Olhar profundo.

O desfavor andava muito alto nível para o nosso gosto. Em mais uma edição de “questões que definem a condição humana”, Sally e Somir discutem a etiqueta do papel higiênico. Os impopulares se sujam junto.

Tema de hoje: olhar o papel higiênico depois de se limpar?

SOMIR

Existem dois tipos de pessoas: as que conseguem ver as merdas que fazem e as que ficam em negação. Não começo aqui dizendo que é bacana ou agradável olhar para o papel higiênico sujo, mas afirmando que não adianta tentar ignorar a realidade da vida. Somos fábricas de merda no sentido literal e figurado, e dessa realização deve sair nossa atitude diante do mundo. Cagar não é um momento glorioso da vida, mas não adianta fingir que ele não existe.

Eu mantenho a lógica de outro texto relacionado com esse, o de olhar para o que se fez dentro da privada: precisamos de informações para viver. Porque as coisas acontecem se estivermos olhando para elas ou não. Se tem alguma coisa errada ou no mínimo preocupante com seu sistema digestivo, convenhamos que é bem mais fácil saber o que acontece se você ver o que sai dele. Se desse para ignorar essa etapa, não existiria exame de fezes, não é mesmo? Tem muita coisa nessa vida que não tem glamour ou apelo aos nossos sentidos, mas que são necessárias de qualquer jeito.

Olhar o papel, e eu já cedo o ponto aqui mesmo, não é tão essencial para auferir sua saúde do meio campo para trás, mas é um adicional de segurança para a mente curiosa. Pensemos no seguinte: olhar a merda dentro da privada dá mais informações, mas não tem função tão prática assim nos nossos hábitos de banheiro. Ninguém vai ficar analisando cuidadosamente o visual da merda como padrão, correto? Muitas vezes nos levantamos e por pura memória muscular já damos descarga. Ainda mais nessa vida corrida que levamos nos dias atuais…

O que muitas vezes pode nos fazer deixar de notar algo. Quando se olha o papel, não pelo prazer de ver a merda, mas pela função prática de saber em que etapa da limpeza se está, você já faz a análise prévia para saber se precisa de mais atenção ou não. O tema de hoje complementa a discussão anterior. Caso algo estranho surja no papel, você vai ser lembrado de fazer a análise posterior no fundo do vaso sanitário. Questão de saúde.

E como eu aposto que a revolta contra a própria condição humana excretora da Sally vai fazê-la questionar esse elemento básico, aqui vou eu explicar o óbvio: olha-se o papel para saber quantas passadas ainda são necessárias. Às vezes somos abençoados com merdas que passam sem deixar rastros, às vezes não. Se você olha o papel, sabe o que recebeu nessa loteria anal: se foi o espião que saiu sem dar bandeira, ou se foi o soldado que só passou depois do fogo supressor, deixando o campo de batalha todo destruído. E essa informação é essencial para a pré-limpeza.

Concordo com a Sally que só papel não é o caminho ideal para a limpeza da bunda, que água e sabão completam a recuperação da área, mas o papel existe para tirar tudo aquilo que você não quer colocar a mão. Tecnicamente, basta água e sabão em qualquer caso, mesmo naqueles onde parece que você comeu um bastão de cola e ele saiu grudando tudo no seu rabo. Mas não é bacana puxar merda com a mão, né? Papel está aí pra isso, pra deixar a etapa da limpeza delicada focada só em restabelecer frescor anal e viabilidade para sua cueca/calcinha branca.

Claro, ninguém faria isso. E outra, por mais que esse seja um dos elementos centrais da minha visão utópica sobre o mundo, não dá pra sempre cagar onde se quer. Até parece que em todas as vezes que precisamos cagar temos uma forma fácil de fazer a etapa da limpeza com água e sabão. Se precisar cagar num shopping, por exemplo… vai sentar na pia e limpar o cu do lado das pessoas lavando as mãos? Boa sorte usando aqueles secadores então… não seria uma cena bacana ficar com a bunda virada pra cima no assoprador de ar. E pra ser honesto, algo me parece perigoso na interação entre ar quente e cus.

E quando você caga na casa de outra pessoa? É ideal? Não. É melhor segurar até começar a ficar roxo? É. Mas não é algo que se controle perfeitamente. Uma hora ou outra você vai ter que cagar num banheiro que é de uma pessoa conhecida, ou que vai ser visitado por uma pessoa conhecida. Nem todos os banheiros tem bidê, e fica realmente estranho tomar um banho do nada, vai parecer que você se cagou todo, inclusive. E aí? De novo partiu lavar cu na pia? Não dá, né? Você vai ter que se limpar exclusivamente com papel, e o papel vai ter que sair tão branquinho como entrou se você tem o mínimo de higiene. Como confiar em quem não olha o papel nem num caso desses? É uma espécie de sexto sentido saber quando a bunda está sem resíduos? Porque vai ter cu sensível assim lá… lá no seu banheiro.

E outra: a merda é sua. Foda-se qualquer senso de higiene psicológica: enquanto a sujeira estiver contida no papel, qual o problema? Qual o grande terror? É sua. Peidos nunca são agradáveis, mas quero que qualquer pessoa aqui responda: se tiver que sentir o cheiro de um, que seja seu ou de outra pessoa? Pois é. Como tudo nessa vida, existem escalas. O nosso pelo menos é “de casa”. Eu concordaria com a Sally se a discussão fosse ficar olhando para o papel cagado de outras pessoas, mas, o seu? De onde vem essa dificuldade? Você inclusive sabe os ingredientes daquela merda, você que fez a receita! Se a discussão fosse o prazer de olhar para merda no papel, eu também concordaria com ela, mas não tem nada a ver com isso, é uma análise prévia da sua condição de saúde e uma garantia que a limpeza está acontecendo de forma correta.

Mas que merda que eu tenha que defender isso…

Para dizer que esse é o desfavor que você conhece, para me chamar de nojento, ou mesmo para dizer que ainda prefere não cagar: somir@desfavor.com

SALLY

Polêmcia no Desfavor! Trazemos hoje um grande questionamento da humanidade como tema: olhar o papel depois de limpar a bunda ou jogar direito no vaso sem olhar?

Não, claro que não tem que olhar. Qual é o seu problema? Totalmente desnecessário!

Já fizemos um tema parecido, onde perguntávamos se você olhava a merda que você cagou antes de dar a descarga. Vocês mimizaram dizendo que tinha que olhar, que merda ajuda a detectar doenças, que era uma questão de precaução, etc. Na minha cabecinha inocente, isso exauria o tema: se havia qualquer preocupação com o que saiu, este ato desagradável acalmaria a alma. Mas parece que não, parece que não contentes em olhar a merda, algumas pessoas precisam olhar também o papel cheio de merda. Fascinante.Somir sempre encontra um jeito novo de me decepcionar!

Eu realmente espero que ninguém aqui me venha com o argumento de que olha o papel para saber se a bunda está realmente limpa. Se você acha que sua bunda fica limpa apenas passando papel depois de cagar, você deve ser aquela pessoa que se pisa descalço em bosta passa um papel higiênico no pé e segue sua vida. Bosta se limpa com água e sabão, meus queridos. O papel é só para tirar o grosso. Passar papel na bunda até ele parar de sair sujo não te assegura uma higiene anal completa. Repense sua vida, porcão.

Se o argumento for a preocupação com o que saiu, olhar a bosta antes de dar a descarga também resolveria. Não entendo qual a necessidade de olhar a merda e os restos da merda prensada no papel. Em todo caso, fiquem bem tranquilos que se vocês tiverem uma doença olhar a merda na água e olhar a merda prensada no papel certamente não é a única forma de diagnóstico possível, o corpo vai dar sintomas de que algo está errado de forma muito mais contundente do que com a cor do seu cocô.

Eu fico me perguntando o tempo que essas pessoas levam para cagar. Caga, vira, olha a merda no vaso. Passa papel higiênico, olha o papel e joga no vaso. Passa papel novamente, olha o papel e joga no vaso. Faz isso até o papel sair branquinho. Não precisa nem se matricular em academia, cada vez que caga você se exercita! Gente, vocês não tem assadura não? Não é assim que se trata um cu não, a pele do cú é sensível, não é para passar várias levas de papel a cada cagada! Tudo isso pra que se no final das contas vai ter que rolar um chuveirinho, um bidê ou um banho?

Eu desafio qualquer pessoa daqui a me contar um caso seu onde olhar o papel depois de cagar tenha lhe permitido diagnosticar algo que não poderia ser diagnosticado de outra forma. Além de problemas psicológicos e talvez um certo TOC com limpeza (precisar ver que está limpo para sentir limpo é doença mas tem tratamento, procurem ajuda), nada justifica ficar olhando um papel todo melecado de merda. Sério mesmo, vocês tem problemas. Você sabe que a pessoa tem problemas quando olhar a bosta não basta.

Você caga. A bosta cai no vaso. Você olha e constata que de fato é um tolete, não uma jiboia, não uma casquinha do Mc Donalds, não uma boneca Barbie. Pronto, já seria uma loucura de bom tamanho.Spoiler: seu cu não produz nada que não seja merda, pode confiar em mim, não precisa olhar toda vez. Mas não! Além de olhar a merda, a pessoa precisa ver o que sai depois de esfregar o papel em uma bunda que acabou de cagar! Conta para mim, o que vocês acham que pode ter lá? Um bilhete premiado de loteria? Jesus tentando te passar uma mensagem pela borra do cocô? Se mediquem, gente! A psiquiatria evoluiu muito nas últimas décadas, pode ajudar pessoas como vocês!

O que me chateia é isso: pessoas relutam em admitir que o ganho de se olhar o papel é zero. Já olhou a bosta, viu que está tudo normal, não vai ser um papel esfregado na bunda que vai te ajudar a detectar algo. Admitam que é problema de cabeça de uma pessoa olhar cada limpada de papel que dá na bunda. Não há ginástica argumentativa que justifique uma olhada a cada passada de papel.

Eu poderia até usar argumentos ecológicos sobre a quantidade de papel utilizada e os danos ao meio ambiente, mas vocês sabem o quanto eu cago para o planeta. Porém, se você não caga para o planeta, está sendo meio hipócrita de gastar tanto papel apenas para saciar essa cocomania de ficar limpando o cu reiteradamente de forma desnecessária. Pense nisso.

E não ouse dizer que limpar com água aumenta o consumo em tempos de escassez. Pessoas normais preferem que as calotas polares derretam, os ursos polares morram todos bronzeados e que uma catástrofe climática mate metade da humanidade do que sair por aí com o cu sujo. Observa bem se eu vou cagar e sair com o cu sujo por só ter limpado com papel para preservar a natureza!

Se você limpa a bunda apenas usando papel, repense sua vida toda, você deve ter outras falhas bizarras de higiene e de caráter. Se você limpa a bunda com papel e com água e sabão mas ainda assim olha o papel, mesmo sabendo que depois vem a aguinha do bem que vai lavar tudo, agende horário com um bom psicólogo e psiquiatra para tratar da sua doença mental.

Sério, apenas parem. Não me decepcionem assim.

Para dizer que decepção é um tema merda como esse, para passar a olhar para o papel com culpa depois deste texto ou ainda para comemorar a volta da escatologia ao Desfavor: deixe seu comentário.

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Desfavores relacionados:

Etiquetas: ,

Comentários (36)

  • “Não é assim que se trata um cu não, a pele do cú é sensível”

    Sally, você passa lixa no cu depois que caga? A humanidade já evoluiu a ponto de fazerem papéis higiênicos mais suaves e nem é tão difícil de encontrar.

  • Avatar

    LindamÀr do cu limpo

    Olha que intuiçao a minha!!!!

    O dia do cu limpo.

    Parabens pela postagem…. pelo blog… maravilha… topico ESSELENTE.

    Voces estao indo de vento em poupa… bravo.

    Sally, o dia que eu te ver cagando vou jogar uma lagartixa no banheiro.
    Quero ver sua implicancia com cu sujo vencer o medo.

    E nao duvide q eu possa te ver cagando um dia.
    Vc nao sabe o dia de amanha.

  • No caso de não ter chuveirinho e meus lenços umedecidos terem acabado sou a favor de olhar sim, pq pelo menos fica menos sujo. Fora isso, nem usaria o papel! Pra mim papel higiênico é longe de ser higiênico. Água pra vida!

      • Então, na hora de lavar, você prefere meter a mão em um monte de bosta remanescente, só pra não olhar o papel e garantir um ânus menos sujo antes da lavagem?

            • Francamente, eu acho que o que não sai depois de duas ou três passadas, não sai com papel, só com água e sabão.

                • Não gosto do lencinho, deixa o cu oleosos, as bandas escorregando umas nas outras o resto do dia me deixam de péssimo humor. Mas, entre isso e cu sujo, prefiro o lencinho. Normalmente eu evito com todas as forças cagar fora de casa. Felizmente no meu trabalho tenho a opção de tomar um banho se quiser.

  • Mas dependendo do banheiro público que vc tá, não tem onde lavar o rabo. Claro que na minha casa eu passo papel, não preciso olhar porque depois vou lavar mesmo, mas no meu trabalho eu olho papel sim!

  • “…outras falhas bizarras de higiene e de caráter…”

    Sallyta que inveja das pessoas que te orbitam. Você deve ser muito cheirosa e limpinha.
    Vou aproveitar o tema e desabafar sobre outras falhas bizarras de higiene.
    Trabalho com uma pessoa que além de amontoar copos sujos de café e leite em cima da mesa de trabalho (exala aquele cheiro nauseante de café frio), teve a capacidade de um belo dia, deixar um fucking cotonete usado dentro da pilha de copos. Eu tive um mini avc e recolhi logo, antes que eu vomitasse na sala mesmo.
    O outro serumano assoa o nariz em plena mesa de almoço, com uma dezena de pessoas mastigando em volta.
    Muita inveja de quem te orbita Sally.

    • Gente que deixa restos de comida na mesa de trabalho merece ter as mãos cortadas. Isso atraí bichos como formigas, baratas e até as odiosas lagartixas e prejudica todos os que estão no entorno. É um grau de falta de civilidade que me leva a perguntar como é a casa desses porcos.

  • Daí eu pergunto no sentido contrário: qual o problema da Sally em ver bosta, papel melecado etc etc? Acho que o problema é com ela, não? hehe
    É só nojinho ou tem algo mal resolvido aí no meio?

    Off: to sentindo falta da coluna “Siago Tomir, aquela do…” Quando teremos outra?

  • Sou médica e às vezes a única manifestação de doença hemorroidária (que tem mais de um tipo e graus de prolapso diferentes) é pequeno sangramento no papel. Inclusive isso está descrito livros e artigos: sangramento indolor associado à evacuação e detectado no papel.

    Nem sempre há sangramento visível nas fezes e sangramento rutilante. Dor ocorre em situações específicas.

    Na suspeita de um caso desses, pergunta-se esse tipo de coisa. É… não é mt glamouroso, eu sei…

    Não estou dizendo que é absolutamente necessário ficar contemplando suas fezes no papel, mas pode trazer informações úteis.

    Sei tbm que só limpeza com papel não é suficiente, mas vc acaba usando antes de lavar com água e sabão, né?

    • Se houver suspeitas de hemorróida e o médico perguntar uma coisa dessas, passa a haver um motivo para olhar o papel. Porém, olhar cada papel de cada cagada da vida por se um dia, por um acaso, a pessoa tiver hemorroidas me parece desnecessário.

      • É… realmente não é algo de extrema necessidade. O real benefício num caso desses que só apresenta essa manifestação e, portanto, pouco interfere na vida da pessoa, é a adoção de medidas terapêuticas simples que evitam a progressão do quadro. Quadros mais avançados já possuem tratamento mais… desconfortável, por assim dizer…

        É só que essa “checagem” acaba sendo natural para muita gente e acaba também podendo fornecer uma informação esporádica sobre o organismo da pessoa.

        Mas se é algo que você considera meio indigno, só essa argumentação não vai te convencer hahahahaha. Pra vc não vale o custo/benefício, né Sally?

          • Então, eu comentei isso porque você colocou no texto que era improvável que olhar para o papel pudesse fornecer alguma informação diagnóstica que a observação das fezes por si só já não desse. E algumas vezes só aparece aquele sangramento meia boca no papel. É um plus, sabe? Uma fonte de informação a mais.

            Mas na boa? Muito mais importante que olhar fezes num papel é ter condutas preventivas: o cuidado com higiene local, se alimentar corretamente e beber água.

            Então seja feliz e não se obrigue a ficar ferindo seu senso estético com isso! É uma fonte de informações a mais e só, algumas vezes pode apontar pra um diagnóstico, mas não é isso que vai definir sua saúde.

  • hahah, pois é, o ambiente anda muito amistoso.
    E sim, deve olhar. E o argumento é esse mesmo, sem olhar não tem como saber se está limpa ou precisa de mais papel. Sally, bunda, pé e sovaco nunca vão estar completamente limpos, por mais banhos que você tome. Aceite, são regiões críticas.
    E nunca nenhum médico te perguntou qual a textura ou a cor das fezes? E aí, vai responder o que? “não sei, doutor, não tenho o hábito de olhar minha bosta.”
    Então quer dizer que se passou um sabonetinho rola até beijo grego?

    • Repito: um papel limpo não é sinônimo de um cu limpo, quem olha o papel para tentar depreender limpeza anal erra.

      Consistência das fezes você consegue perceber sem olhar o papel, e se não, sendo o caso, se olha quando o médico o requerer. Passar uma vida olhando o papel de cada cagada para, se um dia o médico perguntar, ter a resposta é desnecessário.

      Sobre beijo grego: não, obrigada, eu não vim ao mundo para chupar o cu dos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: