Fat line. Do not cross.

Impressionante como as pessoas ainda insistem em fazer dietas malucas. Tenho certeza que nesta semana que se segue à Páscoa muita gente alucinada com o chocolate que comeu vai surtar em dietas sem noção, que no fim das contas farão mais mal do que bem. É essa mania de buscar sempre por resultados rápidos e fáceis, essa coisa “malandra” e “esperta” de querer sempre tomar um atalho. Pois adivinha só? Não funciona!

Quando passo nas bancas de jornal sempre vejo revistas de quinta categoria estampando frases estelionatárias na capa: “Veja! O Chá que derrete a gordura!” ou ainda “Alimentos que te fazem perder a barriga”. E neguinho deve comprar essas merdas, porque semana após semana elas voltam com novas “receitas milagrosas”. Você quer fazer uma dieta eficiente? Uma coisa séria, a longo prazo, com resultados para o resto da vida, que não comprometa sua saúde, mas que demande muito esforço? Ótimo, continue lendo. Se quer emagrecer naquele esquema da dieta do queijo, melhor nem ler.

Você sabe PORQUE você engorda? “Sei sim, Sally, porque eu encho o rabo de doce”. Não, leitora. Você entende o mecanismo que te faz engordar? Para fazer uma dieta sensata, é preciso entender um pouquinho do que acontece no seu organismo. E para escrever este texto de hoje, consultei meu médico nutrólogo. Sim, eu acho que as pessoas que querem mudar o próprio corpo, para ganhar ou para perder, não devem procurar um nutricionista e sim um nutrólogo. Medicina rules!

O nutrólogo é um médico que avalia as necessidades do organismo através da medicina: carência de nutrientes no organismo, causas de obesidade, alimentos indicados para quem tem infecções gastrointestinais e etc. O nutrólogo pode prescrever exames de sangue que você nunca sonhou que existiam, onde avalia suas deficiências alimentares de acordo com o seu objetivo. Pode receitar remédios ou suplementos alimentares se for necessário. Já o nutricionista se limita a recomendar os alimentos que você deve ingerir, PORÉM, não pode requisitar exames de sangue nem prescrever suplementos. Como é que um nutricionista vai saber se você tem deficiência de alguma vitamina ou outro nutriente sem um exame de sangue detalhado? Por essas e outras eu fico com o nutrólogo.

Eu poderia simplificar esta postagem dizendo que, salvo casos clínicos muito raros, emagrecer é matemática: gastar mais do que se come. Se você não vai se exercitar, vai levar uma vida miserável e não vai comer coisas gostosas. Se você vai se exercitar, vai levar uma vida miserável mas vai comer um pouquinho de coisas gostosas. Seus três principais inimigos são: GORDURA, AÇÚCAR E SÓDIO.

PESQUISE o que você está comendo. Estude. Porque alimentos que aparentemente são inofensivos podem estar recheados de um destes inimigos. Acha que não faz mal beber refrigerante ou mate diet, por exemplo? Pense novamente. A quantidade de sódio chega a dar medo. Eu sei, eu sei, eu tenho TOC com sódio. Falo mal do sódio desde os tempos do Orkut. Mas é que sódio detona qualquer dieta. Vai por mim.

Vamos à parte técnica. Como funciona o processo de engordar e emagrecer no nosso organismo? Aquela sua banha que tanto te incomoda é feita de tecido adiposo, que nada mais é do que um acúmulo de células de gordura. Uma célula de gordura, perdão pela simplificação grotesca, é como se fosse um pequeno saquinho que guarda uma gotinha de gordura do lado de dentro. Nossa quantidade de células de gordura vem sendo traçada desde a época em que estamos na barriga de nossas mães, mas se define na adolescência (ahh… a importância de malhar e comer direito na adolescência!). Uma pessoa normal tem cerca de 20 a 30 bilhões destas células babacas. Um gordo tem entre 60 e 80 bilhões. A quantidade depende basicamente de dois fatores: genética e hábitos alimentares. Sim, você pode fazer do seu filho um eterno gordo cheio de células adiposas babacas ou uma pessoa saudável. Depois dos vinte anos de idade, chora neném, porque seu destino está traçado. O número de celular está definido e não muda mais. É, é isso aí. Depois disso a quantidade de células adiposas não pode ser reduzida.

Não pode mesmo, com nenhum tipo de dieta. “Mas Sally, não tem como fazer com que elas morram, sumam, desapareçam?”. Não com dieta. Se você fizer dieta, elas apenas de “esvaziam”, “desincham”, o que faz com que você fique mais magra, mas TODAS as suas células de gordura continuam lá e aumentam novamente no seu primeiro vacilo. Para removê-las só na cânula mesmo, com uma lipo. E lipo, por si só, não resolve a vida de ninguém, vide Preta Gil, duas lipos, ainda baleia.

Estas células adiposas também não se multiplicam, como muitos pensam. No máximo se renovam em uma proporção de 10% ao ano (e as novas vem com uma capacidade maior ainda de inchar, por isso engordamos cada vez mais quando envelhecemos). “Mas Sally, as minhas se reproduzem! Eu não paro de engordar!” Não, não. Elas não se multiplicam, elas apenas aumentam de tamanho, ficam mais inchadas e isso faz você parecer maior. Não sou eu quem digo, é a revista Nature.

Então, não ache que venceu a guerra quando emagreceu. TODAS as suas células de gordura continuam lá, doidinhas para que você comece a comer errado novamente e elas possam inchar. Sacanagem? Não, mecanismo de evolução. Lá atrás, quando morávamos em cavernas e não sabíamos quando poderíamos comer novamente, esse mecanismo de armazenamento era muito útil: quem estocava mais no pânceps sobrevivia mais aos perrengues e longos períodos sem alimentos. Por isso, não raro nosso organismo “pede” por comidas engordativas. Ter um bom estoque é a garantia de que temos potencial para sobreviver. Quando começamos a emagrecer, nosso organismo entende isso como um sinal de alerta, algo como “fodeu, minha vida está em risco, há escassez de comida, seu vagabundo, vai procurar o que comer e estocar banha ou você matará a todos nós!”.

Daí quando você começa a fazer uma dieta radical e seu organismo emite o sinal deste “fodeu”, o que acontece? Se você insiste em não ouvir o chamado do seu corpo para comer algo que seja estocado no seu culote, seu organismo pensa “É, essa débil mental incompetente não está conseguindo ter acesso à comida, vou ter que reduzir o metabolismo, porque vem um período de crise por aí”. Mais ou menos como se cortassem seu salário pela metade: você teria que reduzir o custo de vida, para conseguir viver com menos, né? Com isso, o cretino do nosso organismo reduz nosso metabolismo e a gente passa a gastar menos calorias, ficando ainda mais difícil emagrecer! Ou pior: quando você sai da dieta, engorda muito mais, porque o organismo quer estocar o máximo possível com medo de outro período de privação vir por aí. Por isso, passar fome não é a solução, só piora as coisas. A menos que você consiga passar fome para sempre, coisa que eu não recomendo. O grande pulo do gato é fazer as coisas em conjunto com seu organismo, e não contra ele, para que ele não te sabote.

“Sally, estou com ódio do meu organismo! Não tem nada que eu possa fazer?”. Tem. Para “enganar” o seu organismo você precisa fazer o seguinte: se alimentar de três em três horas, religiosamente. Claro, comendo POUCO e comendo alimentos que não contenham gordura, açúcar ou sódio. Daí o organismo recebe alimento constantemente, respira aliviado, vê que não tem crise alguma e acelera o metabolismo novamente – e com isso você passa a queimar mais calorias e emagrecer com mais facilidade. Por isso, nada de ficar seis horas sem comer, com isso você está estimulando o processo de estoque e não de queima.

Gordura engorda. O próprio nome já diz. Nem preciso me estender muito. Gordura é pior que açúcar e sódio. E gordura não é apenas fritura. Tem gordura onde a gente nem imagina. Basicamente, se é gostoso, deve ter gordura. Tem gorduras que fazem menos mal do que outras, mas não se engane: todas engordam. O ideal é ingerir o mínimo recomendado pelo seu nutricionista, nutrólogo ou Dr. Google, apenas o essencial para sobreviver.

Vamos falar do sódio. Primeiro quero dizer que sal e sódio não são sinônimos. Por exemplo, 6g de sal equivalem a 2,4g de sódio. Uma coisa pode ter um gosto doce e ainda assim conter muito sódio. Portanto, ao comprar um alimento observe a quantidade de sódio. Alimentos congelados, enlatados, embutidos, em conserva e até biscoito recheados costumam ter alto teor de sódio. Sódio engorda? Bem, sódio não faz inchar aquelas células adiposas babacas, mas causa retenção de líquido significativa (além de trocentos problemas de saúde que não vem ao caso), a ponto de te impedir de entrar em uma calça. Eu acho o efeito estético que o sódio causa pior do que o da gordura e do açúcar. A pessoa fica com aquele bracinho de bisnaga… toda inchada, toda flácida. Credo.

Quanto de sódio devemos comer por dia? A OMS – Organização Mundial da Saúde, recomenda que se coma até 2,5 gramas de sódio por dia. Pegue um pacotinho de miojo ou uma sopinha light em pó e verifique se atendem às recomendações da OMS. Mas por favor, não cortem todo o sódio da dieta, ele é necessário ao nosso organismo, em pequenas quantidades. Fique alerta e coma apenas 2,5 gramas de sódio por dia. Se conseguir… porque até a água que a gente bebe tem sódio. Aff

E o açúcar? Tão vilanizado… Quem leu livros como “Sugar Blues” tem vontade de nunca mais comer açúcar. Na verdade, o açúcar, na medida certa, não engorda. Simplificando de forma absurda, o açúcar nos fornece energia. Se a gente não gasta essa energia, ela é estocada na forma de gordura. O açúcar com certeza engorda menos que a gordura, tem menos calorias e pode ser “queimado” de forma mais rápida pelo organismo. Porém, se você colocar energia para dentro na forma de açúcar, é bom que a gaste, porque se não ela vira gordura. E tome cuidado com os adoçantes, porque dependendo da quantidade, eles podem engordar até mais que o açúcar e fazer muito mais mal à sua saúde.

Cuidado com o diet e o light. Alguns não compensam. Por exemplo, o chocolate diet, é muito bom para diabéticos, que não podem comer açúcar, mas é péssimo para a dieta porque contém mais gordura que os chocolates normais. Produtos light também podem ser vilões, pois alguns costumam ter mais sódio que os produtos normais. O que quero dizer é: não é porque é diet ou light que pode sair comendo sem critérios. Dieta não se faz comendo coisa diet e light, se faz comendo CERTO – e nem sempre esses alimentos são os corretos.

O alimento LIGHT, por exemplo é aquele que tem uma redução de, no mínimo, 25% de algum nutriente. Agora eu pergunto, para fins de dieta, adianta ter uma redução de 25% de sódio e ter uma quantidade enorme de gordura ou açúcar? Não! Não são todos os lights que prestam para dieta! Não se sintam autorizados a sair comendo só porque é light! Pode ser light e ser cheio de calorias, às vezes até com mais do que o original.

Também é muito comum que os fabricantes coloquem as quantidades destes vilões de uma forma que confunde o consumidor: um pacotão de biscoito pode trazer as informações nutricionais a respeito de apenas dois ou três biscoitos dizendo que é “por porção de Xg”. Muitas vezes a informação não corresponde ao todo. Porque? Porque extrapolaria a quantidade máxima que pode ser consumida por dia de algum nutriente e ficaria muito feio dizer que se comer um pacote inteiro do produto deles, você vai fazer mal à sua saúde. Fique esperta.

Sem contar quando eles escondem a presença de nutrientes. Você pega um pacote e não encontra nada dizendo que contém açúcar. Você come feliz, porque desconhece os trocentos sinônimos para açúcar que estavam na embalagem, como por exemplo xarope de milho, melado, açúcar invertido, maltodextrina, dextrose, frutose, sacarose ou outros. Ainda colocam uma frase cretina: “sem adição de açúcar”. Quer dizer, não acrescentaram MAIS açúcar naquilo que já continha AÇÚCAR PRA CARALHO

Como estas, existem outros milhões de escrotices que neguinho faz para vender alimentos que no final das contas, engordam e/ou fazem mal. O que eu quero dizer com isso? Que para fazer uma dieta inteligente e eficaz, ou você estuda pra caralho para saber o que pode comer ou então evita essas porcarias industrializadas. Eu sei que é foda arrumar tempo para cozinhar, mas na medida do possível, o ideal é comer coisas que não venham enlatadas, congeladas, empacotadas ou semi-prontas. Nas grandes refeições, um restaurante self-service te salva: legumes, verduras, uma carne branca grelhada. O problema é comer de três em três horas coisas sem sódio, açúcar ou gordura. E é aí que a maior parte das pessoas se fode na dieta. Foco nestes pequenos lanchinhos, porque é aí que você vai ter que dar o seu jeito.

Eu sou maluca, ando com uma bolsa cheia de tupperware com pequenas refeições. Porque quando você se acostuma a comer de três em três horas, literalmente passa mal quando passam três horas e um minuto. Alimentos como cereais integrais sem açúcar, frutas não engordativas, atum light, activia e outras coisas sem graça estão sempre na minha bolsa (isso porque eu malho muito, se não nem isso eu poderia comer). Destaque especial para a dupla mais nojenta: a porra da quinua real e a bosta do omelete de clara de ovo com aveia. Ninguém merece.

Depois que você chegar no seu peso ideal, pode afrouxar um pouco, porém o básico deve ser mantido. Porque gordo SE É, não se está. É prisão sem grades, é manutenção para o resto da vida. Ou então optar por ser uma gordinha muito da feliz e bem resolvida e mandar este texto à merda, coisa que eu acho muito saudável. Escolha pessoal de cada um.

E nada de se achar gorda por causa dessas continhas matemáticas babacas de IMC (índice de massa corporal) e outros. Corpo humano não tem fórmula. Por exemplo, meu IMC é o de uma pessoa obesa e eu tenho atualmente apenas 9% de gordura no meu corpo (não façam isso em casa, não é saudável). Meu peso, para uma pessoa da minha altura, é tido como sobrepeso. A melhor forma de dizer se você tem que emagrecer ou não é um teste com um adipômetro (Pollock? Oi?), que mede a quantidade de gordura e músculo do seu corpo. Balança não indica nada, porque músculo pesa mais que gordura, então muitas vezes você emagrece perdendo gordura e ganhando músculo e o ponteiro da balança sobe, mas a cintura afina.

Para aqueles que querem emagrecer, eu indico musculação. Eu sei, seu sei, aeróbico é o queridinho de todo mundo. Mas aeróbico te faz queimar calorias naquela hora da prática e só. Com o aumento da massa muscular, seu corpo queima mais todo dia, toda hora, apenas para se manter vivo. Sim, porque o músculo “consome” a gordura para se manter vivo. A cada 500g de músculo que você ganha, consome mais 50 calorias por dia. Então, você queima quando malha e queima depois também, só para se manter vivo. Outro detalhe: na primeira meio hora de exercício não se queima gordura se queima carboidratos. Depois dessa primeira meia hora (para alguns, 40 minutos) é que se começa a queimar gordura. Então, é melhor fazer musculação 40 minutos e só depois fazer seu aeróbico (esteira, bicicleta ou outros), assim você já entra no aeróbico queimando a gordura, em vez de ter que correr feio um hamster duas horas para conseguir queimar alguma banha. E o corpo fica mais durinho, né gente? Porque ser magra toda mole é fácil.

Espero que depois de ler isso as pessoas entendam o tamanho do sacrifício que é se manter magra e avaliem se querem ou não esse tipo de vida. Caso não queiram, e eu acho que é muito saudável não querer tanto sacrifício, renunciem, em vez de ficar perdendo tempo e achando que vão encontrar uma saída fácil enquanto escaralham sua saúde. É menos frustrante renunciar e ser feliz cheinha do que ficar tentando e fracassando e de quebra detonando seu organismo.

Para os dodóis da cabeça como eu, que mesmo sabendo que é uma batalha eterna, só recomendo muita disciplina. Você vai passar por um período inicial que é muito chato, mas se isso é tão importante para você, vai valer a pena. Depois que você alcançar seu peso, tire um dia da semana para comer alguma coisa gostosa, se não fica impossível manter a dieta.

OBS: Para quem quiser aprender mais sobre alimentos, recomendo o livro “O que Einstein disse a seu cozinheiro – a ciência na cozinha”, de Robert L. Wolke, um professor de química que resolveu estudar a culinária do ponto de vista científico. É interessante, fácil de ler e tem umas receitas e dicas maravilhosas. Leiam os dois volumes. Não é um livro de dieta, é um livro para quem quer entender a química por trás dos alimentos e aprender a cozinhar melhor.

Independente de estética, lembre-se que muitas coisas que a gente bota para dentro cobrarão um preço alto vinte anos depois. Você é o que você come? Não, mas com certeza daqui há vinte anos você vai ser o que você comeu. A natureza é responsável pelo que você é hoje, você é responsável pelo que você será daqui há vinte anos.

Para dizer que você vai ficar com a dieta do queijo mesmo, muito obrigada, para dizer que você tem certeza de que na verdade eu sou gorda e para dizer que não precisava de tudo isso, bastava dizer que não pode comer nada gostoso se quer emagrecer: sally@desfavor.com

Não queria usar foto dos dois de novo... Não torra!

Recebi um comentário bastante desaforado sobre um comentário meu, onde eu dizia que o advogado de defesa do Júri dos Nardoni adotou uma estratégia que eu considerava furada. O comentário altamente ofensivo não foi aceito, mais a pedido do Somir do que por qualquer outro motivo, mas o desafio sim. A pessoa, Anônima, claro, me disse que eu sou uma bravateira e que não haveria qualquer forma, por melhor que seja um advogado, de inocentar nem ao menos um dos dois réus do crime de homicídio, me desafiando a mostrar o que eu diria para que eles não fossem condenados.

Tamo aí. Tamo junto. Vamos lá. Mas, como eu sei que vira e mexe baixa um analfabeto funcional cheio de energia para brigar com a gente, quero esclarecer que isto não traduz o que eu penso e que eu não estou de forma alguma defendendo o casal Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá. ACHO QUE ELES SÃO CULPADOS ATÉ A RAIZ DOS CABELOS E ACHO MUITO BEM APLICADA A CONDENAÇÃO, OK? O ponto que pretendo provar aqui é que o julgamento pelo Tribunal do Júri, por sete populares, é uma temeridade, pois o homem médio no Brasil é ignorante e influenciável.

Dito isto, limpem suas mentes e imaginem um julgamento do zero, como se este primeiro não tivesse existido e os jurados estivessem zerados, sem ver as contradições vergonhosas que os réus apresentaram. Tenham em mente também que eu escolheria os jurados com nível intelectual numa vibe meio Evelyn (sim, dá para saber sem eles abrirem a boca). E lembrem-se, vou falar SIMPLES, porque ninguém é obrigado a entender juridiquês, se fosse em um julgamento efetivo eu faria algo bem mais rebuscado, principalmente tendo acesso aos laudos periciais.

TUDO QUE FOR DITO DAQUI PARA BAIXO NÃO REFLETE MEU PENSAMENTO E TEM COMO ÚNICA INTENÇÃO PROVAR A TEMERIDADE DE UM JULGAMENTO PELO JÚRI.


Senhores Jurados, hoje venho aqui em uma missão difícil. Não estou aqui por dinheiro, pois como os Senhores sabem, defendo os réus de forma gratuita. Estou aqui porque acredito no que estou dizendo. Sim estou aqui para contar pela primeira vez uma história que acredito que deva ser ouvida por todos. Não preciso que vocês acreditem em mim. Preciso apenas poder contar esta história para sentir que cumpri meu dever e dormir com a consciência tranquila. Abram suas mentes e ouçam com o coração o que tenho para lhes dizer, ainda que ao final vocês optem por não acreditar em uma palavra. Só quero falar, não quero convencer.

Sim, aconteceram coisas horríveis. E sim, por incrível que pareça, eu acho que ambos devem ser condenados. Entretanto, condenados no limite de suas condutas, que passo a narrar para vocês. Procurem me dar um voto de confiança, porque eu não sujaria meu nome em troca de nada.

Se vocês me perguntarem se eu simpatizo com Alexandre Nardoni e com Ana Carolina Jatobá, eu responderei que não. Eu não seria amiga do casal. Eu não os convidaria para frequentar a minha casa. Sequer acho que sejam boas pessoas. Porém tenho claro que não basta o fato de que eu não goste deles para justificar uma condenação. A lei me diz isso.

Vamos aos fatos. O casal retornava para casa de carro após ir ao supermercado. Alexandre ao volante e Ana Carlolina no banco do carona. Isabella no banco de trás. Foi quando, em função de um desentendimento, Ana Carolina começou uma briga com Isabella. A discussão aumentou quando Alexandre estacionava o veículo. Ana Carolina, muito nervosa e irritada com a criança que chorava e gritava sem parar, se descontrolou e a sacudiu violentamente e com este gesto a menina Isabella acabou batendo com a cabeça e se machucando seriamente (e aqui, eu teria acesso ao enorme laudo pericial e poderia dar detalhes compatíveis com as agressões sofridas sem me contradizer).

Machucada, Isabella sangrava muito. Qualquer um de vocês, Senhores Jurados, sabem que qualquer corte na região da cabeça provoca extenso sangramento. Ao sacudir a menina também foram provocadas outras lesões. Em decorrência destas agressões, a criança desmaiou. O que eu penso de um adulto que espanca uma criança? Que não presta. Eu acho que Ana Carolina Jatobá não presta. Repito: NÃO PRESTA. Entretanto, ela não matou Isabella. Mas merece ser punida – e será – pelo crime que cometeu. Espancar uma criança merece punição, e punição exemplar.

Ao longo da briga, Alexandre estava estacionando o veículo e também gritava e procurava acalmar Ana Carolina. Em certo ponto, ele empurrou Ana Carolina para que ela solte a menina, o que fez com que Ana Carolina deixasse a menina cair no chão por ter se desequilibrado com o empurrão. Ao final desta cena de briga, Alexandre Nardoni se depara com a seguinte cena: sua filha, caída no chão, desacordada e sangrando.

O que vocês fariam se seus namorados ou suas namoradas agredissem seu filho ou sua filha? Com certeza todos saberiam se posicionar para defender uma criança indefesa. Alexandre Nardoni não o soube fazer. Eu acho que isso faz dele uma má pessoa. Um lixo de pessoa, para ser sincero. Mas faz dele um homicida?

Ao ver sua filha desacordada, sangrando muito, com o corpo flácido no chão, Alexandre se desesperou. Começou a gritar com Ana Carolina, dizendo que ela tinha matado sua filha. Todos os depoimentos nos provam que Ana Carolina sentia ciúmes de Isabella e não raras vezes competia e brigava com a menina. Os depoimentos também mostram que Ana Carolina tem um histórico de descontrole emocional. Ao ouvir Alexandre gritando que a vida deles havia acabado e outras frases de desespero, Ana Carolina começou a gritar de volta. Começou um bate-boca. Alexandre disse a Ana Carolina que ela seria presa, ao que ela respondeu que ele também seria preso, por omissão, uma vez que estava presente e não fez nada.

Alexandre começou a chorar, desesperado. Ana Carolina, com uma frieza incomum, afirmou que o estrago estava feito e que se eles contassem a verdade, que tinha sido um acidente, que ela não tinha a intenção de matar Isabella, acabariam os dois presos. Ela teria efetivamente dito “Acabou, ela está morta, vamos decidir o que fazer porque a vida dela acabou mas a nossa continua” .

Eu sei que provavelmente eu e vocês faríamos diferente. Faríamos a coisa certa. Chamar a polícia? Dar uma porrada em Ana Carolina? Sentar e chorar? Cada um de nós reagiria de um jeito. Difícil prever como alguém vai se comportar em uma situação de pressão como esta. Quantas pessoas juram que jamais reagiriam a um assalto, por exemplo, e quando chega a hora reagem? Fácil julgar, difícil prever. A verdade é que nós achamos que vamos reagir de tal jeito, mas muitas vezes na hora da verdade a reação que aparece é outra. E a reação de Alexandre Nardoni foi péssima.

Ambos alegam que verificaram o pulso de Isabella e sua respiração e ela parecia morta. Não tem como confiar em dois leigos medindo sinais vitais, ainda mais em um estado de tensão como aquele. Mas eles realmente acreditaram que ela estivesse morta. Vide a maneira como a transportaram, de forma displicente, pingando sangue pelos corredores. Ao chegar no apartamento, Alexandre telefonou para seu pai e relatou brevemente o ocorrido. Seu pai reforçou o sentimento de, desculpem a expressão, “você está fodido” e sugeriu que ele “desse um jeito” de disfarçar o que aconteceu, porque seria condenado junto com Ana Carolina. Alexandre começou a chorar, ao que Ana Carolina lhe disse que aquilo não era momento, que depois ele teria tempo para chorar a morte da filha, mas que agora precisariam agir porque se não ele choraria a morte da filha na cadeira.

Aos gritos, Ana Carolina mandava Alexandre pensar em alguma coisa. Alexandre chorava. Foi quando Ana Carolina sugeriu que eles simulem um assalto. E assim foi feito. A grade do quarto de Isabella foi cortada e Ana Carolina mandou Alexandre jogar a menina pela janela. Alexandre chegou a segurar o corpo inerte da menina, mas desistiu, chorando muito dizendo que não poderia fazer aquilo. Ana Carolina tentou levantar a menina e atirá-la, mas não conseguiu. Gritou novamente com Alexandre, dizendo que era muito triste que a filha dele estivesse morta, porém eles estavam vivos e precisavam agir rápido. Aos gritos, pressionado, Alexandre atirou o corpo da menina pela janela.

Um horror. Um verdadeiro horror. Eu sei, provavelmente vocês nunca fariam uma coisa dessas. Mas pessoas fazem coisas estranhas quando estão acuadas pelo medo, quando estão tomadas por violenta emoção, quando estão em choque. E vamos combinar, esse crime não teve nada de frio e premeditado, vide a burrice da estratégia montada! Gente, eles nem sequer se deram conta, no desespero do momento, que seria impossível alguém ter entrado no apartamento no pouco tempo em que demoraram para subir! E que ladrão entra em uma casa, não rouba nada e apenas joga uma das crianças pela janela? Isso parece coisa de um assassino frio, que premedita, ou coisa de uma pessoa desesperada e acuada? Homicidas planejam com cuidado. O que aconteceu foi um ato de pavor e desespero.

Para piorar, devido ao caráter emergencial dos fatos, foi constituído um advogado com urgência sem muitas referencias. Este advogado orientou os réus, a meu sentir, de forma equivocada, a mentir no depoimento na delegacia. Alexandre teria conversado com o advogado e contado a verdade. Depois implorou que o advogado o ajude a não ser preso. O advogado então teria dito que se ele não queria sair preso de lá, teria que negar tudo, que bastava ele negar que se “daria um jeito”. Sim, o advogado disse que ele “daria um jeito”. Leigo e desesperado, ele negou tudo e seguiu a orientação equivocada de um dos muitos advogados sem caráter que hoje estão no mercado. E, acreditem em mim, ambos se arrependem muito disso. Qual foi o jeito que o advogado deu? Pegar os honorários e renunciar ao processo. Perdão pela expressão, mas fodeu com os dois. Orientou mal e depois desistiu do caso. Canalhice. Então, ao se perguntarem porque eles mentiram, pensem no medo e no advogado que os fez mentir. Mentiram porque confiaram em um péssimo profissional.

Repito: não estou dizendo que eles sejam vítimas, nem santos. Santos? Há! Nem boas pessoas eles são. Agiram mal, muito mal. Mas o fato de serem pessoas escrotas não quer dizer que devam ser condenados por nada além do que cometeram. Quando Alexandre Nardoni jogou sua filha da janela ele acreditava que ela já estivesse morta. E só deve ser condenado por homicídio triplamente qualificado caso vocês, Senhores Jurados, tenham certeza absoluta de que ele sabia que a filha estava viva e optou por matá-la deliberadamente desta forma.

Vocês não acham, Senhores Jurados, que um pai que quer matar sua filha de forma propositada arrumaria uma forma um pouco mais discreta de fazê-lo? Sinceramente… começar a espancar uma criança na garagem da casa, local onde transitam pessoas! Subir com um corpo inerte e sangrando no elevador… podendo ser vistos por qualquer pessoa! Fica meio evidente que ninguém pretendia matar a criança ali, se quisessem matar o fariam em um local longe da vista de terceiros! Jogar a filha pela janela? Quer coisa menos discreta do que isso? Se a intenção fosse MATAR, ele teria matado, dentro do apartamento, de uma forma bem mais discreta.

Segue uma lista de sites, comunidades de rede de relacionamentos e outras matérias disponíveis na internet onde se reproduzem mais de cem formas de cometer homicídio e fazer parecer um acidente. Substancias que não são identificáveis pelos peritos e outros detalhes disponíveis a qualquer pessoa com computador. Sim, hoje na internet temos disponíveis diversas formas de matar que sequer deixam rastros para os peritos. Qualquer coisa teria sido melhor: simular um vazamento de gás, dar remédios que não deixam vestígios… qualquer coisa! Jogar pela janela não á atitude de pai que quer matar a filha, é atitude de um imbecil desesperado que quer acobertar um acidente, fruto de sua incompetência, falta de hombridade, negligência e omissão.

Eu sei que vocês estão sentindo ódio deste casal. Eu também sinto. Porém, Senhores Jurados, vocês estão aqui como aplicadores da lei. Não estão aqui para tomar decisões com base na emoção, no clamor popular ou em seus sentimentos pessoais. E no Brasil, Senhores Jurados, vigora o princípio de, na dúvida, não condenar o réu. Não sei se os senhores concordam com isso ou não, mas ainda que não concordem, isso não os autoriza a decidir de forma diferente. Os senhores estão aqui para aplicar a lei, a lei tal qual manda o ordenamento jurídico do nosso país. Ou por acaso alguém aqui acha que pode ser aplicada prisão perpétua ou pena de morte, só por ser o desejo dos jurados? Não Senhores! Os Senhores devem decidir de forma justa, respeitando as normas do nosso ordenamento jurídico, e apenas condenar no homicídio doloso triplamente qualificado se tiverem a mais absoluta e inequívoca certeza de que este casal matou a criança de forma propositada, deliberada. Quem quer matar o faz desta forma tão escandalosa? Em um local tão público? Quem quer matar, toma muito mais cuidado.

E não estou aqui bancando a advogada canalha não. Não quero empurrar teses babacas goela abaixo de vocês, isto seria subestimar a inteligência dos Jurados. Acho sim que eles devem sofrer condenações, inclusive nas penas máximas, pois o que fizeram foi muito, muito, muito grave. Lesão corporal seguida de morte, omissão de socorro e todos os demais crimes decorrentes de suas condutas. Como eu disse, os senhores não podem inventar uma lei, tem que decidir com base na lei que existe e vigora em nosso país. E a nossa lei adota a chamada “Teoria finalista da ação”. O que isso quer dizer? Que para se classificar o crime não se leva em conta o resultado em si, e sim a intenção do agente. Qual foi a intenção deles? Matar deliberadamente jogando uma criança pela janela de sua casa, ou encobrir um acidente em um ato de desespero?

Portanto, para que vocês me digam se houve homicídio doloso, ou seja, se eles queriam, de caso pensado, propositadamente, matar esta menina através destas condutas, eu preciso que vocês me respondam se acreditam que, quem deliberadamente resolve assassinar a própria filha o faz de uma forma tão espalhafatosa, tão pública e tão grotesca. E se vocês não tiverem certeza ABSOLUTA, sem qualquer sombra de dúvidas, de que sim, eles optaram por espancá-la na garagem de sua casa e depois jogá-la pela janela para matá-la, não podem, por expressa determinação legal, condená-los por homicídio doloso.

Eu sei que a justiça, os jurados e este Tribuinal sairão desacreditados se a morte desta menina passar em branco. Não estou pedindo isso. Estou pedindo para que sigam a lei e me digam se acham que a intenção era a de matar de forma deliberada e se tem certeza absoluta disso. Eles tem sim que sair condenados, porque afinal, cometeram um homicídio – porém culposo e não doloso.

E os senhores não acharão nada no laudo pericial que desminta esta versão, pois é a versão verdadeira. A promotoria diz que os réus são manifestamente culpados, entretanto gastou uma fortuna para provar. Se fosse tão obvio, esse circo todo não seria necessário. Eles querem sangue, querem circo, clamor popular, Senhores Jurados! Não se deixem seduzir e façam o que sua consciência mandar. O voto é seu, e é secreto! Ou vocês acham que eles apresentam maquete de trinta mil reais – paga com os nossos impostos – em todos os casos que atuam? Decidam conforme a sua consciência, pois é ela que vai atormentá-los depois, caso condenem alguém sem absoluta certeza!

Agora, Senhores Jurados, que contei a minha história, deixo nas mãos de vocês. Não quero convencer ninguém, apenas queria ser ouvida, honrar a classe dos advogados, limpar nosso nome da canalhice que meu colega fez com estes réus. A verdade liberta e a mentira escraviza. De posse destas informações, os senhores decidam conforme a sua consciência, e apenas condenem se houver certeza absoluta da intenção propositada de matar daquela forma bizarra e pública. O que não podia acontecer é que a verdade nunca viesse a tona. Agora ela veio e cabe aos Senhores a decisão. Homicídio culposo? Lesão corporal seguida de morte? Omissão de socorro? Senhores Jurados, está em suas mãos. Agradeço a atenção.


Voltando a ter caráter novamente… Olha, não vou dizer que eu levava esse Júri, mas com certeza não levava uma sova de sete a zero na condenação. Além disso teria duas horas para falar (esse texto não traduz nem dez minutos!), poderia usar meu juridiquês e teria mais argumentos para encaixar na minha tese, pois teria acesso aos autos e aos laudos periciais. Garanto que eu colocava uma pulguinha atras da orelha de alguns dos jurados. Acho que ele eu absolvia de homicídio e ela ficava na lesão corporal seguida de morte, com pena entre 4 e 12 anos, ou seja, já cumpriu 2 anos, ficaria mais 2 ou 3 anos presa. Deram mole.

Perceberam porque eu critico o Tribunal do Juri?

Para dizer que nunca mais na vida confia em mim e/ou nos meus argumentos, para dizer que deveria ter teste de Q.I. para ser jurado e para dizer que nem leu porque não agüenta mais esse assunto: sally@desfavor.com

Chave do cinto de castidade.

Ou: Maldita estabilidade social!

Não deu na mídia: A Islândia baniu todos os clubes de strip-tease em seu território. E está de olho na proibição da prostituição. Eu gostava tanto da Islândia… (Ok, eu gostava da Björk. Acho que ainda gosto, não sei a opinião dela sobre o assunto, então vou deixar essa opinião na espera.)

Será que a Islândia estava preocupada com o consumo de drogas e álcool, com doenças venéreas ou mesmo querendo combater alguns crimes paralelos ligados aos clubes? Os três criminosos do país (dois por vadiagem e um por tentar fazer sexo com uma maçaneta em público) devem estar desesperados…

Será que um país com um dos melhores índices de desenvolvimento humano do planeta, um dos países com a menor desigualdade social do mundo… Será que esse país estava preocupado com melhores oportunidades de carreiras para suas meninas?

Alguém poderia explicar por que diabos um país “rico” (pelo tamanho) e igualitário resolveu enfiar a mão no direito de adultos verem outros adultos nus em locais reservados?

Johanna Sigurdardottir pode. A mulher do sobrenome interminável é a primeira-ministra de um dos países mais igualitários NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE em relação aos gêneros. A divisão de cargos de poder no país é basicamente idêntica entre homens e mulheres, há tempos.

Tirando o frio da porra, a Islândia é um dos melhores lugares do mundo para se nascer mulher.

Avançado, né? Eu também achava. Achava o máximo um país moderno, igualitário e pouco religioso. Mas muito tempo de estabilidade social parece influenciar negativamente a mente dos líderes políticos.

Johanna é a porta-voz da primeira tentativa de um país (civilizado) para fechar de vez sua indústria do sexo. Sim, porque a lei que proíbe os clubes de strip-tease também proíbe que QUALQUER PESSOA lucre com a nudez de seus funcionários.

Será que a Islândia foi tomada por uma ditadura muçulmana xiita? Que nada. A motivação da lei é feminista. A idéia é que os homens deixem de ver as mulheres como objetos à venda. Mais ou menos como se lutar contra a atração sexual fosse uma forma de aumentar o respeito entre as pessoas.

Como eu já bem disse, a Islândia já é um país igualitário. As mulheres já tem poder por lá. E aparentemente a igualdade é tanta que até elas tem merda na cabeça. Se você é do tipo de pessoa que acha bacana uma lei feminista, ainda mais depois de milênios de opressão masculina, eu vou te chamar de desperdício de oxigênio, mas vou tentar mostrar os motivos do meu desprezo pelas suas idéias.

Algumas pessoas, como eu, acreditam no conceito de justiça. E uma das melhores formas de saber se você é uma pessoa que acredita e valoriza a justiça é responder a seguinte pergunta:

Um crime justifica o outro?

Se você está tentando, por qualquer caminho, justificar alguma resposta positiva para essa questão, sinto informar que você não reconheceria justiça nem se ela fosse assassinada na sua frente.

Não, um crime jamais justifica o outro. Vingança não tem NADA a ver com justiça. Vingança é o que é. Vingança nem mesmo precisa de um crime. Assuma que quer e gosta de ver outras pessoas sofrendo por te fazerem sofrer e aceite suas responsabilidades decorrentes disso. (Eu me vingaria em N casos, mas não quero fingir que é justiça. É satisfação pessoal.)

O machismo não tornou o mundo mais justo. Porque o feminismo o faria? Medidas políticas feministas são uma forma de vingança institucionalizada. E o conceito de Estado vingador me dá asco, na melhor das hipóteses.

Mas nem precisamos ficar no campo do idealismo. A prática mostra que o machismo nem mesmo foi muito útil. Oprima metade da população mundial e ganhe de brinde uma evolução social meia-boca. Embora eu ainda mantenha que a capacidade masculina de enxergar e resolver problemas não tenha paralelo na porção feminina da nossa espécie, imagine só quantas mentes brilhantes e ÚTEIS ficaram caladas até hoje?

Sem contar que a maior habilidade feminina no campo social e emocional (e eu excluo vocês dessa, histéricas) poderia ter nos evitado muitos problemas e acelerado a evolução intelectual média da espécie nesses milênios.

Quando a agressividade natural masculina moldou a sociedade, ficamos “mancos” em vários aspectos. Resolveu alguns problemas, criou outros. Agir de forma tendenciosa em relação a um gênero passa longe de ser a solução ideal. NÃO APRENDEMOS ISSO?

Não. Claro que não. A culpa de tudo é dos outros.
Se muitas mulheres são tratadas feito objetos, a culpa é dos homens. E os homens tem que deixar de ver seios à mostra para compensar isso. Brilhante! Vai resolver muita coisa. As mulheres vão saber que outras mulheres não podem mais dançar peladas em clubes fechados e vão desenvolver a cura para o câncer! É assim que funciona, não? Foi isso que fez os homens terem vantagem na sociedade… Certo?

Mas nenhum governante é burro o suficiente para entregar o ouro assim. Claro que tem uma desculpinha para não dizer que é só uma medida feminista. Dizem que a maior parte das strippers islandesas são imigrantes pobres. Não duvido disso, já que a mulherada de país pobre sai mesmo para tentar a vida, seja como for, em países ricos. E justamente por essa imigração “indesejada”, houve um aumento no consumo de drogas e criminalidade ao redor desses locais.

Então, é só proibir que mulheres ganhem dinheiro com sua nudez e o problema diminui? Alguém avisa isso aqui no Brasil. Se são os homens que gostam de ver mulher pelada que criam todos os problemas sociais, está explicada a nossa situação social absurda. O que não falta aqui é peito e bunda de fora pra tudo quanto é lado.

Pena que outros países onde os problemas sociais são mínimos também adoram peitos e bundas de fora pra tudo quanto é lado. Não precisa nem sair do frio, é só andar um pouco e chegar na Escandinávia. Suécia e Noruega não são conhecidas pelo seu recato.

Pena que países que também proíbem a nudez feminina tendem a ser teocracias miseráveis que tratam mulheres feito incapazes. Seres que não podem escolher se querem ou não ganhar a vida utilizando seus corpos.

Da mesma forma que eu disse naquele “Ele disse, ela disse” sobre a prostituição… Certeza que as imigrantes pobres vão seguir a carreira de Pesquisadoras e Gerentes de Multinacionais assim que não puderem mais balançar os seios num palco. É só isso que as impede. Tenha em vista que homens dificilmente podem ganhar a vida com sua nudez e são TODOS ricos e vivem vidas maravilhosas e dignas.

Viva as respostas mágicas! Elas nos ajudaram muito até hoje, não?

Ok, podemos tirar do caminho que a medida é estúpida e mal intencionada? O quê? Não acha que é mal intencionada?

Então você deve ter se esquecido que políticos tomam decisões para continuar no poder. Seja no Brasil, seja na Islândia. O costumeiro para quem vive num país patriarcal como o nosso é ver medidas que apóiem direitos femininos como esforços para tornar a sociedade mais igualitária. Mas imagine que você vive num país onde metade dos políticos tem que honrar os ovários… Um país onde conseguir o voto das mulheres não é apenas questão de fazer um discursinho piegas no dia 8 de Março.

(E não tenham a ilusão que políticos de países com eleições indiretas podem se dar ao luxo de não ter apelo popular…)

O poder das mulheres islandesas só permite que políticas ganhem a simpatia de eleitoras na base dos resultados concretos. E com uma base tão agressivamente feminista como a de lá, é de se imaginar que a medida seja para “eleitora ver”. É a boa e velha disputa agressiva para ver quem leva mais vantagens. Política profissional. (E em país europeu rico, políticos anti-imigração sempre ganham alguns votos extras… *piscando*)

Trocando seis por meia dúzia? GRANDE EVOLUÇÃO, HEIN? Para ficar claro: Machistas e feministas são pessoas burras, limitadas e que só agem em benefício próprio. Um ser humano que tenta limar a qualidade de vida de pessoas cuja diferença essencial se baseia em características inatas é o tipo de pessoa que deveria estar puxando uma carroça para ter alguma utilidade na vida.

Machistas, feministas, racistas, xenófobos… Todos no mesmo saco. Eu tenho horror a essa gente. Grandes merdas que você tem um pinto ou uma buceta, isso não faz ninguém ser especial. Tem que MERECER. Tem que fazer por onde. Se vira, ninguém nasce merecendo mais respeito.

Vingança não é justiça. E impedir que homens possam gastar seu suado dinheirinho com uma stripper em seu colo soa como vingança. Daqui a pouco proíbem as ereções, já que elas são a verdadeira raiz do problema…

Pegar atração sexual para vilã da história e culpar um dos gêneros por isso foi justamente o que as religiões mais famosas do mundo fizeram para atrasar o desenvolvimento da humanidade e continuar no poder. Quando parece que finalmente o mundo começa a perceber isso, arranjam uma nova desculpa para foder com a população, e pior, não deixá-la gozar.

O mundo tende a um poder feminino cada vez mais presente. E é uma pena que as cagadas masculinas não tenham ensinado NADA para elas. O problema nunca foi o conjunto de órgãos genitais de uma pessoa, e sim o pouco uso do órgão que preenche o crânio. Táqueu.

P.S.: Sim, claro, eu sou machista e odeio as mulheres. Agora se mexe que essa carroça não vai se puxar sozinha!

Para dizer que estava com saudades dos meus textos raivosos e ofensivos, para dizer que não acredita que a Björk permitiu isso, ou mesmo para dizer que é só pobre mesmo que se fode em qualquer lugar do mundo: somir@desfavor.com

Boa, campeã!

Transexual, em um resumo bem simplificado, é aquela pessoa que possuí uma identidade de gênero diferente daquela que lhe foi atribuída no seu nascimento, apresentando sensação de desconforto, impropriedade ou inadequação em relação a seu sexo anatômico. É aquele discurso de ser “uma mulher presa no corpo de um homem” (ou vice versa). Não confundir com os homossexuais, que estão muito contentes com seus corpos, apenas sentem atração por pessoas do mesmo sexo (mil perdões pelas simplificações banalizantes, é que tenho um limite pequeno de páginas para escrever).

Transexualidade ainda é classificado como um “transtorno mental”, porém alguns países como a França já não encaram mais a transexualidade como “doença”, o que a meu ver, é um enorme avanço. Quem foi que disse que uma pessoa de fato não pode ter nascido com o sexo mental diferente do físico? Só porque não aconteceu comigo ou porque eu não entendo, não quer dizer que não exista ou que seja doença. Transexuais existem. Não adianta ficar discutindo aqui o que a gente acha ou deixa de achar da pessoa ser transexual. É uma realidade e é preciso lidar com ela. O foco da discussão não é o que nós pensamos dos transexuais e sim como lidar com a questão na prática.

E não é uma “novidade” dessa vida moderna, de uma geração “perdida” e “sem valores”. Eles existem desde sempre. Um imperador romano (salvo engano, seu nome era Heliogábalo) casou com um escravo e ofereceu metade do seu império para o médico que conseguisse modificar seu sexo cirurgicamente. Há fortes evidências de que o Papa João VIII era na verdade uma mulher travestida de homem. O rei Henrique III, da França, se vestia que nem mulher. Como este, tenho dezenas de exemplos para dar. Então, para aqueles que acreditam que se trata de uma “desgraça dessa nova geração”, pensem duas vezes.

Até mesmo em tribos isoladas da vida “civilizada” há relatos de transexualidade e até mesmo rituais de mudança de sexo. É inerente a alguns seres humanos, em qualquer época, em qualquer contexto social e antropológico. Só porque você não compreende, não quer dizer que não aconteça e que não seja real. Não é loucura da cabeça das pessoas, não é sintoma de doença, não é trauma de infância. É realidade. Pessoas nascem com uma personalidade de um sexo e corpo de outro.

Quando devidamente comprovada a condição de transexual, e por devidamente comprovada, estamos falando de um laudo médico, a lei brasileira autoriza que seja realizada uma cirurgia de Reatribuição Sexual (ou Redesignação Sexual). Entretanto, esta cirurgia só está disponível de forma satisfatória para os homens (sim, isso mesmo, corta fora). Não gosto do termo cirurgia de “mudança de sexo”, pois para os transexuais, eles não estão mudando de sexo, estão apenas corrigindo seus corpos, que não correspondem a suas mentes, suas almas ou qualquer outro nome que se queira dar. Para as mulheres, salvo engano, ainda não é possível realizar cirurgicamente a redesignação sexual.

Eu costumo brincar dizendo que os avanços da medicina são ótimos para a minha vida, mas para a minha profissão são um caos. Porque avanços médicos fodem com o direito. Criam uma lambança nas normas pensadas para situações onde estes avanços não existiam. Fico feliz que exista a cirurgia de redesignação sexual, mas ela criou uma série de dificuldades formais que passo a expor, e peço a opinião de vocês. Não vou entrar em termos técnicos nem aprofundar o assunto, porque isso aqui não é um blog jurídico. Vocês sabem o esquema do Desfavor: conversa como se fosse em uma mesa de bar.

O primeiro problema diz respeito à documentação da pessoa que fez a cirurgia de redesignação sexual. Um transexual chamado Wanderlei que faz a cirurgia e “muda” de sexo, evidentemente não pode continuar com um documento de identidade onde se lê o nome “Wanderlei”, porque puta merda, isso seria vexatório. Imagine o constrangimento que essa pessoa passaria. Imagine uma bela mulher de cabelos longos e seios fartos esperando em uma fila de um repartição pública qualquer, quando um funcionário chama “WANDERLEI DA SILVA!” – e ela tem que se levantar sob os olhares curiosos dos demais presentes. Não pode. Desumano, a meu ver. Acho que deve ser permitida a troca de nome nos documentos. E vocês?

Também me parece extremamente preconceituoso mudar o nome de Wanderlei para Wanderléia e dizer no documento que se trata de uma pessoa do sexo masculino. Daí sempre vem um espírito sem luz dizer que transexual não é mulher, porque não tem útero nem ovário. Ora, se for assim, uma mulher que fez uma histerectomia total deixa de ser mulher? Mudar apenas o nome e deixar o sexo como “masculino” fere igualmente a dignidade da pessoa, concordam?

Tem aqueles que dizem que pode mudar nome, pode constar como “sexo feminino” mas deve constar algum registro na documentação de Wanderlei dizendo que um dia ele foi homem. Porra, que constrangimento! Porque a pessoa se submete a uma cirurgia complicadíssima para se sentir mais adequada, se vai continuar marcada em seu documento de identidade? Acho um absurdo sujeitar uma pessoa a isso. Mas tem quem defenda que isso preservaria o resto da sociedade, numa vibe meio “não levar gato por lebre”. Geralmente são os homens que usam este argumento. Eles tem medo de um dia sair com a bela Wanderléia e depois de um tempo de namoro descobrir que ela já foi Wanderlei. Gente, vamos abrir a cabecinha? Nos apaixonamos por SERES HUMANOS. Faz tanta diferença se Wanderléia já foi Wanderlei?

Mais uma polêmica: o Estado deve disponibilizar esta cirurgia de forma gratuita? Na minha opinião, nem tem o que pensar. Se o Estado gasta rios de dinheiro tratando imbecilóides que VOLUNTARIAMENTE fumaram a vida toda detonando seus pulmões, POR PURA IMBECILIDADE E FALTA DE FORÇA DE VONTADE, porque não tratar alguém que não concorreu em nada para seu problema? O Estado gasta fortunas com gordinhos que enchem o cu de doce e acabam com artérias entupidas e diabéticos, por pura preguiça, mas não pode amenizar o sofrimento de alguém que não tem culpa de seu sofrimento? O Estado faz redução de estômago em pessoas que estão do tamanho do Balão Mágico porque não tem a força de vontade de parar de comer feito porcos e não quer gastar dinheiro com pessoas que estão batalhando para se adequarem à sociedade?

E tem mais um questionamento. Como eu disse, ainda não se inventou uma cirurgia de reatribuição sexual efetiva para mulheres que se sentem homens. Então, todas as mulheres transexuais estão condenadas a ter em sua identidade o nome de mulher, mesmo se vestindo e se sentindo como um homem? Mesmo fazendo tratamentos hormonais que as deixa com aparência de homem? Seria a cirurgia condição absoluta para a troca de nome na certidão de nascimento e na identidade? Isso criaria uma injustiça, porque todos os homens transexuais poderiam ter a chance de mudar de nome e sexo e as mulheres não, por culpa da medicina que não é capaz de lhes dar esta cirurgia.

Ao mesmo tempo, se a gente admitir a possibilidade de mudança de nome e sexo da pessoa sem a cirurgia, poderíamos criar a seguinte situação: Wanderléia, certidão de nascimento e carteira de identidade constando sexo feminino, tem pênis. Estranho. Ser injusto ou ser incoerente? Escolha difícil.

E vem mais um problema: Wanderlei tentou abafar sua condição de transexual por medo da reprovação social. Casou e teve filhos. Um dia, não agüentou mais sufocar sua verdadeira identidade e decidiu fazer a cirurgia de redesignação sexual. Depois de operado, mudou seus documentos. Como fica a certidão de nascimento do filho de Wanderléia? Seria correto mudar o nome do pai para um nome feminino? Isso é nocivo para a criança? Deixa como Wanderlei na documentação da criança e como Wanderléia na documentação do transexual? Não pode. Ou muda tudo ou não muda nada. Que porra é essa de uma pessoa ser mulher em um documento e homem no outro? O que fazer?

O Judiciária brasileiro vem aceitando adoção de crianças por casais em união homoafetiva. Então, se um casal de homossexuais pode adotar uma criança, constando na documentação da criança dois pais ou duas mães, porque não mudar o nome se o pai se mostrar transexual? Tem quem diga que isso iria expor a criança. Olha, quando seu pai usa salto 12, coloca silicone no peito, usa batom e corta fora o bilau, não tem muito como esconder essa transformação da criança, portanto, não sei bem se isso é algo do qual a criança possa ser “poupada”. É uma realidade, quanto mais naturalmente ela for aceita, melhor.

A lei brasileira ainda não tem respostas seguras para todas essas questões que eu coloquei. Os entendimentos variam. O certo é que se busca sempre preservar a dignidade da pessoa humana.

Eu sei que muitos de vocês estão torcendo o nariz para mim agora. Mas vamos ter um pingo de humanidade? Nada como se colocar no lugar dos outros para emitir uma opinião. Já pensou como deve ser DIFÍCIL PRA CARALHO você se sentir de um sexo e seu corpo ser de outro? Já pensou? Se muitos acham um tormento conviver com detalhes do corpo com os quais não se sentem bem, como um nariz feio ou seis pequenos, imagina a merda que é você não gostar do seu corpo como gênero?

Porque se uma patricinha não gosta do seu nariz de batatinha ela pode ir ao cirurgião corrigir seu nariz de porquinha (a ainda ostentar isso), enquanto que uma pessoa que sofre uma sensação de inadequação mil vezes maior não pode ter um conforto para amenizar seu sofrimento? E muitas vezes nem mesmo a cirurgia ameniza o sofrimento, é necessário mais para uma vida minimamente digna: cirurgia + mudança de toda a documentação, sem que conste em nenhum lugar nenhum registro de que um dia a pessoa foi do sexo oposto.

Daí vem sempre alguém dizer que não podemos brincar de Deus e que se começarmos a mudar o sexo assim vamos acabar criando situações aberrantes. Primeiro que a gente brinca de Deus o tempo todo. Se a medicina não brincasse de Deus, eu mesma não estava aqui, teria morrido aos 25 anos. Mantemos vivas pessoas que, pelos ditames da mãe natureza, deveriam estar mortas. Modificamos corpos até que percam sua aparência humana (Michael Jackson? Oi?). Escolhemos características de bebês geneticamente, criando um supermercado de gente… etc, etc. Mas, na hora de conferir condições dignas a um ser humano em sofrimento por não se sentir adequado a seu gênero, as pessoas pedem moderação? Não, por favor não. Não posso com esse discurso.

“Mas Sally você gostaria que mudassem o sexo ou o nome do seu pai na sua certidão de nascimento?”. Se meu pai se vestisse como uma mulher, falasse como uma mulher, e se sentisse como uma mulher, SIM, POR FAVOR! Ou por acaso eu quero estar com meu pai, uma loira gostosa, no aeroporto na fila do embarque e ouvir alguém chamando ele de Wanderlei?

Já vi gente propondo criar um terceiro gênero de banheiro público além do Feminino e do Masculino: Transexual. Gente, se o homem CORTOU FORA O PRÓPRIO PAU, vocês acham mesmo que ele vai ficar manjando mulher no banheiro feminino? Tem dó de mim! A coisa tem que caminhar para a inclusão, para a compreensão e para a aceitação, e não reforçar a discriminação com um banheiro que mostra à sociedade que a pessoa é transexual!

Para aqueles que estão se contorcendo na cadeira e pensando que isso não é uma coisa “natural”, lamento. A cirurgia de redesignação sexual é uma realidade e vem sendo realizada no Brasil. Aceitem. Aceitem a escolha alheia. Pensem, sem dar nomes, classificar como “doença”, “aberração” ou qualquer outra definição preconceituosa. Apenas PENSEM NA SITUAÇÃO: você, se sentindo de um sexo, em um corpo de outro sexo. Pensem como deve ser difícil viver assim. O peso que essas pessoas carregam é por si só suficiente, não precisam de julgamentos, preconceitos e discriminação. E muitas vezes, mesmo com este complicador enorme, elas são melhores pessoas do que nós, aqueles ditos como “socialmente adequados”.

Façam um exercício de imaginação comigo. Supondo que todos pudessem modificar seus sexos e documentos de identidade. Supondo que você descobrisse hoje que a pessoa que você AMA já foi do sexo oposto. Você largaria essa pessoa? Se alguém respondeu “sim”, vou ficar muito desapontada.

O ser humano é complexo, é diverso, é inclassificável nesses rótulos fixos ultrapassados. Somos todos SERES HUMANOS, foda-se o que cada um faz com seu corpo ou com a sua sexualidade. Muito fácil julgar a sexualidade DOS OUTROS, quando esta se torna pública e a nossa continua privada. Se a sexualidade de TODOS fosse pública, garanto que descobriríamos que os heterossexuais também fazem coisas que podem ser objeto de preconceito e discriminação. Se a sua sexualidade, suas preferências, suas práticas, se tornassem públicas… será que parte da sociedade não te discriminaria? Pense nisso. E pare de jogar pedras naquelas pessoas cuja sexualidade se tornou pública por total falta de opção.

Para dizer que nunca mais volta no Desfavor e depois voltar e ficar metendo o malho na gente, para dizer que transexual é quando se trata de uma pessoa da sua família, porque se for o vizinho é um viadinho e para perguntar ao Somir se ele anda feliz com os temas que eu venho escolhendo: sally@desfavor.com

sacou? sacou?

Fiz questão de me esconder neste carnaval, o que por um lado me ajudou a ficar longe da humanidade em um dos seus momentos mais baixos, mas por outro acabou me reapresentando a um desfavor que não tinha o “prazer” de encontrar há tempos: A TV aberta.

A Globo transmitia os desfiles… Uma das coisas mais enfadonhas e inúteis já mostradas numa tela. Aqueles carros alegóricos parecendo projetos escolares gigantes, apinhados de pessoas vestindo fantasias ridículas, sendo arrastados pela avenida ao som daqueles abortos sonoros conhecidos como sambas enredo deveriam ser criminalizados num país sério. Aliás, eu tenho a proposta ideal para o carnaval: Fazer tudo em computação gráfica e colocar vários telões por todo o país. Chama a Pixar que vai ficar bem feito! E mais barato.

Talvez valesse a pena pelas gostosas desfilando. Mas não focam o suficiente nelas para valer o sofrimento de ver toda a escola passando.

Lembrei da Bandeirantes e suas históricas coberturas dos bailes-suruba tradicionais nessa época (Fecha na Prochaska!). Infelizmente algum babaca na direção da emissora decidiu que era melhor filmar em detalhes o carnaval nordestino. Não que seja mais desfavor que o do sudeste, mas nem desculpa para filmar aquilo tem… É um bando de gente amontoada na rua, pulando de um lado para outro. Vai ver não queriam filmar nada muito pornográfico para não deixar um público ruim para a crentalhada que comprou os horários posteriores.

Que seja. No Brasil temos uma emissora tão chulé que faz até o SBT parecer refinado: A Rede TV! Certeza que lá estariam fazendo uma cobertura ridícula e recheada de “analângulos” de câmera das mulheres seminuas.

É safadeza, mas também é muito por gostar de programação televisiva assumidamente estúpida e apelativa. E meus caros leitores, foi exatamente o que eu recebi ao colocar no canal (no bom sentido…).

Agora era só relaxar e ver aquelas pautas ridículas permeadas de bundas. E para a minha surpresa, as bundas se tornaram justamente a parte ruim daquela experiência. Quase todas as “musas” eram exatamente iguais, e igualmente exageradas feito uma caricatura do gosto sexual masculino.

Numa sequência impressionante de entrevistas e takes IDÊNTICOS de metade da população “mulher-fruta” do país, a sessão de safadeza parecia mais uma sessão de circo dos horrores. Corpos disformes permeados por implantes que mais pareciam tumores fora de controle eram exibidos com orgulho pelas donas, e eram elogiados por repórteres falsos (duplo-sentido intencional) como se fossem o ápice da evolução estética feminina.

Uma das “musas”, radiante com seus implantes exagerados e artificiais, pedia para o povo valorizar os sei lá quantos metros cúbicos de silicone que algum açougueiro enfiou debaixo de sua pele… Ninguém teve coragem de dizer para ela que os peitos dela estavam quase quadrados e tão disformes que nem a pele parecia estar agüentando o peso exagerado? Será que ninguém avisa para essas antas que elas estão ficando cada vez piores?

Sim, homens gostam de seios fartos. Mas… tem essa frescura nossa de querer que PAREÇA um par de seios… Eu sei, eu sei, somos cruéis. Ficou relativamente barato, chegou a hora de tudo quanto é mulher sair aumentando os peitos para ficar mais “satisfeita” com o próprio corpo. Grande parte dos implantes ficam feios, sem harmonia com o corpo e deixam a mulher com um layout meio atriz pornô. Antes um peitinho bonito do que um peitão feio…

Mas caso isso ainda soe como meu gosto pessoal generalizado por pura arrogância, vamos trabalhar com uma idéia parecida no lado masculino da coisa. Homens são obcecados com o tamanho do próprio pinto. Não adianta as mulheres ficarem dizendo que não precisa ter uma sucuri dentro das calças, que pau muito grande é problemático, que um de tamanho médio bem utilizado é até melhor… Os homens são malucos e continuam achando que o importante na vida é ter um pau gigante.

(Como sempre, boa parte das preocupações estéticas dos gêneros não visa exatamente agradar o sexo oposto…)

A sorte de vocês, acomodadoras desses paus, é que não existe cirurgia simples (ou mesmo útil) para aumentar o tamanho da genitália masculina. Se fosse algo tão fácil quanto aumentar o peito com silicone, a mulherada já estaria reclamando da dificuldade de sentar.

Quando um homem começa a dizer que não é para ficar aumentando o peito na primeira chance que tiver, imaginem-se falando para um deles que ele não precisa aumentar o tamanho do pinto, e que na verdade isso tende até a ser pior para você.

Nós somos malucos, vocês também. A diferença é que ficou fácil para vocês exercer a loucura.

Voltando as garotas do programa…

A câmera obviamente abaixava e pegava o “fazedor de dinheiro” das mulheres-sei-lá-que-fruta entrevistadas. Enquanto elas rebolavam e o câmera tentava focar o sistema reprodutor interno das dançarinas, eu acabei percebendo que aquelas bundas eram feias. No contexto do corpo, não costuma ser algo incômodo, mas a bunda isolada ali… Eu imaginei uma mulher muito gorda com a mesma bunda. Não cabia ali.

A guerra pela maior bunda já passou, FAZ TEMPO, o que os homens tendem a preferir numa mulher. Virou uma disputa interna entre as novas candidatas a “sex-symbol de pobre”, sendo que as que nasceram com bundas desproporcionais ao corpo estão tentando preencher o resto do corpo para compensar.

Sério, era bunda DEMAIS ali. Quando cai a noção de “mulher gostosa”, surge uma bunda gorda no lugar. E na verdade é justamente isso: Os homens queriam bundas, o mercado percebeu uma oportunidade e começou a enfiar bundas goela abaixo de nós. Só que já deu (há!), saiu de controle.

São idéias totalmente mercadológicas. O cliente X gosta do produto Y. Se nós começarmos a vender mais Y, o cliente X vai gastar mais. O cidadão vai comprar sua batata frita média no fast-food e tentam empurrar para cima dele a super-jumbo-extra-grande. Não pode mais gostar de uma coisa, tem que gostar da versão exagerada.

E vejam só, o problema não é nem que a bunda seja grande demais para a mulher, afinal, isso fica muito bem se for uma CARACTERÍSTICA dela. O problema é justamente esse bando de maluca querendo crescer AO REDOR da bunda.

E isso nos leva a próxima parte… Para “preencher” o resto do corpo exagerado, tem que malhar, porque uma mulher assim só aumenta a bunda comendo mais. Uma mulher que malha e fica com o corpo bem definido com certeza tem seus (muitos) atrativos, desde, é claro, que continue parecendo uma mulher. A cintura ficou obsoleta! A cintura desse tipo de mulher é uma mentira, porque nada mais é do que o ponto onde a bunda gigante escapa do tronco.

Só que é um malhar meio… Meio artificial. (Sally que conhece direito os podres da indústria da maromba… Pode até dar nome aos bois.) Cresce tanto, tão rápido, e tão sem noção que acabam parecendo travestis. Aliás, uma das piores coisas que eu percebi naquela transmissão cretina de carnaval é que até os travecos entrevistados pareciam mais naturais! Se esse não é o fundo do poço, não sei mais o que vai ser. (Mulher-banana?)

Eu imaginei a evolução natural dessas mulheres…

wat

Com isso virando padrão de beleza, eu fico cada vez mais feliz de ser barangueiro! E eu falo de padrão porque todas eram mais ou menos parecidas.

Indo mais longe, e chegando na minha mania de perseguição da inversão de papéis sexuais (vou virar o Júlio Severo dos metrossexuais nesse ritmo), não deixo de acreditar que essas novas formas femininas são uma vacilada da macharada, que queria uma figura feminina mais forte para complementar a tremenda enfraquecida do homem tradicional na sociedade recente. Essa idéia de “cavala” atual é basicamente a idéia da amazona adaptada aos gostos masculinos.

Podem ser os malditos hormônios femininos na água, como teoriza Sally. Estou cada vez mais inclinado a acreditar.

Pra quê esse exagero todo? Eu sou da opinião (nem sempre popular) que mulher precisa ter O seu ponto forte de beleza. Tudo ao mesmo tempo é até meio chato. Num mundo onde todas as mulheres tem o mesmo cabelo, a mesma boca, o mesmo bronzeado, o mesmo peito e a mesma bunda, nenhuma delas mais é especialmente atraente. Eu nem estou falando muito de personalidade como ponto de diferenciação porque isso não é lá muito freqüente. (Nem entre os homens…)

E mesmo que todo mundo me ache um chato exagerado, eu já começo a campanha pela volta da CINTURA REAL no padrão de beleza feminino. É um absurdo que frouxidão masculina e lucros de um mercado “bundal” estejam fazendo esse estrago na beleza feminina. Já era um saco quando eram só os estilistas enfiando na cabeça da mulherada que ser anoréxica era algo bom.

Para me chamar de “viaaadooo” por não achar qualquer coisa com peitão e bundão bonita, para me dizer que eu mereço sofrer por ter visto Rede TV! Ou mesmo para falar que comia do mesmo jeito (dã): somir@desfavor.com