Pai Novo

Adamastor estava inconsolável. Por debaixo das lágrimas, seus olhos vagueavam fugitivos de qualquer contato visual com as pessoas que o cercavam. Cansara de ouvir “que pelo menos escapou vivo” ou mesmo “que aquela tinha sido a vontade de Deus”. A perna esquerda não encontrava posição confortável, mesmo não estando mais lá.

Repousado sobre o banco da igreja, sentia o membro fantasma: idêntico ao real nos problemas, inexistente no campo das respostas. Por vezes se pegava levando as mãos onde a perna fora amputada, na esperança de recolocá-la à força numa posição menos incômoda. Mas a perna estava perdida, fruto de um acidente na oficina que trabalhava há anos.

O grupo de pessoas que vieram acudir-lhe logo nas primeiras lágrimas se abre para a passagem do padre. Peito inflado, olhar seguro, o senhor vestindo a batina aproxima-se.

PADRE: Deus está com você.
ADAMASTOR: *soluçando*
PADRE: Tenha fé, meu filho. Tenha fé e você verá nada faltará para um filho Dele.
ADAMASTOR: E a minha perna, Padre?
PADRE: Foi a vontade de…
ADAMASTOR: Não termina a frase!

As carolas aglomeradas ao seu redor demonstram seu espanto em uníssono.

PADRE: Meu filho…
ADAMASTOR: Eu venho aqui toda semana, Padre! Eu trabalho para a Paróquia, eu doo meu dinheiro suado… Padre, eu faço o meu melhor para seguir todos os ensinamentos da Bíblia…
PADRE: Todos nós temos muito orgulho de você. Mas você precisa entender…
ADAMASTOR: Entender que quando eu mais preciso Ele vira a cara para mim?
PADRE: É normal se sentir assim, mas não desconte em Deus as frust…
ADAMASTOR: Eu ODEIO Deus!

Uma das senhoras mais próximas dá sinais que vai desmaiar. As mais próximas dividem-se em mais sons de desaprovação ou acudindo a que bambeava, incrédula com as duras palavras de Adamastor.

PADRE: Tudo tem limite! Não diga algo do qual vai se arrepender depois.
ADAMASTOR: Se Deus não vai fazer nada por mim, eu não ligo mais. Não é nada demais para Ele, se não vai refazer minha perna, ele é preguiçoso ou mal intencionado!

A expressão do padre muda, a complacência bondosa substituída por austeridade indignada em poucas flexões musculares da face.

PADRE: Preguiçoso? Mal intencionado?
ADAMASTOR: É isso mesmo! E… o que aconteceu?

Subitamente, tudo ao redor de Adamastor está suspenso, como se o tempo tivesse parado ao seu redor. As senhoras estacionadas no meio de seus movimentos, como se fossem estátuas. Suas expressões de reprovação congeladas. O Padre começa a emanar uma suave luz esbranquiçada.

PADRE: Você acha que eu te devo alguma coisa, criança?
ADAMASTOR: Ai meu Deus!
PADRE: Seu? Não, não. Você acabou de Me renegar.
ADAMASTOR:
PADRE: Mesmo depois de eu te dar a vida. Eu não preciso fazer nada por vocês, mas ainda sim faço.
ADAMASTOR: Você é… Deus?
DEUS: Arquiteto, construtor e zelador, em pessoa.
ADAMASTOR: Eu não… eu não imaginava…
DEUS: Vocês nunca imaginam. Não dizem que eu estou em todos os lugares? Eu sempre ouço.
ADAMASTOR: Mas por que você tirou minha perna?
DEUS: Não fui eu, foi uma máquina defeituosa e um carro de várias toneladas. Um acidente triste, mas um acidente mesmo assim.
ADAMASTOR: Você cura câncer, AIDS… por que não faz minha perna nascer de novo?
DEUS: Não é tão simples assim. Eu só posso interferir fazendo o que seu corpo tem condições de fazer. Quase todas as doenças podem ser vencidas pelo seu organismo sozinho, eu só ajudo em alguns casos.
ADAMASTOR: Mas você não pode TUDO?
DEUS: Sim.
ADAMASTOR: Então você escolhe não me ajudar aqui?
DEUS: Não conclua nada por minha conta. Não é bem assim…
ADAMASTOR: É exatamente assim!
DEUS: Como vocês vão aprender a resolver isso sozinhos se eu ficar fazendo por vocês?
ADAMASTOR: Vem cá, você morre?
DEUS: Eu sou imortal e eterno.
ADAMASTOR: Então qual a vantagem da gente aprender? Você sempre vai estar por perto.
DEUS: E por um acaso você quer que eu dedique minha existência a atender pedidos de vocês?
ADAMASTOR: Se não queria esse trabalho, não deveria ter forçado a gente a te adorar!
DEUS: Eu não forço ninguém.
ADAMASTOR: O que acontece com quem não te adora?
DEUS: Eu sei onde você quer chegar…
ADAMASTOR: Se tem inferno, então você está nos obrigando. Tem inferno?
DEUS:
ADAMASTOR: Se quer confete, tem que trabalhar por ele. O que acontece quando aprendermos a fazer quase tudo o que você faz?
DEUS: Isso não vai acontecer.
ADAMASTOR: Então qual é o ponto? Faz minha perna crescer de novo, no mínimo por gratidão por tudo o que eu fiz pela sua igreja.
DEUS: Então você admite ter feito tudo por interesse?
ADAMASTOR: Não, eu gosto de ajudar as pessoas. Mas até o dono da oficina onde eu trabalho entende que faz bem recompensar quem trabalha melhor! Não digo fazer a perna de qualquer um crescer, mas pelo menos de quem se esforça mais para o mundo ser um lugar melhor, entende?
DEUS: Não é assim que eu trabalho.
ADAMASTOR: Então você é ruim no que faz!
DEUS: E que parâmetro você possivelmente teria para fazer esse julgamento, mortal?
ADAMASTOR: E você? Tem outro Deus?
DEUS: Eu sou o Único!
ADAMASTOR: Então nem você sabe se dá para fazer melhor. A gente chegou até onde chegou sem nenhuma segunda opinião. E se você não for um bom chefe? Nem todo mundo é feito para ser chefe, sabe?
DEUS: O Criador não serve para ser seu chefe? Você percebe o tamanho da sua arrogância?
ADAMASTOR: Eu não pedi para nascer, eu só cheguei nessa vida e ralei para me dar bem com todo mundo. Eu SEI do que essa gente toda precisa, diferentemente de você. Você não tem experiência para esse trabalho.
DEUS: E você faria melhor?
ADAMASTOR: Faria!
DEUS: Pois bem. FAÇA!

As velhas carolas voltam a emitir seus sons de espanto, o movimento retorna ao mundo. Adamastor sente-se poderoso. Muito poderoso. Uma voz ecoa em sua mente:

DEUS: Volto em um ano. Se você acha que pode fazer meu trabalho, terá esse tempo para aprender como está errado. Não se esqueça: tudo o que acontecer não tem volta.

UM ANO DEPOIS

Adamastor repousa ambas as pernas por sobre uma maciça mesa de madeira, peça central de uma espaçosa sala no último andar do maior edifício da Terra. Numa visão surpreendente após mais de um mês, alguém abre as pesadas portas do escritório.

DEUS: O QUE VOCÊ FEZ?
ADAMASTOR: Já passou um ano?
DEUS: Onde estão todos? O mundo está vazio, sem vida!
ADAMASTOR: E também, salvo.
DEUS: Esse era seu plano? Acabar com a vida para acabar com o sofrimento?
ADAMASTOR: Não. Eu quase pensei nisso, mas com os poderes que você me deu, eu fui capaz de enxergar uma opção bem melhor. Muito feio não contar sobre o asteróide.
DEUS:
ADAMASTOR: A primeira coisa que eu fiz com meus poderes foi consultar gente mais inteligente do que eu. E na velocidade que eu consigo aprender, entendi que a primeira coisa a fazer era tirar nossa dependência do planeta.
DEUS: Não era esse meu plano para vocês.
ADAMASTOR: Não, seu plano era eliminar a humanidade porque queria fazer algo melhor. Nós nunca fomos seu plano principal, não? Você precisava da nossa ruína para começar o que quer que tenha planejado. Aquela não era a órbita original do asteróide, eu sei que você desviou para cá. Foi assim que você fez quando cansou dos dinossauros?
DEUS:
ADAMASTOR: Se eu tivesse me concentrado em crescer pernas, não teria percebido isso. E não os teria tirado daqui.
DEUS: Para onde você mandou todas as pessoas?
ADAMASTOR: Para um lugar onde sua onisciência não funciona. Aposto que eles vão ficar algum tempo ainda confusos com o planeta quase igual que eu criei, mas vão se adaptar bem. Claro, eu também dei para eles as tecnologias para erradicar fome, doenças e guerras! Vai demorar até eles aprenderem a usá-las, mas eu só tinha alguns meses para planejar tudo.
DEUS: Eu tudo sei!
ADAMASTOR: Nessa realidade. Eles estão livres de você numa das infinitas outras, que é claro, eu não vou te contar qual é. Posso só dizer que já estão chamando o planeta novo de Terra.
DEUS: Você também não vai mais ser o deus deles. Você também perde.
ADAMASTOR: Quem disse que era isso o que eu queria? Você não ouviu quando eu disse pela primeira vez? Eu gosto de ajudar.
DEUS: Em poucos minutos eu serei o único Deus. E você vai dizer tudo o que eu quero saber.
ADAMASTOR: Eu também te disse que você não sabia o que era ser mortal. O que é uma vida em troca de toda a humanidade? E pensar que tudo isso aconteceu porque você não quis me dar uma perna… A… eu!

Adamastor desaparece num vazio negro, sugando tudo ao seu redor. Segundos depois, o planeta inteiro é devorado.

Milênios depois, Deus ainda procura, realidade por realidade, pela tal de Terra.

Para dizer que as coisas mudaram de rumo rápido demais, para dizer que ficou aliviado por não ter seguido para onde achou que seguiria, ou mesmo para dizer que Adamastor está morto: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Etiquetas:

Comments (8)

  • Que historia bacana! Adamastor é um cara altruista e esperto. Eu ja estava torcendo pra ele encerrar logo aquela conversa, antes de Deus retirar dele o poder.
    Trabalhou certo, afinal, ficar conversando com alguem que podia lhe dar uma perna, mas negou? Melhor ir para o mundo inacessivel para Deus e preservar seu segredo, permanecendo como um deus.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Boa! O ruim é que não tenho certeza se o que eu imagino foi realmente o que aconteceu. De qualquer forma, parabéns!

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Muito bom! Realmente não foi nenhum dos finais que eu esperava…

    Estamos precisando de um Adamastor versão centenária…

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Somir,
    Essa foi uma das melhores.
    Considerando-se ateu ou não, ao longo do tempo você tem dado evidências de que conhece muito bem os mecanismos de fé e religião.
    Parabéns.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • “Esse era seu plano? Acabar com a vida para acabar com o sofrimento?”

    Fez lembrar um episódio do Arquivo X em que foi dado um poder semelhante a Mulder. Assim que ele desejou paz entre as pessoas, todas desapareceram…

    O que você achou?

    Loading spinner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: