Realizado por pesquisadores da Fiocruz durante a pandemia de Covid-19, estudo aponta que o reiki é uma prática que pode reduzir sintomas emocionais como medo da morte, pânico e ansiedade com a melhoria da saúde mental. A pesquisa qualitativa destaca também que a escuta terapêutica é fundamental para gerar empatia, vínculo e redução do sofrimento psíquico. LINK


Porra, Fiocruz… Reiki? Pesquisa por telefone? Com oito pessoas? Desfavor da Semana.

SALLY

Sabemos que a ciência é desprestigiada no Brasil, que a maior parte da população e dos governantes não compreende premissas básicas de como ela funciona e não consegue nem imaginar seu valor para a sociedade atual. Isso a gente espera. O que a gente não esperava é que instituições que existem para zelar pela ciência se comportem como uma Tia do Zap, o que infelizmente parece ter ocorrido esta semana.

E eu digo “parece”, pois tenho a remota esperança de que seja uma notícia falsa, distorcida ou com alguma omissão importante que atenue esse horror. Como temos um querido leitor que pode nos corrigir caso este texto esteja baseado em inverdades, o que eu espero de coração que aconteça, vou manter uma ponta de esperança.

Via de regra dos Desfavores da Semana não me doem, acho até graça, mas esse doeu: um estudo realizado por pesquisadores da Fiocruz (informação que consta do próprio site da instituição) aponta que Reiki pode reduzir sintomas que afetam a saúde mental, tais como ansiedade, pânico e outros. E se você está em choque, saiba que ainda piora.

Reiki é uma técnica de “manipulação de energia do corpo” onde o terapeuta atuaria de forma a melhorar a circulação de energia e, com isso, reequilibrar o fluxo energético do corpo, o que, por sua vez, contribuiria para que ele de alguma forma funcione melhor. Está comprovado? Não. Quem é da ciência ri desse tipo de coisa. Então, por qual motivo a Fiocruz está endossando isso?

A Fiocruz, ou Fundação Oswaldo Cruz é uma instituição nacional de pesquisa e desenvolvimento em ciências biológicas. É também a mais importante instituição de ciência e tecnologia em saúde da América Latina. É referência em pesquisas na área de saúde pública. Faz vacina. Erradica doença. Cura. Atuou de forma importantíssima pelo país dezenas, centenas de vezes.

Bem, se a Fiocruz é tudo isso mesmo, ela deve ter um puta embasamento para afirmar que Reiki promove algum tipo de melhora na vida das pessoas, certo? Errado. Sabe como chegaram a essa conclusão? Fazendo um estudo com OITO mulheres, aplicando Reiki VIA CELULAR.

Quem poderia imaginar que pessoas em isolamento, com medo, em meio a uma situação de vulnerabilidade, estressadas e em conflito se sentiriam melhor por alguém dar atenção a elas, não é mesmo? Só pode significar que Reiki funciona! Qual é o próximo passo, Fiocruz? Bater com galho de arruda na cabeça de epilépticos para tirar o diabo do corpo?

PORRA, FIOCRUZ! Eu confiava em vocês! Desde quando uma amostragem de oito pessoas permite qualquer presunção? Já é ruim o bastante esse tipo de placebo cafona estar incluído no SUS (junto com homeopatia e outras bostas), agora tem um aceno da Fiocruz? Quem está com medo de tomar vacina da Fiocruz agora SOU EU, eu não quero uma vacina feita por pessoas que tratam método científico dessa forma!

Eu não sei se foi por dinheiro, eu não sei se foi por ignorância, eu não sei nem o que é pior: ser por dinheiro ou ser por ignorância… O que eu sei é que quando o principal guardião da ciência cai dessa forma, dá tristeza e desânimo. É um péssimo sinal. É realmente dolorido.

“Mas Sally, a Fiocruz é muito mais do que isso, tem gente séria”. Sim, certamente, mas a partir do momento em que é permitido minar sua credibilidade assim em público, é sinal de que quem está no comando desse barco joga contra – ou é muito burro/incompetente. Todas as hipóteses são preocupantes.

Quando você permite que se torne público um estudo falando bem de um estelionato com alegoria oriental, pisoteando método científico, validando e tornando público um estudo sobre fuckin´ Reiki por telefone com oito mulheres deprimidas que, de tão assustadas e carentes teriam se sentido melhor em conversar com um Papagaio que só canta “Atirei o pau no gato”, o nome da instituição começa a ruir.

A gente começa a se perguntar quem está no comando lá, para permitir algo tão vexatório perante a comunidade científica. O que mais essa pessoa que está a mando está fazendo? Quais diretrizes está aplicando? Quantas crendices, simpatias e ignorâncias mais estão permeando outros processos da instituição? Com que seriedade a Fiocruz está conduzindo outros estudos? Como estão usando o dinheiro público que recebem?

Fora a hipocrisia, que me parece igualmente feia e escrota: acusar de ignorância quem questiona vacina e depois validar “resultado” de Reiki por telefone com 8 pessoas? O que caralhos está acontecendo dentro da Fiocruz, para que não tenham vergonha de tornar pública uma bosta dessas? Se não pelo Reiki, por ter o conhecimento de que 8 pessoas não permitem concluir nada. CONTRATA EU, Fiocruz, pelo visto eu sei fazer melhor do que essas pessoas.

Eu garanto a vocês que se a gente fizer uma postagem criando o Deiki, o Reiki do Desfavor, dizendo que vamos enviar energias positivas (ou o que caralho vocês queiram usar de alegoria) para quem deixar um comentário com seu nome, ao menos oito pessoas vão dizer que se sentiram melhor depois de alguns meses. Provavelmente mais. Provavelmente o Deiki é muito melhor do que o Reiki.

Não se pisoteia na ciência assim. Não é só o desaforo momentâneo, é o enfraquecimento de séculos de luta e evolução. Ciência é um dos pilares de qualquer sociedade civilizada, e arrisco a dizer que é o único insubstituível. Você pode manobrar a parte econômica, pode manobrar a parte social, mas o que a ciência faz, isso é sagrado. A ciência cura, a ciência gera progresso e nada mais pode substitui-la. Não se pisa na ciência. Não se enfraquece a ciência. Principalmente se o seu papel é zelar por ela.

A partir do momento que quem deveria ser guardião da ciência começa a relativizá-la a pisotear nela, em uma sociedade bosta onde a ciência precisa de proteção, é o começo do fim. Fiocruz: o que caralhos vocês estão fazendo? A que tipo de pessoa estão destinando recursos? Quem é o responsável por filtrar o que vem a público e como vem a público? Vocês deveriam ser os guardiões da ciência, porra!

Juro a vocês: se a Fiocruz tivesse apresentado um estudo correto, eu estaria revendo o que penso sobre Reiki. Mas Reiki por telefone em oito mulheres emocionalmente fragilizadas? Vai tomar bem no cu, Fiocruz. Não apenas não vou rever o que penso sobre Reiki, como também vou rever o que penso a respeito da Fiocruz.

As Tias do Zap acreditarem nesse tipo de coisa “porque comigo deu certo” eu entendo, afinal, elas não têm obrigação de compreender todas as nuances de efeito placebo, de requisitos para validade de estudos, de duplo cego ou de ciência no geral. A mente simplória faz raciocínio simplório: se eu me senti bem, dá certo. Mas os Tios da Fiocruz, esses sim tinham a obrigação de saber e, acima de tudo, de respeitar a porra da ciência.

Brasil: um país onde dinheiro público que deveria ser destinado à ciência é colocado nas mãos de curandeiros, de holísticos, de estelionatários pela própria instituição que deveria zelar pela ciência. Pode fechar o país, não tem futuro digno para vocês aí.

Para dizer que aconteceu coisa mais importante (não, não aconteceu), para dizer que com você Reiki dá certo ou ainda para dizer que os errados somos nós que não entendemos como o mundo funciona e que deveríamos começar a vender sessões de Reiki por telefone: sally@desfavor.com

SOMIR

Eu tenho uma raiva dessa coisa de “energias”…

Energia é uma palavra muito importante para a ciência e para a nossa vida em geral. Ela está quase sempre ligada com coisas práticas que podem ser testadas e reproduzidas. Quando você lê ou ouve a palavra, já imagina algo como um raio. Visível, real. Existe energia elétrica, energia química, energia na dualidade com a matéria e muito mais. São várias as utilizações da palavra que tem fundamentação científica e estudo sério por trás.

Agora, é um dos únicos casos em que colocar a palavra no plural muda o significado: energia é um conceito importante da realidade, mas basta colocar um “s” no final que a coisa degringola na hora. Quando alguém coloca energia no plural, se prepara que vem bobagem. Energia acende uma lâmpada, energias apagam o bom-senso do ser humano.

Todo tipo de tratamento baseado no efeito placebo usa o conceito de “energias” para fingir que tem fundamentação na realidade. Eu sei que tem gente que realmente acredita nisso e faz achando que está ajudando o próximo, mas não podemos viver apenas de boas intenções. As coisas têm que dar algum resultado prático. Se sua taxa de sucesso é parecida com a taxa de sucesso do efeito placebo, tem alguma coisa errada aí, não?

O corpo humano (modelo atual) se virou sem medicina moderna por dezenas de milhares de anos. A vida em geral então, bilhões! É claro que seres complexos como nós tem diversas ferramentas internas para se proteger de ameaças internas e externas. Até eu que sou muito ateu fico com uma pulga atrás da orelha quando estudo sobre o sistema imunológico. É de uma complexidade espetacular! A vida é tudo menos frágil. Para alguma coisa realmente te derrubar, precisa causar muito dano.

Agora, mesmo esse sistema maravilhoso de proteção tem seus limites. Algumas espécies têm capacidade de regenerar membros perdidos, mas o ser humano não. É daí que vem a clássica provocação ateia: não adianta rezar para nascer uma perna de volta. Até mesmo milagres são limitados por capacidades naturais do corpo humano. E se você ainda não fez a conexão, estamos falando do efeito placebo também: ele é muito poderoso, mas só faz o que o corpo humano é capaz de fazer sem ajuda externa.

Deveria ser óbvio para todo mundo que todo essa história de milagres e curas espirituais nada mais é do que o corpo humano vencendo batalhas improváveis… mas nunca impossíveis. Até mesmo o câncer pode ser vencido sem apoio da medicina. Tanto é que você faz isso umas dez vezes por minuto: o corpo tem mecanismos para reconhecer e destruir células defeituosas. Acontece direto, especialmente quando você vai ficando mais velho e seu DNA acumula defeitos.

Mas cá estou eu fugindo do foco: e o foco é a falta de conhecimento científico básico da população poluindo a sociedade em geral com crendices e “energias”. Quando o cidadão médio fica falando de homeopatia, acupuntura, cristais e coisas do tipo, vá lá… é gente que não tem obrigação de entender esse tipo de ideia básica sobre o funcionamento do corpo humano; mas quando o interesse dessa gente chega em lugares como a Fiocruz, e aparece uma matéria dizendo que Reiki foi estudado “com sucesso” por eles… aí a coisa fica um pouco mais problemática.

Tem gente formada em medicina que defende homeopatia, nem é surpresa que alguém pode estudar muito para chegar em conclusões absurdas, mas não é uma boa ideia dar qualquer tipo de suporte científico para essa gente. Mesmo que seja meio sem querer como no caso dessa notícia. Explico: se você tem alguma noção sobre medicina e ciência em geral, lê essa notícia, revira os olhos e diz que a Fiocruz gastou o plano de minutos do celular para provar que o efeito placebo existe. Sempre tem alguém das “energias” em qualquer lugar que lida com saúde humana, infelizmente.

Agora, se você publica essa notícia e ela cai na mão dos “jornalistas” de portal de notícias, dos malucos que acreditam nas “energias” ou mesmo dos estelionatários que sabem muito bem o que estão fazendo, estamos falando de uma forma muito fácil de dar validade para o que não tem validade nenhuma. Imagina só escutar de um médico formado que a Fiocruz provou que o Reiki funciona? É difícil para uma pessoa normal pensar que 1) um médico ainda pode ser um imbecil das “energias”, 2) o estudo não disse nada disso e provavelmente a maior parte das pessoas da Fiocruz nem sabe que isso aconteceu.

Se você leu o texto da Sally, você viu o buraco óbvio na suposta pesquisa. Feita por telefone com oito mulheres aleatórias. Se você tem um mínimo de conhecimento científico, sabe que efeito placebo existe e as “melhoras” descritas na pesquisa são totalmente subjetivas. Se você só pegar uma manchete cretina de portal de notícias ou postagem aleatória de rede social sobre o tema, vai ser informado de algo que não tem nenhuma base na realidade.

Na era da desinformação, temos que tomar muito mais cuidado com as manchetes que damos para incautos ou mal-intencionados: elas podem e vão ser usadas contra a ciência. Ciência no sentido original da palavra: conhecimento. Quando alguém repassa a informação que Reiki funciona, está diminuindo o conhecimento humano. Está infectando o outro com uma informação errada que toma o lugar de informações mais corretas.

Se medicina alternativa funcionasse, não seria alternativa. A humanidade está tentando provar essas asneiras há milhares de anos e simplesmente não consegue. Se eu te dissesse que estou há cinco anos tentando provar que unicórnios existem sem sucesso, você provavelmente me diria para aceitar que não faz muito sentido, não? Mas quando alguém está há cinco mil anos tentando provas que acupuntura funciona sem provas, tudo bem!

Que pelo menos fique uma informação para você aqui: ligue um alerta para a palavra “energias” na sua mente. Quando você ouvir energia no plural, alguma coisa sem sentido provavelmente vem por aí. Não importa se vem de um maconheiro na beira da estrada ou se vem de uma entidade de respeito como a Fiocruz. É gatilho (pra usar uma palavra da moda) para pseudociência ou no mínimo algo que precisa de muito mais informação para ter o direito de entrar na sua cabeça.

Para me chamar de cético chato (melhor chato do que doente por não se tratar direito), para dizer que eu passo energias ruins para o mundo, ou mesmo para dizer que o idiota só acredita no que quer: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Etiquetas:

Comments (22)

  • O mais engraçado é que tem até Reiki a distância, dá pra ganhar dinheiro sem nem precisar fazer teatro ali na cabeça do outro. Acho que vou virar coach de reiki, é um bagulho muito lucrativo!

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Sempre achei que reiki fosse algo mais espiritual, tipo tomar passe em centro espírita e tal… Doideira total isso da Fiocruz.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Não, Reiki supostamente atua na matéria, “limpando” os “centros energéticos” e permitindo que a energia vital circule melhor pelo corpo.

      O que você achou?

      Loading spinner

    • Já temos uma voluntária! Só precisamos de mais sete para fazer um estudo e publicar que há indícios de melhora na qualidade de vida, encorajando mais estudos sobre Deiki!

      O que você achou?

      Loading spinner

      • Bom, se os textos sobre educação emocional e psicológica daqui se encaixam na categoria Deiki, posso dizer que sim, é efetivo e me ofereço para ter mais disso!

        O que você achou?

        Loading spinner

  • É mais complicado do que parece. Sem dúvida é totalmente questionável. Não dá para explicar tudo o que sei e penso sobre isso, mas apenas alerto que a Fiocruz é enorme, tem unidades em quase todos os estados do Brasil (não é só no Rio de Janeiro) e, em muitos aspectos, reflete e conversa com a história, política e sociedade do país. Não é uma bolha fechada, assim como todas as instituições de ensino e pesquisa. Para o bem e para o mal.
    Em resumo, vida que segue. Vamos sobreviver. Está um barata voa na comunidade acadêmica, fiquem tranquilos que o pau está comendo como se deve.
    Abraços e energias positivas para todos!

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Fico muito feliz em saber que o pau está comendo para cima dessas pessoas, não pelo Reiki em si, e sim por desacreditar a ciência em um estudo com oito pessoas sem nenhum requisito mínimo de seriedade.

      Tomara que o pau comendo ganhe a mesma repercussão desse Reiki Telefônico.

      O que você achou?

      Loading spinner

      • A princípio o numero de oito pessoas nao inviabiliza o estudo. O problema é que a maioria das pessoas nao percebe a diferenca entre um relato de caso e um estudo populacional, ou um duplo cego. Em medicina é comum ter relatos de caso com apenas um paciente.

        O que você achou?

        Loading spinner

        • Mas com uma quantidade tão pequena de pessoas e sem a metodologia adequada é ético afirmar que a prática tem potencial para reduzir problemas como pânico e ansiedade e melhorar a saúde mental? Pois foi isso que se afirmou no próprio site: https://portal.fiocruz.br/noticia/estudo-avalia-beneficios-do-reiki-para-saude-mental-na-pandemia.

          E pior, recomendam que algo sem comprovação científica seja disponibilizado pelo SUS, custeado pelo contribuinte: “recomendamos que é necessária a oferta de reiki para um maior número de usuários atendidos pelos serviços de saúde mental (…)”. Por favor, o SUS não tem nem os antibióticos que precisa, e uma instituição que defende a ciência recomenda essa destinação para o investimento em saúde?

          O que você achou?

          Loading spinner

          • Então, um grande problema são as leituras alternativas do texto por diferentes comunidades. Expressões como “poderia”, “potencial”, etc., tem um significado muito diferente para o público leigo e para a comunidade científica. Também há grande diferença entre a opinião de quem fez o estudo e da comunidade científica. A matéria realmente tem pontos falhos do ponto de vista jornalístico, pois não apresenta contraponto.

            Eu também sou muito crítico em relação a todas as PICS. Por que direcionar o recurso para práticas complementares, se falta o básico? Um argumento é que as PICS podem reduzir a demanda do serviço em função de efeitos não medicamentosos, que podem aliviar ou minorar problemas relacionados aos aspectos psicológicos.

            Há elementos paralelos a essa discussão que não estão explícitos. A cultura da medicina tratativa x preventiva, o lobby das farmacêuticas (e das doenças psicológicas sob encomenda), a política de dar voz a culturas tradicionais e minoritárias, entre outros…um campo totalmente minado. Falando francamente, PICS é o menor dos problemas do SUS. E Reiki é só uma das PICS, nem é a mais controversa.

            O fato é que o país cada vez mais dá menos bola pra ciência. E isso tem consequências sérias e rápidas.

            O que você achou?

            Loading spinner

            • Isso que você citou provavelmente é o ponto mais importante: o Brasil passa por um momento de trevas de desprestigiar a ciência. Nesse contexto, qualquer movimento mínimo que enfraqueça a ciência é um enorme desfavor. Todo esse desprestígio à ciência vai trazer consequências sérias e rápidas, como você falou. Quanto mais pessoas promovendo ciência e sua credibilidade agora, melhor.

              O que você achou?

              Loading spinner

  • Levemente off topic, mas queria que alguém me explicasse essa coisa do piso salarial de enfermagem. Eu pretendia começar o técnico no ano que vem e agora veio isso… É bom ou ruim? Não aguento mais ver tanta notícia enviesada.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • O piso é mediano, tendo em vista a condição insalubre de trabalho com que os profissionais da área tem que lidar.
      Seria R$ 4.750 pra bacharéis em enfermagem, R$ 3.325 para técnicos e R$ 2.375 para auxiliares.
      Tem os prós e os contras no piso. Os prós seriam de ter um ganho mais ou menos compatível com as características da profissão escolhida. Os contras seriam a tendência de colocar auxiliares no lugar de técnicos e técnicos no lugar de bacharéis para economizar na folha de pagamento, além da tendência do piso eventualmente não ser respeitado nos rincões, sendo possível até mesmo o fechamento de postos de saúde por falta de pessoal.
      Sem uma definição clara do que cada profissional faz (o técnico é uma implementação recente), o contra de deixar bacharéis desempregados para empregar técnicos e auxiliares tende a dar as caras de forma mais decisiva.

      O que você achou?

      Loading spinner

  • Quando fui zoar que não duvidaria nada que fechassem a Fiocruz e colocassem no lugar uma boate tocando baile funk (o carioca, logico) porque é isso e outros negócios que flertam com o ilegal no país que “dão dinheiro” teve gente que ficou irritada.
    De qualquer forma, odeio muito como a pretensa “sabedoria oriental” é superestimada, seja em produções cinematográficas (maldito Karatê Kid), seja em “tratamentos” duvidosos como esse.
    Para quem não sabe, reiki é “tratamento” pra tirar dinheiro de “rico”, como é o caso dos hipsters da Fiocruz que conduziram essa escabrosidade que infelizmente não foi a pior que foi assunto nessa semana.
    Teve o assunto da Tese de Doutorado em GEOGRAFIA sobre “Corpos Gordos de Homens Gays no Contexto de Florianópolis SC” que foi encampada pela UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA e que se não está junto da escabrosidade da Fiocruz, é pelo fato de não ter virado notícia o suficiente.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • “Tese de Doutorado em GEOGRAFIA sobre “Corpos Gordos de Homens Gays no Contexto de Florianópolis SC” que foi encampada pela UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA”. Não me é concebivel que isso possa ser mesmo verdade! Até onde vai a esculhambação neste país?

      O que você achou?

      Loading spinner

      • anônimo do header da mensagem falando da Tese de Doutorado Esdrúxula da UFSM

        Veja você com seus próprios olhos, se você não acredita.
        Até saiu nota de repúdio pela repercussão negativa que a questão recebeu graças a divulgação disso numa página bem rankeada com dezenas de milhares de seguidores no Facebook.
        Cara, se fosse pra falar dos problemas no que diz respeito a acessibilidade em especial para os superobesos, eu até entenderia de boa, mas com baixarias na linha de #bodypositive encampada principalmente pela Alexandra Gurgel e por parte do casal gay @CaioRevela e @BetaFala que vivem de CAUSAR na internet, o pouco de credibilidade que tal questão tinha resvalou para o mais puro ESCULACHO.
        E se você critica esses militantes de peso em qualquer coisa que seja, seria por gordofobia. Ah, tá bom!

        O que você achou?

        Loading spinner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: