado.

No começo da pandemia eu realmente acreditava que os que morreram eram coitados, acertados por um raio quando menos esperavam. Mas com o passar do tempo, a culpa começa a ficar mais clara: tirando os casos de gente que faz alarde de aglomerar ou de ser contra a “histeria da doença” e morre que são pura justiça poética, tem uma grande parte de gente que foi literalmente assassinada por pessoas próximas. Hoje em dia não tem desculpa nenhuma. Se você se coloca em situação de risco sem necessidade e alguém próximo morre de Covid, você É UM ASSASSINO.

Não dá mais para alegar inocência. A porra do mundo inteiro só fala disso há mais de um ano. Quem não teve chance de ficar sabendo dos riscos é quem não teve contato com o resto da civilização. Pode ser burro feito uma porta, pode não saber nem escrever o próprio nome, mas tem que saber o que está acontecendo se está vivendo em qualquer lugar com acesso à energia elétrica.

E agora, a parte escrota de verdade deste texto: que fracasso criar ou manter uma relação com alguém que vai te colocar em risco por causa de um baile funk ou uma festinha. Alguma coisa falhou aí. Se era família, não estimulou o cérebro ou um mínimo de afeto na pessoa, se era amizade ou relacionamento amoroso, escolheu mal pra caralho essas pessoas para te cercar, hein?

Isso só mostra como tem uma sociedade quebrada aqui no Brasil mesmo, gente egoísta que vende a mãe por uma cervejinha. Gente doente da cabeça que não tem medo de colocar em risco a própria vida e de todo mundo ao seu redor, devem achar que sua existência não vale nada, e por tabela, a existência de todo mundo. Eu sei que isso está acontecendo no mundo todo, mas em outros níveis. E eu estou gabaritado para cagar na cabeça do brasileiro, tomara que tenha um cambojano e um sueco escrevendo esse mesmo texto agora comendo o toco dos filhos da puta que não deixam a pandemia ficar sob controle em seus países.

Momento D’Alborgha raiz: faltou porrada nessa gente. Faltou polícia na rua sentando a lenha em quem estava bundeando na rua, dispersando baile funk e festinha em cobertura com bala de borracha e gás lacrimogêneo. Essa gente não está disposta a entender porra nenhuma, está disposta apenas a evitar a maior dor em cada momento. A dor de possivelmente contaminar a mãe, o vô ou um parente com diabetes não existe agora, e se não existe agora, não existe nunca para gente burra.

Que nem cachorro: não adianta ficar puto da vida com ele depois que mijou no carpete, não há nada que o faça conectar um fato ao outro. Não adianta brigar antes ou depois com os cães sarnentos espalhando covid por aí, tem que ser na hora que estão fazendo a coisa errada. Se fizer antes, se ofendem e dizem que não estão fazendo nada de errado, se for depois, dizem que se algo deu errado, Deus quis assim… é cansativo, viu?

Pode matar todos os idosos da família numa boa, afinal, devem ter sido criados por lobos mesmo, estão cagando para todo mundo. Se estão dispostos a matar os seus, imagina os outros?

Felizmente para quem está levando a pandemia a sério e infelizmente para quem não está, a doença não é muito mortal e não causa efeitos imediatos após a contaminação. Para fazer esses imbecis aprenderem, que com certeza vão criar um novo pico de casos em março por causa do carnaval, a doença tinha que pelo menos inutilizar a genitália nas primeiras horas. Não precisava nem matar, se o coronavírus matasse desejo sexual ou criasse uma alergia violenta ao álcool, eu tenho certeza que não tinha dado tempo nem de nascer a primeira variante.

Mas a mãe natureza resolveu dar uma colher de chá pra gente, taxa de mortalidade baixa, vírus de uma família conhecida… tinha jogo. Eu quase, quaaaase estou torcendo por uma mutação hardcore que comece a matar gente jovem e que cague e ande pra vacinas. Considerando a média de quem está espalhando o vírus por aí, a humanidade vai ficar muito bem, obrigado, sem essas pessoas.

Eu me pego sonhando com uma sequela horrível que só dá em pessoas que consumiram muito álcool depois de pegar a doença. Alguma coisa para punir esses desgraçados que forçaram TODOS NÓS a aguentar meses e meses a mais de pandemia por causa de uma saidinha. Todos nós que também temos que segurar o tranco das variantes que eles ficaram gestando com sua completa irresponsabilidade.

Esses filhos da puta nos colocaram num buraco tão grande que eu já estou considerando cavar um pouco mais para que eles sofram muito. Gente que não liga pra nada, criada por gente que não liga pra nada e chancelada por políticos que não ligam pra nada. São esses os genes que passam pra frente. Enquanto você está aí limpando as mãos constantemente, eles estão se reproduzindo. Criando mais e mais filhos que vão tratar mal até que cresçam sem o menor senso de afeto e comunidade, viciados em busca de uma próxima dose para se entorpecer da vida merda que devem ter.

Eu não generalizo esse ciclo de abandono de pais e filhos porque sei que muita gente boa morreu deixando famílias que levavam a pandemia a sério arrasadas. Tem muita gente que caiu lutando para salvar outras vidas, tem muita gente que foi contaminada por irresponsáveis que foram obrigadas por circunstâncias maiores a ficar por perto. Se não fosse por essa gente, eu estaria torcendo DE VERDADE para essa doença piorar, piorar muito! Cada vez que eu vejo uma festinha, praia lotada ou ANÚNCIO DO FUCKIN’ GOVERNO para as pessoas viajarem mais, a vontade é ver todos os retardados queimando, mesmo que eu tenha que me preocupar muito mais com o incêndio pegando na minha casa.

Se você for pular carnaval esse ano, fica meu recado: você é um merda, um retardado egoísta que não consegue entender conceitos básicos sobre humanidade. A única coisa que poderia te ajudar é uma bala de borracha na cabeça para perder um olho e quem sabe assim aprender que o mundo é maior do que a sua vontade momentânea. Proporcionalmente, NINGUÉM foi vacinado ainda. Até a maioria tomar a segunda dose, nada mudou e quem arriscar passar o vírus para pessoas em grupos de risco ainda está cometendo tentativa de assassinato. Custa não cometer tentativa de assassinato? CUSTA NÃO FICAR ESFREGANDO ESSE DEDO CHEIO DE MERDA NOS OUTROS? FILHO DA PUTA!

Com o demônio devidamente exorcizado, agradeço a inspiração de Alborghetti e volto a me forçar a uma postura mais racional e compreensiva pelo resto do ano. Um beijo no coração, mas só de quem está aguentando o perrengue do distanciamento social esse tempo todo. Seja você alguém que pode ficar enfurnado em casa ou alguém que precisa sair para trabalhar mas faz o máximo para se proteger e proteger sua família, saiba que tem minha admiração. Ser humano às vezes é muito solitário.

E se quiser xingar muito e ser ofensivo ao limite com quem vai se aglomerar sem necessidade na semana que vem, sintam-se abençoados pelo feriado nacional.

Para dizer que até puto eu sou chato, para dizer que também fica sonhando com baladeiros morrendo terrivelmente, ou mesmo para dizer que já esqueceu onde fica o clitóris e vai ter que achar de novo depois da pandemia: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comments (12)

  • “Vamos dar um exemplo simples: aglomeração é que nem enfiar o dedo num cu aleatório. Seu dedo pode sair sujo de merda. Não queremos dedos sujos de merda, certo? Qual a melhor forma de não ter merda nos seus dedos? Colocar uma camisinha no dedo? Mas e se tiver muita merda? E se a camisinha rasgar? E se a merda for mole e escorrer pela camisinha até a sua mão? E se na hora de tirar a camisinha do dedo você sujar a outra mão de merda? Existem muitos cenários onde vai ter merda em você.”
    Que finesse. Eu amo esse blog. S2

  • Excelente texto Somir. Falou tudo que eu queria falar pra muitos babacas egoístas por aí. O pior dessa pandemia não é o vírus, é o ser humano. A cada dia eu fico mais revoltada com certos comportamentos que se repetem desde a Peste Negra. Você tem toda a razão, a essa altura, quem transmite a doença depois de sair sem necessidade é um assassino.

  • Como tu faz pra cortar o cabelo sozinho? Usa máquina rapa careca? E só curiosidade, essa pandemia vai durar muitos anos, vc não vai sair mais de casa?

    • Assim que eu tiver tomado a segunda dose da vacina e dado o tempo certo para ela agir, eu vou sair bem mais de casa.

      E sobre cortar o cabelo sozinho: se você precisa de mais que uma máquina para cortar seu cabelo, você é mulher. Eu não sou mulher. Simples assim.

  • hahahhahahaha!!! Estou rolando de rir!!
    Eu prefiro você assim, não gosto desse seu lado solidário consolador não.

  • “Eu não generalizo (…)”
    “Eu sei que isso está acontecendo no mundo todo (…)”

    A coisa mais chata de se interagir e opinar na internet atualmente é ter que fazer esses disclaimers. Parece que o cérebro médio está atrofiando e ficando incapaz de entender coisas implícitas e se manter no assunto sem desviar pra algo nada a ver.

  • Digitando este comentário com os pés, porque com as mãos estou aplaudindo! E eu já estou repassando este texto para todos que conheço. Tem muita gente por aí precisando de um tabefe na cara destes! Essa cambada de filhos de uma rameira descabaçada é que nem bicho xucro, só aprende na base da porrada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: