Bela mentira…

Com mais e mais pessoas recorrendo a aplicativos para encontrar parceiros, a manipulação de imagens por filtros tem um impacto cada vez mais real na vida das pessoas. Sally e Somir discutem os limites desses truques digitais, os impopulares escolhem para que lado vão deslizar.

Tema de hoje: é desonesto modificar com filtros suas fotos em um perfil de site ou aplicativo de encontros?

SOMIR

Pelas lógica que já existe nesses aplicativos, não. A pessoa pode tirar foto com quilos de maquiagem, escolher o melhor ângulo depois de tirar 300 selfies, usar fotos antigas… e não pode dar uma manipulada na foto por meios digitais? Ou tornar sua imagem melhor numa foto é desonestidade ou não é. Se todo mundo parece aceitar os outros meios, não faz o menor sentido escolher só um como vilão.

Pessoas fazem desses truques há milênios. Desde o uso de maquiagem pelas mulheres até mesmo homens murchando a barriga quando passa uma mulher bonita… faz parte do funcionamento padrão da mente humana. O “mercado sexual” é uma competição, e quem está competindo busca vantagens.

É tão natural que a partir disso eu consigo prever as respostas de quase todos vocês: vão concordar com a Sally porque acham errado alguém mentir no perfil desses aplicativos, certo? Vocês não são pessoas escrotas que enganam os outros. Louvável. Mas agora eu quero que você respire fundo e só preste atenção na seguinte frase: essa não é a discussão deste texto. A discussão do texto é sobre se tem diferença usar algo físico como maquiagem ou um filtro de computador para mudar sua imagem.

Agora, tenta imaginar seu comentário focado apenas no tema real que estamos discutindo. É difícil, né? Parece que tem alguma coisa te dizendo que uma resposta simples dessas não é uma boa ideia para você. E eu vou te dizer o que é essa coisa: sua vaidade. Todos temos, é inescapável. No Desfavor você não coloca sua foto e nem precisa se identificar, o que te resta aqui é a vaidade intelectual. Você não quer escrever algo que te faça parecer uma pessoa mentirosa, ou mesmo alguém muito feio(a) que está defendendo mentir nas fotos porque precisa disso.

E veja só, pessoas ficam cegas por essa vaidade mesmo numa seção de comentários anônima! Mesmo que você tenha finalmente percebido porque eu vivo reclamando desse tipo de resposta, tem um longo caminho até terminar o meu texto e ler o texto da Sally. Você provavelmente vai voltar a ficar inseguro(a) até lá e não resistir a responder outra coisa que não o verdadeiro tema desta discussão. Talvez você ainda não consiga vencer essa “vaidade anônima” hoje, e está tudo bem.

E está tudo bem porque eu realmente acredito no ponto que estou defendendo: o ser humano tem uma dificuldade enorme de vencer esse tipo de vaidade. A ideia de que cidadão ou cidadã não vão dar um jeito de manipular suas fotos em redes sociais – especialmente nas focadas em encontrar parceiros sexuais – é na melhor das hipóteses utópica. Oras, essa é a mecânica do processo desde tempos imemoriais! A pessoa não pode se enfeitar para mostrar uma imagem mais bonita para o mundo?

“Ah, mas é diferente usar filtro de computador.”

Diferente como? O processo é diferente, mas maquiagem e escolha de um ângulo mais favorável são processos diferentes também. E eu aposto que você coloca as duas coisas na mesma categoria. Por que isolar edição de imagem no computador numa categoria separada que magicamente se torna mais desonesta que o resto? Quem vier fazer pose de honestão ou honestona que faça um perfil no Tinder com duas fotos: uma 3X4 e uma tirada de surpresa assim que você acordou. Se fizer QUALQUER coisa diferente, você é tão mentiroso(a) quanto quem passou um filtro na foto.

Ou pode manipular sua imagem para te beneficiar ou não pode. Se você acertar a mão, só está se apresentando melhor, se você exagerar, vai ter que encarar a realidade uma hora ou outra. Eu já expliquei isso em alguns textos antigos, mas vou reforçar: como alguém que eventualmente precisa editar fotos de modelos para uso profissional, eu sei muito bem que uma foto não é uma representação precisa da beleza de uma pessoa. Tem gente que fotografa bem, tem que gente que fotografa mal. Ninguém me contou, eu já vi modelos que eram lindas ao vivo e que precisavam de muito trabalho na edição. Já vi mulher que mudava de plebeia para princesa assim que a câmera ligava. Fotografia e captação de vídeo são coisas muito mais complexas que a maioria das pessoas entendem. Sensor de câmera não é olho humano, é uma aproximação.

Não é melhor ou pior editar pelo computador, é só outro jeito de trabalhar sua imagem. Se uma mulher esconde uma espinha com maquiagem antes de sair, não o faz por querer sacanear os homens, o faz porque aquilo é um pequeno acidente no seu visual que não representa sua imagem na maioria absoluta das vezes. No computador é a mesma coisa: você apaga a espinha porque a espinha não é um elemento importante da imagem daquela pessoa. Não vai estar lá amanhã.

É fácil se perder imaginando exemplos de gordos colando o rosto no corpo de um modelo ou uma mulher esmagando a cintura com filtros para não parecer que só tem uma largura dos ombros aos quadris, mas essa não é a realidade. Por mais imbecil que seja o usuário médio desses aplicativos, boa parte sabe que mentira dessa magnitude tem pernas curtas. É óbvio que não estamos discutindo se completos retardados que fazem alterações bizarras estão errados, é claro que estão. Estamos falando de algo mais sutil e muito mais comum: dar uma melhorada no visual para tentar atrair parceiros(as) mais interessantes.

Se isso é desonestidade, estamos alguns milhares de anos atrasados nessa realização… chega de ficar demonizando tecnologia. Esse papo de “beleza real” é coisa de comercial de empresa pilantra e hippie que não depila o sovaco. Da última vez que o ser humano teve beleza real, ainda parecia mais com macaco do que com ser humano. As pessoas são vaidosas e vão sempre teimar contra o que a genética disse. Não é por causa de um grupo limitado de mentirosos sem a menor noção da realidade que vamos rejeitar o mundo moderno…

E sim, eu sei que vai parecer inútil essa argumentação toda. Você vai comentar que acha mentir na foto errado porque não quer parecer uma pessoa ruim ou feia. Eu te perdoo, até porque… você vai provar meu ponto de que a vaidade é irresistível.

Para dizer que eu exagerei na manipulação (mas encaixou perfeito no texto, admite), para dizer que eu ainda estou bravo pelo texto da semana retrasada (estou), ou mesmo para dizer que eu devo ter mudado muito minha foto no Tinder (não uso): somir@desfavor.com

SALLY

É desonestidade modificar com filtros suas fotos em um perfil de encontros?

Sim, a mudança feita por filtros é muito agressiva e, dependendo da forma como seja usada, descaracteriza totalmente a pessoa.

Pequenas mudanças como tirar proveito de um ângulo favorável, usar iluminação para ressaltar seus pontos altos ou até maquiagem são parte da regra do jogo. Mudar a cor dos seus olhos, afinar 20cm sua cintura ou aumentar vertiginosamente o recheio do seu decote não.

Quem entra nessas porcarias encontros quer aparência, é basicamente um supermercado de gente (se você está usando para conhecer alguém legal, tenho uma má notícia para te dar). Portanto, o foco central desse tipo de interação é a aparência física. Lesar o outro nisso é cagar a essência do negócio.

É diferente de um encontro armado por amigos em comum, onde se conhece a personalidade de ambos e se depreende que há uma afinidade entre as pessoas. Aplicativos e perfis de encontros são focados exclusivamente na aparência física, por mais que envolvam questionários e firulas, é isso que se busca primordialmente. Se essa é a meta, o mínimo que se espera é as pessoas sejam o mais honestas possível na meta.

Nem se trata de uma questão de ética ou valores, é para evitar perda de tempo mesmo. Se você pesa 10kg a mais do que aparenta na sua foto, se você tem outro nariz, se você usou computação para alterar características essenciais, há grandes chances da outra pessoa não te procurar mais. Ela não recebeu o que contratou, está coberta de razão em ficar frustrada.

Daí vai ter quem diga que maquiagem também é uma forma de enganar os outros. Sim, de certa forma é, mas a pessoa recebe o que contratou: quando o cara está lá comendo a menina, ela está exatamente do jeito que foi prometido, ainda que seja na base da maquiagem. Então, sendo permanente ou não, ele recebe aquilo que esperava. Diferente de alguém que alterou sua foto e entrega uma pessoa completamente diferente que pode não ser atraente para o novo parceiro.

Se você aparece no encontro usando lentes de contato azuis, a pessoa vai fazer sexo com alguém de olhos azuis. Verdadeiro ou falso? Não importa, a pessoa recebe o que contratou. Na real, dificilmente você acha alguém 100% verdadeiro: pessoas alisam o cabelo, pintam, depilam e fazem outras alterações na aparência regularmente. Meu ponto é: entregar o prometido. Se a pessoa queria comer alguém com olho claro, ela vai comer alguém com olho claro, ainda que artificial. O contrato se manteve.

“Mas Sally, se um dia essas pessoas tiverem um relacionamento sério a pessoa não vai entregar o prometido”. Meus caros, se um encontro de Tinder virar um relacionamento sério, obviamente as regras do jogo serão revistas. Não sei qual o peso da aparência física nesse caso, mas se a pessoa fazia questão de alguém de olhos azuis verdadeiros, ela que pule fora. Para um fast food, basta que a pessoa entregue o prometido em matéria de aparência.

O que não acontece quando você promete uma imagem modificada por computação gráfica. Quem gostou dessa aparência, que não existe, não vai receber o que contratou, nem mesmo de forma artificial. Vai chegar uma pessoa completamente diferente no encontro. Aí sim há uma quebra de contrato, uma desonestidade. A pessoa está esperando por uma coisa e chega outra. Isso, além de ser de uma desonestidade ímpar, cria uma tremenda saia justa, uma situação constrangedora.

De dois um: ou a pessoa diz na cara da outra que não vai rolar pois ela esperava outra coisa ou, pior, a pessoa fica com a outra por pena/constrangimento e nunca mais a procura. Péssimo para todos os envolvidos. Pra que se colocar em uma situação merda dessas?

Existe uma parcela de pessoas retardadas que acredita que gente de aplicativo de encontro, apesar de estar em busca de sexo causal, quando as conhecer, vai se apaixonar ou se encantar por seus atributos. Não vai. A pessoa não vai se dar ao trabalho de reparar em você, ela vai olhar para o seu físico e só, por isso ela usou esse meio para conhecer gente, para não gerar falsas expectativas. Mas tem gente que cria falsas expectativas do nada.

Aí, quando essas pessoas criam falsas expectativas de que o outro vai perceber o quanto ela é especial e deixar de lado a discrepância física entre a foto e a realidade, se decepciona ao perceber que não, que o fato de não corresponder à foto foi um deal breaker. Ainda chama o outro de fútil. Não, não é fútil não, se você usa um Tinder da vida, esses são os termos do contrato. Não gosta? Não use. É como entrar em um zoo e ficar reclamando que os animais estão todos presos. Vai à merda, né?

“Ah, mas pode acontecer”. Na vida, o que costuma acontecer é a regra. Sim, exceções existem, mas viver contando com elas é burrice. Conte sempre que vai acontecer a regra geral, se vier uma exceção, agradeça. Nunca conte com a exceção, esse é o caminho mais curto para viver se frustrando.

É como pedir um cachorro-quente e receber um hamburguer. Se você quisesse comer um hamburguer, você tinha pedido um hamburguer. Sim, as pessoas têm o sagrado direito de querer outras com certas características físicas. É fútil? É prioridade errada? É escroto? Pode ser, mas, ainda assim, elas têm o sagrado direito de usar esse critério de escolha, principalmente através de um meio que deixa bem explícitas as regras do jogo. O combinado não sai caro.

Não cabe juízo de moral aqui. Se você usa de um meio onde o determinante é a aparência física, melhor não ser desonesto, pois o maior prejudicado será você. Quem entra nesses aplicativos lixo não são pessoas dispostas a relevar esse tipo de enganação, pois a aparência é tudo que lhes interessa e nada mais vai compensar isso. Não são pessoas que permitem que uma personalidade fascinante suplante o corpo ou o rosto que elas estavam esperando. Saiba onde você está pisando.

Independente da babaquice, futilidade ou imbecilidade das pessoas, é feio demais não entregar o que combinou e quem vai sair perdendo, humilhado o magoado é você. Não seja essa pessoa.

Sejam honestos com o outro e entreguem o que prometeram, mesmo que sua entrega saia com água e sabão.

Para avisar que tem uma pandemia e não pode sair fazendo encontro por aplicativo, para avisar para a pessoa do aviso anterior que ninguém se importa com a pandemia ou ainda para dizer que quem usa aplicativo de encontro tem mais é que se foder: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: , ,

Comments (10)

  • (Solitari)Ana94

    Existem dois problemas nessa questão. Um deles é o lanche da caixinha ser menor que do comercial, e o outro é do cliente não se contentar (pelo menos não por muito tempo) com o que foi entregue, mesmo quando é exatamente como no comercial. Pra mim, considerável parcela desses clientes dificilmente vão se saciar com o que quer que seja. E num fast-food, uma das regras é justamente lucrar com edição limitada, promoções, brindes. Sempre vai haver uma novidade, uma coisa “melhor” que a anterior, sempre na intenção de não te saciar por muito tempo, claro. É esperado que o cliente volte amanhã ou mais tarde, no mesmo dia. A menos que ele mude de dieta. Lógico que vai dar ruim pra quem não tá acostumado com diarreia de McDonalds, ou de ver que o lanche que chega na mesa é diferente do comercial, ou de que tem um gosto diferente do imaginado apesar da aparência continuar a mesma. Então, não é sempre “errado” mentir sobre o lanche. O cliente tá ali pra comer, primeiramente, se vai ter outra oferta amanhã, que diferença a de hoje ser frustrante? E, claro, a diarreia já está prometida independente do pedido…

  • Desonesto porque as maioria das pessoas marcam pra sair pelo visual da outra e não a personalidade. Se bem que tem umas minas que de cara lavada dão susto. Eu prefiro ver sem filtro e sem maquiagem antes de decidir.

    • Mas as minas que “de cara lavada são susto” podem ir maquiadas e entregar o que prometeram. Ninguém vai morar junto no primeiro encontro, para ver o outro de cara lavada

  • Acredito que muitas pessoas já estão familiarizadas com filtros então já vão pro encontro sem grandes expectativas.
    Mesmo assim, é desonesto.

  • Queria que tivesse um Tinder de amizades. A pessoa fazia um perfil, colocava seus hobbies e se conectava com pessoas com hobbies parecidos, só na amizade mesmo. Minha cidade é muito pequena e não tem quase ninguém, e a atividade principal é se sentar na varanda e ouvir forró e sertanejo na caixa de som. Nada contra as pessoas, mas estou de saco cheio de me sentir tão deslocado…

        • Não acho o mesmo não. No Orkut havia foco por discutir os temas que davam nome a cada comunidade. Havia troca de ideias, havia amizades. No Facebook há briga, há gente querendo provar que é muito superior ou feliz e ostentação.

        • Orkut era bom porque a gente não era obrigado a ver as babaquices de ninguem. Você entrava lá e aparecia somente o seu perfil e suas comunidades. Caso você se interessasse por alguém, você, por livre e espontânea vontade, ia no perfil da outra pessoa pesquisar o que ela gostava. Hoje qualquer rede social tem a praga do “feed de noticias” em que quilos de chorume alheio são jogados na sua cara sem você pedir (ok, vc pode configurar pra não aparecer nada, mas é a exceção).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: