Plantão Vai te Catar!

Se você está esperando comentários sobre o futebol, vai se decepcionar. Comentários sobre o futebol que cada seleção jogou você encontra em qualquer portal de esportes. Hoje estamos aqui para fazer um balanço dos desfavores da Copa.

“Esquisita” define bem esta Copa. Eu nem sei dizer se está ruim, está apenas estranha. Zebras nos resultados, novas formas de apitar o jogo, um país-sede sem qualquer condição de sediar o evento… enfim, uma copa realmente atípica. Vamos passar pelos principais pontos da primeira semana de competição.

Menino Ney, sempre muito querido, mostrou a postura de sempre: entrou em campo sem a camisa da seleção, vestindo-a à medida que ingressava no gramado, com chuteiras desamarradas. Quando o jogo estava começando, ele estava lá, no maior foda-se, amarrando as chuteiras. Obviamente, se machucou mais uma vez e, ao que tudo indica, está fora da primeira fase.

A fotinho da pata inchada no Neymar circulou por todas as redes sociais e fizeram disso um evento. Francamente, vocês viram a foto do tornozelo do Messi? Bem pior e Messi disse que estava ótimo e ia jogar. E jogou. E marcou.

Já repararam que Neymar sempre se machuca em horas chave? Parece ser um prazer em amarelar que não tem precedentes. Batem muito nele? Sim, como também batem no Messi, como também batiam no Pelé. Entretanto, só um deles acaba tirando o corpo fora em competições importantes.

E por favor, não vamos transformar isso em algo que não é: somos totalmente indiferentes ao voto do Neymar, inclusive, nossas críticas a ele são do tempo em que o Rene Simões dizia que estavam criando um monstro, que nunca viu um jogador tão mal-educado. Nessa época o Bolsonaro estava batendo boca com o Rafael Pilha no Superpop. Nossas críticas ao Neymar são única e exclusivamente pelo Neymar.

O brasileiro, por sua vez, deu continuidade à sua incoerência rotineira: os mesmos que passaram anos pedido “mais amor” e “mais empatia” e criticando Bolsonaro por fazer pouco do sofrimento de pessoas com problemas de saúde, comemoraram a lesão de Neymar.

Veja bem, nada contra. Acho pequeno, mas sagrado direito de cada um comemorar que outra pessoa se machucou. O que não pode é fazer um discurso cobrando empatia e duas semanas depois contradizer esse discurso. Além de ser muito feio, ainda passa a imagem de uma pessoa hipócrita, ou louca, descontrolada, sem noção da realidade e do que fala.

E, cá entre nós, o que não falta é argumento para falar mal do Neymar. Desde os tempos em que ele jogava no Santos ele já era odioso, arrogante e mal-educado. Não precisa usar a escolha política do rapaz, que por sinal, tem o direito de votar em quem ele quiser e fazer campanha para quem ele quiser, para falar mal dele. Quem dera os defeitos do Neymar só aparecessem a cada quatro anos, na hora do voto. O cara deu um murro na cara de um torcedor que o criticou, sério que faz diferença em quem ele vota?

Voltando ao futebol… vimos várias zebras nesta primeira fase de grupos. Vimos a Argentina de Messi perder para a Arábia Saudita, a Alemanha perder para o Japão e o Marrocos ganhando da Bélgica. Também vimos um recorde de jogos sem gol, o que torna essa Copa uma das mais chatas da história até aqui.

Além disso, a tecnologia está obrigando o torcedor a rever a forma como torce: o VAR, árbitro assistente de vídeo (do inglês Video Assistant Referee) faz uma medição constante e automática da posição de impedimento dos jogadores, coisa que, até então, não era realizada.

Para quem não sabe, a regra é a seguinte: no momento em que parte o passe que leva ao gol, os jogadores do time atacante que participam da jogada não podem estar sozinhos, isto é, deve ter pelo menos um jogador adversário na sua mesma linha ou na sua frente. Isso significa que o corpo do jogador (exceto braços e mãos) devem estar na mesma linha ou atrás de um jogador adversário.

Os gramados do Catar têm câmeras e sensores capazes de dizer quem estava posicionado onde nas jogadas que acabam em gol. Por um lado, é muito bom pois neutraliza erros humanos, mas por outro, tira a emoção da comemoração do gol: a bola entra e, se você comemora, pode ter que descomemorar depois que sair o resultado do VAR.

Por exemplo, no primeiro jogo da Argentinam três gols foram anulados pelo VAR por impedimento. Acaba que a bola entra, mas tem que segurar a comemoração, esperando pela confirmação do VAR, que às vezes demora vários minutos. Broxante.

Além disso, nem sempre o tecnicamente correto é o justo. O fator humano seria importante. No primeiro jogo da Seleção Argentina o jogador Lautaro Martínez estava com os pés na posição correta, mas, por estar com o corpo ligeiramente inclinado para frente, um centímetro do seu ombro estava adiantado. Francamente, não creio que um centímetro de ombro favoreça injustamente ninguém: analisando a regra pela sua intenção, não havia motivos para anular esse gol.

Outra coisa que chama a atenção é a cobertura circense da Copa que o Brasil resolveu fazer. Globo coloca atriz com calcinha aparecendo e, depois dos evidentes comentários maldosos, ela sai de vítima e reclama de estar senso sexualizada. Oi? Você está ciente do país no qual vive, meu anjo?

Em uma estratégia similar, outra emissora coloca funkeira obesa como “comentarista”, posto para o qual ela declarou publicamente estava avalizada pois “namorou jogadores de futebol”. A pessoa, que sequer sabe falar português correto, recebe uma enxurrada de críticas e joga com a carta da gordofobia.

Tá chata essa estratégia: a pessoa se coloca em uma situação totalmente previsível de críticas ou desrespeito e depois posa de vítima virtuosa, apontando o dedo e jogando lixo em quem teve um comportamento mais do que esperado. Tá chato demais. Todo mundo é adulto e consegue prever quais serão as consequências dos seus atos, não vem fingir demência.

E, acreditem, teve quem ache uma boa ideia mandar a Gretchen para fazer a cobertura da Copa no Catar. Gretchen + Catar. Entre outras coisas, ela rebolou e dançou “Conga la Conga” em uma praça pública, trajando uma roupa que deixava a barriga de fora. O que poderia dar errado?

“Mas Sally, não seja preconceituosa, apesar disso ela pode estar fazendo um bom trabalho”. Não parece. Contratada para fazer a cobertura do jogo da Seleção Brasileira, ela foi para o estádio errado, e ainda tirou foto na porta do estádio (errado), completamente vazio, dizendo que “estava on” diretamente do local onde ocorreria o jogo.

O que enriquece a transmissão de qualquer evento são os profissionais da área comentando, que entendem a teoria e a prática do que está sendo mostrado. Se fosse o inverso, duvido que o grupo de atores e cantores não criticasse: se botassem jogador de futebol para comentar (e criticar) a atuação de cada ator em uma novela, os atores iam aceitar tranquilamente as críticas? Não aceitam nem quando uma modelo ou influencer é chamada para fazer novela…

Mais um ponto a ser considerado sobre a organização desta Copa: a qualidade das seleções. Você sabe que tem muita seleção ruim quando tem muita porrada involuntária nos jogos: porrada por falta de habilidade. Teve zagueiro fraturando três costelas no treino! Esse tipo de lesão em campo, contra um adversário, já seria criminosa… infligida por uma pessoa da sua própria seleção é simplesmente incompreensível!

Teve jogador que colidiu com o goleiro da sua própria seleção com tal violência que sofreu várias fraturas no rosto (fraturando inclusive o maxilar), perdeu vários dentes e também teve uma hemorragia interna na região abdominal, precisando de uma cirurgia no pâncreas. Isso é lesão de guerra, não de jogo de futebol, principalmente quando é uma colisão amigável, com alguém da sua seleção.

Outra surpresa desagradável desta Copa foi a proibição, informada poucos dias antes do início, da venda de bebidas alcoólicas nos estádios. Apesar de achar a medida ótima, pois o ser humano, quando está em bando e bebe só faz merda, achei uma puta sacanagem informarem isso faltando dois dias para a Copa: muita gente poderia ter optado por não ir se soubesse dessa proibição e a Budweiser com certeza não teria patrocinado o evento.

Por fim, chama a atenção a antipatia pelos anfitriões. Ao contrário do que vimos em outras Copas, como a da África do Sul (Bafana-Bafana plays good), o mundo todo parece estar torcendo contra o Catar. O país conta com a antipatia mundial, provavelmente por toda a questão dos direitos humanos violados, que falaram mais alto do que nossa vontade de torcer para o mais fraco para ver uma zebra.

E acho justa a antipatia, até mesmo pelo futebol que apresentou: uma seleção que, além de despreparada, conseguiu a proeza de jogar horrivelmente mal mesmo tendo comprado jogadores de todos os cantos, fazendo com que eles se naturalizem catarenses (sim, o gentílico de Catar é catarense ou catariano, apesar de todo mundo falar “catari”). A propósito, a grafia recomendada para o nome do país em português é Catar, não Qatar.

Até aqui, dá para dizer que a Copa, como evento, não foi muito bem-sucedida. Até a FIFA passou vergonha. A FIFA se apressou a anunciar, antes da Copa, que quase todos os ingressos estavam vendidos, todo mundo esperava por estádios cheios, mas… não é isso o que se vê na transmissão do jogos. Fica parecendo que a FIFA está mentindo.

Por exemplo, a FIFA anunciou que 67 mil ingressos haviam sido vendidos para o jogo de abertura da Copa, Catar x Equador. Pessoas começaram a chamar a atenção para o fato de que o estádio onde aconteceria o jogo (Al Bayt) tinha capacidade para 60 mil pessoas e começaram a perguntar se 1) a FIFA mente ou 2) a FIFA vende mais ingressos do que lugares no estádio, comprometendo a segurança do local.

O que a FIFA respondeu? Ela modificou a capacidade do estádio para 68 mil torcedores. Uma Copa cheia de surpresas e modificações de última hora, não? Ainda assim, se você assistir ao jogo que abriu essa Copa, vai ver que, pela quantidade de lugares vazios, nem a pau 67 mil lugares foram vendidos.

O povo foi humilhar a FIFA em redes sociais, mostrando as fotos e dizendo exatamente o que eu disse neste parágrafo. A resposta? A FIFA alegou que os lugares vazios eram resultado da desistência de muitos catarenses que estavam com ingresso comprado.

Olha, se fosse desistência de turista eu até entendia, pois, como eu disse, muita gente ficou desapontada de não poder beber. Mas desistência do povo local? Gente que já estava com o ingresso na mão e não teria que pegar avião para ir ao estádio? Estranho.

O que pessoas que estão lá comentam em redes sociais é que venderam pouquíssimos ingressos e, para preencher os lugares vazios, estão pagando para populares locais irem fazer figuração (com direito a controlar sua entrada para ter certeza de que eles foram). Porém, no intervalo entre o primeiro tempo e o segundo tempo os portões do estádio são abertos e os figurantes acabam indo embora. Não os culpo, a maioria dos jogos está ruim de doer.

Para completar a chatice do evento, o brasileiro fez questão de levar a politização até o Catar e, como sempre, deu arma para vitimização. Você deve ter lido de passagem manchetes que diziam que “O cantor Gilberto Gil é vítima de agressões de bolsonaristas”. Quando eu vi a notícia, pensei “caramba, bateram no sujeito”.

Mas, vendo o vídeo, é possível ver alguns xingamentos e a ridicularização da lei Rouanet. Nós fizemos muito pior em Processa Eu. Se isso é agressão, nosso Processa Eu é tentativa de homicídio. Francamente, petista xinga para um caralho Bolsonaro e tudo e todos relacionados a ele. Se xingamento for agressão, eles também são agressores.

Tomara que esta Copa melhore, mas, até aqui, tudo que ela deixou foi uma sensação de estranhamento no ar.

Para dizer que só curte pelos dias de jogo do Brasil não trabalhados, para dizer que está torcendo para a Argentina (por favor pare, dá azar brasileiro torcendo para a Argentina) ou ainda para dizer que eu tenho inveja: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas:

Comments (22)

  • Sally… eu não pago o plano Premium do Desfavor, então jamais poderia estar te fazendo este pedido… mas o Desfavor da Semana TEM QUE SER o bananinha se divertindo na ala dos ultrapoderosos do Catar, enquanto os patriotários queimam o lombo nesse sol frenético que resolveu nos atormentar mais cedo este ano! Pense com carinho nisso, por favor!

  • Sally, se tu tá arrependida com o número de seleções que jogam nessa Copa e o futebol de bosta que apresentaram até agora, imagina em 2026. Vão ser 48 seleções. QUARENTA E OITO.

    Imagina quando as seleções que ficaram para trás nesta Copa começarem a se classificar e participar da próxima meramente por aumento das vagas?

    Vamos ter potências do futebol mundial tais como Emirados Árabes Unidos, Omã, Gabão, Benin, Cabo Verde, Panamá, Bolívia (ou mesmo a Venezuela), Ilhas Salomão, além de países europeus tipo Finlândia, Bósnia, Albânia ou Israel (que joga na UEFA sabe-se lá porquê…)

    Acho que vou pular sumariamente a primeira fase em 2026. Até porque vão ser só dois jogos por seleção, não se perde muita coisa.

    • “Israel (que joga na UEFA sabe-se lá porquê…)” A brasileira Aline Szewkies, que vive em Jerusalém e é casada com um israelense, explica neste vídeo no YouTube:

      https://www.youtube.com/watch?v=tbPtLZQNID0

      Ah, e 48 times é mesmo muita coisa para uma Copa do Mundo. Com o aumento para 32 o nível técnico já caiu muito. E pensar que a competição começou com apenas 13 participantes em 1930, porque muita gente não achava que um torneio internacional de futebol fosse dar certo e porque as viagens eram muito custosas…

    • Com certeza. Ontem saiu uma noticia dizendo que o Catar não está testando para covid. Quando não se testa, tudo é gripe.

      • Claro que não vai testar, e arriscar melar a copa do mundo que eles gastaram tanto pra ter??

        Pra mim, essa é a maior vergonha de todas, esse monte de país fechando os olhos pra isso. Do Brasil eu até esperava essa conduta, mas eu tinha esperança nos médicos das outras seleções…

    • É bom lembrar que a pandemia ainda não acabou e, mais que os times e as torcidas, quem deve estar mesmo fazendo a festa nessa Copa é o coronavírus.

  • Só uma correção, Sally: O número de seleções e jogos continuam o mesmo das copas anteriores, o acréscimo de seleções será feito só a partir da próxima copa (passará de 32 para 48).
    Dito isso, essa é disparada a pior copa que já vi!

  • Eu seria capaz de apostar como tem gente graúda brincando de tirar dinheiro grande com apostas. Essas zebras estão bizarras demais.

    Pra mim a coisa mais insuportável da Copa até o momento tem sido a forçação de >muié na Rede Globo, especialmente com o recalque que eles estão pelo fato da copa ser num país em que >muié não tem tanta liberdade. Mesmo a narradora profissional, que tem uma certa noção do que está acontecendo, visivelmente não tem um interesse genuíno naquilo que está fazendo e soa bem artificial em vários momentos. E além disso, a voz feminina em geral não combina com uma narração de futebol. Pior ainda quando chamam quem não entende nada do assunto.

  • Sobre o menino Ney, uma coisa é torcer pra se machucar e outra bem diferente é dar risada quando ele voluntariamente se coloca em situações em que vai tomar porrada. A consequencia é uma porrada que o deixa fora de alguns jogos e ai podemos comemorar que vamos ser poupados do marrento cai cai, além de ver outros bons jogadores tendo espaço.

    • Sim, existem graus: torcer para se machucar não é rir de quando se machuca. Ambos errados, mas em graus diferentes.

      Mas se a pessoa for coerente, tudo bem. O que não pode é em um dia dar um faniquito por alguém estar desejando uma doença para o Lula e no outro desejar que Neymar se machuque.

  • Já não é lugar-comum que sediar Copa dá mais prejuízo do que lucro? Por que os países ainda se submetem a isso?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: