500 mil.

O Brasil chegou ao lamentável número oficial de 500 mil mortes por covid (o número real é muito maior). Acreditamos que tudo que precisava ser dito sobre responsabilidade e formas de reverter esse quadro já foi dito, então, este texto é apenas para tentar dar uma real dimensão do que está acontecendo.

Quando falamos em cifras, em números, é muito fácil abstrair o que eles realmente significam. Às vezes é necessário levar para o mundo concreto para que o cérebro processe e compreenda a dimensão do que está acontecendo.

Lembra quando caía um avião e morriam todos os passageiros? Lembra o absurdo que isso representava e o choque pela grande quantidade de mortes? Pois é. Hoje, o maior avião utilizado por cias aéreas brasileiras é o Boeing 777. Nele, cabem 368 passageiros. Então, se a gente fizer as contas, vamos descobrir que as mortes no Brasil equivalem à queda de 3 Boeing 777 por dia, desde março de 2020, sem nenhum sobrevivente.

Se a gente pegar como referência a população de cidades, municípios e estados, morreram, no Brasil, o equivalente a Florianópolis. Se pensarmos em países, morreu quase uma Suriname inteira. Morreu mais de uma Islândia. Morreram mais de 6 Andorras. Morreram 625 Vaticanos.

Quando pensamos em estádios de futebol, morreram mais de seis Maracanãs lotados. Morreram quase sete Morumbis lotados. Imagine a comoção que seria se um, apenas um destes estádios lotados sofresse um ataque e todos morressem. Pois bem, morreram Marcanã + Mané Garrincha + Morumbi + Mineirão + Arena do Grêmio + Arruda + Castelão lotados de gente.

O número de mortos no Brasil é maior do que o de 8 grandes genocídios ocorridos desde o começo do século XX somados. São mais de 300 Titanic, quase três Hiroshimas e, pasmem, morreu mais brasileiro de covid do que de Gripe Espanhola (a pandemia mais mortal da história), que ocorreu em 1918. Parece que em vez de melhorar, o país piorou.

Falemos de tempo. Se a gente pudesse distribuir de forma proporcional cada morte de março de 2020 até hoje, fazendo uma média uniforme, o Brasil teria hoje um morto por covid a cada um minuto e 18 segundos. Em média, três pessoas teriam morrido desde a hora em que você começou a ler este texto até agora e, até o final do texto, mais de dez pessoas teriam morrido.

Coloquemos estes números em contexto global. A população brasileira corresponde a 2,7% da população mundial. Isso significa que, se calcularmos todos os óbitos por covid no mundo e o Brasil ficasse com sua parte proporcional, 2,7% dos óbitos, deveria ter 92 mil mortos. O Brasil tem mais de cinco vezes o número de mortos esperados: 12,8% dos mortos do mundo.

O Brasil tem mais óbitos proporcionais do que muitas ditaduras, países em guerra e países onde as pessoas passam fome sem recursos básicos como hospitais e água encanada. A Índia tem pouco mais de 6% dos mortos do mundo, a Rússia pouco mais de 3%, por exemplo. Ambos os países castigados pelo clima e com imensa desigualdade.

Como dissemos, a média de mortes que seria considerada “normal” para o Brasil seria de 92 mil mortos. Portanto, no barato, morreram 408 mil pessoas que não teriam morrido se o país tivesse adotado cuidados básicos que foram implementados pelo resto do mundo.

Porém, o número de mortos seria ainda menor se cuidados mais avançados fossem implementados, coisa que o Brasil tinha total condições de fazer e não fez. Por exemplo, se as vacinas tivessem sido compradas assim que oferecidas, em maio deste ano todos os brasileiros estariam vacinados. De maio deste ano em diante, quem morreu, morreu de forma desnecessária.

Em números absolutos, ou seja, olhando apenas para o número de mortos, sem levar em conta o tamanho da população, o Brasil só perde para os EUA, e não por muito tempo, uma vez que os casos lá estão diminuindo e no Brasil estão aumentando. Em breve, o Brasil pode se tornar o país do mundo onde mais morreram seres humanos por covid-19.

Quando falamos em números relativos, ou seja, levando em conta a proporção entre mortos e número de habitantes, o Brasil também está em segundo lugar, perdendo apenas para o Peru, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. E deixo clara a fonte pois no Brasil esse dado é frequentemente distorcido, deturpado e camuflado para fazer parecer que o Brasil não está tão mal.

E não é como se estivéssemos falando sobre uma fatalidade, algo inevitável. Sim, “morreu gente no mundo todo”, como adoram dizer os passadores de pano generalistas do clubinho “problema todo país tem”, mas, como morreram e ainda vão continuar morrendo no Brasil, ninguém chegou perto ainda. Talvez a Índia chegue lá.

Não custa lembrar, mais uma vez, que 500 mil é um número muito camarada, que nem de longe corresponde à realidade. Tanto óbitos como número de casos estão subnotificados. Na média mais otimista, o Brasil tem 30% mais mortes e 60% mais casos de covid do que é divulgado. Façam as contas e percebam que estão mais perto de um milhão do que de 500 mil.

Isso acontece por uma escolha política: divulgar apenas os casos confirmados reduz muito o número de mortes e contágio. É só não testar, que não morreu de covid. Mas, isso aparece nos números de mortes em excesso (quando se compara as mortes daquele período com as mortes em um período de normalidade). E também nas certidões de óbito e enterros.

E, já que um certo grupo de brasileiros parece ter uma predileção por motos, vamos usar motos como referência. A moto mais vendida no Brasil tem praticamente 2m de comprimento. Se colocássemos o número de mortos como motos, em fila, teríamos uma motociata de 900km, um trajeto maior do que a distância entre São Paulo e Goiânia (926km) ou Rio de Janeiro e Curitiba (916km).

O mais triste é que não está acabando. O país está vacinando mal (pouco mais de 10% da população vacinada com segunda dose) e ainda parece estar se esforçando para enfiar primeira dose no máximo de pessoas que consegue, o que gera um ambiente propício para criar variantes resistentes à vacina.

Além disso, as pessoas continuam saindo de forma desnecessária, aumentando o número de contágios, permitindo que o vírus sofra todas as mutações que puder. Não há qualquer indício que, se seguir no ritmo atual, vejamos uma melhora a curto prazo.

Muito pelo contrário. Já temos variantes que escapam parcialmente às vacinas, tudo indica que o vírus pode mutar até conseguir um escape total. Quem está comemorando vacina, achando que vai abolir máscara e retomar a normalidade ou não entendeu nada, ou está iludido. Vacina funciona sim, se for criada e distribuída a tempo, antes do vírus “aprender” a escapar dela. E não parece ser o caso.

Continuam morrendo mais de duas mil pessoas por dia no Brasil. Isso é aberrante. Não acabou, está longe de acabar. Não se deixe anestesiar. Não há perspectiva de melhora a curto prazo. A variante Delta (indiana), que escapa parcialmente às vacinas já está no Brasil e estamos observando um aumento significativo (em alguns lugares de até 20%) nas internações hospitalares e óbitos.

Continuem se cuidando muito e não deixem que números frios removam a sua humanidade. O número de mortos no Brasil pela covid é 100 vezes maior do que as estrelas visíveis a olho nu no céu. Pensem nisso quando olharem para cima.

Para dizer que esse bolo não é só do Bolsonaro, é do povo também, para dizer que nada vai mudar não importa a quantidade de mortos ou ainda para dizer que está ainda mais indignado com a Copa América: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comments (28)

  • Pode soar estranho, mas estou convencida de que temos é o melhor presidente possível para esse momento. Caso fosse outro presidente, por mais que o número de vítimas fosse menor, caso a economia sofresse enormemente (mesmo pelos motivos certos), Bolsonaro ou coisa pior seria eleito e faria tudo isso de agora em um futuro invariavelmente permeado por variantes alfa a ômega do corona…com desdobramentos ainda mais profundos e de difícil reversão (se não impossível).

      • Infelizmente bozolixo VAI se reeleger. A oposição, do jeito que está hoje (50% completamente perdida, sem rumo, sem discurso plausível e, principalmente, sem candidato viável e os outros 50% frenéticos lambedores de frieira do mulla) não tem a mais remota possibilidade de oferecer sequer um mínimo aceitável para convencer o eleitor a não votar novamente no sarnento que hoje fossa no planalto central. Prevejo ainda 5 anos e meio de puro sofrimento, no mínimo.

        • Eu acho que o Ciro Gomes vai acabar se tornando um concorrente forte, o marketing dele está sendo renovado pra agradar todas as tribos (é impossível se eleger no Brasil sem dar um biscoitinho pros evangélicos) e passar uma imagem de moderado, talvez ele puxe muitos “swing voters”.

      • Olha, ainda assim acredito que o raciocínio ficaria duplicado, digamos assim: antes dois mandatos dele agora (que não terá sucessor à altura, espero), do que dois mandatos de outro infeliz, e (alguém como) ele vir depois.

  • Nem com números alarmantes assim, e escrito tim tim por tim tim, desenhado como tá nesse texto, as pessoas acordam. Difícil, viu? Falta neurônio, falta cognição, falta tudo, ou sei lá, não sei mais nem como explicar essa cegueira das pessoas. Eu quero crer realmente que ano que vem nas eleições essa coisa caia, porque sabe como é.. Nas redes sociais a gritaria é muita, mas na vida real pode ser diferente. E tenho receio de que o “gado” possa ser em grande número ainda.

    • Não acho que faça diferença se o Bolsonaro cair. O brasileiro se mostrou capaz dos piores egoísmos e desumanidades. Gente “de bem” que escreve “fique em casa” no perfil saindo para fazer cabelo, para fazer botox, para jogar uma pelada. O problema não é o governante, o governante é só um reflexo do povo.
      Um povo que toma vacina alegando comorbidade falsa para furar a fila, que foi incapaz de reduzir a circulação para fazer um lockdown, que não se responsabiliza nem se compadece por estar matando os vizinhos é um povo incapaz de eleger um bom líder ou construir uma sociedade justa ou ética.

  • Tem histéricos por aí que debitam a culpa de tantas mortes na conta “deste governo genocida”, mas o buraco é MUITO mais embaixo. Bolsonaro inegavelmente faz muita cagada, mas esta tragédia vem sendo “gestada” há muito tempo. O atual presidente, infelizmente, é o idiota “certo” no momento “certo” – na verdade, o pior momento possível – que apareceu agora para acabar de foder com tudo de vez. A verdadeira causa de toda a nossa danação são os séculos de incivilidade, de libertinagem, de desorganização, de conformismo, de “vale tudo”, de clientelismo, de desprezo pela educação, de “jeitinho”, de “Lei de Gérson”, de falta de seriedade, de corrupção, de perda de tempo com coisas desimportantes, de oportunidades históricas passando em branco, de passividade assistindo outros países darem saltos em direção ao futuro enquanto continuamos aferrados às velhas idiossincrasias do passado, de achar que “ginga e malemolência sempre resolvem tudo no final”, de acúmulo de novos problemas sem que os antigos sejam resolvidos… E toda essa merda ficou “fermentando” dentro do “Intestino Brasil” até explodir agora nessa diarréia que já transbordou a nossa privada e está até respingando na dos outros.

    • Concordo 100%. Bolsonaro é um criminoso nos mais diferentes aspectos e merece apanhar com um saco cheio de pilhas até sair cérebro pelo nariz, mas a culpa de tudo isso é do brasileiro tanto quanto.

      Como eu disse, falta humanidade. Aconteceu um extermínio desnecessário e evitável no Brasil e agora está acontecendo coisa igual ou pior no Paraguai, Uruguai, Argentina e Chile. O Brasil está matando seus vizinhos aos milhares e não parece solidário, consternado ou incomodado com isso. Tá fazendo Copa América, tá postando foto em rede social na rua, tá agindo com normalidade.

      Eu estaria consternada de vergonha se o meu país estivesse promovendo um holocausto nos vizinhos por mero descaso. Estaria envergonhada e deixando claro de forma pública que estou envergonhada. Jamais estaria postando fotinho de futilidades, feliz da vida, com copinho de cerveja na mão. É aviltante. É revoltante. Dói mais a falta de humanidade do que o contágio e as mortes massivas.

      Não poderia existir normalidade com tantas mortes, com tanta irresponsabilidade, com tanto sofrimento. Me dá um nó na garganta só de pensar. Está muito difícil para mim não desejar mal ao Brasil, para que entendam que causar esse sofrimento absurdo no seu povo e no povo dos outros tem consequências. Essa pandemia está me tornando uma pessoa pior.

    • Ca-ra-lho! Eu não teria escrito melhor. Apenas faço uma “correção”: “intestino Brasil” é pleonasmo vicioso. E tudo, mas TUDO isso que você disse, Woj, nada mais é do que o modus vivendi do esgotão ocidental da Europa (portugal) transplantado para a América. Se o pai não evoluiu (e só mesmo português é que acha que sua terra atualmente presta pra alguma coisa… comportamento motivado talvez por resquícios históricos de uma época de grandeza inaugurada por eles e logo solapada pelos espanhóis, ingleses, franceses e holandeses que lhes seguiram o rastro), não é o filho bastardo, enjeitado e remelento que o irá suplantar.

  • Horripilante, para dizer o mínimo… E para mim, esses dados são tudo, menos “meros números frios”; ainda mais com todas as comparações feitas em praticamente toda a primeira metade do texto. Nenhum ser que se considera “humano” consegue ficar indiferente a uma tragédia nessas proporções! Mas o pior de tudo isso é que a odiosa “cultura do desperdício” que sempre imperou no Brasil está ultrapassando e muito o limites do aceitável. Já não nos bastava mais desperdiçar somente tempo, dinheiro e oportunidades para enfim crescer de verdade. Com a pandemia de Coronavírus, esta pocilga que alguns ainda têm a candura de achar que seja um país está desperdiçando VIDAS! E cada uma dessas vidas desperdiçadas é uma história interrompida. É um potencial jogado fora. É um plano desfeito. É um sonho não realizado. É um futuro perdido. É uma dor que jamais vai passar.

    • Eu não entendo como tantos brasileiros perderam sua humanidade e estão indiferentes, pensando em suas vidinhas, nas viagens que querem fazer, no crush, nas roupas que querem comprar… Eu estou entrando em um estado de achar que o Brasil não tem salvação nem merece ter.

        • Acho que só quando se sente esse desconforto, essa tristeza, esse mal estar é que as pessoas aí tiram forças para começar a se mexer e mudar a realidade. O problema é que, aparentemente, quase ninguém se importa.

  • E o Dudu no RJ só pensa em carnaval e carnaval fora de época o mais rápido possível! Chiou da Copa América mas Carnaval pode. Aí quando der merda vai culpar o Bozo! O Bozo errou em não ter comprado vacinas antes, mas Dudu e DitaDória fizeram questão de Carnaval, embalados pela fala de só uma gripezinha do Drauzio Varella, o mesmo que disse estar tudo ok ir pra fila da votação!
    https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2021/06/14/paes-diz-que-fara-carnaval-fora-de-epoca-para-moradores-da-ilha-de-paqueta-em-setembro.ghtml

    • Todo mundo errou. Dudu da Portela sempre foi uma biba carnavalesca, mas o povo do Rio também errou feio. Poucos são inocentes nesse massacre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: