Grafeno.

Estava eu indo tomar a minha terceira dose da vacina contra covid, quando o taxista que me lavava começou a discursar contra a vacina. O foco central do discurso era que a vacina contém grafeno e todos os danos que isso causaria à minha saúde.

Ele começou pegando leve, dizendo que eu ficaria “magnética”, que metais colariam em mim. Não dei bola. Quando estava chegando ao local da aplicação, ele deu cartada final: “Vacina tem grafeno, ele vai ficar no seu corpo e em oito anos você vai morrer”.

Eu fiquei pensando como extrair algo de positivo desse discurso imbecil. Contando o episódio para o Somir, ele me disse “As pessoas não tem a menor ideia do que seja Grafeno, isso daria um bom texto”. Então, para que saia algo de positivo desse episódio lamentável, Desfavor Explica: Grafeno.

Vocês já devem ter escutado que o diamante é a substância mais dura e resistente que existe, mas isso não é verdade. O material mais resistente criado pelo ser humano é um primo do diamante: o Grafeno.

Assim como o diamante, o Grafeno é criado a partir do carbono. Ele é basicamente carbono muito denso e compactado. Não é nada radioativo ou com composição química perigosa. Simplificando para fins didáticos, é como se fosse um grafite de lapiseira só que muito mais compacto.

O Grafeno é cerca de 200 vezes mais duro que o ferro, mas, ao mesmo tempo é extremamente flexível. Ele é 100 vezes melhor condutor elétrico que o silício. É 200 vezes mais resistente que o aço. É 1000 vezes mais eficiente que o cobre como condutor de calor. É 1000 vezes mais fino que um fio de cabelo.

Então, temos em um único material características como leveza, flexibilidade, condutividade e resistência. Mais duro que o aço, mais leve que uma pluma, mais resistente que diamante, mais fino que um fio de cabelo. Imaginem que prato cheio para indústrias de tecnologia.

O Grafeno é uma descoberta relativamente recente. Percebemos que ele existia em 1962, quando químicos alemães Ulrich Hofmann e Hanns-Peter Boehm assinaram os primeiros artigos sobre o tema. Batizaram o composto como “grafeno” por ele ser um derivado do grafite.

Mas só compreendemos o potencial deste material muito depois, com os pesquisadores russos Andre Geim e Konstantin Novoselov, que demonstraram que o Grafeno é o melhor condutor térmico e elétrico já existente na face da Terra e, graças a isso, ganharam o Prêmio Nobel da Física, em 2010.

O Grafeno é o Adamantium da vida real: flexível, resistente, forte, conduz calor, conduz eletricidade e é muito leve. Você pode estar se perguntando por qual motivo ele não é mais utilizado, já que é essa maravilha toda. Até aqui, produzir Grafeno é um processo muito caro e demorado, ainda não encontramos uma forma de produção em escala indústria, rápida e barata.

Vontade de usar não falta. Todo ano centenas de patentes novas envolvendo Grafeno são registradas, por todo tipo de indústria, desde tecnologia até medicina, porém, a escassez do material faz com que a maioria não possa ser colocada em prática. Mesmo assim, tem pesquisador desenvolvendo todo tipo de produto que você possa imaginar à base Grafeno, na esperança que um dia a humanidade encontre uma forma de produzir a substância em uma escala maior.

Um exemplo é a camisinha de Grafeno, que está sendo desenvolvida em vários países. Ela seria muito mais resistente do que as de látex, muito mais fina e muito mais agradável, pois é uma boa condutora de calor. Também existe um projeto de uma lente de contato de grafeno capaz de dar visão noturna ao usuário, permitindo que o olho humano capte todo o espectro de raios infravermelhos.

Tem até partes do corpo sendo substituídas por Grafeno. Um estudo promete devolver a visão a pacientes por meio de implantes de retinas de grafeno. Também estão desenvolvendo músculos artificiais e próteses para amputados, pois, além de ser flexível e resistente, o Grafeno também capta com mais eficiência a “conversão das sinapses”, ou seja, os impulsos nervosos enviados pelos neurônios que comandam os movimentos.

Tem protótipo de pele sintética, para ajudar pessoas vítimas de queimaduras. Mas não é qualquer pele, o Grafeno criaria um tecido epitelial muito mais resistente do que a nossa pele e muito mais sensível ao toque. Além disso, ele seria “resiliente”, o que quer dizer que não importa o quanto se estique, sempre volta à posição original sem danos e sem deformidades.

O Grafeno promete até ser a cura do câncer. Pesquisadores da Universidade de Varsóvia (Polônia) conseguiram isolar células cancerosas em animais, colocando uma camada de Grafeno em volta delas. A célula cancerosa não conseguiu romper a barreira, ficou presa e parou de receber oxigênio e nutrientes. Resultado: morreu. Isso indica que existe a possibilidade de envolver um tumor em Grafeno e matá-lo de fome.

E, além de curar, ele também promete ajudar no diagnóstico precoce do câncer. Cientistas trabalham em um microchip de Grafeno extremamente sensível, capaz de identificar uma proteína presente no corpo quando há células cancerosas se formando, o que permitiria detectar um câncer seis meses antes do tumor de formar. Um câncer detectado nesse estágio tão precoce seria 100% tratável.

Grafeno também é a grande promessa dos eletrônicos, inclusive já é utilizado em alguns. Seu celular pode ter Grafeno. Seu computador, seu tablet e outros eletrônicos que a gente cola na orelha sem medo podem conter Grafeno.

Só a Samsung tem mais de 500 patentes para utilização de Grafeno registradas, uma delas envolve uma super bateria, mais leve, mais resistente e com carga infinitamente maior. Porém, nem mesmo nesta área ele é utilizado em larga escala. Um artigo publicado na revista Nature Nanotechnology diz que o mundo só deve ser impactado pelos avanços gerados pelo Grafeno a partir da próxima década. Este deve ser o tempo necessário para conseguir produzir a substância em larga escala.

Então, o Grafeno é nosso amigo. O Grafeno ainda vai fazer muito pela humanidade. O Grafeno não é tóxico, perigoso ou nocivo de nenhuma forma. Na verdade, o Grafeno já é usado em diferentes produtos que todos nós consumimos sem medo. Mas, de qualquer forma, vamos gastar esta última página explicando por qual motivo é extremamente ridículo vincular vacinas com Grafeno.

Existem diversas teorias conspiratórias envolvendo vacina e Grafeno (ou óxido de grafeno), portanto, a primeira coisa que você tem que saber é que nenhuma vacina contém Grafeno. E eu te asseguro isso por um motivo muito simples: não existe suficiente Grafeno no mundo para injetar em bilhões de pessoas. E mesmo que existisse, seria tão caro, mas tão caro, que tornaria o projeto inviável. E mesmo que fosse possível criar tanto grafeno e pagar por isso, ele não é solúvel, portanto, não poderia ser colocando em uma vacina.

Além disso, tem um fator muito importante para ser levado em conta: as pessoas são idiotas. Não precisaria gastar trilhões de dólares produzindo Grafeno para espionar alguém, é perfeitamente possível acessando câmera e microfone do celular de cada um. Com a câmera você vê o que se passa no entorno da pessoa, com o microfone escutar tudo e com o GPS do celular sabe aonde a pessoa vai e o quanto se desloca. Aliás, nem disso precisa, as pessoas voluntariamente vomitam tudo que se passa nas suas vidas em redes sociais.

Então, esse boato de que foi patenteado um sistema de rastreamento de pessoas vacinadas é risível. Vacina não tem Grafeno. Vacina não deixa qualquer substância no seu “tecido adiposo” ou em nenhum lugar, para te rastrear. E mesmo que tivesse Grafeno na vacina, não é possível rastrear alguém através de nanopartículas de Grafeno. Não é algo simples assim: injeta uma coisa e sabe onde a pessoa está.

E, cá entre nós, o que diabos alguém ia querer saber sobre Janderson, morador de Xique-xique, artista plástico que mora com a mãe? O que pode interessar a qualquer potência mundial que horas Gislayne, moradora de Nova Iguaçu, chega do baile funk? Sério mesmo, Brasil, vocês se acham muito importantes! Ninguém quer te rastrear, ninguém quer saber o que você faz, e mesmo que quisesse, tem formas muito mais baratas de fazer.

Tem também o sensacional boato de que a pessoa tomou a vacina e ficou “magnética”: objetos de metal colariam no seu corpo. Se esse for caso, eu recomendo que capriche mais na hora do banho. Esfregar mais, sabe? Esfrega bastante, com sabão, pois se algo grudou em você foi por causa da sua pele perebenta e oleosa. Grafeno tem mil propriedades, mas magnético ele não é. E ainda que fosse, seria impossível que tão pouca quantidade de Grafeno (similar a uma dose de vacina) deixasse uma pessoa magnética. Se metais grudam em você, é sujeira mesmo.

O meu boato favorito é o de que vacinas com Grafeno simulam os efeitos de covid nas pessoas, fazendo com que elas pensem que o vírus existe, mas na verdade é um cientista em um laboratório manipulando o cérebro das pessoas. Certo… vamos deixar de lado o fato de que essa tecnologia não existe, apenas me explica o primeiro ano de pandemia, 2020, quando não tínhamos vacinas então. Quem dera existisse tecnologia para dar comandos ao cérebro de alguém, não ia ter uma esposa no mundo que não comprasse.

Médico que foi assassinado por descobrir que havia Grafeno nas vacinas? Mentira, inclusive dá para ver isso na própria notícia falsa, quando eles dizem que um MÉDICO ESPECIALISTA EM CARBONO foi assassinado. Médico especialista em carbono não existe. Vídeo sobre os efeitos do Grafeno no cérebro? Já foi desmentido, é um vídeo anterior à pandemia, mostrando uma hemorragia cerebral. Universidade da Espanha que fez análise da vacina e constatou a presença de Grafeno? Documento falso, inclusive com erros de concordância, desmentido pela própria universidade. Todas, absolutamente TODAS as notícias vinculando vacina a Grafeno são falsas e podem ser refutadas com provas cabais.

Coitado do Grafeno, foi parar até na natureza! Grafeno em semente de girassol para instalar 5G na pessoa que comer? Fica tranquilo, se tiver Grafeno na semente de girassol, você não vai ter dinheiro suficiente para comprar, pois vai custar milhões. Grafeno não é algo autônomo, gente. Algo que se você ingere “vira” tecnologia 5G. Grafeno é um componente usado para fabricação de aparelhos que permitem essa tecnologia. É como dizer que se você comer um pedaço da borracha do pneu você vira um carro.

Pelos mesmos motivos não há qualquer possibilidade de existir Grafeno em máscaras, cotonetes para teste de covid ou em qualquer outro material de uso humano relacionado com a pandemia. Repito: não existe Grafeno suficiente no mundo, e mesmo que existisse, seria caríssimo de fazer e com zero retorno visto que existem muitas formas de controlar, vigiar e manipular as pessoas. Se existisse essa quantidade de Grafeno, quem o detivesse o usaria na indústria de tecnologia e faturaria milhões em vez de espionar dona de casa em Bauru.

Repita comigo: nós somos insignificantes, nós somos irrelevantes, ninguém quer nos espionar. E se quisessem, teriam milhões de outras formas mais simples. Manipular então, eu nem comento. Se tem povo mais fácil de manipular do que brasileiro, eu desconheço. Não precisa de tecnologia para isso.

Mas, é justamente aí que reside o problema: se um desempoderado percebe que ele não é especial, que ninguém tem interesse em rastreá-lo e que ele não é detentor de uma informação privilegiada, ele tem que voltar para a vala comum, de pessoas comuns. Para gente com autoestima baixa, isso é insuportável. A pessoa precisa se sentir especial.

Ainda tem dúvidas? Se acha especial o suficiente para que governos gastem bilhões para “controlar seu cérebro” (tem formas tão mais baratas de fazer isso) ou te rastrear? Faça um teste. Leve alguém vacinado e faça qualquer exame para detectar a presença de Grafeno no corpo da pessoa. Ou por acaso todos os laboratórios do mundo estão comprados nesse conluio?

Grafeno é o futuro da tecnologia e da medicina e me deixa muito chateada ver ele sendo difamado dessa forma. Em 20 anos as próximas gerações vão usar Grafeno até no cu e rir horrores dos avós quando souberem que eles tinham medo de serem “rastreados” ou ter “a mente controlada”.

Para dizer que sim você é tão importante, para dizer que a qualquer momento o advogado alemão vai aparecer com provas de que a pandemia foi uma farsa ou ainda para dizer que taxista opinando sobre saúde é o mesmo que médico opinando sobre carburador: sally@desfavor.com

Se você encontrou algum erro na postagem, selecione o pedaço e digite Ctrl+Enter para nos avisar.

O que você achou?

Loading spinner

Etiquetas: , , ,

Comments (10)

  • Esse taxista até que foi generoso. Uma colega de trabalho me disse que eu morreria em exatos 2 anos. Ela não tomou nenhuma dose da vacina pois acredita no tal chip do Bill Gates. Sinceramente, raiva dá, mas agora eu tiro sarro da cara desse povo. Toda vez que sinto dor no braço digo para a sujeita que Bill Gates ativou meu chip.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Me apavora pensar que qualquer teoria de conspiração, por mais absurda que seja, é tomada como verdade indiscutível por gente que só se informa via “Zap Zap”. E o pior: essas bobagens acabam sendo repetidas como dogmas por desempoderados que não sabem que estão fazendo papel de trouxa.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Concordo, Anônimo. E com essa cambada nem adianta a gente tentar argumentar, expôr os óbvios absurdos, mostrar por A+B que não há como essas histórias da carochinha serem verdade. Para eles, só vale o que lhes chega pelo Whatsapp e ponto final.

      O que você achou?

      Loading spinner

  • Se você virar o Magneto… Tenta mandar algumas dessas vacinas daí pra cá, por favor!!!

    Brincadeiras à parte, acredito que as pessoas que repassam essas teorias sequer sabem quais/como são os elementos que elas mesmas acusam de existir. Só sabem que “é perigoso”. Se você falar que tem capscaína na vacina, é capaz de comprarem a ideia – não vão parar para pensar no quão ilógico isso é justamente pelo desinteresse em se informar.

    E mesmo que “se prove” que é absurda a ideia de ter um componente de pimentas em vacinas, só para não passarem a vergonha de estarem errados ou parecerem burros (destruir o pedestal “eu sou especial”), capaz de inventarem alguma teoria para sustentar a insanidade até a morte.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Se você diz que isso não procede, respondem que você é 1) burra; 2) não entende nada ou 3) está comprada

      O que você achou?

      Loading spinner

  • Gostei muto do texto e de aprender tanta coisa nova sobre o Grafeno. Eu só fiquei espantado com o festival de abobrinhas que já estão dizendo a respeito dessa nova substância, misturando-se com os muitos absurdos que têm circulado por aí sobre as vacinas contra o Coronavírus. E me é simplesmente incompreensível que, em vez de serem considerados como a salvação da Humanidade contra uma doença mortal surgida de repente, esses imunizantes sejam vistos como uma ameaça ou como uma ferramenta de entidades secretas malvadonas para “dominar o mundo”.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • Esse tipo de gente toda hora encontra um salvador da pátria e um vilão e vive desse antagonismo

      O que você achou?

      Loading spinner

  • Olha aí a Sally mais uma vez fazendo de um limão uma limonada! Eu já tinha lido alguma coisa a respeito do Grafeno e sobre como esse material é revolucionário, mas não achava que fosse tanto. Também não imaginava que tivesse tantas propriedades e possibilidades de utilização em tantas áreas diferentes. E eu achei essa idéia de “encapsular” um tumor cancerígeno com Grafeno até “matá-lo de inanição” sensacional.

    Uma sugestão para uma eventual parte 2: explicar como, afinal, o Grafeno é feito.

    O que você achou?

    Loading spinner

  • Eu tenho um ódio tão grande desses filhos da puta, que nem formação médica tem e se acham qualificados pra dar palpite e ainda calcular prazo de morte de alguém. Desde criança todos se vacinam inclusive eles, mas não existia internet pra espalhar bosta. Fico feliz que os não vacinados estão morrendo, assim menos jumentos no mundo. Pior que procriam e não vacinam os filhos, assim doenças erradicadas tão voltando.

    O que você achou?

    Loading spinner

    • O problema é que esses infelizes contaminam um monte de pessoas inocentes que não podem se vacinar ou cujo sistema imune não reagiu tão bem às vacinas…

      O que você achou?

      Loading spinner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: