Vizinho doente.

A variante P.1, identificada originalmente em Manaus, está se espalhando não só pelo Brasil, mas também pela América do Sul. Cerca de 40% dos casos de coronavírus detectados recentemente em Lima, no Peru, estão associados à variante, segundo informações do Washington Post. No Uruguai, a cepa é responsável por 30% dos casos de Covid-19 e no Paraguai, metade dos casos identificados na fronteira com o Brasil são causados pela P.1, segundo informações do jornal americano. LINK


É o Brasil exportando sua excelência em cultivo de vírus. Azar dos vizinhos e Desfavor da Semana.

SALLY

Vamos colocar a coisa em uma escala mais fácil de compreender. Acompanhe meu exemplo hipotético.

Você mora em um prédio que tem cinco apartamentos por andar. Um dos seus vizinhos é um maluco, filho da puta e egoísta que gosta de brincar com substâncias tóxicas e venenosas. Ele já foi advertido pelo condomínio várias vezes sobre o perigo em fazê-lo, mas insiste. Um dia, algo sai do controle e ele provoca uma intoxicação no seu próprio apartamento que mata sua esposa e filhos.

A morte da família do maluco causa uma comoção no prédio, muitos acham que com isso ele vai aprender a lição. Os vizinhos (lembrando que você é um deles) se assustam e passam a trancar suas portas. Um belo dia, o maluco resolve brincar com suas substâncias tóxicas no corredor e tanto faz que provoca um acidente, vazando contaminação por debaixo das portas para os outros quatro vizinhos (um deles você), matando várias pessoas que moram nesse andar.

Como você se sentiria em relação a esse maluco? Como você se sentiria se esse maluco fosse o responsável pela morte de alguém na sua casa? É assim que os países vizinhos estão se sentindo em relação ao Brasil. Deu para entender agora?

Uruguai, Paraguai, Chile e Argentina estavam bem, apesar de alguns tropeços. Estavam com a pandemia controlada. Estavam fazendo tudo certo na medida do possível (à exceção do Chile, que deu uma pisada de bola com pessoas se descuidando após a primeira dose da vacina). Até chegar a variante de Manaus, a P1, chamada por eles de “Peste Brasileira”, “Variante do Brasil” e um terceiro termo que, por incorrer em uma fala racista, eu não vou reproduzir.

Vocês percebem que além de estarem se matando, estão começando a matar os vizinhos? Vocês têm consciência que em breve o número de mortes desses países por causa da P1 vai ser similar ao de um bombardeio? É como se o Brasil estivesse bombardeando pessoas que não lhe fizeram mal algum, muito pelo contrário, lhe estenderam a mão durante a pandemia muitas vezes, rezaram pelo povo brasileiro muitas vezes, doaram dinheiro e insumos para o Brasil muitas vezes.

A variante não entrou por acaso ou de forma inevitável. Ela entrou com brasileiros que queriam viajar, mas não queriam se dar ao trabalho de fazer um teste, por isso apresentaram um PCR falso para entrar nos países, se aproveitaram da confiança dos países vizinhos. Ela entrou por brasileiros mentirosos, egoístas e estelionatários que foram passear “por sua saúde mental” estando contaminados e disseminaram esta porra para pessoas saudáveis.

VOCÊS ESTÃO MATANDO SEUS VIZINHOS, só falando assim. Tem graus de responsabilidade, mas, em última instância, todo brasileiro é responsável. Não é “quem votou em fulano tem culpa”. Voto popular não dá aval para agir assim, se a pessoa age assim, quem votou e quem não votou tem o dever moral e ético de fazer o que seja necessário para tirar o sujeito do poder.

Nós sabemos que o Bolsonaro e o Governo não vai fazer nada, mas, e vocês? O povo não vai fazer nada? Se não fizer é tão genocida e filho da puta quanto o Bolsonaro. Se você passa por um beco e tem três homens estuprando uma menina, você vai embora e dorme tranquilo penando “tá tudo bem, não fui eu que estuprei, não fiz nada errado”? No mínimo tem que chamar a polícia! É isso mesmo? Vão matar os seus vizinhos e ficar assistindo em inércia contemplativa?

Já tem brasileiro sendo retirado a soco e pontapé de lugares públicos em alguns desses países. Que tipo de lixo humano viaja contaminado e mostra um PCR falso em um aeroporto, arriscando contaminar toda uma nação? Não surpreende, isso parece ser um modus operandi comum no Brasil, até time de futebol está fazendo isso. Como que alguém se sente no direito de brincar com a vida alheia mostrando um PCR falso? Quer fazer no seu país, vai fundo, mas contaminar nações vizinhas? Francamente, que vergonha!

Quão sem noção tem que ser uma pessoa para achar que as duas semaninhas de relax dela “pela saúde mental” valem infectar toda uma nação? Eu sei que estamos falando de uma parcela da população e que existe uma outra parcela (para a qual eu escrevo) que está se esforçando para fazer tudo certo apesar dos outros que fazem tudo errado. Mas fazer tudo certo não basta mais, permitir que os outros continuem se portando de forma errada é se omitir.

Não acredito que aconteça nada agora, afinal, está morrendo latino, cidadão de terceira categoria. Ninguém se importa. Mas se um desses “pela minha saúde mental” entra com um PCR falso em um país de cidadão de primeira categoria e provoca o massacre que está acontecendo neste exato momento no Uruguai, Paraguai, Chile e Argentina, aí eu acredito que existam consequências.

O que o Brasil está fazendo é vergonhoso. Desde o princípio, desde ficar bundeando até criar uma variante mais contagiosa e mais letal, até se encarregar de espalhar ela para os vizinhos. É VERGONHOSO. VOCÊS NÃO TÊM VERGONHA? Se tem, façam alguma coisa, caso contrário vão continuar morrendo como moscas (já estão rumando para as cinco mil mortes por dia), vão acabar odiados por todos à sua volta ou vão acabar em uma situação ainda pior. Eu sei que a culpa é dos filhos da puta que não respeitam nada, mas cabe a vocês, às pessoas conscientes, pará-los. Não se pode permitir que filho da puta que não respeita nada provoque milhões de mortes no seu país e os países vizinhos.

Os outros países, por mais fodidos e latinos que sejam, vão se recuperar. Todos eles estão fazendo planos de contenção bons (que incluem lockdown de verdade), todos eles têm mais de uma opção de vacina, todos eles têm um povo que quando o governante os deixa morrer vão para a rua e incendeiam o Congresso ou o palácio presidencial. Vão se foder, sem dúvidas, mas vão sobreviver. Vão carregar sequelas sanitárias e econômicas por décadas, mas vão sair dessa. E vão sair limpos de caráter, de nome. E isso, meus amigos, não tem preço.

Bolsonaro não é o vilão da porra toda não. Cada um que não faz nada para mudar a realidade do país também é. FAÇAM ALGO, mesmo que não tenha resultado, mesmo que não impeça nada, FAÇAM ALGO. Ao menos tentem, assim, quando décadas mais pra frente vocês se lembrarem desse episódio lamentável poderão ter o orgulho e consciência tranquila de dizer “na época, eu fiz o que estava ao meu alcance”.

Cada um de vocês que fica inerte ajuda a matar mais de quatro mil pessoas por dia. Cada um de vocês que não faz nada tem sangue nas mãos e não deveria conseguir dormir de noite se tivesse vergonha na cara. Cada um de vocês que não faz nada está matando pessoas boas de países vizinhos, pessoas corretas de países vizinhos que fizeram seu lockdown quando tinham que fazer e foram contaminadas à traição. Não dá para depender de Político Papai para resolver o problema. FAÇAM ALGUMA COISA!

Não basta se matarem, não é mesmo? Tem que matar os vizinhos também. Não basta arruinar o país, tem que arruinar tudo que está à sua volta. Não basta criarem variantes mais letais, tem que se encarregar de levá-las pessoalmente para os vizinhos. Não basta deixar acontecer tudo isso, ainda tem que ficar assistindo em inércia contemplativa enquanto inocentes morrem.

FAÇAM ALGUMA COISA, por menor que seja. Em 20 anos vocês vão me agradecer, pois terão escrito seu nome nessa história como gente que tentou, não como ovelhas inertes que assistiram de braços cruzados uma barbárie como essa. E aí, qual dos dois você quer ser?

Para dizer que é contraditório escrever este texto e depois ficar postando FAQ (eu escrevo para os que não são filhos da puta), para dizer que não faz nada pois parte de um derrotismo patológico de acha que nada vai funcionar ou ainda para dizer que se está morrendo argentino tá bom: sally@desfavor.com

SOMIR

Historicamente, todos os países fazem vistas grossas uns para os outros enquanto estão matando seu próprio povo. A coisa começa a ficar mais grave quando um país começa a matar outros povos. O Brasil foi se solidificando no topo do ranking de incompetência na resposta à pandemia em 2021, e atualmente não temos concorrente direto. Até aí, é algo que não causa muita comoção fora das nossas fronteiras.

Mas, nossos vizinhos começam a sentir os efeitos dessa incompetência. Especialmente porque nenhum deles é exemplo de capacidade em administração pública, a América do Sul é uma grande bagunça desde… desde sempre. Só que existem graus de fracasso. Por mais erros que nossos vizinhos tivessem cometido, nada se comparava ao misto de teimosia negacionista e incapacidade intelectual pura do brasileiro nesses últimos meses.

Estavam com problemas, mas problemas razoáveis no contexto bananeiro do continente. Isso está mudando. Porque as bananas contaminadas brasileiras estão começando a cair em suas fronteiras e causando problemas cada vez mais sérios. O Brasil não sabe brincar: subiu tanto o tom da incompetência latina que vai fazer todo mundo pagar o preço.

E aí, começam a colapsar sistemas de saúde de vizinhos, as quarentenas e lockdowns (que alguns deles fazem de verdade) ficam mais e mais severos, enfraquecendo as economias locais. E pra piorar, quase todos esses países dependem muito da economia brasileira para funcionar. Os tentáculos tupiniquins se espalham pelo continente, numa série de acordos comerciais que simplesmente impedem o total isolamento do foco da contaminação.

Esses países já sofriam com a pandemia, mas receberam uma nova tarifa para continuar seus negócios com o Brasil: o imposto da variante brasileira. E se você anda acompanhando as informações que passamos aqui, sabe muito bem que por mais avançados que estejam seus programas de vacinação, não é algo que possa ser controlado no curto prazo. Vacinas precisam de uma taxa de cobertura imensa para começar a segurar o avanço da doença de verdade. Como o Brasil não só demora muito para vacinar seu povo como também resiste às medidas para impedir a disseminação do vírus, é mais ou menos como se estivéssemos impondo aos nossos vizinhos a mesma política de “proteção ao vírus” que temos para que eles continuem funcionando normalmente.

Por mais fraca que ande a economia brasileira, ela ainda é pelo menos uma ordem de magnitude maior que as deles. Pudera, o continente é quase inteiro Brasil. O único país que em tese poderia resistir um pouco mais é a Argentina, mas os hermanos não tem muita margem de respiro contra os próprios políticos ineptos: qualquer pressão pode fazê-los quebrar.

E o que o Brasil está fazendo? Fazendo confusão para instaurar uma CPI contra o governo que fazia propaganda de cloroquina no estado onde as pessoas estavam morrendo por falta de oxigênio. Politizando saúde pública de forma interminável e torcendo para escapar da pandemia na base da sorte pura. Empresários brigam para acabar com as medidas de isolamento, não entendendo que cada vez que atrapalham esse processo perdem mais dinheiro no longo prazo.

E pra variar, o tema mal é discutido dentro do país. Periga de alguém fazer piada que o Bolsonaro fez bem se está matando argentino. Falta a noção de que tudo o que (não) estamos fazendo tem consequências globais. O Uruguai pode ter medo de denunciar o Brasil, mas se a variante brasileira e possíveis desdobramentos dela começaram a viajar o mundo estragando os planos de recuperação econômica de outros países… tem muito país por aí que não tem o menor medo da “pólvora do Bolsonaro” e o exército com uma hora de munição para uma guerra. Nem mesmo depende tanto de nós para manter sua economia funcionando.

E aí vamos ver uma espécie de reação totalmente diferente. O Brasil pode ser o tubarão no aquário da América do Sul, mas é um lambari para o resto do mundo. O que aconteceu dentro do país já deveria ser um aviso, o que está acontecendo com nossos vizinhos já deveria ser estarrecedor, mas se nenhum desses sinais funcionar para acordar governo e povo, logo logo alguém vai nos fazer perceber o que está acontecendo… na marra.

E aí não adianta dizer que não era bolsominion. Porque todo mundo vai apanhar junto, seja de uma provável sanção comercial dolorida, ou num caso mais grave, apanhar de verdade. O brasileiro acha que vive numa ilha, mas não vive. E como eu disse no começo do texto… historicamente a coisa fica feia quando um país começa a fazer mal para os seus vizinhos.

Começou.

Para dizer que somos alarmistas relatando fatos que estão acontecendo agora, para dizer que a saída é um foguete do Elon Musk, ou mesmo para dizer que a pior consequência é a volta do Lula: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comments (16)

  • Além de divulgar os links das postagens sobre Coronavírus para o máximo de pessoas que consigo, eu também tenho procurado repassar as informações que colho aqui no Desfavor e em outros lugares sempre que posso. E faço isso mesmo ficando muitas vezes irritado por ter que responder com fatos a alguma asneira muito grande que um negacionista próximo tenha dito ou por ter que repetir pela milésima vez coisas que, depois de mais de um ano de pandemia, já deveriam ser amplamente conhecidas por todo mundo. Mas o que mais me aborrece é ver que a BMzada reclama de estar na merda sem sequer desconfiar que é a causadora da própria desgraça…

    • Você está fazendo o que está ao seu alcance. Se não quiserem escutar, paciência. Em dez anos você vai poder dizer com orgulho que fez o que estava ao seu alcance em tempos sombrios.

  • E pensar que eu já fui muitas vezes chamado de exagerado por dizer que o Brasil é de um nível de estupidez tamanho a ponto de ser inadvertidamente um perigo até para si mesmo e para quem mais estiver por perto…

  • TOTALMENTE DENTRO DO ESPERADO. O controle nas fronteiras sulamericanas é precário e inclusive se teve que se reforçar fortemente o efetivo da PF na fronteira com a Venezuela quando os venezuelanos começaram a se evadir em massa pro Brasil.
    Tem casos de cidades onde a fronteira internacional é uma AVENIDA. Vocês acham sinceramente que vai se ter fiscalização seria assim? Tá de brincadeira.

    • O problema não é fiscalização, é a falta de controle do vírus até surgir uma variante mais contagiosa e mais letal. O problema é a falta de caráter de visitar outro país apresentando um PCR falso: para dar um passeio a pessoa escolhe arriscar a vida de milhões.

      • Temos milhares de quilômetros de fronteira e boa parte dela é fronteira seca. Dá pra passar de um lado para o outro até com certa facilidade. Que o diga o pessoal do contrabando e do narcotráfico aqui.
        Era de se esperar que os sul americanos no geral fossem pagar a conta pelo descontrole aqui.
        Claro, os turistas com PCR falso tem sua cota de contribuição, mas tá longe de ser culpa só deles, tá?

    • O Brasil NÃO É um dos países mais vacinados do mundo. Não vacinou nem 10% da população. O Chile, por exemplo, já vacinou mais de 35% da população. Brasil tá bem no fim da fila.

      Já respondemos a essa dúvida na coluna FAQ: pico de pandemia não se controla com vacina e sim com Lockdown, testes e rastreio de contatos. Os efeitos da vacina para contenção você só vai sentir depois de ter pelo menos 70% da população vacinada.

  • “para dizer que a pior consequência é a volta do Lula”
    Quando a eleição dele for confirmada no final do ano que vem, a pandemia acaba no Brasil.
    (não acaba de verdade, mas haverá metros e metros de pano sendo passado pela mídia e pelos órgãos internacionais)

    • Só se for com muito dinheiro na forma de campanha$ in$titucionai$, que aliás, é como o governo Lula bancava seus cupinchas.
      Por incrível que pareça, a pandemia se propagaria mais rápido com o Lula lá, porque o Lula agiria com a mesma leniência que o Bolsonaro, mas não ia ter STF pra dar passada de pano pras ações INCONSTITUCIONAIS a título de contenção da pandemia. E mesmo se tivesse um ensaio disso, o Black Lives Matter colocaria tudo a perder.
      O quadro que apresentamos agora iria se apresentar no fim do ano passado.

        • A eleição de 2018 para a presidência foi encabeçada por três políticos sustentados por plataformas populistas:
          Bolsonaro com o populismo moralista de grupos mais “a direita” no espectro político.
          Haddad alavancado em cima do Lula, figura populista que bate ponto em toda eleição presidencial, seja com sua própria cara de pau, seja alavancando um preposto.
          Ciro Gomes com aquela proposta aparentemente benéfica ao povo de tirar a dúvida do pessoal do protesto. O que não contaram é que isso seria um verdadeiro “almoço grátis pra bancos, financeiras e grandes empresas no geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: