Inspeção.

Enquanto isso, num hospital lotado:

MÉDICO: Você vai fazer um tratamento com Cloroquina e Ivermectina.
PACIENTE: Tudo bem…

O paciente e o médico param de se movimentar, o enorme volume de pacientes ao redor da sala do pronto socorro também. Dois seres andróginos feitos de uma espécie de luz azulada se materializam no ambiente.

SUPERVISOR: Recapitulando… médicos reduzem a probabilidade de… morte?
FUNCIONÁRIO: Sim. Mas, supervisor, o senhor tem que entender que…
SUPERVISOR: No entanto, este… ser humano… teve suas chances de sobrevivência para os próximos dois anos reduzidas em… 37%?
FUNCIONÁRIO: Verdade, mas é que…
SUPERVISOR: Então este é um médico defeituoso?
FUNCIONÁRIO: É complicado…
SUPERVISOR: E pelos meus dados, este não é um caso isolado.
FUNCIONÁRIO: Não, senhor.

O supervisor sai da sala, andando pelos corredores do hospital. Lotado.

SUPERVISOR: As probabilidades destes humanos estão péssimas.
FUNCIONÁRIO: Sim, estão. Ultimamente começou a faltar espaço nas unidades de tratamento intensivo.
SUPERVISOR: E a doença é conhecida por eles há… mais de um ano? É um longo período para eles.
FUNCIONÁRIO: Sim, senhor supervisor.
SUPERVISOR: Estranho. São seres com índice 7 de inteligência padrão. Eu esperaria uma capacidade de organização consideravelmente maior.
FUNCIONÁRIO: Tivemos um problema com a Tendência Tribal nas últimas décadas.
SUPERVISOR: Está bem acima do esperado nesse grau de desenvolvimento!
FUNCIONÁRIO: Infelizmente. Estamos tentando corrigir.
SUPERVISOR: Tentando?
FUNCIONÁRIO: A gente começou a trabalhar há menos de vinte gerações, tinha problemas da equipe anterior.
SUPERVISOR: O seu trabalho é decidir o nível de qualidade das equipes?
FUNCIONÁRIO: Não senhor, esse é o seu trabalho.
SUPERVISOR: Correto.

Eles chegam até a sala da UTI, atravessando as paredes como se não existissem. No local, enfermeiros estão travados no tempo correndo de um lado ao outro, expressões preocupadas nos olhos.

FUNCIONÁRIO: Mas não são todos que estão defeituosos, senhor. Essa fêmea está reduzindo suas chances de sobrevivência em 59% no curto prazo para reverter o estado crítico dos pacientes. Exatamente como foi planejado.
SUPERVISOR: Interessante. Alguma diferença nas condições iniciais dos padrões de comportamento?
FUNCIONÁRIO: O problema que encontramos não é baseado em condições iniciais, é uma falha que ocorre com o passar do tempo. A quantidade de variáveis é grande o suficiente para que não possamos encontrar um fator primordial.
SUPERVISOR: Então, alguns seres humanos desenvolvem a falha lógica e outros não, por motivos ainda não detectados?
FUNCIONÁRIO: É o nosso diagnóstico momentâneo, senhor.
SUPERVISOR: E essa falha é mais comum nessa posição geográfica?
FUNCIONÁRIO: 35% de prevalência, senhor.
SUPERVISOR: Já analisaram a falha de cobertura do campo magnético?
FUNCIONÁRIO: Sim, senhor. Não gera correlações no grau de confiança mínimo.
SUPERVISOR: Fascinante.
FUNCIONÁRIO: Sim, podemos dizer isso.
SUPERVISOR: Não é uma questão de recursos? Essa é uma região geográfica com grande desigualdade.
FUNCIONÁRIO: Sim, mas… temos outras regiões com condições parecidas de recursos disponíveis que não estão com esse mesmo problema.
SUPERVISOR: Já tentou reiniciar?
FUNCIONÁRIO: O problema, senhor, é que os mais dispostos a reiniciar são desproporcionalmente favoráveis às condições atuais.
SUPERVISOR: Um paradoxo!
FUNCIONÁRIO: Neste região, é o que não falta…

Os dois continuam andando rumo à saída do hospital. Todas as pessoas ainda paradas no tempo. Uma enorme fila está formada na entrada do pronto-socorro. Algumas pessoas de máscara, outras não. É noite.

SUPERVISOR: Já sei, é a religião deles! Valorizam sofrimento, tragédias.
FUNCIONÁRIO: É… mas não é.
SUPERVISOR: Como assim?
FUNCIONÁRIO: Embora o grau de expressão de crenças religiosas seja um dos mais altos do planeta, há baixíssima representação dos valores delas nas atitudes tomadas pelo povo.
SUPERVISOR: Ah sim, aqui utilizamos a segunda revisão. Devo confessar que começo a simpatizar mais com os problemas que vocês enfrentam.
FUNCIONÁRIO: Obrigado! O senhor não sabe como é importante ouvir isso.
SUPERVISOR: Claro que sei. É o meu trabalho saber.
FUNCIONÁRIO: Claro… claro. A Diretoria está muito irritada com nossos resultados?
SUPERVISOR: Não. A Terra é considerada baixa prioridade. Projeto secundário. A questão é que se deu um defeito aqui, sistemas mais importantes podem seguir pelo mesmo caminho.

Eles seguem até uma rua nas imediações, o supervisor observa uma casa com mais atenção.

SUPERVISOR: Eles estão fazendo uma confraternização?
FUNCIONÁRIO: Sim. Dezenove pessoas.
SUPERVISOR: Ignorância?
FUNCIONÁRIO: É… complicado.
SUPERVISOR: É tudo complicado por aqui, não?
FUNCIONÁRIO: Temo que seja verdade, senhor.

A dupla atravessa as paredes e vê um churrasco acontecendo. Várias pessoas juntas paradas no tempo enquanto dançavam e comiam.

FUNCIONÁRIO: Para o senhor ver com o que lidamos, está vendo aquela jovem humana? Perdeu o avô para a doença ano passado e mora com os pais que fazem parte do grupo de risco.
SUPERVISOR: Alguma doença mental?
FUNCIONÁRIO: Não.
SUPERVISOR: Certeza?
FUNCIONÁRIO: Revisamos inúmeros casos. São pessoas que realmente estão racionalizando toda a situação ao contrário do que deveriam. É como um Blorgh pulando de uma nave.
SUPERVISOR: Haha! Boa.
FUNCIONÁRIO: Vamos receber uma intervenção? Porque minha equipe não está dando…
SUPERVISOR: Não.
FUNCIONÁRIO: Eu realmente estava esperando…
SUPERVISOR: Eu entendo, mas a prioridade é muito baixa. Não vamos perder a espécie inteira. Como eu disse, só queremos amostras do código local para aperfeiçoamento futuro de novas criações.
FUNCIONÁRIO: Então vamos ter que ver eles se matando nesse ritmo acelerado?
SUPERVISOR: Já aconteceu várias vezes neste planeta. Você é uma criação recente, eu já estive neste lugar antes, já vi 99% da vida perecer. Não se apegue a esses seres.
FUNCIONÁRIO: Perdão, supervisor. Eu não posso deixar meus sentimentos interferirem no meu trabalho.
SUPERVISOR: Correto. Continue a manutenção do código e evite quebras de realidade percebida acima do nível 5, faça isso e a diretoria vai ficar satisfeita. Se você acha que aqui está ruim, no Universo 4BE duas espécies acordaram com apenas um século de distância!
FUNCIONÁRIO: Quais eram as chances, hein?
SUPERVISOR: Uma em quinhentas e dezenove quatrilhões, duzentos e noventa e dois trilhões…
FUNCIONÁRIO: Foi uma pergunta retórica, senhor.
SUPERVISOR: Ah. Seja como for, continue o trabalho. Minha próxima visita será em 100 anos locais.
FUNCIONÁRIO: Então, até lá… mantenho eles como estão?
SUPERVISOR: Sim. Agora, se nossa conversa terminou, preciso verificar com os responsáveis pela manutenção da… Ásia. Bom trabalho!

O supervisor desaparece lentamente enquanto parece interagir com um painel invisível. O outro ser logo faz o mesmo enquanto as pessoas voltam a se mexer na festa como se nada tivesse acontecido.

O ser de luz azulada reaparece numa sala, cheia de outros seres parecidos.

FUNCIONÁRIO: Inspeção terminada, ele acreditou!

Os outros começam a comemorar.

FUNCIONÁRIO: 100 anos de paz, a diretoria está cagando para esse povo. Podem parar de fingir que estão trabalhando, seus putos! Hahaha! Quem quer assumir o corpo de um influencer e falar merda na rede social?

Para dizer que finalmente está explicado, para dizer que queria a equipe da Nova Zelândia, ou mesmo para dizer que aposta que terceirizaram: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Etiquetas:

Comments (4)

Deixe um comentário para W.O.J. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: