Punição nacional.

Mesmo que boa parte da humanidade pareça não estar nem aí, quem está prestando atenção no coronavírus ainda está preocupado com uma variação que escape das vacinas. Especialmente com a forma terrível como alguns países trataram a pandemia. Sally e Somir concordam que isso é um perigo, mas não sobre punições para quem deixar ela surgir em seu território. Os impopulares formam o júri.

Tema de hoje: é apropriado punir o país que dê causa à variante que escapa das vacinas?

SOMIR

Não. Algumas pessoas específicas que tenham contribuído notoriamente para a disseminação do vírus eu até entendo, mas punir uma nação inteira por causa disso é uma quebra de contrato da humanidade.

Já tentou liderar qualquer grupo de seres humanos? Se já, vai saber do que eu estou falando: é muito difícil. Desde um trabalho de faculdade com mais três pessoas até mesmo uma nação com milhões de habitantes, há uma lógica comum entre todas as tarefas que exigem lidar com seres humanos: cada pessoa tem uma história e uma percepção do mundo muito particular.

Qualquer noção de união de um grupo de pessoas numa tarefa específica não passa de uma ilusão: mero subproduto de um alinhamento pontual de interesses. Duas pessoas podem fazer a mesma coisa por motivos completamente diferentes, e às vezes até conflitantes. Num exemplo mais prático: uma pessoa pode usar máscara para proteger seus pais idosos, outra pode usar porque não quer ser pária no seu grupo social. As duas vão aparecer na mesma foto usando a máscara, mas só uma não vai achar que está tudo bem ir numa festinha discreta mais tarde.

Eu digo isso porque para pensarmos numa punição para o país que gere uma variante resistentes às vacinas, temos que pensar numa punição que atinja toda sua população, indiscriminadamente. O maluco que acha que máscaras são parte de uma conspiração das elites pedófilas e satanistas, o esforçado que ficou de quarentena o tempo todo e tentou conscientizar todos ao seu redor, e até mesmo o pobre coitado que até agora não entendeu muito bem o que estava acontecendo, mas precisava andar num ônibus lotado todos os dias para não passar fome.

Todos eles seriam punidos. Quem contribuiu, quem lutou contra e quem não teve muita opção. E esse não é o contrato que “assinamos ao nascer”. A humanidade estabeleceu sua sociedade de acordo com alguns princípios, e um deles é que não devemos punir inocentes pelos crimes alheios. Claro, esse princípio vive falhando, porque como dito anteriormente, é complicado organizar tanta gente ao mesmo tempo. Mas não é porque injustiças acontecem rotineiramente que devemos desistir do conceito de justiça.

Uma pessoa não pode ser punida por um crime que não cometeu. Ou essa regra está na base do funcionamento coletivo da humanidade, ou começamos a perder o que torna a humanidade viável. Eu sei que parece uma sacanagem com todo mundo que um país mal administrado ajude a criar uma doença que faz mal a todos, mas não faz sentido punir as pessoas daquele país que não contribuíram para o problema junto com as que fizeram por onde criar a variação resistente às vacinas.

E sim, isso quer dizer que eu também sou contra sanções econômicas como as aplicadas rotineiramente contra países como Irã e Coreia do Norte. Um norte-coreano não merece passar ainda mais fome no meio do nada porque seu líder quer construir mísseis nucleares. Por incrível que pareça, acho que até invasão militar é muito mais humanitário nesses contextos: vai e ataca quem está controlando o país, não mate de fome quem só teve o azar de nascer no país errado.

Então quer dizer que não tem solução humanitária para punir negacionistas? Querem a verdade nua e crua? Não, não tem. O mundo é uma merda. Desde o começo dos tempos aplicam essas soluções terríveis de punir todo o povo pelos erros de poucos e desde o começo dos tempos esses são os pontos mais baixos da nossa história. Essa solução de punir inocentes não resolveu nenhum dos problemas que tivemos até hoje, só saciou o senso de vingança das pessoas sem entregar resultados práticos.

Vingança só atrapalhou a humanidade até hoje. Vingança não resolve porra nenhuma. Tecnologia e educação são responsáveis por virtualmente todas as melhorias de qualidade de vida que temos. É uma ilusão achar que dá para educar a humanidade como se fossem seus filhos, colocando de castigo quando fazem algo errado. Não funcionou até hoje. A única coisa que mudou de verdade foi a tecnologia e a educação média da população. Tudo o que você gosta nesse planeta é resultado de alguém pesquisando e desenvolvendo formas mais eficientes de realizar seus desejos primais. Seja diretamente pela tecnologia, seja indiretamente pela prosperidade e tempo livre extra que ela proporcionou.

Qualquer atitude que impeça o desenvolvimento tecnológico de uma parte da população humana só nos atrasa. Quer teimar contra essa forma de funcionar que nos tirou das cavernas? Fique à vontade, mas não se surpreenda quando tudo o que conseguir anos depois for um grupo de refugiados desesperados entrando no seu país. Porque punições contra nações só geram isso: ondas de pobreza e ignorância atingindo os que não foram punidos.

Ninguém vai aprender nada com uma sanção econômica. Só vão ficar mais e mais atrasados em relação ao resto do mundo. E essa conta sempre chega, para todo mundo, pouco tempo depois. E pra piorar, como fica a mente daqueles que tentaram fazer a coisa certa no país e apanharam junto com aqueles que fizeram tudo errado? Sério que queremos mais gente desistindo do pacto social “porque não faz diferença mesmo”? Gente que vai passar essa ideia para os filhos e contaminar gerações?

Não se controla a humanidade desse jeito. Mal se controla uma criança desse jeito. Não sabemos se essa variante vai aparecer, e pra falar a verdade, ela pode aparecer na Nova Zelândia! São mutações aleatórias. E se aparecer num país que fez tudo direito e por um azar cair num país que está bagunçado? Como vamos ter certeza que surgiu por lá? Claro que temos que dar mais atenção para os países que menos tentam controlar a doença, mas no final das contas vírus não se importam com linhas sociopolíticas imaginárias.

Não tem atalho: é tecnologia e educação. Desenvolver vacinas, capacidade de distribuição e tentar educar esse povo o máximo possível. Qualquer outro processo não impacta a disseminação da doença o suficiente para compensar punições contra países inteiros. Eu sei que é chato, mas é a verdade. E no fundo, você sabe disso. Vingança é fast food: sacia, mas não aumenta sua expectativa de vida.

Para dizer que eu seria um péssimo ditador, para dizer que pode no país dos outros, ou mesmo para dizer que eu só estou tentando me livrar de punição: somir@desfavor.com

SALLY

É apropriado punir o país que dê causa à variante que escapa das vacinas?

Sim. Ainda que não seja uma punição automática (surgiu a variante = puniu). Se for o caso que se investigue e que se apure se o país lidou de forma irresponsável no combate ao contágio e à doença. Mas tem que punir sim, não tem soberania ou autonomia quando falamos de algo que pode afetar a saúde, a vida e a economia do mundo todo.

O que eu estou falando não destoa de nenhuma regra em vigor no mundo hoje em dia. Países que, de alguma forma, representam um risco global, já são investigados e, se for caso, punidos. Tenta espalhar radioatividade, tenta fazer qualquer coisa que coloque em risco o mundo todo e vê se isso não tem consequências.

O problema é que o coronavírus é algo muito recente, a humanidade ainda está se recuperando do baque e aprendendo como lidar com a doença. Existe uma tendência a pensar que pessoas adoecem fruto de genética, de azar ou de qualquer outro motivo incontrolável (e na maior parte das vezes, costuma ser assim). Mas agora é diferente. O determinante para pegar covid-19 é comportamental: o vírus não entra na sua casa atrás de você, é você que vai na rua se expor a ele.

Por isso, os governos do mundo todo, principalmente os dos países mais pobres, tem a obrigação de fornecer subsídios para que as pessoas possam ficar em suas casas sem passar necessidade, para conter o contágio. Também tem o dever de fiscalizar e punir quem sai. Se cada país tivesse feito isso da forma correta, na intensidade necessária, talvez hoje estivéssemos todos levando uma vida normal.

O governo que não fornece subsídios para que as pessoas fiquem em casa e não se encarrega de fazer cumprir esta ordem está colocando o resto do mundo em risco. Seja pela disseminação do vírus, seja pelo risco de criar uma variante nova que escape às vacinas, obrigando o mundo todo a se revacinar. É algo grave demais para ficar a critério da consciência e do bom-senso de cada um. Dificilmente mais de 300 países vão agir da forma correta, e basta um para prejudicar o mundo todo.

Então, tem que ter punição sim. E punição não é apenas jogar uma bomba, invadir e destruir um país. Punição pode ser uma forma de pressão para que as medidas necessárias se cumpram. Diz que mais ninguém do mundo vai comprar nada nem fazer acordo comercial com aquele país para você ver como rapidamente surge uma adequação relâmpago aos cuidados necessários.

É no bolso que essa gente entende. E se não entender, vai mais além. Não me importa, qualquer eventual violação de soberania é menos grave do que o mundo todo contaminado novamente com um vírus para o qual não se tem vacina nem tratamento. A ordem da vez é impedir uma variante que escape às vacinas, que matará milhões, que custará bilhões, que vai paralisar o mundo por anos. Façam o que for preciso para coibir isso, desde que não implique em matar pessoas inocentes.

Existem mecanismos para punir os governantes sem punir o povo junto. Existe tudo que você quiser criar, pensar, cogitar. É uma situação nova e grave, portanto, pede medidas novas e severas. Não adianta querer encarar uma situação nova usando antigos mecanismos, eles não serão suficientes. É preciso criar mecanismos novos para controlar uma tragédia nova.

Tem medo de cometer injustiças? Cria mecanismos de controle. Quando um país se comportar de forma irresponsável, dá um aviso, manda uma advertência, oferece ajuda, envia equipes para avaliar o que está acontecendo. Se surgir uma variante em um país que fez tudo que estava ao seu alcance para impedir, as providências a serem tomadas podem ser mais leves e sem caráter punitivo.

Mas, se for um país que visivelmente assumiu o risco, que visivelmente poderia ter agido de modo a evitar o problema e não o fez, por qual motivo não merece uma punição? Vai deixar a porra do país continuar fabricando variantes e ficar eternamente fazendo vacina para remendar o erro dos outros? É isso que vocês querem? Viver eternamente em pandemia por causa de uma dúzia de Chefes de Estado irresponsáveis e ignorantes?

Não dá. É grave demais para não criar algum mecanismo punitivo que sirva como coerção para o país fazer o que precisa ser feito. Foda-se se tem Presidente negacionista, vai ter que se adaptar às regras de segurança e prevenção mundialmente impostas. A crença pessoal de um Presidente (ou de seu filho) não pode colocar em risco o mundo todo.

E eu vou além: abriria um novo rol de punições aqui. Como já foi dito, situações novas e mais graves demandam providências novas e mais severas. É da vida dos outros que estamos falando. A vida das pessoas que eu amo justifica qualquer coisa, até pena de morte para quem tentar ameaçá-la.

Eu não estou de brincadeira: não estou com vontade de enterrar uma pessoa amada e não estou com vontade de viver o resto da vida em quarentena. Não me parece justo de algumas dezenas de pessoas ameacem a vida de 8 bilhões de pessoas e fique tudo por isso mesmo. É guerra. Tem que ser tratado como guerra. Acabou a paciência, acabou a tolerância.

O mundo já teve mais de um ano e toneladas de estudos científicos sérios para aprender o que tem que fazer. Quem não o faz é por estar totalmente fora da realidade e da sanidade mental. Uma pessoa dessas não pode ter o poder de conduzir um país como quer e colocar em risco o resto do mundo.

Destituí do cargo, faz embargo, condena a prisão perpétua, a pena de morte… o que vocês quiserem. Punições mais ou menos violentas, mais ou menos agressivas, escolham o nível que acharem melhor, contanto que sejam eficientes. O que não pode é esse desmando continuar acontecendo e ficar impune.

Leis e penas não existem por acaso. Sem elas o ser humano se mata e mata os outros. Ou se regula a situação e se coíbe continuar colocando em risco a vida dos outros, ou não vamos sair nunca desse buraco.

Para dizer que eu ainda fui tímida perto do que você tem em mente, para dizer que pode punir o povo junto pois eles também são culpados por bundear ou ainda para dizer que simplesmente desistiu de se importar: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: , ,

Comments (10)

  • Punir é igual fechar a porteira após a vaca fugir.
    Precisamos de solução e não de mais problemas.
    Já estou vacinada, meu marido idem, meus filhos, sobrinhos, irmãos e a família toda não, também não muitos dos meus vizinhos.
    O vírus nao tem partido, precisamos (por que só pensei nisso agora?) iniciar um movimento obrigando o governo cumprir com a sua obrigação de nós proteger com as vacinas.
    impossível que com tannntos laboratórios que temos no Brasil não se possa repassar a fórmula, refrigeração adequadas e trabalho 24 horas em 3 turnos para produzir as vacinas que precisamos.
    Os de 50, de 40, de 20, de 10 anos e de todas as idades NECESSITAM dessas vacinas nao para o final do ano, tem que ser pra ontem.
    Potencial o Brasil tem, precisa de esforço do governo para simplesmente cumprir com a sua obrigação.
    Não precisa importar, podemos produzir.
    Somos o povo que produz, que deseja saúde e que essa pouca vergonha acabe.
    Vamos iniciar uma campanha nesse sentido até que ela chegue la no presidente.
    Se ele não tem medo, beleza, nós temos medo sim.
    Passamos de 400.000 mortos, já chega.
    Ele não ganhou à presidência pelo WhatsApp? É por aí que vamos fazer a nossa campanha também
    TODOS NÓS QUEREMOS VACINA
    TODOS NÓS QUEREMOS VACINA
    TODOS NÓS QUEREMOS VACINA
    TODOS NÓS QUEREMOS VACINA

    • Fechar a porteira impede que outras vacas fujam.
      Se o Governo tiver que pagar uma multa diária de dez mil dólares por cada dia que brasileiros ficam sem vacina, por exemplo, eu te garanto que ele dá um jeito de vacinar a todos os mais rápido possível.

  • Eu concordo com a Sally. Uma coisa dessas não pode ficar por isso mesmo. Tudo o que se faz nessa vida tem consquências. E isso também vale para países e seus respectivos governos.

  • Punir de onde veio a variável se ninguém puniu quando o ditador chinês escondeu a pandemia? Aham… E se a variável viesse da China ninguém ia fazer nada, eles são blindados oelo sistema. Fontes de vírus, foguete todo zoado deles caíndo, comem bichos nojentos… Eu achava que brasileiro não tinha que existir, mas agora tô achando chinês pior. A China faz mal pra saúde e prejudica o planeta!

  • “Mas, se for um país que visivelmente assumiu o risco, que visivelmente poderia ter agido de modo a evitar o problema e não o fez, por qual motivo não merece uma punição? Vai deixar a porra do país continuar fabricando variantes e ficar eternamente fazendo vacina para remendar o erro dos outros? É isso que vocês querem? Viver eternamente em pandemia por causa de uma dúzia de Chefes de Estado irresponsáveis e ignorantes?”

    Perfeito. Não se trata de uma vendetta contra uma nação, mas sim de estabelecer precedentes para evitar que situações parecidas no futuro, mesmo que fique só na teoria. Para isso que fizeram os julgamentos de Nuremberg para os crimes de guerra e de experimentos médicos conduzidos pelos nazistas, assim como fizeram também para os crimes de guerra e de experimentos conduzidos pelos japoneses.

    Os americanos, britânicos e franceses (soviéticos nem tanto) optaram por conduzir um julgamento, mesmo correndo o risco de ter um ou outro nazista chave absolvido ou condenado a uma pena que não fosse a de morte (como foi o caso).

    De qualquer forma, de forma mais ampla, já há tendência de pretender punir países coletivamente por questões ambientais desde os anos 90. A novidade agora é chegar ao mercado financeiro (tanto para sistemas financeiros que concedam empréstimos para empresas que desrespeitam o meio ambiente quanto para países que toleram lavagem de dinheiro a partir de crimes ambientais). No caso, tanto por ideologia (União Europeia) quanto por pragmati$mo (China liderando o mercado de painéis solares, por exemplo).

  • Infelizmente eu não acredito na integridade e isenção dos órgãos que apurariam e aplicariam essas punições, então eu não consigo concordar com a idéia. Além disso tem o ponto básico, um monte de brasileiro médio iria se foder, mas um monte de gente que se privou de tudo (física e socialmente, a ponto de colocar até o psicológico em risco) e mesmo as pessoas que estão lutando contra essa praga vão se foder também.

    • O buraco é mais embaixo. Há tempos que os justos pagam o preço, mas nessa proposta os pecadores também pagariam. Enquanto não houver uma pena dura pelas barbáries cometidas nessa pocilga que chamam de país, mais e mais merdas ocorrerão e mais gente irá se ferrar sem nunca ver um fim no horizonte.

      Antes justos e pecadores pagarem juntos que continuar essa balbúrdia de somente os justos pagarem o preço. Ou pagamos em sanções duras ou podem preparar o cu que o Biden é mais explosivo e militarista que o Bush e uma invasão não demoraria (e seria a lá Colômbia, então seria até pior do que sansões)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: