Des Contos

SÚÚÚ SÍÍÍ!!!

Siago Tomir é elitista para algumas coisas (por exemplo, para música) e extremamente bagaceiro para outras (Timão? Oi?). Quando se trata de hábitos alimentares, Siago Tomir é bagaceiro – e com orgulho. Siago Tomir come todo tipo de enlatado, embutido e fast food nocivos à saúde, apesar de saber que ele, em particular, deveria tomar especial cuidado com a sua dieta.

Eu sou uma pessoa mais dedicada à saúde, principalmente na época em que trabalhava com o corpo. Quando o corpo é seu instrumento de trabalho, você não pode se dar ao luxo de alguns excessos. Procuro comer de forma saudável. Não faço dieta de fome, apenas evito alguns hábitos que intoxicam o organismo, como por exemplo, passar uma semana inteira SÓ comendo Mc Donald´s, coisa que já vi Siago Tomir fazer sem o menor constrangimento.

O fato é que de uma forma ou de outra, somos pessoas que tem muito prazer em comer, cada um da sua forma. Então, nossos programas sempre envolviam um evento gastronômico. E na hora de escolher onde iríamos jantar, muitas vezes a chapa esquentava. Siago Tomir quase nunca cede.

Tomir: Você quer jantar onde?

Sally: Não sei porque você me pergunta, você nunca aceita uma sugestão minha… escolhe logo, não me faça perder tempo.

Tomir: Isso não é verdade

Sally: Escolhe você, me poupe de aborrecimento

Tomir: Se estou perguntando é porque quero a sua opinião

Sally: Se eu falar onde eu quero ir, você me leva?

Tomir: Só porque quero a sua opinião eu sou obrigado a acatá-la?

Sally: Aff

Tomir: Anda, fala logo, o que você quer comer?

Sally: Eu sempre falo e você recusa. Vamos fazer assim: te dou uma lista de três possibilidades e você escolhe uma das três

Tomir: Seeeem problemas!

Sally: Frutos do mar, comida italiana ou comida tailandesa?

Tomir: Hmmmm

Sally:

Tomir: Frutos do mar… NÃO

Sally:

Tomir: Comida italiana… NÃO

Sally:

Tomir: Comida tailandesa… NÃO

Sally: TÁ VENDO?

Tomir: Você quer me levar nesses lugares onde eles colocam uma miséria de comida no meio do prato!

Sally: Onde que cantina italiana serve pouca comida?

Tomir: Custa dar outras sugestões? A gente está conversando! Você não sabe dialogar!

Sally: *mostrando dedo médio a Tomir

Tomir: Ok, você ficou chateada. Eu deixo você escolher o que quiser, tá?

Sally: Aff

Tomir: E dessa vez eu vou aceitar, estou dizendo de antemão que vou aceitar

Sally: *sorriso maligno

Tomir: Não vai escolher aqueles restaurantes franceses, né?

Sally: Não, não.

Tomir: Ótimo. Então, o que vamos comer?

Sally: Comida japonesa

O rosto de Tomir se desconfigurou. Ele sempre fez aquele discurso de “não gosto, é cru” mesmo sem nunca ter provado. E também fazia um discurso um pouco mais preconceituoso que relacionava o hábito de comer comida japonesa à preferência sexual do homem, o qual me recuso a repetir.

Tomir: Japonesa?

Sally: É. Eu adoro e você disse que ia aceitar

Tomir: *rosnando entre os dentes Mas eu não gosto…

Sally: Você nunca provou. Se veste que hoje a gente resolve isso.

Caipira é foda. Esse discurso de “eca, é carne crua” é a maior mentira que eu já vi. Porque merda ele come carpaccio se é tão nojento comer carne crua? E porque essa mania DE POBRE de associar uma refeição satisfatória à quantidade de comida que vem no prato? É perfeitamente possível ter sensação de saciedade sem sensação de entupimento jibóia depois de devorar carneiro.

Lá foi Madame me levar em um restaurante japonês, todo contrariado e resmungando que achava ridículo um lugar onde a toalha era cozida e a comida era crua, que cobravam um preço absurdo por cubinho de peixe e arroz e que nem deveria se chamar restaurante japonês, porque em qualquer restaurante japonês que você fosse o sushiman era baiano.

Chegando no local, ele apontou para o sushiman e disse “Olha ali! Não disse? Olha lá seu colega de axé!”. Depois ele perguntou para o garçom foi se tinha alguma coisa que não fosse crua no restaurante.

Sally: Negativo. Você vai comer sushi e sashimi comigo, se não gostar depois você pede um prato cozido

Tomir: Você vai me obrigar a comer? É isso?

Sally: Não, eu estou te pedindo para PROVAR. Se não gostar, não precisa comer

Tomir: Você precisa levar um tiro para saber que é ruim?

Sally: Porque é quase a mesma coisa, né? Comer um sushi ou levar um tiro

Tomir: Se você faz tanta questão, eu até experimento, mas já aviso que eu não vou gostar

Sally: Aff

Quando o jantar chegou, um lindo barquinho cheio de sushis e sashimis coloridos, Madame ainda soltou um “Que gay!” bem na cara do garçom. Comecei a comer e percebi que ele apenas olhava.

Sally: Pode comer. É comida, não é merda não, tá?

Tomir: O que eu mais gosto em você é esse seu jeito meigo

Sally: Come logo, Siago!

Tomir: * cara de sofrimento

Sally: Anda, pega um pedaço de salmão, passa no molho shoyo e come!

Tomir: Nessa coisa preta?

Sally: É, nessa coisa preta. Fica muito mais gostoso

Tomir: Mas tem que passar nessa coisa preta?

Sally: CARALEEEOOOUUU! Come UM, se você não gostar, pede outra coisa!

Tomir: Qual é a pressa? Tá com medo que a comida esfrie? *rindo sozinho da própria piada

Madame ficou olhando uns dez minutos para o sashimi antes de pegar. Depois ficou cutucando com o hashi, como se fosse um bicho vivo ou algo assim. Depois tentou cheirar.

Sally: Tá com nojo do sushimi? Come um shushi então!

Tomir: Essa coisa com essa alga preta em volta? Nem amarrado!

Sally: Essa alga não tem gosto de nada, pode comer sem medo

Tomir: Nem morto

Sally: A alga faz bem à saúde!

Somir: Sério que é esse seu argumento? Conheça seu público!

Sally: CUSTA PROVAR?

Somir: CUSTA!

Sally: Ai que saco…

Depois de muito insistir, Siago pegou um sashimi de salmão, passou de leve no molho shoyo e, muito hesitante, colocou na boca. Foi ficando verde… verde… eu tava vendo a hora em que ele ia vomitar, e eu por conseqüência ia vomitar junto (Vômito solidário, lembram?). Ele deve ter mastigado o sashimi umas duzentas vezes, e engoliu com lágrimas nos olhos.

Tomir: Nada de mais

Sally: Mas você não detestou?

Tomir: Não, não detestei

Sally: Eu sabia que você ia gostar!

Tomir: Eu não gostei

Sally: Não detestou e não gostou? Então o que você achou?

Tomir: Nada de mais.

Sally: Bom, então não precisamos pedir outro prato…

Tomir: TÁ MALUCA?

Sally: Hã?

Tomir: ISSO AQUI NÃO ENCHE NEM O BURACO DO MEU DENTE!

Sally: Essa tua alma gorda e caipira te estraga…

Tomir: *batendo na barriga com orgulho

Sally: Come um sushi

Tomir: NÃO! A ALGA NÃO!

Sally: Que saco… Vai comer este jantar comigo. Come o que quiser, mas come comigo!

Tomir: A ALGA NEM PENSAR!

Sally: Garanto que no hambúrguer e na salsicha que você come tem coisa muito mais nojenta!

Tomir: Garanto que não!

Siago beliscou um ou outro sashimi, sempre com uma expressão duvidosa no rosto. Parecia que estava sendo obrigado a comer cocô de girafa.

Sally: Come esse aqui, é uma delícia!

Tomir: Ovas?

Sally: É

Tomir: Isso é foda de peixe, você sabe?

Sally: QUE NOJO!

Tomir: É sério. Eu não vou comer o produto da foda de dois peixes

Sally: Quem disse que os peixes foderam?

Tomir: Que seja, você comeria células reprodutivas não fecundadas de outro animal?

Sally: Você come ovo?

Tomir:

Acabamos de comer e eu perguntei à Madame se ele tinha ficado com fome e queria pedir outro prato. Ele resmungou que não, que estava enjoado. Fomos embora, ao som das reclamações de Siago Tomir, tecendo todo tipo de críticas ao lugar. No caminho de volta ele ficou repetindo que estava com gosto de sabão na boca e que aquela comida tinha embrulhado o estômago dele, falando sem parar. Até que, de repente, ele se calou. Ligou o pisca alerta fez um retorno com o carro. Sim, ele estava entrando em um Drive- Thru do Mc Donald´s.

Sally: Uéééé! Você não estava enjoado? Com o estômago embrulhado?

Somir: Estou

Sally: E vai comer aqui?

Somir: Sim, para tirar esse gosto de sabão da minha boca

Sally: Mas você disse que não estava com fome!

Somir: E não estou, estou com vontade de comer

A vontade de comer era grande, pelo visto. Duas promoções de Big Mac, deglutidos ao som de frases como “isso que é comida!” ou ainda “Isso sim tem um sabor agradável!”, como se ele fosse uma pessoa apta para emitir pareceres gastronômicos.

Sally: Você não vai viver para ver os seus filhos se formarem na faculdade

Somir: Você não quer ter filhos

Sally: Você está se matando, espero que saiba disso

Somir: Não, eu não estou me matando, estou te fazendo um favor

Sally: Posso saber COMO você está me fazendo um favor, detonando a sua saúde?

Somir: Pode. Você é mais velha do que eu. Você não gosta disso. Se eu detonar a minha saúde vou ficar com uma aparência acabada e você vai parecer mais nova do que eu.

Sally: Eu já pareço mais nova do que você.

Somir: Viu? Está dando certo! Depois você diz que eu não faço nenhum esforço por você…

Para dizer que seu namorado se comporta da mesma forma quando se trata de comida japonesa, para dizer que acha isso bem feito para mim porque quem mandou catar um caipira e para dizer que aquela alga é realmente nojenta: sally@desfavor.com

Des Contos

poop

Eu adoro Zoológico. Adoro mesmo. Em qualquer lugar do mundo que eu vá, visito o Zoológico. Siago Tomir é uma pessoa azeda e mal humorada que não sorri quando vê um elefante. Siago Tomir não gosta de Zoológico, é aquele tipo de pessoa ranheta que em vez de se divertir com os animais foca no calor e no cheiro ruim. Sempre pedia para ele me levar ao Zoológico e ele sempre dizia que tudo bem, “um dia a gente vai”. Esse “um dia” é aquela desculpa que a gente dá para criança, quando não quer dar um “não” declarado porque sabe que a criança vai encher o saco. Mas eu que não sou boba nem nada decidi não bater de frente, tudo tem seu tempo. Sempre sorria e fazia de conta que acreditava no “um dia”, esperando a oportunidade certa.

Um dia, a oportunidade veio. Somir foi incumbido de tomar conta de sua sobrinha, uma criança adorável (por incrível que pareça), por duas semanas. Fiz amizade com a menina e em menos de meia hora estávamos “amigas de infância”, passando maquiagem uma na outra. Comecei a puxar assunto com a minha mais nova best friend. O assunto acabou descambando para animais. Perguntei qual era o animal favorito dela e ela me disse que era o elefante. Perguntei se ela já tinha visto um elefante pessoalmente, e ela me disse que não. Ela me perguntou se eu já havia visto um elefante pessoalmente e eu disse que sim, NO ZOOLÓGICO.

Sobrinha: “Tia Sally, o que é um Zoológico?”

Sally: “Zoológico é um lugar onde a gente guarda um casal de cada bichinho, para que as pessoas possam visitar e conhecer os bichinhos pessoalmente” (tecla sap: sofrimento animal para diversão de humanos infantilóides como eu)

Sobrinha: “Tia Sally, onde fica o Zoológico?”

Sally: “Cada lugar tem o seu Zoológico, aqui tem um…”

Foi quando tudo conspirou a meu favor

Sobrinha: “Tia Sally, você me leva ao Zoológico para eu ver o elefante?”

Sally: “Se o seu Tio Tomir deixar, eu levo sim. Pergunta pra ele!”

Ela se levantou com sua cara de “Gato de Botas do Shrek”, andou até o Tomir e deu um show. Impressionante como uma criancinha tão pequena sabia lidar com Tomir melhor do que uma macaca velha como eu:

Sobrinha: “Tiiiiiioooooooo…”

Siago: “Hã?”

Sobrinha: “Você deixa a Tia Sally me levar no Zoológico?”

Siago: “SAAAAAALYYYYY!”

Sobrinha: “Tiiiioooo… não briga com ela não, a idéia foi minha”

Siago:

Sobrinha: “Sabe o que é, Tiiiiooo, é que eu nunca vi um elefante, assim… de verdade”

Siago:

Sobrinha: “Eu só vi um elefante de brinquedo” *apontando para um elefante de pelúcia que estava no sofá “e ele é tão pequenininho… o elefante de verdade deve ser maior, né Tiiioooo?”

Siago: É… mas…

Sobrinha: “E o elefante é o bicho que eu mais gosto”

Siago: *início de lágrimas nos olhos

Sobrinha: “Aí eu tenho medo de acontecer alguma coisa e eu nunca mais poder ver o elefante, eu quero ver logo!”

Siago: “SAAAAAALLYYYYY!”

Sally: “Credo, Siago! Custa levar e menina logo ali para ver um elefante?”

Siago: *rangendo os dentes “O Zoológico daqui NÃO TEM elefante, Sally”

Sally: “NÃO?”

Siago: “NÃO”

Sally: “Que tipo de Zoológico não tem elefante?”

Sobrinha: *olhos enchendo de lágrimas

Siago: “O daqui!”

Sally: “Gente, mas até em circo furreca tinha elefante!”

Siago: * palavrão

Sobrinha: *chorando

Siago: “O Zoológico daqui não tem elefante, o máximo de tromba que você vai ver por lá são mulheres de tromba, porque à noite lá é ponto de traveco!”

Sobrinha: “O que é traveco?”

Sally: “Que merda de Zoológico é esse?”

Sobrinha: “O que é traveco?”

Siago: “Agora tira da cabeça dela essa história de elefante!”

Sobrinha: “EU QUERO VER O ELEFAAAAANTEEEE” * chorando

Quando você conhece muito bem uma pessoa, desenvolve uma espécie de telepatia baseada na linguagem corporal. Antes que eu comece a falar, Siago começou a gritar:

Siago: “NÃO, SALLY! NÃO! NEGATIVO!”

Sally: “Você iria na semana que vem de qualquer jeito!”

Siago: “NÃO!”

Sally: “Em vez de deixar ela com a sua mãe, leva ela! o que que tem?”

Sobrinha: “TRAVECO! TRAVECO! LÁ LÁ LÁ LÁ LÁ… MULHER DE TROMBAAAA!”

Sally: “Sua irmã não vai ficar feliz com o novo vocabulário dela…”

Siago: “Eu não acredito nisso… Eu não acredito que eu vou fazer isso…”

Sally: “Qual é o problema?”

Siago: “Minha irmã vai me matar!”

Sally: “Porque?”

Siago: “Vou levar a filha dela pro Vietnã!”

Sally: “Minha cidade é o Vietnã?”

Siago: “Não, é PIOR.”

Sally: “MAS TEM ELEFANTE! SEU BABACA!”

Sobrinha: “BABACA! BABACA! LÁ LÁ LÁ LÁ LÁ… BABACAAAAAA”

Na semana seguinte, Siago veio me visitar com a Sobrinha. No caminho para o Zoológico…

Siago: “Passamos por um tiroteio! UM TIROTEIO. Você não tem vergonha, Sally?”

Sally: “Deixa de drama…”

Sobrinha: “Tiiiiooo… eu tô tão feliz que vou ver o elefante! até hoje eu só tinha visto…”

Siago: “O ELEFANTE DE BRINQUEDO. Tô sabendo”

Sobrinha: “Tia Sally, quais são os bichos que tem no Zoológico daqui?”

Sally: “Macaco, Leão, Girafa, Elefante, tigre…”

Siago: “Zoológico… NESSE CALOR!”

Sally: “Isso não é calor. Você não sabe o que é calor!”

Siago: “Lá vou eu passar o meu dia cheirando bosta de bicho”

Sobrinha: “Tio, o que é bosta?”

Sally: “É o que o seu Tio tem dentro da cabeça”

Siago: “Por isso que seu Tio namora com a sua Tia Sally”

Chegando no Zoológico, nos deparamos com uma fila improvável. Aparentemente havia excursões de colégios ou algo do tipo, porque trocentas crianças uniformizadas lotavam a entrada aos berros.

Siago: “Tá feliz?”

Sally: “Tô”

Siago: “TÁ FELIZ?”

Sally: “TÔ”

Siago: “Inacreditável. Só comigo que isso acontece!”

Sally: “Sabe, Siago… você diz que Deus não existe…”

Siago:

Sally: “Mas eu acho que existe sim. Existe e ele é SÁDICO”

Siago: *bufando

Sally: “E acho que hoje ele vai te torturar. Cuidado para o macaco não jogar excrementos em você…”

Sobrinha: “Tia Sally, o que é excrementos?”

Sally: “Também é o que seu Tio tem na cabeça”

Siago: “Por isso que seu Tio namora com a sua Tia Sally”

Sally: “aff…”

Siago: “Macaco jogando bosta nas visitas! Até os macacos são mal educados no Hell de Janeiro”

Logo na entrada, estava a jaula dos Babuínos. Siago Tomir, como sempre, muito oportuno, difundindo seu conhecimento em biologia

Sobrinha: “Tiiioooo… porque o macaco tem o bumbum vermelho?”

Siago: *bufando

Sobrinha: “Tiiioooo… porque o macaco tem o bumbum vermelho?”

Siago: “Porque ele tem hemorróidas!”

Sally: “Você não tem vergonha de trollar uma criancinha não?”

Sobrinha: “Tiiiioooo, o que são hemorróidas?”

Siago: “Pergunta pro seu Tio-Avô, ele também tem”

Siago Tomir é tãããão família…

Depois passamos pelo hipopótamo:

Sobrinha: “Tia Sally, que bicho é esse?”

Sally: “Esse é o hipop…”

Siago: “É a Tia Maristela, uma Amiga da Tia Sally! HAHAHAHAHA” – porque sim, ele ri da própria piada, ele é esse tipo de pessoa

Sally: * cara feia

Sobrinha: “Tia Sally, você é amiga de uma hipopótama?”

Siago: “HAHAHAHAHAHAHA”

Sally: “Como você é infantil…”

Siago: “Ela é amiga de uma pessoa que parece muito com esse hipopótamo”

Sally: *tentando mudar de assunto “Olha que fofinho o hipopótamo! Não é fofinho?”

Siago: “Fofinho? ele fica na água onde ele faz cocô e xixi! Isso é fofinho?”

Sobrinha: * cara de nojo

Sally: “Você está proibido de falar enquanto a gente estiver no setor dos hipopótamos” *beliscando Siago

Siago: *fazendo gesto em uma alusão a pessoa obesa e apontando pro hipopótamo

No setor dos primatas…

Sobrinha: “É um macaco?”

Siago: *encarando o macaco com cara feia

Sally: “É sim, é um tipo de macaco chamado Chimpanzé”

Sobrinha: “O que o macaco tá fazendo, Tia Sally?”

Siago: * encarando o macaco com cara feia

Sally: “Ele tá pegando alguma coisa do chão…”

Siago: *encarando o macaco com cara feia

Sally: Ihhh…

O Chimpanzé começa a arremessar fezes na nossa direção

Siago: “Mas que bicho filho da puta!”

Sobrinha: “O macaco é filho de quem?”

Sally: “São as suas energias negativas, Madame! Você aborreceu o macaco!”

Siago: “A culpa é MINHA? É isso?”

Sally: “Precisava ficar encarando o macaco?”

Siago: “Você quer que eu peide para um macaco?”

Sally: “Não acredito que você está competindo com um macaco!”

Sobrinha: “Eu acho que o macaco ganhou! hahahaha”

Siago armou uma tromba e ficou de mau humor o resto do passeio

Na jaula do Leão:

Sobrinha: “É um tigre?”

Sally: “Não, Meu Amor, é um leão”

Sobrinha: “Porque não é um tigre?”

Sally: “O tigre é listrado, o leão é amarelinho. E o leão tem esse pêlo em volta da cabeça, que se chama juba”

Siago: “Igual à sua Tia Raquel”

Sally: “SIAGO!”

Siago: “Mas não parece?”

Sally: “Além de falar mal das minhas amigas, agora você vai falar mal da sua família também?”

Siago: “E como!”

Sally: “Siago! Crianças repetem tudo! E se ela solta isso em um almoço de família?”

Siago: “Naqueles que eu nunca vou? Observe eu não me importar!”

Sally: “Você ainda vai ter problemas!”

Siago: “Mais? Eu já sou ovelha negra da família…”

Sobrinha: “O que o Leão está fazendo?”

Siago:

Sally:

Sobrinha: ” O QUE O LEÃO ESTÁ FAZENDO?”

Siago: “Sally, o que o leão está fazendo?”

Sally: * palavrão mental “Ele tá… ele tá… ele tá namorando com a leoa…”

Assim que acabaram de fazer sexo, a leoa enfiou a porrada muito seriamente no leão

Sobrinha: “Isso é namorar?”

Sally: “é…”

Sobrinha: “Vocês namoram?”

Somir: “Saindo daqui você vai ligar as trompas, combinado?”

Sally: “Combinado”

Sobrinha: “VOCÊS NAMORAM QUE NEM O LEÃO?”

* Todos os transeuntes pararam para olhar a resposta

Sally: “Não, Meu Amor. A gente namora também, mas leão é bicho, namora de um jeito. Nós somos gente, namoramos de outro”

Sobrinha: “Mas quando vocês brigam, parece com o leão”

* Todos os transeuntes olharam com cara de reprovação

Siago: “Puxa ela pelo braço antes que alguém chame o Conselho Tutelar e uma Assistente Social tire ela de nós”

Saimos correndo para outro setor. Por sorte no final do corredor dos felinos fica o elefante, o que fez com que o assunto mude rapidamente. Quando a sobrinha do Somir viu o elefante só faltou chorar de emoção.

Sobrinha: “TIOOOO! TIOOO! OLHA O ELEFAAANTE!”

Siago: “E o cheiro… que elefante fedido!”

Sally: *beliscando Somir “Não tira a magia do momento!”

Sobrinha: “Eu quero uma foto com o elefante!”

Peguei a menina no colo e viramos de costas para o elefante, para tirar a foto com ele ao fundo. Siago se posicionou (porque sim, ele se acha fotógrafo profissional) e começou a tirar várias fotos sorrindo. Siago Tomir sorrindo, naquelas condições, me preocupou. Dei um confere na minha roupa para ver se eu não estava pagando peitinho ou calcinha, porque tinha alguma coisa errada. Não achei nada errado, então, a Sobrinha e eu sorrimos, acenamos e mandamos beijinhos enquanto ele tirava as fotos.

Só depois eu vi o motivo da graça, quando ele baixou as fotos no computador: o elefante simplesmente virou de costas e começou a cagar no momento das fotos. Ficou uma coisa linda: as duas sorrindo, acenando e mandando beijinhos com uma bunda de elefante despejando toneladas de bosta ao fundo! Me digam, ele não podia ter avisado? Ele não podia ter esperado o elefante acabar de cagar? A lembrança que a sobrinha dele tem do elefante, o bicho que ela mais gosta, nesse momento tão especial, é um amontoado de bosta!

Na volta, resolvi brincar com a Sobrinha do Siago:

Sally: “Me conta tudo que você aprendeu hoje! Quero saber o que você vai contar para a sua mãe sobre o nosso passeio!”

A menina ficou pensativa e começou a contar em silêncio nos dedos das mãos

Sobrinha: “TRAVECO, BOSTA, EXCREMENTO, MULHER DE TROMBA, BABACA, VIETNÃ, HEMORRÓIDAS, MACACO FILHO DA PUTA”

Siago: “Fudeu”

Sobrinha: “TRAVECO, BOSTA, EXCREMENTO, MULHER DE TROMBA, BABACA, VIETNÃ, HEMORRÓIDAS, MACACO FILHO DA PUTA, FUDEEEEEEU! HAHAHAHAHA”

A irmã de Siago NUNCA MAIS deixou a filha com ele quando viaja. E já se passaram anos…

Para dizer que agora entende porque eu sempre digo que não quero ter filhos, para dizer que ir ao zoológico com a gente é divertido e para lamentar que o macaco não tenha acertado no arremesso: sally@desfavor.com

Des Contos

Sequestro é coisa séria, a não ser quando sequestram um palhaço...

Enquanto isso, num cativeiro:

SEQUESTRADO: Quando eu vou sair daqui?
SEQUESTRADOR: Quando pagarem seu resgate.
SEQUESTRADO: Mas já faz três semanas que eu estou aqui…
SEQUESTRADOR: Então não pagaram seu resgate.
SEQUESTRADO: Quanto vocês pediram?
SEQUESTRADOR: Você.
SEQUESTRADO: Hã?
SEQUESTRADOR: Quanto você pediu… Você porque eu trabalho sozinha.
SEQUESTRADO: … Sozinha?
SEQUESTRADOR: É… Não! SozinhÔ! Sô macho, porra!
SEQUESTRADO: É que sua voz é meio…
SEQUESTRADOR: MEIO O QUÊ?
SEQUESTRADO: Nada… nada… esquece.
SEQUESTRADOR: Humpf… Agora vê se fica quieto!
SEQUESTRADO: Sim senho… senhor…
SEQUESTRADOR: …
SEQUESTRADO: Mas…
SEQUESTRADOR: *suspiro*
SEQUESTRADO: Quanto você pediu?
SEQUESTRADOR: Um milhão de reais.
SEQUESTRADO: Pfft… hahaha…
SEQUESTRADOR: Tá rindo doquê?
SEQUESTRADO: Minha família é pobre! Nunca que daria pra pedir essa quantia.
SEQUESTRADOR: Ah, vai começar a criticar o meu trabalho agora?
SEQUESTRADO: Trabalho?
SEQUESTRADOR: Crime… Mas, você entendeu.
SEQUESTRADO: Não entendi a parte do um milhão de reais.
SEQUESTRADOR: Eu não te solto por menos.
SEQUESTRADO: Mas esse dinheiro minha família nunca vai ter!
SEQUESTRADOR: Vem cá, quantos seqüestros você orquestrou?
SEQUESTRADO: Nenhum.
SEQUESTRADOR: Então pode me considerar a especialista daqui, ok?
SEQUESTRADO: A especialista?
SEQUESTRADOR: Isso aqui virou a patrulha do artigo?
SEQUESTRADO: Você é mulher.
SEQUESTRADOR: Mesmo se fosse, você não percebe que estaria mais seguro sabendo o mínimo possível sobre mim?
SEQUESTRADO: Agora as coisas fazem sentido.
SEQUESTRADOR: Cuidado… você não está em posição de abusar do meu bom humor…
SEQUESTRADO: …
SEQUESTRADOR: E eu não sou mulher. Esquece isso.
SEQUESTRADO: …
SEQUESTRADOR: …
SEQUESTRADO: Você tem medo que eu te respeite menos por ser mulher?
SEQUESTRADOR: *bufando* Cala a boca!
SEQUESTRADO: Até que você me seqüestrou bem… sabe, considerando…
SEQUESTRADOR: Você não tem medo de morrer, é?
SEQUESTRADO: Você não me mataria…
SEQUESTRADOR: Porque eu sou mulher?
SEQUESTRADO: AHÁ!
SEQUESTRADORA: Não estou confirmando!
SEQUESTRADO: Essa sua voz de homem não é muito convincente.
SEQUESTRADORA: Tá bom, eu sou uma mulher. Feliz?
SEQUESTRADO: Não, eu estou amarrado e vendado num lugar que não sei onde fica e minha família está desesperada. Não estou feliz.
SEQUESTRADORA: Você andou brigando com a sua família?
SEQUESTRADO: Hã?
SEQUESTRADORA: Sei lá, eles não me pareciam muito empolgados para pagar…
SEQUESTRADO: Claro! Você pediu um dinheiro que eles nunca vão ter!
SEQUESTRADORA: Olha, sua mulher não me passou a impressão de estar desesperada.
SEQUESTRADO: Isso é tortura psicológica. Não caio nessa.
SEQUESTRADORA: Nem chorar ela chorou.
SEQUESTRADO: Cala a boca!
SEQUESTRADORA: Eu já seqüestrei um cachorro e a dona chorou…
SEQUESTRADO: Um cachorro?
SEQUESTRADORA: Você nem imagina o mercado que existe aí.
SEQUESTRADO: …
SEQUESTRADORA: As madames pagam mais rápido do que se fosse o filho delas.
SEQUESTRADO: Me parece um crime meio…
SEQUESTRADORA: MEIO O QUÊ?
SEQUESTRADO: Fraquinho.
SEQUESTRADORA: Chega, vou te colocar uma mordaça!
SEQUESTRADO: Ou uma focinheira… hahahaha…
SEQUESTRADORA: Cala essa boca, seqüestrado!
SEQUESTRADO: Não precisa ficar nervosa, Cruela.
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: O que te fez sair do ramo de sequestro de cachorros?
SEQUESTRADORA: Não te interessa.
SEQUESTRADO: Me parece um grande avanço partir para humanos.
SEQUESTRADORA: Pelo seu nível, acho que foi até um retrocesso.
SEQUESTRADO: Preciso mesmo ficar com essa venda?
SEQUESTRADORA: Se quiser ficar vivo, precisa.
SEQUESTRADO: Vamos resolver isso de forma pacífica.
SEQUESTRADORA: Claro, é só sua família pagar.
SEQUESTRADO: Sabe, eu acho que a gente se entende bem.
SEQUESTRADORA: Faça-me o favor.
SEQUESTRADO: Não precisamos ser inimigos. Você me solta e a gente se conhece melhor…
SEQUESTRADORA: Escuta aqui, Síndrome de Estocolmo acontece no seqüestrado. Não adianta tentar virar o jogo.
SEQUESTRADO: Meu casamento vai mal.
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: Faz tempo que eu quero sair daquilo.
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: E você parece ser uma mulher tão corajosa, tão… dinâmica.
SEQUESTRADORA: Obrigada.
SEQUESTRADO: E agora que você parou de fingir, deu para perceber que você tem uma voz muito bonita.
SEQUESTRADORA: Eu mereço…
SEQUESTRADO: A dona é tão bonita quanto?
SEQUESTRADORA: Deveria existir um curso de seqüestrados. Assim você não falaria tanta bobagem.
SEQUESTRADO: A gente pode trabalhar junto!
SEQUESTRADORA: Eu preferia trabalhar com cachorros…
SEQUESTRADO: Podemos fingir que eu morri, assim minha família ganha o meu seguro de vida e para de me procurar.
SEQUESTRADORA: E o que eu ganho com isso?
SEQUESTRADO: Um cúmplice.
SEQUESTRADORA: Ainda prefiro um cachorro.
SEQUESTRADO: Você se acha feia?
SEQUESTRADORA: Não!
SEQUESTRADO: Então porque não quer me dar uma chance de te ver?
SEQUESTRADORA: Você é maluco ou muito carente? Eu sou sua seqüestradora! Para de tentar me conquistar!
SEQUESTRADO: O amor surge nos lugares onde menos esperamos.
SEQUESTRADORA: Agora você está sendo brega.
SEQUESTRADO: Você gosta mais quando eu sou grosso?
SEQUESTRADORA: Eu não gosto de nada! Cala essa boca e fica quieto no seu canto.
SEQUESTRADO: Pensa comigo… Minha família não vai pagar e você vai ter que decidir o que fazer. Se você é malvada mesmo, vai me matar…
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: Se vai me matar, pelo menos pode me conceder um último pedido.
SEQUESTRADORA: Seu último pedido é me ver?
SEQUESTRADO: Sim.
SEQUESTRADORA: Certeza que sua família não tem esse dinheiro?
SEQUESTRADO: Certeza. Acho que o último rico da linhagem foi meu bisavô.
SEQUESTRADORA: Merda!
SEQUESTRADO: Mas se você me aceitar como seu parceiro de crimes, ambos só temos a ganhar.
SEQUESTRADORA: De um jeito absurdo, você tem um bom ponto.
SEQUESTRADO: Deixa eu ver minha Clyde.
SEQUESTRADORA: Brega de novo.
SEQUESTRADO: Estou esperando, meu amor!
SEQUESTRADORA: Olha, eu não estou maquiada, toda descabelada… Minha meia calça estava na minha cabeça até pouco tempo atrás e…
SEQUESTRADO: Eu não ligo. Vamos… Você também está sentindo o que eu estou sentindo, eu posso perceber pela sua voz…
SEQUESTRADORA: Você é maluco… Eu… Gosto.
SEQUESTRADO: Então me solta e vamos ficar juntos. É coisa do destino você ter me pegado.
SEQUESTRADORA: Tá bom. Eu quero viver essa paixão! Estou tirando a venda…
SEQUESTRADO: Isso! Eu quero ver a mulher da minha vi…
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: …
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: É…
SEQUESTRADORA: O que foi, meu querido?
SEQUESTRADO: Não vai dar certo.
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: Não é você, sou eu. Eu não sei se posso… é… ser um fora-da-lei.
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: E eu tenho a minha família.
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: Mas você entende, né? Talvez mais para o futuro…
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: Eu me divorcio com calma, você faz uma dieta…
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: Está saltando uma veia… Na sua… testa…
SEQUESTRADORA: …
SEQUESTRADO: Pode colocar a venda de volta? Eu acho melhor enquanto espero para ver se a minha mulher consegue esse dinheiro.
SEQUESTRADORA: *click*

Des Contos

Quando você namora uma pessoa que mora longe, que aproveitar ao máximo cada momento. Começo de namoro, então, é pior ainda. Você quer fazer surpresas, quer criar momentos marcantes. Infelizmente, quando você namora com uma pessoa que nasceu sem coração, as únicas surpresas que relamente agradam são as de cunho sexual. Isto já me fez passar diversos maus momentos com a Madame que divide o blog comigo e hoje vou contar um deles: Siago Tomir + Eu, Desfavor.

Um belo dia decidi fazer uma surpresa desse tipo a Siago Tomir. Por algum motivo, a imbecilóide aqui achou que seria bacana ir buscá-lo no aeroporto usando uma lingerie bem ousada e um sapato de salto muito alto – apenas. Queria ver a reação dele ao entrar no meu carro e me ver assim. Eu sempre o buscava já do lado de fora do aeroporto, por isso, como sabia que não teria que sair do carro, me pareceu uma boa idéia. Sim, isto é uma constante na minha vida. As maiores merdas que eu faço me parecem uma boa idéia em um primeiro momento. Um misto de falta de discernimento com burrice.

Coloquei um casacão tipo sobretudo e uma lingerie por baixo, porque a lingerie era tão cheia de trecos que não dava nem para colocar um vestido ou uma calça. Era verão, o que implica em 35º à noite. Mas como eu só usaria o casaco do caminho do elavador até o carro, achei que não teria problema. Entrei no carro, tirei o casacão e o coloquei no banco de trás. Lá fui eu, dirigindo que nem uma lesma para não correr o risco de me envolver em nenhum acidente. Cheguei no aeroporto e parei o carro na área de desembarque. Enquanto esperava ouvindo música, me achando 100% protegida pelos vidros pretos do meu carro, percebi que outro carro de aproximava em alta velocidade.

Meio segundo depois, uma batida. Não em mim, mas em um taxista que estava saindo da área de desembarque e bateu no carrão importado que vinha em alta velocidade. Uma batida feia. O taxista saiu do carro com a cara ensanguentada berrando e o motorista do carrão, um atorzinho global, saiu do carro com um olhar e uns trejeitos tipo Rafael Pilha, que indicavam o uso de algum tipo de substância questionável.

Essa mania babaca que eu tenho de me meter fez com que eu abra dois dedos do vidro e pergunte: “Tá todo mundo bem? Vocês precisam de ajuda? Quer que chame uma ambulância?”. Ambos fizeram sinal de que estavam bem e eu fechei de volta o vidro. Não deu nem dez segundos, começaram a bater boca. Para quem não sabe, alguns (eu disse alguns, antes que o sindicato dos taxistas venha aqui dizer que vai me processar para depois não processar porra nenhuma) taxistas do Rio de Janeiro podem ser bastante estressados. Não recomendo brigar com taxista. Muitos andam armados. Mas o Global estava se sentindo invencível, e começou a colocar a culpa do acidente no taxista, que não teve culpa alguma. E falar sem parar todo tipo de inconveniência. Gente cheirada é uma merda.

A briga foi aumentando. A coisa foi ficando feia. Começou a juntar gente em volta. Não que alguém fosse apartar, geralmente os populares daqui ou ficam olhando ou ainda botam pilha. Taxista e Global começaram a trocar ameaças. Eu peguei o celular e comecei a ligar para Siago Tomir, porque queria sair logo dali, com medo de levar uma rebarba de um tiro. O telefone toca e eu vejo Siago Tomir pelo meu retrovisor, parado em um cantinho, lá atrás, do lado de fora, procurando o celular e FUMANDO:

Sally: “Siago, você já desembarcou?”

Tomir: “Já. Estou tomando uma coca-cola. Você já chegou?”

Sally: “Já cheguei sim, Meu Amor”

Tomir: “Assim que eu acabar aqui eu te encontro”

Sally: “Tá gostosa a coca-cola?”

Tomir: “Oi?”

Sally: “Meu sexto sentido me diz que você está fumando”

Tomir: “Não, não estou”

Sally: “Então devo estar enganada”

Tomir: “Está sim”

Sally: “Até porque, se você estiver fumando, eu vou sentir o cheiro”

Tomir: “Não começa, Sally! Tem pessoas fumando perto de mim, se eu estiver com cheiro, é do cigarro dos outros”

Sally: “Na sua boca?”

Tomir: “hahaha” *riso nervoso

Sally: “Bom, só liguei porque tá tendo um quase tiroteio aqui, queria te pedir que viesse logo”

Tomir: “TÔ INDO!”

Não-cariocas costumam ficar nervosos em situações de violência urbana. A gente aqui no Rio meio que se acostumou e nem se assusta tanto. Mas Siago Tomir ficava alarmado. Fiquei olhando pelo retrovisor e vi ele jogando o cigarro pro alto desesperado, enchendo a boca de balas e correndo com a mala na mão. Enquanto isso, o Global ameaçava o Taxista e o chamava de “seu merda” e um carro da polícia parava no local.

Taxista: “Ele bateu no meu carro! Ele vinha em alta velocidade, feito um maluco!”

Global: “MENTIRA!”

Taxista: “Mentira porra nenhuma, seu playboy! Você tava em alta velocidade sim!”

Global: “MENTIRA!”

Policial: “Tem testemunhas?”

Todos olharam em direção a meu carro. Senti aquela sensação de “tem coisas que só acontecem comigo”. O policial se aproximou do meu carro. Abri dois dedinhos da janela, enquanto Siago Tomir se aproximava correndo do carro.

Policial: “Boa noite”

Sally: “Boa noite”

Policial: “A Senhora presenciou o evento?”

Sally: “Presenciei”

Policial: “A senhora sabe precisar se o condutor que abalroou o veículo estava em alta velocidade?”

Sally: “Altíssima velocidade”

Global: “MENTIRA!”

Policial: “A Senhora pode sair do veículo para prestar alguns esclarecimentos?”

Sally: “Não”

Policial, Taxista e Global se olharam com cara de interrogação. Somir, que tinha acabado de chegar, também me olhou com uma cara estranha. O Policial ficou visivelmente puto. El achou que eu estava escondendo algo ou fazendo algo de errado.

Sally: “Quer dizer… até posso, mas preciso de uns minutinhos. Deixa eu fechar o vidro e já já eu saio…”

Policial: “Senhora, saia do veículo agora”

Sally: “Só um minutinho…”

Policial: “Agora”

Existem policiais que quando se acham confrontados querem mostrar poder. Não são todos, mas infelizmente era o caso deste. Ele achou que eu ia esconder alguma coisa, ou pegar alguma arma ou fazer alguma merda e queria me fazer sair do carro na mesma hora. Eu queria fechar o vidro e colocar meu casacão, mesmo sendo verão.

Sally: “Não”

Tomir: “Sally… p que está acontecendo?”

Sally: “Cala a boca que você estava fumando”

Tomir:

Policial: “Senhora, saia do veículo”

Tomir tentou abrir a porta do carro. Em um golpe ninja, tranquei as portas gritando “NÃÃÃÃÃÃO!”

Tomir: “Tem alguém aí com você?” * visivelmente puto

Sally: “Tem sim, vim te buscar com meu amante no banco de trás do carro, eu espertona!”

Taxista: “Ô Dona, desce logo desse carro e vamos acabar com isso”

Global: “Eu vou embora”

Policial: “Ninguém sai daqui”

Global: “Você sabe com quem você está falando?”

Taxista: “Seu playboy! Você vai ter que pagar meu prejuízo!”

Global:Fala com o meu advogado! Quero ver provar!”

Pensei em me virar e pegar o casacão, mas para isso teria que levantar a bunda para o alto e todo mundo veria até o meu útero. Peguei meu celular e mandei uma mensagem de texto para o Tomir:

SÓ DE CALCINHA. TIRA O POLICIAL DAQUI

Tomir recebeu, leu e ficou com a cara toda vermelha. Depois ficou me fuzilando com o olhar. A veia na testa dele começou a saltar. Quando a veia na testa dele salta, coisas boas não acontecem.

Tomir: “Acho que estou enfartando!”

Tomir se jogou no chão tremendo. Talvez ele não saiba que isso é sinal de epilepsia. Mesmo assim, o policial foi socorrê-lo e se ofereceu para chamar uma ambulância. Aproveitei o factóide, vesti o casaco e sai do carro. De casacão. No verão. Suando até o cu.

Tomir: “Acho que melhorei…” *levantando sem a menor cerimônia

Policial: “Senhora, vou pedir que a senhora retire o casaco”

Sally: “Não”

Policial: “Senhora, vou ter que revistá-la”

Tomir: “NÃO!”

Sally: “Olha só, o casaco não é para esconder armas nem drogas, por favor, acredite em mim”

Global: “Deve estar cheia de pó…”

Policial: “Senhora, por favor encoste as mãos no veículo”

Global: “Tá vendo o que você fez, seu taxista de merda?”

O taxista correu para o carro e voltou com pedaço de pau na mão

Taxista: “QUEM É MERDA? QUEM É MERDA?”

O Policial puxou a arma:

Policial: TODO MUNDO ENCOSTADO NO VEÍCULO! Você! Larga esse pau!

Somir: Precisava, Sally? Precisava?

Sally: Tudo teria dado certo se VOCÊ não estivesse atrasado por estar fumando escondido!

Global: Maconheiro?

Taxista: Eu quero saber quem vai pagar meu prejuízo!

Policial: TODO MUNDO CALADO!

O Policial solicitou “reforços”. Os seguranças do aeroporto saíram para ver o que estava acontecendo. Mais pessoas começaram a se juntar à nossa volta.

Popular 1: O que ela está fazendo com esse casaco nesse calor?

Popular 2: É o menino da novela?

Popular 3: Vamos tirar foto com o celular!

Policial: “Senhora, tire o casaco”

Sally: “Só aceito ser revistada por uma policial mulher, eu tenho esse direito”

Global: “Eu vou processar todos vocês!”

Taxista: “Cala a boca, seu playboy!”

Tomir: “Daqui a pouco vai ter gente da imprensa aqui…”

Mais policiais chegaram. Uma policial fêmea me revistou. Expliquei para ela que estava sem roupa por baixo e ela riu. Contei o que tinha visto do acidente e ela fez um mini-relatório. Eu suava, de casaco em um calor infernal. Depois colheram o depoimento do Global, que berrava, gesticulava e falava coisas desconexas:

Global: “ESSE MERDA, SAIU SEM OLHAR E BATEU EM MIM! É UM MERDA, UM FUDIDO! SE FOSSE INTELIGENTE NÃO SERIA TAXISTA!”

Foi quando o taxista pegou de volta o pedaço de pau e deu na cara do Global

Policial: “CHEGA! TODO MUNDO PRA DELEGACIA!”

Lá fui eu para a delegacia, suando. Chegando lá, aquela espera que só quem já passou por delegacia sabe como é. Suando, suando, suando.

Tomir: “Quer que eu pegue uma roupa minha, da minha mala, para você vestir?”

Sally: “Suas bermudas vão cair em mim”

Tomir: “Sério que você não percebeu que podia dar merda?”

Sally: “Não, não percebi”

Tomir: “Evidente que ia dar merda!”

Sally: “Tá bom, Tomir. Não achei que ia dar merda”

Tomir: “O que você tem na cabeça?”

Sally: “Merda. MERDA. MER-DA. Se não, não estaria com você!”

No dia seguinte, sai uma notinha em um jornaleco de quinta categoria: “O ator fulano de tal caiu da escada de sua casa e machucou o rosto”…

Des Contos

¡HOLA! Estamonos hoje aqui para contarte una historia muy bela que criamos de nuestra própria imaginación.

SÍ! Sempre ficamonos imaginativas quando dejamos el cine! Homens estúpidos siempre dizem que mujeres como nosotras sán incapazes de inventar uma buena historia. Eles que nos leam hoje e calessem!

SÍ! Vamonos começar?

SÍ!
Todos los derechos reservados para nosotras!

SÍ! Era uma viez uma chica muy guapa llamada Bella! Bella tinha um namorado llamado Cullen que era um vampiro! Sí! Um vampiro! Bella és uma mujer mucho fuerte e corajosa para ficar corriendo atrás de um vampiro! Aunque ele queriendo matarla. Uno exemplo para todas nosotras!

SÍ! El amor vience todo, no? Bella, como todo mujer poderosa, tenta a todo custo mudar su namorado e fazer de su vida uma cosa terrible! El namorado vampiro vira vegetariano, mas como homens san fraquitos, fraquitos, ele fica com vontade de comela, e nón daquele jeito que nosotras gostamonos!

NO! El namorado de Bella entra em crise e vá llorar mucho por ser sensible. Ele no queria comela de jeito ninguno, no era de su feitio. Ele era um Cullen!

NO! El namorado de Bella no come ninguém! Ele mudase para mucho mucho longe e miente para Bella que no a ama más. Mucho triste.

SÍ! Bella fica mucho triste tambiém e llora.

NO! Que triste.

SÍ! Mas Bella tienes amigos que no sán vampiros e no tentam comela. Um desses amigos diz para ella que ela tinha que animarse. Mas el corazón dela pertence a su namorado mucho sensible. Bella no consiegue ficar feliz.

NO! E o que acontece después? Algo triste ó sensible?

Após uma longa caminhada, ele finalmente chega a seu destino. A noite chuvosa e fria não diminuíra sua convicção, nada poderia impedi-lo de completar a tarefa que foi programado para fazer.

Señor Somir?

O pesado sobretudo de couro mal podia esconder o armamento pesado que carregava. Metralhadoras, rifles de assalto, pistolas automáticas, granadas e uma serra elétrica adornavam seu corpo como extensões de seus membros. Mas nenhuma arma era mais mortífera do que ele mesmo. Ciborgue Van Helsing estava pronto para clamar mais uma alma imortal, com 90% de seu corpo substituído pela mais moderna tecnologia biomecânica disponível, ele era a máquina perfeita para livrar o mundo dos vampiros.

NO! La história é nuestra! No tienes Ciborg Van Helsing!

A casa dos Cullen era definitivamente o esconderijo mais ridiculamente mal protegido que Ciborgue Van Helsing tinha visto. É como se uma mulher histérica tivesse pensado num plano de defesa. Ele termina de fumar seu cigarro…

Cigarro? Mas no estava choviendo?

ELE É UM CIBORGUE QUE MATA VAMPIROS! SE ELE QUISER FUMAR DEBAIXO DO MAR, ELE FUMA! De qualquer forma… Ciborgue Van Helsing joga a bituca (que cai em câmera lenta em direção da câmera, muito foda!) e puxa suas duas calibre 12 (cano serrado… com lasers!) e vai andando em câmera lenta até a entrada da casa.

Señor Somir, no faça esso!

Com um poderoso chute, Ciborgue Van Helsing destrói a porta de entrada e depara-se com a família Cullen assistindo TV. Com um sorriso robótico, diz: “Parece que hoje eu vou arregaçar mais do que um Cullen…” E ri ridiculamente do próprio trocadilho. Os vampiros, com exceção do Cullen que namorava Bella, preparam-se para a batalha!

NO!

O que aqueles Cullen não sabiam é que não existe batalha onde Ciborgue Van Helsing está envolvido. Só existe dor. Dor. BANG! Um tiro certeiro da sua arma eviscera o vampiro de meia-idade que tentava proteger os outros. Mas nosso herói biônico não se impressiona com isso, ele sabe que vampiros não morrem tão fácil assim. Com um rápido movimento, ele puxa sua moto-serra e prepara-se para fatiar o maldito sanguessuga!

NO! No faça esso!

Ao cortar fora o braço de sua vítima, Ciborgue Van Helsing percebe que o Cullen que namorava Bella estava todo encolhido num canto da sala, chorando. “Rapaz sensível…” – pensou.

SÍ! Ele é lindo e sensible. Um vampiro que parece um príncipe encantado… um hombre problemáctico que precisa solamente de cariño e uma mujer que consiga mudalo! *suspiro*

Ao perceber que a vampira matriarca estava quase escapando, Ciborgue Van Helsing atirou uma estaca diretamente no coração da maligna amaldiçoada usando um compartimento secreto de estacas em seu peito. Agora a situação estava sob controle. Ciborgue Van Helsing cortou o outro braço do vampiro que se contorcia de dor e usou-o para esmagar seu crânio imortal com violentas pancadas. Uma pasta de sangue coagulado e pedaços de massa encefálica escorreu por todo o carpete.

NO! Eles eram vampiros del bien! Mamá e papá de Cullito!

“Não existe vampiro do bem…” – disse Ciborgue Van Helsing. A melhor parte do trabalho do caçador de vampiros era poder torturar suas vítimas pelo tempo que quisesse sem matá-las. Agora era a hora de pegar o rapaz sensível.

NO! No matas Cullito!

“Eu posso ler sua mente, caçador de vampiros!” – disse o Cullen que namorava Bella.
“Ah é? E o que eu estou pensando agora?” – O ciborgue respondeu com um tom desafiador.
“Zero… Um… Zero… Zero… Merda…” – O Cullen que namorava Bella descobriu que seus poderes de nada valiam contra um ciborgue.

E los otros vampiros? Eles van salvar Cullito!

“Eu deixei toda sua família amarrada num campo aberto para morrer assim que o sol nascer!” – Disse confiante Ciborgue Van Helsing.
“Há! Os vampiros desta história foram criados por uma mulher que não sabia patavinas sobre vampiros! Nós não morremos quando ficamos no sol!” – O Cullen que namorava Bella parou de chorar e sorriu confiante.
“Ainda bem que eu deixei vinte quilos de dinamite para detonar embaixo deles… Obrigado pela dica. Diga adeus para sua família… Há há há há há!” – Ciborgue Van Helsing aperta um botão em seu braço e uma grande explosão pode ser ouvida.

NOOOOO!!! Dejanos com nuestra historia Señor Somir.

Ciborgue Van Helsing procura dentro de seu sobretudo a arma que usaria para destruir aquele vampiro… Depois de alguns segundos, parece entusiasmado por encontrar o que procurava num bolso interno. Uma colher.

¿Que?

O Cullen restante se encolhe enquanto Ciborgue Van Helsing começa a cutucar o corpo do vampiro com certeiros golpes de colher. O processo parecia lento e indolor, mas depois de seis dias, Ciborgue Van Helsing consegue finalmente retirar todos os órgãos internos de Cullen. A longa tortura faz com que o sensível vampiro que não come ninguém chore todas as lágrimas possíveis até o ponto de ficar apenas com sua maquiagem borrada embaixo dos olhos.

NOOOOOO!!!

Ciborgue Van Helsing tinha o terreno perfeito. Sua vítima ainda estava viva, mas com o interior completamente oco. Uma das poucas partes humanas do ciborgue estava justamente no sistema digestivo e excretor, o qual usou para decorar o interior da caixa toráxica do vampiro “do bem” com poderosos jatos fétidos/fecais que escorriam por dentro da garganta de Cullen até vazarem por sua boca.

NOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!

“Eu adoro meu trabalho!” – Disse Ciborgue Van Helsing. Com sua missão de torturar e humilhar aqueles parasitas imortais completa, ele arrancou os corações dos três caídos e esmagou com suas mãos robóticas. Era o fim dos Cullen.

NO! *llorando*

Quando estava quase saindo da casa, notou uma garota correndo em direção da porta de entrada. Era Bella. Eufórica, ela adentrou a casa berrando com imensa felicidade: “Agora eu também sou uma vampira, podemos ser felizes para sem…”

“Vampira, você diz?” – Ciborgue Van Helsing abre seu sobretudo e uma enorme estaca de madeira surge lentamente de sua pélvis.

FIM!

*sniff*

Ah sim, vocês estão demitidas.