Um dos principais resultados da visita do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos nesta semana, o acordo que prevê o uso pelos EUA do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, divide especialistas e gera temores em comunidades da região. LINK


Os resultados do encontro de Bolsonaro e Trump religaram com força a ruim e velha vira-latice brasileira. Desfavor da semana.

SALLY

Durante décadas os Chefes de Estado brasileiros se encontravam sistematicamente com uma gentalha presidencial lationamericana que, além de serem corruptos, sujos e ditadores, ainda eram feios pra caralho, fazendo a gente se perguntar se era uma reunião de cúpula ou um episódio do seriado Chaves. Hugão e seu discípulo Maduro, por exemplo. O Brasil deu toneladas de dinheiro de forma escusa para Venezuela, para Cuba e para outras Republiquetas da América LatRina, financiando narcotráfico, ditadura e todo tipo de fraude eleitoral. Não escutei um pio.

Agora, foi só o Bolso ir confraternizar com o Power Ranger Laranja que ÓÓÓÓ Meu Deus! Subserviência, lacaio do Império, vendendo o país para os EUA! (quem dera, por mim podia dar). Não tenho nem nome para dar a esse retraso mental que mantém as pessoas na polaridade, na dualidade, na belicosidade de ver outras nações como “inimigas da pátria”. CRESÇAM, não estamos mais em 1980, por tudo que há de mais sagrado, virem o disco e amadureçam!

Ninguém aguenta mais essa conversa de colocar os EUA como “inimigo”. É um sem fim de ridículo. Os EUA querem comprar nosso maravilhoso país? CRESÇAM. Isso aqui é uma merda que só tem mato e gente feia. Se os EUA quisessem algo daqui, tinham tomado à força faz muito tempo. Não é possível que as pessoas que ficam propagando esse discurso de medo sobre o que os EUA vai fazer sejam tão cagões de ver ameaças por tudo quanto é lado, Minha Nossa Senhora da Coragem, vão fazer terapia para tirar esse medo que está dentro de vocês e vocês projetam em tudo!

Lunáticos saíram da toca com aquela força que só o cagaço mais profundo de uma pessoa apavorada imprime. Do nada, gente que nem sabia da existência da Base de Alcântara começou a cacarejar sobre soberania nacional. Irmão, soberania nacional não existe, na hora em que os EUA quiser, eles enfiam o dedo no nosso cu e rasgam até a nuca, dá pra se conscientizar disso de uma vez por todas? Não precisa do Poket Mal Vestido indo lá autorizar nada. Não tem perigo algum. Me diz, quem quer tomar o Maranhão? Vá se medicar!

“Bolsonaro está entregando a Base de Alcântara”. Mas olha, quem dera… quem dera tudo fosse entregue aos EUA, saberiam administrar muito melhor do que brasileiro. Esta semana saiu um estudo mostrando que o americano (que não chega nem perto de um povo inteligente) faz em duas horas o que brasileiro demora oito para fazer. Povo burro, limitado, que passa horas ralando e realiza muito pouco. Incompetência que chama. O que caralhos o maravilhoso programa espacial brasileiro estava fazendo na Base de Alcântara, você sabe me dizer? Eu sei: tirando treinamento, desde 2012 que esta caralha não lança nada! E quando lançaram, explodiu!

Deixa o Laranja brincar, vocês não estão usando! “Os EUA querem impedir que o Brasil desenvolva seu projeto espacial”. Irmão, você é maluco? Você cheirou fralda? O BRASIL impede o Brasil de ter projeto espacial, de ter população alfabetizada, de ter ao menos metade das cidades com saneamento básico. O Brasil está para programa espacial assim como eu estou para uma posição de destaque na NBA: não há qualquer condição, nem hoje nem nunca. Não tem ninguém sabotando a gente não, seus Zé Cu, parem de colocar a culpa fora. É incompetência + ignorância + corrupção.

Parem de buscar inimigos fora, motivos fora, justificativas fora. Caso os Srs. Obsoletos que enxergam os EUA como eternos vilões não tenham percebido, o mundo mudou. Vê lá se o Laranja precisa de permissão para que americano se desgrace no meio do mato para de alguma forma fazer algo contra o país! É um botão, é uma bomba… nem isso, é um hacker, apenas um hacker e acabou. Vê se alguém, qualquer pessoa do mundo, vai se dar ao trabalho de vir ao fuckin’ MARANHÃO para tentar fazer qualquer coisa contra nós. Mas nem fodendo, nem que fossemos Paris valeria esse sacrifício.

Parem de ver tudo com um filtro conspiratório, sempre se defendendo, sempre esperando um ataque. Efeito Rosenthal, se continuarem vendo tudo permeado com esse medo, é isso que vai aparecer na realidade de vocês. Milésima vez que repito: sua mente cria realidade, não por mágica, misticismo ou paranormalidade, é ciência, é comportamento, é psicologia. Tá com o cu piscando porque é um medroso preso ao passado? Engole o choro e ao menos para de propagar estas bostas em redes sociais, para não criar uma histeria coletiva.

É o mesmo mecanismo dos terraplanistas: pessoas desempoderadas querem sentir algum poder e para isso decidem acreditar que uma projeção do medo que existe dentro delas é realidade e só elas conseguem perceber o “perigo chamado EUA”, porque né, elas são um seleto grupo muito mais perspicaz que o resto. Estou DE SACO MUITO CHEIO disso, já deu, são décadas sendo exposta a esse aterro sanitário ideológico. CRESÇAM, SAIAM DO MEDO, SE ATUALIZEM. Parem de arrastar mais gente pro fundo desse poço!

Já repararam que faz muito tempo, muito tempo mesmo, que essas pessoas não acertam UMA previsão? Isso acontece porque a previsão não é racional, é baseada ou no medo, ou nos seus desejos. Deixam o emocional contaminar TUDO, afetar o discernimento. São os mesmos que falaram que Bolsonaro não seria eleito, que Lula não seria preso, que Mourão mandaria matar o Bolsonaro na cirurgia e tantas outras asneiras. E quando você fala “não, meu anjo, não vai acontecer isso, não há qualquer condição disso acontecer” te desdenham: “Tá bom, espera só que você vai ver”. Tô esperando, e tem décadas que o Povo do Medo não acerta uma.

Custa olhar pra dentro e fazer uma autoanálise, entender de onde vem tanto medo e se curar disso? Deve ser um inferno viver no medo! Custa, custa sim, pois estas pessoas são as donas da razão e se você não vive no medo é inocente, crédulo, idiota, alienado, não sabe nada, não sabe a verdade. Com isso, o Povo do Medo vai cuspir suas projeções de medo interno materializadas nos maiores absurdos em redes sociais e convertem para esse estado de medo uma infinidade de acéfalos que orbitam por aí.

Com cada vez mais pessoas convertidas para o medo, temos cada vez mais pessoas reativas, agressivas, na defensiva e acentuamos cada vez mais esse lixo de “nós x eles”, de dualidade, de brigas. O Povo do Medo cria uma espécie de exército zumbi do medo, que começa a agir movido pelo falso sentimento de que é preciso se defender, pois estamos o tempo todo em perigo. Sério, não há qualquer possibilidade de viver com uma mente sã estando nesse estado.

CHEGA. Ninguém quer roubar o aquífero Guarani, ninguém quer roubar a Amazônia, ninguém que roubar porra nenhuma do Brasil, se quisessem, vinham e pegavam em vez de mandar cidadão alfabetizado para a porra do Maranhão. Chega que tá ridículo. Chega que vocês estão fazendo mal aos descerebrados que acreditam nesse discurso e caem no medo, tornando o país um lugar pior. É como uma peste bubônica mental, parem de espalhar essa merda!

Mas, acima de tudo, chega, porque vocês são um fantoche do sistema que tanto criticam. Todos juntinhos com medo dos EUA não olhamos para nós mesmos e não tomamos medidas contra nossos problemas e nossos governantes. Além disso, vocês já devem ter ouvido falar na Indústria do Medo. Pessoas com medo consomem mais, compram mais, abaixam mais a cabeça para patrão, se sentem com menos poder, gastam menos tempo se aprimorando, melhorando, se fortalecendo. Pessoas com medo se tornam frágeis, manipuláveis e consumidoras compulsivas, como forma de se sentirem melhor.

Para aplacar seus egos desempoderados pessoas vomitam discurso de medo e, na verdade, tudo que conseguem é fortalecer um capitalismo explorador que tanto combatem. Parabéns, idiotas.

Para dizer que é tudo um plano dos EUA em conluio com o Moro, para dizer que este texto foi pago com dinheiro da Casa Branca ou ainda para me acusar de ser uma agente infiltrada da CIA: sally@desfavor.com

SOMIR

Como alguém que estava cansado de ver “acordos estratégicos” com Cuba, Bolívia e Venezuela, é um alívio ver o Brasil trabalhando com alguém que realmente tem dinheiro e poder global, só para variar. Evidente que existe ideologia envolvida na forma como Bolsonaro se aliou aos americanos, cedendo a vários desejos deles em troca de basicamente um “vamos ver o que dá pra fazer”. Mas foi nisso que o povo votou. Bolsonaro é pró-EUA e pró-Israel. É com esse eixo que ele fechou desde que começou sua campanha presidencial, e é com esse eixo que está se relacionando.

Claro que tem o que discutir, num mundo ideal negociaríamos de igual para igual com os americanos, mas mesmo a China sofre para conseguir isso. Eu escrevi algum tempo atrás sobre o verdadeiro tamanho do poder dos EUA sobre o mundo: não só tem uma economia interna que consegue se sustentar, como tem recursos naturais abundantes (inclusive petróleo) e por tabela, são a polícia que garante a segurança do comércio global através da sua marinha. Desde o fim da Guerra Fria, vivemos um período que é chamado de “Pax Americana”, onde eles garantem uma sensação de segurança e paz através de sua hegemonia militar, mais ou menos como os romanos faziam milênios atrás.

Existem sim mais países com os quais podemos fazer acordos, mas nenhum deles está tão próximo como os EUA. Estamos dentro da área de influência direta deles, assim como muitos países asiáticos estão dentro da influência chinesa. No mundo de hoje, ninguém mais pode ser uma ilha, o comércio global é uma das bases do desenvolvimento humano moderno, e não é à toa que as guerras de hoje começam com sanções econômicas. Irã e Coreia do Norte que o digam. E para fazer parcerias com essas nações poderosas, é evidente que o país mais fraco precisa fazer concessões. Você não faz uma negociação com um vendedor de sorvete sem entregar para ele o que ele quer, imagine só quando falamos de nações?

Não sei se eu faria as mesmas concessões que o Bolsonaro fez, mas em tese fazer acordos com os EUA é uma excelente ideia. Não caiam na ilusão que eles estão desabando e que a China vai tomar o lugar, o mundo é bem mais complexo do que isso. Nos tempos do Lula, apesar do suposto prestígio que tinha, não foi como se o mundo tivesse batido na nossa porta para oferecer coisas. O Brasil sofre com uma irrelevância internacional desde sua descoberta pelos portugueses que não se desfaz com um ou dois mandatos de um presidente. Precisamos crescer muito. Mantenho meu argumento que é de longe a maior economia e o maior potencial dos EUA para baixo nas Américas, mas mesmo assim, somos uma piada perto deles.

O mundo não está de olho nos nossos recursos naturais por um simples motivo: não estamos fazendo nada com eles. Pra falar a verdade, a falta de desenvolvimento brasileiro é até confortável para os grandes poderes mundiais, é como se fosse uma poupança para o futuro. Não estamos nem próximos do ponto onde alguém vai querer impedir o progresso no país: temos muito o que crescer e industrializar antes de alguém se preocupar com tudo o que guardamos na nossa terra. E salvo uma militarização gigantesca, continuamos sendo o maior país do mundo que pode ser ocupado em questão de horas. Dito isso, parece interessante manter relações próximas com quem tem poder para nos defender caso alguém olhe para essa opção.

E sinto muito dizer, o Brasil não está em condições de exigir algo muito maior do que Bolsonaro exigiu em troca das concessões feitas aos americanos. Poderia ter ficado sem fazer o acordo ou poderia ter um acordo mais ou menos parecido com esse. Os vira-latas profissionais criados para detestar os americanos preferiam mais acordos com Cuba ou isolacionismo. Por sorte o brasileiro médio votou contra eles nas últimas eleições. Eu realmente acredito que o Bolsonaro é inocente ao ponto de achar que está fazendo amigos nos EUA, mas infelizmente o que nos sobrou atualmente é alguém fazendo movimentos corretos por motivos errados.

Sem contar que um centro espacial no Maranhão é basicamente terra não produtiva, pela lógica da esquerda, faz todo sentido alguém que é capaz de produzir algo fazer uso dela, não? É valioso para os EUA ter mais um ponto estratégico sob seu controle, mas nesse momento da história brasileira, é valioso para nós também. Temos um parceiro poderoso, e se eventualmente entrarmos num acordo de proteção junto com EUA, evitamos todo aquele problema de não aguentar uma guerra que dure mais de uma hora por causa da munição…

Sejamos honestos, não é como se tivéssemos muita hegemonia nacional para defender. Esse senso nacionalista que nasce da raiva dos “imperialistas americanos” nunca nos foi muito útil. Quando poderíamos ter nos mexido para enfrentar isso durante o começo da ditadura militar, não deu muito certo, não? Eles ajudaram a derrubar um governo nosso e colocar os militares no lugar sem sofrer muito para isso. Boa parte da nossa cultura moderna é derivada deles. O Brasil é muito mais parecido culturalmente e até mesmo socialmente com os EUA do que com Portugal nos dias atuais. Muito cuidado com a ideia de que o nacionalismo brasileiro nos afasta deles, do jeito que somos hoje, só nos aproxima. Tanto que um presidente que é eleito com essa plataforma nacionalista vai até os EUA oferecer tudo o que ofereceu e está totalmente dentro do que se esperava dele.

O Brasil tem muito o que fazer internamente antes de querer se impor ao resto do mundo. Não temos economia, cultura ou poderio militar suficientes para influenciar o mundo. Temos sim um monte de recursos naturais, mas os índios também tinham, e isso não resolveu nada para eles, não?

Para me chamar de colonizado (todos somos, imbecil), para dizer que preferia acordo com a Venezuela, ou mesmo para finalmente perceber como a sociedade brasileira é um clone subnutrido da americana: somir@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

Etiquetas: ,

Comentários (13)

  • Nossa! Desfavor alegrando meu final de domingo rs.
    Está foto do Bolsonaro está muito boa . Imagino ele contando os detalhes da casa Branca e que cheiro tem o Trump .
    O texto da Sally tá maravilhoso. Somir puta elegância. P.s:
    odeio o Maranhão.

  • Aí o cidadão reclama do “imperialismo americano”, mas come no McDonalds, usa iPhone, assina a Netflix, passa as férias em Miami e compra roupas em Orlando porque “é mais barato”. Como defender?

    Se for pra fazer “parceria” (ou sei lá), que ao menos seja com um país que é respeitado.

    • Não tem defesa. Nem acho que sejam hipócritas, é ainda pior: é classe média que sente culpa em ter dinheiro. Deve ser um inferno viver nessa contradição interna!

  • Bolsonaro também impressiona no âmbito interno, sendo fiel ao que pregou em campanha.

    Maia quer mais articulação, mais política? O mito responde: “o que é articulação? Não podemos mais fazer política como antigamente, como os ex-presidentes faziam.” Em outras palavras: “é isso que vocês querem, vender votos e emendas como a política que levou Lula e Temer para a cadeia?”.

  • Sinceramente a única coisa boa que poderia sair dessa parceria com os EUA é um acordo de livre comércio e liberação das importações mas acho que isso dificilmente vai acontecer mas se acontecesse já seria um grande avanço em qualidade de vida para a população mas sou cético em relação a isso, não tem ninguém querendo melhorar a vida do povo, ele não se daria ao trabalho de propor uma mudança na legislação como essa e peitar a indústria nacional.

  • Eu mesma sou da área de Relações Internacionais e não aguento mais ver tantos “coleguinhas” se descabelando pelos motivos errados. O pessoal que acha que os EUA querem comprar o BR a preço de banana é o mesmo que acredita que uma guerra contra a Venezuela é uma possibilidade real. Certamente faltaram às aulas de geopolítica e dinâmica do poder.
    Pessoalmente, achei a visita do Pocket aos EUA um desfavor sim, mas por ele não ter exigido nenhuma garantia de que as promessas seriam cumpridas. Se a entrada na OCDE acontecer de verdade, vai ser um golaço e vou engolir boa parte das minhas críticas. Se não acontecer, continuaremos com o mesmo padrão de entreguismo, mas melhor garantir a boa vontade dos EUA do que dos ditadorezinhos da região. O Brasil precisa dar um jeito de arrumar a casa e ter coisas de qualidade para vender antes de acusar os outros de quererem roubar ou atrapalhar o que tem.
    Quanto a termos munição apenas para uma hora de guerra, já ouvi de três pessoas da área que isso é mentira, e usada estrategicamente. Não duvido, mas também não posso confirmar com certeza absoluta…

  • O Brasil é mesmo os Estados Unidos do sul: um bando de mestiços gorduchos alienados, mimizentos, sem cultura e identidade, já abandonaram a religião há tempos e substituíram por hedonismo, celular, time de futebol e celebridades (laicismo é um belo avanço, só que não)
    pelo menos nos Estados Unidos surgem cientistas com mais frequência.

  • todo esse puxa saquismo com os eua e israel é desagradável na verdade, não por ideologia e nacionalismo mas por vergonha alheia mesmo. trump já deve ter jogado a camiseta dele no lixo enquanto o boloro deve ter emoldurado. e aqueles filhos excepcionais falando merda no twitter então… alguém corta a internet dos bolsofilhos por favor!
    nada contra manifestações, já participei inclusive, mas fico bolado com algumas pessoas falando em revolução, guerra civil, golpe militar. porque é muito bacana destruir as vidas de milhões de inocentes e deixar o país em frangalhos em prol de um suposto bem maior num futuro que ninguém sabe se vai chegar. vão tratar essa brutalidade, meu. façam aulas de luta ou sei lá, o mundo mudou. capaz até do trump passar pano pra ditadura venezuelana se fizeram acordos conveniente$.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: