Bloco de uma nota só.

Tentamos achar uma notícia, tentamos mesmo. Mas só tinha Carnaval. O Brasil monotemático é o desfavor da semana.

SALLY

O Desfavor da Semana é não ter uma notícia para usar como Desfavor da Semana. Não, o Brasil não virou um país decente onde não ocorrem mais desfavores semanalmente, o Brasil se tornou um país monotemático onde não se fala em mais nada que não seja carnaval.

O carnaval brasileiro, pelo conjunto da obra, é um tremendo desfavor, mas confesso que não queria falar dele. Foge à proposta da RID falar sobre algo óbvio, que está escancarado. Gostamos de trazer novidades, novos enfoques, novas discussões. Mas esta bosta de carnaval monopolizou a semana toda. E o pior: sem trazer uma única novidade relevante. Sempre mais do mesmo.

Carnaval em Salvador teve muita porrada, muitos crimes e, o clássico, estupro de turista. Francamente, uma mulher que vai a Salvador no carnaval deveria saber que estupro é meio que inerente ao programa. Um lugar imundo, subdesenvolvido e cheio de homens machistas que se comportam como animais (ainda por cima bêbados) não pode culminar em coisa boa. Preconceito? Não. Pós-conceito, infelizmente morei por lá muito tempo. Fica aqui meu aviso: carnaval em Salvador é risco concreto de estupro, não importa onde, não importa como, não importa o cuidado que se tome. É a Índia brasileira.

Carnaval no Rio mesma merda, só que com pessoas um pouco menos feias. Um pouco, só um pouco, porque o mito do carioca bonito é obra de Manoel Carlos. Escola de Samba patrocinada por ditador sanguinário prestando-lhe reverência sendo aclamada pelo público, zilhões de subcelebridades tentando projeção na base da bucetada, muito álcool e drogas. Coroação da criminalidade: assistir a desfile de escola de samba é como ir a uma festa na casa de bandido. E ainda ter que ouvir Neguinho da Beija-Flor dizendo que nós deveríamos AGRADECER à criminalidade por proporcionar uma festa tão bonita. “Agradeçam à contravenção”. A pessoa não se ajuda, não é mesmo? Mais um para minha torcida da volta do câncer.

Carnaval em São Paulo se resume a uma palavra: vergonha. Não sabem fazer carnaval e em vez de se orgulharem disso, baterem no peito e dizerem “aqui somos dignos”, tentam fazer essa porcaria mal parida. Voltem para os escritórios, que vocês tem cérebro e educação. Mas não, falta de água cancela atendimento hospitalar, cancela aulas em escolas, só não cancela esse carnaval coxinha humilhante. Paulista sambando é uma das coisas mais deprimentes que eu já vi.

Carnaval no Nordeste (porque para mim Nordeste é tudo uma coisa só, exceto Salvador, que é bem pior) foi aquela coisa de sempre: muita gente feia e suada na rua e uns poucos abastados e bem cuidados celebrando com luxo e conforto. Gente que ganha merda, gente endividada, gente sem emprego, pulando aos bandos feio símios no cio. Uma semana onde alegria é decreto. Tem gente que acha isso bom, eu acho um tremendo desfavor.

Todo carnaval a mesma coisa: uma polêmica envolvendo uma subcelebridade nua (tapa-sexo caiu, não teve dinheiro para comprar tapa-sexo, etc). Um novo modismo sexual escroto e vulgar (cápsula do amor), Claudia Leitte envergonhando a si mesma e sendo trucidada pela opinião pública. Uma música irritante eleita como hit do carnaval (uma apendicite e um cantor saído direto do hospital para o trio elétrico garantiram o título este ano – exemplo de superação imbecilóide). Famosos traindo em público (beijo Cleo Pires, beijos Maria Casadevall, melhoras para suas testas). Sempre mais do mesmo. Chato, enfadonho, vergonhoso e previsível.

Todo carnaval a mesma coisa também no quesito alienação. Enquanto as pessoas pagodeiam, enchem os cornos e fazem sexo pelas esquinas (mijadas), coisas importantes acontecem e passam em brancas nuvens. Thor Batista, aquele que estava dirigindo comprovadamente acima da velocidade, atropelando e matando um pedestre, foi inocentado. Enquanto o infeliz que atropelou o filho da Cissa Guimarães (que transitava indevidamente em um local proibido para pedestres, diga-se de passagem) foi preso. PT e Petrobrás caindo no esquecimento a ponto de outros países estarem mais avançados na investigação e punição dos corruptos do que o Brasil.

Onde não falta água, sobra por causa de enchentes. Mas tá tudo bem, Tchuco no tchaco, tchaco no tchuco, o estupro auditivo continua mesmo assim. Conta de luz, aquela que a Dilma disse que não ia aumentar, vai aumentar em até 80%. Não tem problema, sou um gordinho gostoso, um gordinho gostoso. Os direitos dos trabalhadores, aqueles que Dilma não ia mexer “nem que a vaca tussa”, foram mutilados violentamente. Quem se importa? Xenhenhem, xenhenhem (ad eternum). Não tem água e quem insistir em querer viver usando água vai pagar multa… Matimba! Matimba! A educação, aquela que seria prioridade do Governo Pátria Educadora, recebeu de cara um corte de 7 bilhões no orçamento. Pra frente, pra frente, frente, nossa vida vai, como manda o figurino. É, Veveta, só se for a sua, a minha tá andando de ré.

Sabe o que é pior? Se você ousar romper o pacto de imbecilidade coletiva e relembrar qualquer dessas coisas, as pessoas se voltam contra. Mal humorada, ranzinza, de mal com a vida, amarga. Não pode. Carnaval é só alegria, mesmo que você não tenha água para lavar a bunda depois de cagar. ALEGRIA, OBRIGATÓRIA. Não ouse lembrar que a realidade é uma merda, se não será atacado. Tem que participar desse pacto de alienação, calado, para não ser detonado pelos símios no cio.

Fosse só uma semana por ano, vá lá. Mas não é. São cada vez mais eventos desse tipo. Mal acabou natal e ano novo já tem carnaval, e já tem ovo de páscoa exposto nas Lojas Americanas. Como diz o Murilo Gun, daqui a pouco vão pendurar ovo de páscoa na árvore de natal. O calendário brasileiro está cheio de factoides, um emendado no outro. Vai ter páscoa, semana santa, dia dos namorados, festa junina etc… O ano todo um motivo para beber, um motivo para focar as atenções em outra coisa que não seja um Governo cagado ou na vida de merda que a pessoa leva: emprego mal remunerado, casamento falido ou qualquer outra coisa que se deseje esquecer. Em vez de fazer por onde melhorar a própria vida, se apegam a esses factoides do calendário para esquecer o que está errado.

Olhar para o problema de frente e gastar energia tentando resolvê-lo nem pensar. Mais fácil pagodear, churrasquear, beber, esquecer, anestesiar. Pior ainda: são os mesmos que reclamam da própria situação e da situação do país. Dá vontade de responder: caso você não tenha percebido, o país só está como está por causa de merdas como você. Só dando porrada, muita porrada. O diálogo com o Brasileiro Médio é inútil.

Para dizer que gosta quando eu me revolto, para criar problema desnecessário pelo uso da palavra “símios” ou ainda para perguntar se algum laboratório de antidepressivos me patrocina: sally@desfavor.com

SOMIR

Foi um carnaval de desfavores como muito bem descreveu a Sally. Estava até parcial de falar da Unidos da Ditadura Africana nesta coluna, mas o assunto foi usado durante a semana. Escolher a notícia do desfavor da semana é uma tarefa mais complexa do que parece: tem que ser recente, relevante para o nosso público, e acima de tudo, tem que permitir uma análise mais complexa. Muitos desfavores acontecem, mas poucos encaixam direito na proposta da coluna.

E como fazemos toda semana, discutimos quais as notícias com mais “cara” de desfavor da semana. Nada. Não se enganem, foi mais uma semana carregada de porcarias, mas faltava aquela com mais conteúdo explorável. Provavelmente deixamos passar algo excelente que alguém aqui vai lembrar nos comentários, mas o excesso carnavalesco foi ruidoso demais.

E ao mesmo tempo, vazio demais. Não tem muita substância essa festança toda. Até mesmo o que de ruim acontece não é nada mais do que repeteco dos anos passados, e facilmente redutível a um povo ignorante e mal educado. As polêmicas de época são rasas, aliás, todo o carnaval é raso. É só mais uma coisa para fazer a essa altura do campeonato.

Talvez durante um tempo fosse uma bem vinda quebra de rotina de uma sociedade castradora e pudica, mas hoje em dia? Carnaval é um feriado para fazer mais do mesmo. Homem vestido de mulher já se encontra em qualquer esquina mal iluminada durante o ano inteiro! Promiscuidade e abuso de álcool? Curioso seria passarmos alguns dias SEM isso.

O brasileiro pula carnaval porque é isso que se espera dele. Uma festa que se nunca primou pelos seus significados complexos, pelo menos já foi um pouco menos robótica e previsível. É a mesma merda ano após ano. Talvez já seja a idade falando, os mais jovens ainda podem se surpreender com o roteiro engessado do carnaval, mas quanto mais se vê dessa ocasião, menos interessante parece ficar.

Mas vê se isso arrefece a participação popular? Claro que não. Ruas lotadas de gente emanando todos os odores possíveis, numa espécie de cio coletivo sancionado por um número no calendário. No carnaval é isso o que se faz, e boa parte da nossa população parece muito feliz em simplesmente seguir o fluxo. E toda as estruturas ao redor dessa sociedade seguem o padrão.

É hora de esvaziar o conteúdo e enfiar goela abaixo de todo mundo mais ou menos a mesma coisa que fizeram no ano anterior. Todos num estado de suspensão mental, esperando os trios elétricos e carros alegóricos passarem antes de tentarem voltar ao normal. Mesmo que seja o pífio normal do brasileiro médio.

Se temos alguma coisa de nova no fronte, é a patrulha do coitadismo, com barangas dando chilique por propagandas aleatórias e gente chata analisando com profundidade desproporcional as fantasias alheias. Até mesmo o aspecto de esculhambação típico do brasileiro vai perdendo o pouco charme que tinha. A hipocrisia e a vitimização vão encontrando seu espaço na avenida. Evolução: nota ZERO.

De qualquer forma, de volta ao tema, ou a falta dele: até mesmo a produção de conteúdo entra na festa da banalidade. Cem notícias sobre fulana perdendo o tapa sexo depois de ter ensaiado a escorregada centenas de vezes antes, uma notinha sobre o que acontece de verdade no país e no mundo.

E as pessoas parecem relativamente satisfeitas com isso. Pudera, já não acompanhavam nada mais complexo do que a última eliminação do BBB antes do carnaval, nenhum motivo para cavar mais fundo durante ele. O que mais me incomoda na data ultimamente é como a banalidade se infiltra e ocupa espaço impunemente. Durante alguns dias, não precisa mais tapar os olhos e ouvidos para escapar da realidade, o mundo faz isso por você.

Não precisa mais ficar dentro do seu feed de notícias do Facebook, protegidos pelo algoritmo de conformidade e repetição. O mundo todo fica do jeito que a pessoa quer: vazio. Vamos falar de celebridades e fluídos corporais até ninguém mais aguentar, e deixar todo o conteúdo salvo para ser publicado novamente daqui a um ano!

Claro, a nossa mídia não prima pela qualidade dos assuntos abordados, mas pelo menos durante o resto do ano sobram algumas migalhas para nós. Durante o carnaval, aparentemente todo mundo tem que saber quem lambeu quem no camarote da marca de cerveja. Prioridades, prioridades.

Provavelmente estamos amargos pela derrota na busca por um conteúdo relevante aqui. Provavelmente estamos falando mais do mesmo que já falamos em anos passados… E esse é justamente o problema.

Tentamos fugir do carnaval, mas ele nos alcançou.

Para dizer que vem aqui justamente para não ler sobre isso, para dizer que ano que vem é só copiar e colar o texto, ou mesmo para dizer que a gente não sabe se divertir: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Etiquetas:

Comments (19)

  • Não curto folia.
    Já é Carnaval, cidade?
    Então, Se tiver grana, “fujo” pro interior.
    Caso contrario, ficar em casa e manter a leitura em dia é mais produtivo.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Falávamos sobre o carnaval durante o almoço hoje e eu disse: Sinceramente, eu preferiria não ter essa folga. Todas as atividades (do trabalho) ficam acumuladas e triplicam quando retornamos. Acaba que temos tanta coisa pra resolver que o estresse gerado supera o o descanso do período de folga. Fui fuzilada pelos colegas que estavam à mesa comigo. Ouvi coisas do tipo: “como assim você não gosta do carnaval? Como assim você prefere vir trabalhar à ficar em casa?”.
    Depois disse que eu deveria ser viciada em trabalho mesmo e encerrei a conversa.

    E é isso. No carnaval você é obrigado a ser feliz e é obrigado a curtir a folga. Caso contrário, você é mal amado, mal comido (no caso das mulheres), estressado ou viciado em trabalho.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Eles são maioria, mas estão errados. Não deixa que o fato deles serem maioria te tire a visão clara do que é certo e do que é errado. Ser esculhambado por Brasileiro Médio é um bom sinal.

      O que você achou?

      Loading spinner

      • Exatamente, Sally. Reconheço que estou no caminho certo quando esse tipo de coisa acontece. Porém nesse caso específico, preferi encerrar o assunto para evitar uma discussão que não levaria a lugar nenhum. Preferi terminar meu almoço em paz a ter que explicar meu ponto de vista, até porque eles estão condicionados a rejeitar o que difere do senso comum.

        O que você achou?

        Loading spinner

  • E o Carnaval em Ouro Preto-MG?

    Não tinha água, mas sobrava sorrisos.

    Tinha avisos nas repúblicas para todos economizarem água. O turista tinha que assinar termo de responsabilidade para economizar água!!!!!!!!!!!!!! Mas não tinha nenhum contrato garantindo felicidade. Isso sim eu assinaria com gosto.

    E enquanto os amigos faziam apostas de quem encostaria mais vezes a língua em bocas com o gosto amargo da cerveja, a euforia não despertava de jeito nenhum do lado de dentro. Do lado de fora tudo gritava, tudo dançava, tudo era colorido, mas não adianta, algumas sedes não passam nem com todo o álcool do mundo.

    E eu, que pagaria qualquer preço do mundo para não ficar amarga, já não sou jovem por dentro. Mas como não suportaria estar morta por dentro, sorrio. O Carnaval morreu há tempos e insisto, porque quero porque quero ser do time dos leves e felizes. De longe, eles são tão interessantes. Mas, de perto, eles não deixam a alegria minguar por nada, nem mesmo com o racionamento de água.

    “A torneira seca. Mas pior: a falta de sede.”

    Prioridades. Prioridades.

    Tentamos fugir do Carnaval? Sim. Mas ele sempre nos alcançará. Até o ano que vem com “sempre mais do mesmo outra vez”.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Mas quem disse que desgostando do carnaval não podemos ser leves e felizes? Se essa cambada de imbecilóides nos imputam esse rótulo, problema deles. Dá para se divertir horrores ridicularizando esses símios que aproveitam carnaval como animais.

      O que você achou?

      Loading spinner

  • Se alguém aqui é de Salvador peço desculpas desde já, mas que cidade medonha! Muio suja, só tem casa velha (com a desculpa que são “históricas”) os crimes um mais medieval que o outro. Aliás, a cidade como um todoctem um clima de idade da pedra. Só falta agente entrar nas moradias e achar pinturas rupestres nas paredes, coisa que sinceramente não duvido.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Textos perfeitos, só tenho uma contestação a fazer: São Paulo já não é mais um lugar de pessoas educadas.
    Nasci aqui, moro aqui desde então e posso dizer que é impressionante como as pessoas estão cada vez mais mal educadas e sem civilidade, sair de casa em São Paulo é de chorar. Pode ser que em relação ao resto do país ainda sejamos os mais educados, mas ainda assim, tá foda morar aqui, viu?

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Ahhhh Gabriela… vem fazer uma visitinha ao Rio ou a Salvador e me diz se, comparativamente, São Paulo não é de uma educação incrível!

      O que você achou?

      Loading spinner

  • Eu adoro o Carnaval! para mim é a melhor época do ano. É um período que a maioria das pessoas viaja para ‘se divertir’ e, pelo menos aqui onde eu moro, a tranquilidade reina absoluta. Ah! como eu adoro a tranquilidade! é uma chance única para pôr a leitura em dia sem ninguém para incomodar, poder dormir um pouco mais e descansar o corpo e a mente, organizar o pensamento. Também desligo o telefone e a tv – deste tipo de distração, no máximo assisto um filme ou perco alguns minutos na internet.

    Que pena que o carnaval acabou. Eu adoro o carnaval.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Pode ser desfavor da semana mas eu tenho que rir. Desfile de escola de samba pela televisão é tudo a mesma coisa, alguém consegue ver a diferença? Ao vivo eu não sei porque nunca fui, mas acho que se transmitissem um antigo no lugar ninguém repararia. Quanto a Salvador acho que o pessoal se arrisca também porque vê na televisão e parece animado. Impossível que exista uma pessoa que nunca tenha ouvido uma história de roubos, gente sendo esfaqueada, etc.

    Bebeu água? Não! Tá com sede? Olha, olha, olha, água mineral…

    O que você achou?

    Loading spinner

  • “O Desfavor da Semana é não ter uma notícia para usar como Desfavor da Semana.” E talvez esse seja justamente o pior de todos os desfavores de todas as semanas… Odeio monotematismo tanto quanto vocês.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Eu adoro carnaval. Amei ficar a semana de folga. Viajei, descansei. Ainda acho engraçado ver alguns ficarem reclamando. Mimimi, vcs reclamam mais que minha avó caduca.

    O que você achou?

    Loading spinner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: