Negócio da China.

Boa parte do crescimento econômico mundial das últimas décadas pode ser traçado de volta à China: a economia crescendo sem parar por tantos e tantos anos aliada à voracidade com a qual consumia recursos mundiais. O Brasil se aproveitou muito disso, sendo um histórico vendedor de commodities. Mas agora começamos a ver algumas rachaduras no modelo chinês… e isso pode impactar e muito o nosso futuro.

Tempos atrás eu escrevi sobre a crise da Evergrande, a maior construtora chinesa. Na época já tínhamos avisos que algo estava fundamentalmente errado com o mercado chinês, mas com o passar dos meses fomos recebendo mais e mais informações preocupantes.

O que a maioria das pessoas ficou sabendo é que os chineses começaram a construir casas e prédios num volume absurdo, o mercado ficou aquecido, os preços explodiram e acabaram com várias “cidades fantasma”, construções caras demais para o chinês médio comprar. Isso com certeza é um dos fatores, mas o problema vai mais longe…

É parte da cultura chinesa investir em imóveis, o que é bem comum em países muito desiguais, mas tem um extra por lá: você só é considerado uma pessoa de sucesso se tiver um ou mais imóveis próprios. Tem algo de psicológico também, seu valor como cidadão é medido pelas suas posses nesse setor. Então, por mais que muitas construções estejam juntando teias de aranha por ninguém poder comprar, muitas também estão vazias porque eram as economias de cidadãos que não precisavam mesmo de uma segunda ou terceira casa. Muito imóvel “inútil” de quem comprou muito caro e não consegue sequer empatar com a venda.

E agora, o segundo nível do problema chinês: as construtoras foram incentivadas pelo governo a cuspir imóveis sem parar, e um enorme esquema se formou ao redor disso. Para manter a economia com números absurdos de crescimento, o governo chinês fez tudo o que podia para ajudar essa loucura de construção e venda de imóveis a continuar.

Como a China é comunista (em tese), toda a terra pertence ao Estado, que por sua vez “aluga” para a iniciativa privada construir. O Partido Comunista espertamente “fechou os olhos” para qualquer esquema dos governos locais em relação a esse aluguel de terra, deixando governadores e prefeitos fazerem a festa. Estima-se que em muitas províncias, mais da metade da renda vinha desses aluguéis de terra para construtoras.

E as construtoras também recebiam tratamento de vistas grossas: ninguém estava regulando o que eles faziam com o dinheiro. E aí se formou uma pirâmide. A construtora não parava de lançar novos projetos, e os bancos não paravam de financiar quem queria comprar. O problema é que nessa sanha de construir logo, as construtoras começaram a vender tudo na planta, vulgo antes de construir. E foram empurrando pra frente, na expectativa que sempre teria mais dinheiro entrando.

Eventualmente, as construtoras estavam lançando novos projetos com o dinheiro de projetos antigos, sem nenhuma garantia que teriam dinheiro para finalizar as obras já vendidas. E aí, a pandemia acontece. A economia chinesa, assim como todas as outras ao redor do mundo, começa a perder fôlego. E quando seu sistema todo depende de crescimento infinito (vulgo pirâmide), qualquer problema na captação de recursos faz o sistema quebrar.

A Evergrande era o canário na mina. Todas as outras construtoras estavam com o mesmo esquema de funcionamento, e todo o governo (nacional e regional) dependia horrores desse dinheiro. O que começou a acontecer? Calotes. Não só de débitos das construtoras, mas de entregas de construções que estavam sendo pagas. O chinês médio estava pagando por imóvel na planta que estava atrasado há 2, 3 anos… o grau de confiança deles era enorme, mas não resistiu ao tempo.

Nas últimas semanas, começamos a ver algo que era raríssimo na China: protestos. Grupos de compradores que se recusaram a pagar as parcelas de imóveis que não estavam sendo entregues. O Partido Comunista fez o seu habitual mandando gente para dispersar, mas a coisa está grande demais até para eles. Salvo uma ação à lá Praça da Paz Celestial (ah, a ironia), vai ser bem complicado acalmar o povo com essa situação.

E tem mais um problema: o governo chinês inventou a ideia de zero Covid. Veja bem, seria um objetivo nobre… se fosse possível. Via de regra não se almeja zerar o número de casos de qualquer doença que se transmite pelo ar. Seria como lançar um programa de zero gripe. Mas a cúpula do Partido Comunista Chinês cismou com isso. Zerar a Covid. Lockdown ajuda muito a segurar uma explosão de casos, mas não é razoável quando você tem meia dúzia de infectados. A teimosia do governo local de usar o combate à pandemia como ferramenta de propaganda ao invés de questão de saúde pública causou muitos danos à economia. Em tese eu até prefiro errar pra mais cuidado do que pra menos no caso de doença, mas claramente os chineses perderam a mão no “mais”.

Porque tem isso: o Partido Comunista se perde muitas vezes na sanha de fazer propaganda para o povo e para o mundo. Aquela coisa que vimos muito no tempo dos soviéticos: tirar dinheiro do bem-estar do cidadão para fazer pose para os “capitalistas imundos”. Esconde todos os problemas para manter uma imagem de sucesso. País com centenas de milhões passando fome e programa espacial é um bom indicativo dessa mentalidade.

E como esses pontos se conectam? A China conseguiu se manter estável com a mão forte do Partido Comunista, mas também pelo fato de que enquanto está entrando dinheiro e o povo tem esperança de ficar com um pouco dele, todo país costuma ser bem tranquilo. Abrir a economia e deixar a globalização entrar foi uma boa jogada no sentido do dinheiro, mas vai cobrar um preço na obediência do povão.

E o mundo todo pode ser impactado por isso. A visita da líder do Congresso americano à Taiwan semana passada foi uma prova de como as coisas estão ficando azedas por lá: primeiro que a China latiu, latiu, mas não mordeu. Afinal, eles não são loucos de mexer com os EUA dessa forma. Eu já escrevi sobre o potencial militar dos dois países, mas repito: a China não tem a menor chance de enfrentar os EUA e a OTAN. Só uma aliança com a Rússia daria um pouco mais de força para o país asiático, mesmo assim o resultado da guerra todos sabemos: vitória decisiva ocidental, mesmo que demore alguns anos.

Muitos criticaram a provocação americana, mas quanto mais você analisa a China, mais entende que tinha uma função: mostrar para a China que os EUA sabem que não estamos próximos de trocar de país mais poderoso do mundo. Foi uma cutucada na ferida. A economia americana tem vários problemas e bolhas, mas nenhuma tão gigantesca e assustadora como a bolha imobiliária chinesa. O povo chinês está ficando menos dócil. Menos fanático pelo seu governo.

E a parcela da população chinesa que ainda está cegamente influenciada pela propaganda comunista acordou de cabeça quente naquele dia da viagem. Muitos chineses fanáticos pelo Partido Comunista fizeram vídeos chorando de raiva pela China não ter derrubado o avião de Pelosi. Eles tinham certeza que seu país já tinha virado o dono do mundo, que seu exército não tinha medo de ninguém… e numa visita diplomática, os americanos colocaram todos esses chineses em modo de decepção total. Será que a China não é tão forte assim? Será que não tem medo da gente?

Nada acontece à toa nesse mundo. A China está com as pernas bambas, tentando resolver um desastre econômico que ninguém no mundo tem dinheiro pra pagar. Com uma população ficando mais e mais irritada por perder suas economias num esquema de pirâmide imobiliário incentivado pelo governo e perdendo o medo de protestar, começamos a ver as primeiras rachaduras na sustentação do poder vigente.

Quer dizer que eu achei inteligente visitar Taiwan para dar uma pancada no ego dos chineses? Não, nem um pouco. Parece inteligente enfraquecer as bases do Partido Comunista, mas não quando a resposta imediata para uma crise financeira e de imagem está há poucos quilômetros da costa chinesa.

Taiwan, para quem não sabe, é o refúgio do exército e cidadãos contrários ao comunismo após o fim da Segunda Guerra Mundial. Comunistas e nacionalistas lutaram juntos contra os japoneses, mas no final da guerra os comunistas tinham números maiores e conseguiram tomar o poder. Os nacionalistas se mandaram para Taiwan e fundaram sua própria China. Os dois lados dizem que são a verdadeira China. Como os americanos adoravam criar problemas para qualquer comunista no século passado, ajudaram a ilha a se manter independente.

Através de uma estratégia de confusão diplomática, os EUA mantiveram relações com Taiwan e China Comunista ao mesmo tempo, o resto do mundo fez a mesma manobra. Taiwan se desenvolveu como uma democracia capitalista enquanto a China continental vivia as benesses genocidas de Mao e cia. Taiwan até relaxou com suas pretensões de trazer o lado continental de volta ao seu controle, mas o lado comunista nunca engoliu aquele território livre debaixo do seu nariz. O chinês médio aprendeu desde pequeno que Taiwan é um irmão rebelde que eventualmente vai voltar pra casa.

Trazer Taiwan de volta para a mesma bandeira que a China continental seria um feito histórico para quem quer que esteja no comando do Partido Comunista Chinês. O povo chinês (chinês médio como em brasileiro médio) realmente acredita que é o destino da nação anexar a ilha.

Depois de uma cacetada no ego com a visita de Nancy Pelosi a Taiwan, e com um sistema ameaçado nas suas bases financeiras pelos erros tremendos do Partido Comunista, a chance de uma invasão aumenta a cada dia. Não seria fácil, custaria bilhões de dólares para os chineses, arriscaria o começo de uma guerra contra a OTAN, mas se você estiver pensando apenas no curto prazo, seria uma injeção de patriotismo e objetivo conjunto para o povo chinês que daria uma bela sobrevida ao regime comunista.

Povo tolera perrengue financeiro enquanto tem uma guerra acontecendo. A máquina de propaganda chinesa ia falar que o país estava sendo atacado pelos americanos e que eles precisam se defender. Como eles controlam a mídia, é bem provável que a mensagem se espalhe e funcione, evitando revoltas populares. A guerra seria positiva para manter o poder.

E dos dois lados. Porque do lado americano, uma guerra também não iria mal para juntar um dinheiro e unir o povo. Ao contrário da Ucrânia, no caso de Taiwan já tem promessa explícita dos americanos que ajudariam a proteger o país. Se Biden não quiser ficar ainda mais fraco e odiado pelo povo, deixar Taiwan ser anexada não é uma opção.

O problema aqui é que a China sabe que vai perder no longo prazo. O truque seria começar a guerra, deixar o país pegar fogo por um tempo com o povo do lado do governo, e depois tentar um acordo honroso quando estiver todo mundo cansado de lutar. Nesse meio tempo, as duas maiores economias do mundo ficarão enroscadas numa batalha longa e extremamente custosa, o que quebraria o mercado internacional em poucas semanas.

Eu não acho que a China já está desesperada o suficiente para tentar isso, mas não se enganem, o clima está muito mais propício pra isso do que muita gente se dá conta. A coisa está ficando feia dentro da China e a pirâmide ainda nem acabou de ruir. Eu errei feio quando disse que não fazia sentido a Rússia invadir a Ucrânia, porque não fazer sentido não significa não fazer. Eu mantenho que agora não acho que faz sentido a China invadir Taiwan, mas já sou gato escaldado…

Uma hora a China vai pagar o preço pelos anos de bagunça, corrupção e expectativa irreal de crescimento que usou para chegar aonde está. E do mesmo jeito que ela enriqueceu o mundo crescendo, vai levar o mundo junto numa queda. Espero que apenas financeira, mas sei não… tem uma boa chance de ser algo militar também.

Para dizer que só muda a latitude e longitude, para dizer que vai comprar um carro alemão pra se proteger, ou mesmo para dizer que vamos todos morrer (um dia): somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Etiquetas: ,

Comments (20)

  • Somir, você poderia escrever um texto especificamente pra contar toda essa história da China com Taiwan que remonta aos tempos do Mao Tsé Tung?

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Sustentar economia ditatorial “comunista” em meio a uma possível crise de bens básicos (inclusive alimentos) pode levar a mais falências nacionais (não só Sri Lanka e possivelmente Paquistão), especialmente quando países que preferem não guerrear (*tosse tosse* Alemanha) perderem a paciência e entrarem com tudo.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Não é impossível. A China está virando bicho acuado, e bicho acuado é sempre perigoso. Ao mesmo tempo, tanto da economia mundial depende da China que ninguém está muito animado com o prospecto deles perderem o controle da situação. Eu acredito que tem muita negociação acontecendo debaixo dos panos para baixar essa fervura.

      O que você achou?

      Loading spinner

  • Análise lucida e abrangente como sempre, Somir. E, a julgar pelo seu texto, nós devemos ficar preocupados. A situação da China é mais séria do que muita gente imagina e me parece também que ainda não é olhada com a devida atenção pela imprensa, tanto a “oficial” dos grandes portais de notícias quanto do pessoal da chamada “mídia alternativa”. Seja como for, algo de muito grande e de conseqüências ainda imprevisíveis vai acontecer em breve. E não será nem um pouco bonito quando boa parte do resto do mundo for arrastada para o buraco por estar dependente demais da China…

    O que você achou?

    Loading spinner

    • O problema da China é censura oficial: a informação que vem de lá não pode ser conferida com o mesmo grau de profundidade do que um país democrático, por exemplo. Então muito da imprensa, seja por escrotice de não querer ficar mal com os chineses ou mesmo por medo de dar notícia falsa, acabam deixando o assunto pra lá. Mas que tem coisa acontecendo lá dentro, tem sim.

      O que você achou?

      Loading spinner

  • Os efeitos de uma guerra com Russos e Chineses unidos contra os ocidentais teria como efeito imediato uma explosão no custo dos eletroeletrônicos. Muito provavelmente a base portuaria chinesa ficaria bastante afetada com a ofensiva da Otan, apesar dos chineses de início terem bala na agulha pra causar um grande estrago em Taiwan, no nivel do que os Russos vem fazendo na Ucrânia, sendo que o encarecidamento de eletroeletrônicos teria relação direta com isso. Tenho lá minhas dúvidas se o regine norte-coreano se sustentaria numa situação assim.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Pois é, por mais que eu ainda ache que não tem como vencer a OTAN, pelo tempo que isso ocorrer o resto do mundo vai estar refém de um colapso da cadeia de produção como nunca vimos no mundo moderno. No tempo das grandes guerras as economias eram muito mais locais do que hoje.

      O que você achou?

      Loading spinner

      • Se a Europa não conseguiu se desvencilhar da dependência do gás e petróleo da Rússia, quanto mais o resto do mundo de todo o resto que os chineses produzem…Clinton maldito…

        O que você achou?

        Loading spinner

      • Se os chineses fizerem como os russos, dá pra fazer uma operação de guerra sim, sendo que a tendência do ocidente demorar a tomar uma ação em tal caso (como aliás, ocorreu no caso da Ucrânia) pode deixar Taiwan e seu parque industrial em frangalhos. A ofensiva da Otan poderia trazer grande estrago naval para os chineses além de um bloqueio comercial bem problemático para os mesmos, o que ironicamente era o que eles tentaram evitar escondendo a questão do covid do mundo até que a situação já se encontrasse fora de controle.
        Posso garantir que o custo dos eletroeletrônicos iria pra estratosfera com dois dos principais fabricantes mundiais de componentes (a saber, China e Taiwan) para os mesmos fortemente afetados por danos de uma ação de guerra.
        Se já se teve uma perda enorme com a operação da Rússia na Ucrânia, imagina então essa situação.

        O que você achou?

        Loading spinner

  • Uma guerra que pode gerar um rebosteio mundial de crise, instabilidade, revoltas e 1 bilhão de refugiados? Melhor não, vale mais a pena dar uns trocados pra manter a ditadura estável por mais algumas décadas.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Concordo que é uma saída, nem um pouco ética, mas uma saída mesmo assim. Pelo bem do mundo, eu espero que seja resolvido de forma mais tranquila.

      O que você achou?

      Loading spinner

      • Sim, o mundo já tem problemas demais. Isso é mesmo um fato. Mas, infelizmente, boa parte daqueles que realmente podem mudar os destinos desse mundo parecem estar pouco se fudendo para esse fato…

        O que você achou?

        Loading spinner

  • Coloque boa parte da produção mundial de bens e serviços nas mãos de uma ditadura, o que poderia dar errado?

    O irônico é que as empresas e indústrias foram pra Asia por causa de mão de obra barata e sem direitos, mas sem empregos os ocidentais não podem comprar esse monte de tralhas produzidas em massa. Quero só ver qual vai ser a solução…

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Tem essa: a gente já se acostumou a ter todo tipo de tralha chinesa muito barata na mão. Um colapso lá seria um choque de realidade para o resto do mundo.

      O que você achou?

      Loading spinner

  • A jogada da Russia na questão da Ucrânia no inicio do ano foi ato contínuo das ações capitaneadas pelo Kremlin fomentando grupos “separatistas”. Foi assim com territórios na Geórgia em 2008 e com a Crimeia em 2014.
    Se a ofensiva chinesa em relação a Taiwan fosse concomitante a ação russa recente com relação a Ucrânia, teriamos o campo pronto para a Terceira Guerra Mundial. A China ter retardado tal movimentação fez com que a guerra de conquista por parte do Kremlin com relação a Ucrânia fosse tratada como uma guerra regional, o que diminuiu em muito o apoio que a Ucrânia teria se Russia e China agissem de forma coordenada em suas pretensões expansionistas.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • O que eu ainda estou tentando entender foi a mudança da mentalidade chinesa sobre Taiwan: no tempo do Xiaoping a ideia era “seduzir” Taiwan para voltar, e isso foi acontecendo por várias décadas, Taiwan e China tem muitas relações comerciais. Eu acho que quando os chineses quebraram as promessas de aceitação da democracia em Hong Kong a coisa azedou de novo.

      O que você achou?

      Loading spinner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: