FAQ: Coronavírus – 18

Como funciona vacina do Butantan? Quando vai estar disponível? É Butantan ou Butantã?

Ainda não é uma vacina, é uma candidata a vacina. É uma vacina de vetor viral, como muitas outras que já comentamos aqui, onde um vírus inofensivo a seres humanos é usado para transportar um pedacinho do coronavírus para dentro do organismo da pessoa, assim o sistema imunológico consegue reconhecer o corona como uma ameaça, sem precisa lutar diretamente com ele.

Normalmente esse vírus que leva o corona para dentro das células é um adenovírus, um vírus conhecido, ao qual muitas pessoas já foram expostas e que não provoca nada sério em humanos. No caso da Butanvac, foi escolhido outro vírus para servir de transporte para o corona: o vírus da doença de Newcastle, DNC para os íntimos.

Em tese, ele é uma escolha ainda melhor que a do adenovírus, pois é um vírus que não causa qualquer sintoma em seres humanos, o que torna a vacina ainda mais segura. Ele também tem o potencial de ser mais eficiente que o adenovírus, pois e é um vírus desconhecido do nosso sistema imunológico, uma vez que ataca apenas aves.

Isso dá a certeza de que ele será atacado, pois nosso corpo não está familiarizado com ele, o que certamente vai fazer com que seja reconhecido como um corpo estranho. Ao ter a certeza de que o corpo atacara o vetor viral, também temos a certeza de que o pedacinho de coronavírus será entregue, passando o recado ao sistema imune: isso aqui é um inimigo.

Se de fato a vacina for aprovada, será um grande passo para o país, pois torna o Brasil um produtor de vacina sem depender de mais ninguém. Até agora, o Brasil tinha potencial para produzir uma vacina, mas precisava importar o IFE – Ingrediente Farmacêutico Ativo.

E é aí que está o grande diferencial da Butanvac: autonomia na produção de vacina. O mundo inteiro está dependente da produção de insumos, que hoje é praticamente um monopólio da China e da Índia, e que nem sempre dão conta de entregar tudo no tempo combinado. A Butanvac significa não depender de ninguém para fabricar uma vacina.

Em uma comparação tosca, é como se você recebesse de outro país o xarope da Coca-Cola e pudesse fabricá-la e vende-la no Brasil. Com a Butanvac o país será capaz de fabricar não apenas a Coca-Cola, como também o xarope, ou seja, será capaz de fabricar a vacina sem precisar da ajuda de nenhum outro país.

Por isso se diz que a vacina será 100% brasileira. Aconteceu uma polêmica bem desnecessária sobre isso, onde se apontava que não seria vacina brasileira pois a tecnologia usada para desenvolvê-la é dos EUA… Francamente, o que determina se um produto é 100% nacional não é a tecnologia utilizada para sua criação, se fosse assim, nenhum carro seria nacional. O importante é que o país vai ter como produzir vacinas sem depender de ninguém, sem depender do envio de nenhum material.

O benefício não será apenas poder vacinar a população de forma mais rápida e mais barata. Com o tempo, quando a população estiver vacinada, o Brasil pode virar um exportador de vacinas, afinal, sempre tem espaço para mais um quando falamos de um mercado consumidor de 8 bilhões de pessoas. Foi um golaço do Brasil, talvez a maior vitória do país até agora na pandemia.

Quando a vacina estará disponível é uma pergunta que ninguém vai saber responder. Podem te dar uma estimativa, mas a verdade é que isso depende de muitos fatores, nem todos controláveis. O Instituto Butantan já pediu autorização à ANVISA para começar a realizar os estudos clínicos de fase 1 e 2 em seres humanos (já explicamos as 4 fases de uma vacina em outro texto) e ainda será necessária a realização de uma fase 3. Isso significa, no mínimo, vários meses.

Por isso, o tempo que vai levar para que ela seja colocada no mercado depende da burocracia (autorizações, estudos, etc.) e dos resultados que ela vai alcançar em seu desempenho nesses testes. Se não houver nenhum entrave, nenhum imprevisto, a promessa é que esteja disponível ainda este ano. São meses de testes, então, com sorte, ela está disponível no segundo semestre de 2021, caso contrário, só no ano que vem.

Sobre o nome: o Instituto é BUTANTAN, o bairro é Butantã.


Se eu estiver com covid e for chamado para tomar a vacina, o que devo fazer?

Regra geral: você não deve tomar a vacina, deve esperar. O ideal é que se espere pelo menos 4 semanas a contar do dia em que apareceram os primeiros sintomas. Mas certamente você deve avaliar seu caso com o seu médico, pois a regra geral nem sempre se aplica.

Aproveitando a pergunta, vale lembrar que quem já teve covid também tem que se vacinar, pois não se sabe o quanto duram os anticorpos que a pessoa eventualmente adquiriu. Reinfecção é uma realidade, a proteção tem tempo limitado, portanto, todos precisam de vacinas.


A vacina contra a gripe me protege contra o coronavírus?

Não. Nem a do coronavírus te protege contra a gripe. Cada vacina te protege de uma coisa, por isso, você deve tomar todas. Eu sei que a vacinação contra gripe começa em abril no Brasil e sei também que isso vai causar muito problema e mal-entendido.

Como dissemos na coluna passada, o intervalo entre vacinas deve ser de, pelo menos 14 dias. Isso quer dizer que para poder tomar a vacina contra covid, você não pode ter tomado nenhuma vacina dos 14 dias antes e também não pode tomar nenhuma vacina 14 dias depois. Portanto, se você está no grupo que pode ser chamado para tomar vacina contra covid, não tome a vacina contra gripe.


Estou amamentando, posso tomar a vacina? E se eu pegar covid, posso continuar amamentando?

Sim, você pode tomar a vacina se estiver amamentando. Ainda não se tem muita certeza de como isso funciona, mas há indícios de anticorpos podem passar da mãe para o bebê pelo leite, portanto, se há algum efeito, ele parece ser benéfico: passar parte dos seus anticorpos para o seu bebê.

Sobre ter covid e amamentar, até agora a orientação é continuar amamentando, pois os benefícios superam os riscos.

Porém, isso deve ser feito tomando uma série de cuidados, pois mesmo que o vírus não seja transmitido pelo leite materno, ele pode ser transmitido da forma convencional da mãe para o filho: lavar bem as mãos e braços antes de manipular o bebê, usar máscara, distanciamento de pelo menos 2 metros do berço para a cama da mãe (afinal, ninguém dorme de máscara).

Também se recomenda que todas as outras atividades que não implicam em amamentar (colocar para arrotar, colocar para dormir, dar banho etc.) seja feito por outra pessoa, para minimizar os riscos de contágio.


Qual a diferença entro soro e vacina para covid?

A vacina é preventiva, ela serve para ensinar seu corpo a combater o vírus. Como já explicamos o funcionamento de vacinas em outro texto, vou falar rapidamente: a vacina expõe nosso corpo ao vírus sem permitir que ele nos ataque (o vírus está morto ou então só um pedacinho dele é injetado).

Ao entrar no nosso corpo, esse vírus inutilizado é atacado facilmente pelo sistema imune, uma vez que não pode reagir. Com isso, se ensina ao sistema imunológico que se alguma vez aquilo entrar no corpo novamente, deve ser atacado. Assim, a vacina evita que pessoas saudáveis adoeçam, pois seu corpo é treinado para combater o vírus antes que ele cause qualquer estrago.

O soro é obtido através de sangue de animais ou humanos infectados: se pegam os anticorpos de quem já adoeceu e se colocam no corpo de quem está com a doença na esperança de que ele funcione como um “reforço” na batalha. É uma forma de tentar fornecer “anticorpos extra”. Não tem função preventiva, ele é usado quando a pessoa já adoeceu e seu corpo não consegue dar conta de vencer a batalha sozinho. É caro e nem sempre funciona, então, não pode ser um argumento para relaxar as medidas de proteção.


Em Minas um grupo de empresários comprou vacina da Pfizer. Qual é o procedimento para que particulares possam comprar vacina?

Não é uma possibilidade. A Pfizer não negocia com pessoas, apenas com países. Inclusive a Pfizer negou que tenha vendido essas vacinas.

Temos duas possibilidades: ou as pessoas compraram vacinas roubadas ou compraram vacinas falsas. Basta acompanhar essas pessoas, o tempo vai dizer o que aconteceu.

Se elas adoecerem, foram vacinas falsas, o que, por sinal, é a hipótese mais provável. Se alguém aqui tiver notícia de uma pessoa dessas adoecendo, favor compartilhar nos comentários, para que eu possa comemorar que malandro espertão se deu mal.


Quais os cuidados que devo ter depois de tomar a vacina?

A recomendação padrão é a de que não é necessário nenhum cuidado especial. Vou deixar alguns cuidados que eu tomaria, mas saiba que, por ser algo muito recente, não há estudos científicos que embasem essas recomendações.

Uma alimentação adequada pode ajudar o seu corpo a performar da melhor forma possível ao tomar qualquer vacina. Alimentação correta gera boa matéria prima para produção de anticorpos e faz seu corpo funcionar melhor. Basicamente é um “não atrapalhe”. Coma bem e não atrapalhe o trabalho do seu corpo.

Há indícios de que alimentos ultra processados (aqueles que não são naturais, como frios, bacon, iogurte com sabor, cereais com sabor, alimentos congelados, pipoca de micro-ondas, barrinha de cereais e outros) ou alimentos muito gordurosos podem reduzir a eficácia da vacina. Não é nada significativo a ponto de ela não fazer efeito, mas joga contra.

Bebidas alcoólicas também tem o poder de prejudicar o sistema imunológico. Se o que se pretende com a vacina é ensinar seus “soldados” do sistema imune a reconhecer e atacar o inimigo, é bom que todos os soldados estejam presentes no treinamento e estejam com toda sua capacidade de ataque. Portanto, não me parece inteligente beber nem antes, nem depois da vacina, principalmente nos primeiros 15 dias após sua aplicação. Uma tacinha de vinho por dia ou uma latinha de cerveja por dia até vai, mais do que isso, melhor evitar.

Uso de drogas também deve ser evitado, pois elas interferem no sistema imunológico. Por sinal, uso de drogas deve ser evitado sempre se você quer ter uma vida saudável, mas não custa fazer a ressalva.

Outra coisa que poucos falam: não é recomendável fazer preenchimento facial (ácido hialurônico) ou botox antes (até 15 dias antes) ou depois (15 dias depois) da aplicação da vacina, pois há suspeitas que estes procedimentos em conjunto com a vacina possam causar Síndrome de ETIP – Edema Tardio Intermitente e Persistente.

Eu também teria especial cuidado extra nos 15 dias seguintes à vacina com animais não vacinados, que se te morderem ou arranharem vão gerar a necessidade de um tratamento antirrábico e com cortes feitos por metais ou vidros que te coloquem em risco de ter que fazer um tratamento contra tétano, pois estes tratamentos podem comprometer a eficácia da vacina.

Pode ser que, com o passar do tempo, se descubra que nada disso afeta a vacina, mas, por agora, há uma suspeita e isso me basta para ser um pouco mais cuidadosa nesses aspectos.

Vale lembrar que a pessoa só está imunizada 4 semanas após tomar a segunda dose, então, até lá, cuidado máximo. E, mesmo depois de imunizada, a pessoa ainda pode ter covid e espalhá-lo, então, se quiser pode lamber corrimão, mas quando sair de casa, saia com máscara.


Hoje, se eu puder escolher qualquer vacina disponível, qual devo escolher?

A melhor vacina é aquela que está disponível para você. Em uma situação hipotética onde todas estão (nenhum país te dá esse luxo de escolher vacina) a melhor aposta, no momento, me parece a Janssen, da Johnson & Johnson, por um motivo muito simples: é uma vacina desenvolvida para obter o resultado em uma dose única.

Eu garantiria 100% de vacinação em uma única dose, sem precisar esperar para tomar uma segunda que, dependendo do que aconteça, pode não estar disponível. Se você tiver opção, vá de Janssen.

Para dizer que não aguenta mais covid (todos nós), para dizer que não aguenta mais esta coluna (todos nós) ou ainda para dizer que não aguenta mais não aguentar covid (todos nós): sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comments (20)

  • Como assim?
    A Coronavac do Butantam não é a vacina do COVID?
    Já tomamos a primeira dose totalmente convencidos que estávamos tomando a vacina do COVID.
    E agora?

    • Bom, fizeram uma versão da música para a vacina… tudo é possível
      Não duvido que MC Fioti (o autor da música) faça um novo funk chamado “João Vacinador”

  • Só por curiosidade mesmo: a vacina pra covid tem efeitos colaterais considerados “normais”? Por exemplo, quando tomei a vacina para tétano (ô desgraça dos infernos) fiquei com febre, molenga, cansada e o pior, meu braço ficou inchado e roxo por uma semana. Quando voltei na unidade de saúde para perguntar se eu ia perder meu braço, a enfermeira disse que essa era uma reação normal à vacina, podendo variar de pessoa para pessoa. Já houve algum relato sobre isso na vacina da covid? A pessoa fica de boas sem sofrer nenhuma reação?

    • Cada vacina tem seus possíveis efeitos colaterais. Tem quem sinta alguns, tem quem não sinta nada. No geral são aqueles clássicos: dor no braço, cansaço, um pouquinho de febre (que passa no mesmo dia ou no dia seguinte), e coisas do tipo. Quando você souber que vacina vai tomar, avisa para a gente que pesquisamos mais sobre os efeitos colaterais específicos dessa vacina.

    • Hahahah! Eu adorei seu relato!

      Como a Coronavac tem hidróxido de alumínio, que também está presente na vacina do Tétano, a sensação de moleza e dor no braço também acontece!

      Já a da AstraZeneca da mais febre, mal estar…
      Reações comuns pra maioria das vacinas! Principalmente nos mais xófens!

    • Sabe que eu tô vendo um bando de conhecida grávida? Pessoas que engravidaram antes da vacina estar disponível. Me intriga um ser humano que pensou “Tem uma pandemia com uma doença sem cura, acho adequado trazer uma criança ao mundo neste exato momento”. No final, eu tenho dó da criança e compaixão pela mãe, que vai ter que fazer quarentena com filho pequeno em casa.

      • Sabe que eu tenho contato com MUITAS grávidas…
        E eu percebo que o aumento do número de grávidas tem 2 motivos principais:
        1- maridos em casa + falta de escolha real
        2- ter controle sobre algo, bem como ter “razão” de viver por algo

        O item 2 já é meio que vem explorado em relação ao grande número de gestantes em comunidades muito vulneráveis, com pouca educação. Mas acho que a pandemia meio que “uniformizou” essa falta de perspectivas, e engravidar e ter um filho acaba dando um senso de propósito e de algo que se pode controlar na vida…
        Afinal ninguém tem filho pensando na adolescência deles.. haha!

        • “algo que se pode controlar na vida”
          Exato, acham que é igual brincar de casinha ou The Sims.

          Aí quando os pais se dão conta, aquele bebezinho fofo que passa a maior parte do tempo dormindo ou vendo Galinha Pintadinha virou um marmanjo cheio de pelos que grita que odeia eles e nunca volta pra casa na hora certa…

        • Nanda, você falou da falta de escolha se referindo à criminalização do aborto no Bananil, certo?
          Mas será que elas realmente abortariam se tivessem essa escolha? Não faço ideia se tem dados sobre isso, mas minha percepção é de que mesmo sendo gravidezes não planejadas, a maioria das mulheres acabam aceitando e amando os filhos com o passar do tempo. Ou estou superestimando o poder dos hormônios? :P

          • Ah, Gabs… O que eu mais escrevo nas planilhas é “gestação não planejada, mas desejada atualmente”.

            Elas acabam aceitando, porque TODOS em volta estimulam e esperam isso delas! Faz parte do “planejado”.
            Aí elas veem a possibilidade de brincar de boneca, ou deixar mais uma criança pra mãe cuidar (e os filhos se tornam na verdade irmãos dessas mães, pois são criados realmente pelas avós).

            Eu realmente acho que, na minha experiência, a maioria delas não abortaria os bebês, pq o meio em que elas estão apóia essas gestações e esses bebês. Mas uma parte tiraria sim…

        • Que merda… precisar trazer um filho ao mundo para que sua vida tenha um propósito! Imagina quão bosta deve ser a vida dessas pessoas para precisar disso!

          • Yep… é bem isso mesmo!
            E elas olham as vidas das mulheres ao redor, e todas tem a mesma história…

            O estudo, ter uma carreira, é algo tão distante quanto ser uma atriz famosa. É triste…

    • Mas tão destruíndo o ocidente, a familia tradicional pipipi pópópó as mulheres não querem mais ser mães pipipi pópópó comunistas pipipi pópópó corrida procriativa

  • “Para dizer que não aguenta mais covid (todos nós), para dizer que não aguenta mais esta coluna (todos nós) ou ainda para dizer que não aguenta mais não aguentar covid (todos nós)”

    Concordo com vocês. Mas, mesmo já estando mais que esgotado por causa desse bombardeio diário de coisas sendo ditas sobre esse maldito Coronavírus – tanto as notícias trágicas quanto as bobagens – , eu venho rememorando o famoso discurso “We Shall Never Surrender” de Churchill para manter em mente que essa “guerra” só vai terminar quando o nosso microscópico e insidioso inimigo, enfim, capitular.

  • Sally, você sabe o que é “sparring”? Esse temo vem do verbo em inglês “to spar”, que significa, entre outras coisas, “disputar”, e designa um exercício preparatório feito por praticantes de esportes de combate em que se simula uma luta real. A título de comparação, dá para dizer que o sparring nas lutas seria o equivalente a um “coletivo”, um “rachão” ou a um “titulares x reservas” no futebol. Também é possível equipar o sparring a um “simulado” para um vestibular ou o ENEM. Em uma sessão de sparring, um lutador é colocado diante de um parceiro de treino – muitas vezes contratado – que busca imitar ao máximo possível o “estilo” do seu próximo oponente, para já ir se acostumando com o que irá enfrentar no ringue oficial. Durante o sparring, os atletas se batem para valer, mas procurando evitar lesões com o uso de equipamentos de segurança: luvas maiores e com mais amortecimento, capacetes e protetores acolchoados.

    E, afinal, o que isso tudo que eu disse aí em cima poderia ter a ver com o Coronavírus e as vacinas? Deixa eu tentar explicar: ao produzir anticorpos devido à injeção de imunizantes, o organismo meio que tem “sessões de sparring” com esses fragmentos de vírus ou vírus enfraquecidos com os quais as vacinas são preparadas. Assim, se o “adversário de verdade” aparecer, as defesas naturais do corpo, já estimuladas por esse “treino”, passam a ter condições de combater o agente causador da doença até eliminá-lo. Essa analogia está correta?

    • Está correta sim. O Sparring é o infeliz que ganha para apanhar, para treinar o vencedor. É mais ou menos isso que acontece com as vacinas, só que nelas o Sparring está morto.

Deixe uma resposta para Somir Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: