Desmotivação de Final de Ano.

Olá, como vão? Eu sou o Somir, coach de desmotivação pessoal e profissional! Minha experiência vem de anos e anos de fracassos, desistências e incapacidades. Com a chegada do final do ano, muita gente começa a analisar o que já passou e fazer planos para o futuro. Eu estou aqui para te ajudar… para te ajudar a baixar as expectativas. Vamos lá perder essa motivação? Não? Não quer ler agora? Tudo bem. Pode ler depois.

Motivação é uma das coisas mais mal compreendidas no mundo. Todo mundo sente, mas quase ninguém entende o que está acontecendo. Outros gurus vão te dizer que você precisa encontrar a sua para ter sucesso na vida, mas eu vou te dizer outra coisa: para de se importar com a sua motivação. Apenas viva ela quando ela aparecer. Não adianta buscar motivação, ou ela está lá ou não está. Não é um processo que você controla.

Motivação tem muito a ver com o conceito de diversão, não é exatamente um tipo de coisa que você faz, é como você se sente ao fazer. Quem já leu alguns dos meus materiais de desmotivação sabe que diversão é fazer algo que você escolhe fazer, não uma coisa que outras pessoas consideram diversão. Neste exato momento, garanto que tem muita gente estudando xadrez por diversão e muita gente fazendo sexo por obrigação.

Quando nos sentimos motivados, quase sempre estamos falando de uma tarefa que gera recompensas. Seja recompensa externa como dinheiro, status ou poder, seja recompensa interna como satisfação, prazer, paz… ninguém se motiva no vácuo. Motivação é uma reação do cérebro em relação a um estímulo. Macaco quer coisa, macaco faz ação.

É muito importante entender que seus objetivos racionais não significam muita coisa para o cérebro. São ideias e memórias que você rearranjou de um jeito específico, mas que não necessariamente conversam com seus desejos reais. Não estou dizendo que é ruim, muitas vezes precisamos fazer coisas que não combinam com nossos instintos para ter uma vida melhor, mas não adianta teimar: motivação vem quando seu cérebro consegue ligar uma ação específica com recompensas químicas.

De uma forma curiosa, sua mente abstrata enxerga muito mais longe que sua mente física. Pra quem quer acreditar em coisas como alma, é um prato cheio: a soma dos processos cerebrais parece maior que suas partes. Claro, é provavelmente uma ilusão causada por nossa falta de conhecimento sobre todos os processos que fazem com que o cérebro humano funcione como funciona, mas não deixa de ser algo interessante para se considerar: suas metas e objetivos são uma realidade paralela, não a que você está vivendo.

A nossa mente é capaz de imaginar um mundo que não existe. O cérebro tem que criar “cópias” de todas as pessoas nas quais você pensa que só existem dentro da sua cabeça, para você poder imaginar como elas vão reagir a estímulos diferentes. A sua motivação não está nesse mundo da imaginação, ela está eternamente presa ao momento. Motivação é processo instantâneo do cérebro, não funciona no mundo da imaginação. Tenho certeza que alguns de vocês vão dizer que sonham com algumas coisas e se sentem motivados a fazê-las, certo?

A pessoa pensa no carrão e resolve trabalhar até mais tarde naquele dia por causa da hora extra. Lembra da mulher estonteante que viu outro dia e malha mais um pouco… são exemplos de motivação pensando no futuro, não?

Não. Porque o estímulo foi imediato. Motivação nesse minuto não significa nada no minuto seguinte. A pessoa imaginou uma situação que fez com que o cérebro dela desse motivação extra naquele momento. Mas não existe projeto de longo prazo nesse tipo de estímulo. Você não consegue manter isso por mais tempo do que seu cérebro está produzindo a sensação de recompensa. Já pensou que às vezes sonhar com algo que você quer te dá animação e às vezes não? Tem horas que simplesmente não funciona. Você pensa no seu objetivo futuro, mas não dá vontade alguma de se esforçar por ele.

Se motivação fosse qualquer coisa além de momentânea, você nunca teria problemas para encontrá-la. E digo mais, você não se sentiria motivado(a) para fazer coisas que sabe são erradas e não vão te fazer bem no longo prazo. Quantas vezes a motivação que você tem não é ir fazer besteira? Encontrar com alguém que não presta, encher a cara, arrumar briga… estar motivado não significa que você vai fazer algo que preste na sequência.

Motivação é usar a força que você nem sabia que tinha para cuidar de uma pessoa querida, mas também é a coragem de comer um cachorro-quente questionável na rua. É lutar pela pessoa amada, mas também é fazer sexo sem camisinha com uma pessoa estranha. Motivação faz bem e faz mal, depende do contexto.

Damos significado demais para o que nada mais é do que um impulso gerado pelo cérebro querendo uma recompensa. É na função “superior” da mente abstrata que tentamos fazer senso desse impulso. Motivação não é algo que você crie ou desligue, você vivencia e pronto. O ser humano tem uma capacidade absolutamente acima da média de qualquer espécie conhecida de navegar pela motivação e fazer escolhas racionais sobre para que lado ir. Um cachorro se sente motivado a correr no meio da rua e acaba atropelado. Uma criança nova também, mas com o passar do tempo ela aprende que o impulso não a obriga a agir. Ela começa a pensar em mais coisas além da motivação.

O meu argumento sobre motivação é que motivação sozinha não quer dizer nada. Boa parte das suas melhores escolhas na vida veio de resistir à motivação de fazer algo. Outros gurus vão te dizer para procurar motivação na vida, eu vou te dizer que é para não se importar com ela. Pega quando servir, ignora quando não for conveniente. E pare de achar que você pode controlar ela. Não existe isso de esperar motivação para fazer uma coisa porque não existe garantia alguma que isso vai acontecer. Pode ser que você simplesmente nunca se sinta motivado a fazer alguma coisa.

Isso significa que não se deve fazer essa coisa? Muito pelo contrário. Normalmente as coisas que menos nos motivam são as mais vantajosas para a vida em geral. Eu escrevo textos nas minhas horas de pausa no trabalho, poderia seguir a motivação e ficar distraindo a cabeça com jogos, vídeos e conversas aleatórias, mas escrever me dá mais felicidade no longo prazo, ajuda a organizar ideias e consolidar conhecimento adquirido.

Eu aprendi a nunca esperar motivação para escrever, porque no meu processo mental, a motivação está conectada ao fluxo do texto. Talvez algumas pessoas mais atenciosas já tenham notado como meus textos normalmente “mudam de marcha” do meio pro fim. Parágrafos curtos e mais explicativos viram longas dissertações cheias de presunções. É quando a motivação bate. Mas como não é garantia, às vezes sai ao contrário: eu começo animado e vou perdendo o fôlego (é mais comum nos contos).

Só quando eu entreguei o controle sobre a motivação que eu fui me tornando uma pessoa mais confiável. Na mesma época que eu furava muito texto no Desfavor, eu também atrasava direto meus trabalhos. Eu passei muito tempo da minha vida esperando motivação, e foi só quando eu desisti dela que a coisa começou a funcionar melhor. Não adianta esperar motivação, motivação é seu cérebro excitado com alguma coisa que não precisa ter conexão nenhuma com seus objetivos racionais. Ela pode vir ou sumir a qualquer momento.

O que fazer então? Como viver sem ser escravo da motivação?

Disciplina. Disciplina é a resposta para todos os problemas que você tem com motivação. Disciplina é cumprir tarefas porque você tem que cumprir tarefas. Literalmente, é só fazer o que você quer fazer. Pode ser um saco de começar, pode ser muito difícil, pode ser que vá demorar muito, mas nada disso muda o fato de que tem que fazer. Sua motivação é tipo um filhote de gato: a cada segundo pode estar aleatoriamente interessado numa coisa diferente. Uma gracinha quando você não está tentando se concentrar. Um problema quando você está.

Não basta querer ter disciplina, tem que vivenciar disciplina. Ela só existe quando você começa a fazer as coisas que precisa do jeito que precisa. Motivação surge e some, disciplina você liga e desliga. Ela é um processo consciente que fica no seu campo racional, e com o tempo vai gerando novos caminhos cerebrais que produzem recompensas também. A dificuldade é começar, ou mesmo perceber que está usando a disciplina para tornar a vida mais feliz.

Percebam que eu não estou dizendo que é para você rejeitar a motivação, estou apenas dizendo que ela não significa tanto assim. Não é uma janela para o inconsciente, é apenas seu cérebro te dizendo que tem recompensa química pra você no curto prazo. Excelente pegar um pouco dela de tempos em tempos, ninguém vive só de responsabilidade e altruísmo, mas você tem escolha se não for a hora. Motivação não é o que te faz viver a vida no longo prazo, é o que te conecta com o instante, a cada instante.

No longo prazo, é a disciplina de ir lá e fazer o que você decidiu que é importante fazer que vai te permitir ir mais longe. Gostando ou não do processo. Se disciplina não fosse algo válido para melhorar qualidade de vida, ninguém diria que “quando é difícil é mais gostoso”. O grau de recompensa de fazer algo que você não quer ou acha muito difícil, mas dá certo no final é praticamente a soma de todas as motivações que você “economizou” até o resultado final.

E para não perder o viés desmotivacional: às vezes você só não quer fazer uma coisa. Já pensou em não fazer e arcar com as consequências? Quem sabe o preço de não fazer o que você acha que precisa fazer seja mais barato do que você imagina? A gente paga para entregador para não ter que sair de casa, a gente paga mais caro em alguns produtos que gostamos muito… por que não considerar o preço de algo que não queremos fazer?

É normal estar motivado para fazer coisas que não parecem boas e não estar motivado para fazer coisas que parecem. São descargas químicas do cérebro, não estão conversando com sua mente abstrata, estão só reagindo ao que estão percebendo naquele segundo. Não use motivação como fator decisório: motivação pode não aparecer em algo até que você já esteja fazendo, ou pior, pode sumir logo logo.

Quem nunca deitou na cama num domingo e decidiu mudar a vida toda? Só para acordar com preguiça na segunda… o que eu digo é: tudo bem. Isso é normal. Não quer dizer que o sentimento anterior era mentiroso, só que naquela hora tinha “drogas cerebrais” correndo pelos neurônios, e depois de uma noite de sono as coisas voltaram ao normal. A motivação não era nem mentira nem verdade, era algo que por definição só existe no momento.

Algo que você pode fazer ou não, usando sua disciplina, e com um pouco de sorte, mais umas doses de motivação no meio do caminho. E como ter disciplina?

É só ir lá e fazer. Fazer bem, fazer mal, fazer até mudar de ideia… mas fazer. Disciplina não é mágica, é apenas suor. Ela existe enquanto você quer que ela exista e some quando você não a quer mais. Você não é obrigado a fazer nada (desde que não quebre a lei), mas se for fazer, lembra que motivação é a última das suas preocupações, porque ela também não liga para o que você pensa que quer. E se não conseguir ter disciplina nem pra sair da cama, tem ajuda profissional pra isso.

Então, como seu novo guru/coach de autoajuda desmotivacional, fica a minha frase final: foda-se motivação, quem quer fazer alguma faz com disciplina.

Para dizer que eu sou um péssimo guru não te cobrando nada, para dizer que vai seguir meu conselho e nem ler o texto (opa), ou mesmo para dizer que eu só estava matando tempo de trabalho: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Etiquetas: ,

Comments (9)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: