SOMIR: Alô?

SALLY: Oi, já sei sobre o que a gente fala no “ele disse, ela disse”.

SOMIR: Quem é?

SALLY: Aff… Vamos falar sobre quem sofre mais com chifres, homem ou mulher.

SOMIR: Claudinha?

SALLY: Me arrependo de não ter te chifrado, seu desfavor!

SOMIR: Então não pode ser a Claudinha…

*tu-tu-tu-tu-tu-tu…*

Traição é uma merda. É uma merda para o homem e é uma merda para a mulher. Nem pretendo dizer que mulheres NÃO sofrem ao serem traídas. Mas o que eu quero dizer aqui é que só o homem realmente sofre PELA traição.

Mulher sempre acha que sofre mais. Pior, mulher acha que os homens concordam com isso. Até parece… Homens são treinados para reconhecer sofrimento honesto. Por exemplo: Quando um jogador de futebol se joga no chão e simula uma contusão séria depois de levar uma ombrada do adversário, somos os primeiros a chamá-lo de viadinho. Agora, quando vimos algum deles tomar uma bolada no saco, todos nós nos encolhemos em solidariedade.

Aposto que minha CARA companheira de blog vai tecer uma argumentação dizendo como as mulheres são coitadinhas e como os homens são uns monstros. Ela pode se enganar e enganar as mulheres que vão postar comentários… Mas não me engana.
(Imparcialidade = Habilidade de concordar com sua opinião.)

Homem perde a mulher e mulher perde o projeto.
Esse é o ponto-chave que explica porque no final das contas é muito mais sacanagem uma traição cujo homem seja a vítima do que quando a mulher é que leva o chifre.

Quando um homem descobre que sua mulher está/esteve com outro, a dor que ele sente vem do fato da SUA mulher ter deixado de preferi-lo em detrimento de outro. Todos os homens já nascem com o instinto de macho-alfa, o instinto de ser o único de sua fêmea.
Ele aceita concorrer, mas não aceita perder depois. Quando um homem é traído, ele não só sofre a humilhação pública de ser chamado de corno como ainda tem que conviver com a sensação de FRACASSO por não ser mais o alfa.

O que o incomoda é a traição em si.

Agora, a mulher… A mulher descobre a traição e pensa em tudo, menos no seu próprio fracasso como companheira. Claro que temos o famoso “onde foi que eu errei?”, e por “onde foi que eu errei?” leia-se “onde foi que eu perdi a relação?”. Sim, porque a merda não é a traição… A merda é que ela ganhou concorrência e começa a se vislumbrar preterida e sozinha. Como é socialmente aceito que a mulher faça drama, ela faz MESMO, enfia o pé na jaca e se mostra ARRASADA.

O que a mulher quer não é exorcizar o sofrimento, a mulher quer apelar para o sentimentalismo para ver se consegue chantagear seu homem de volta para a relação ou mesmo arranjar outro aproveitando a deixa.
Ela quer o projeto de volta.

Quem perdoa mais traição? Homens ou mulheres?
Vocês acham que isso é só porque mulheres são mais magnânimas?

Eu me recuso a respeitar o sofrimento de um ser tão frio e calculista assim. Sofrimento é uma coisa pessoal, não precisa de platéia, não precisa virar show para angariar pena e simpatia.

Esse drama excessivo é basicamente o jogador de futebol fingindo contusão. Ao invés de cair por um motivo, não passa de um exagero para chamar atenção e conseguir alguma vantagem. Depois não sabem porque homem sente menos culpa por trair.
Homem que sabe que a mulher é honesta com o que sente e que vai sofrer DE VERDADE com a traição é muito menos propenso a trair.

Porque nós respeitamos quem se respeita.

Essas lágrimas todas não convencem. Homens sofrem de verdade ao serem traídos, sofrimento não se mede por volume de lágrimas, sofrimento se mede pelo impacto que isso tem na vida da pessoa. Mulher dificilmente aprende alguma coisa com traição, tanto que são muitos os casos onde elas ficam repetindo vez após vez “onde foi que eu errei?” e continuam tomando chifre.
Se realmente fosse uma coisa tão ruim assim, aprenderiam com os erros.

SPOILER: Mulher que quer um homem e não um marido/namorado/consolo-humano é muito menos propensa a tomar chifre.

Homem costuma mandar tudo à merda, encher a cara com os amigos e prometer escolher uma menos vadia da próxima vez. Isso sim é sinal de que não quer sofrer mais.
Para um homem não serve de nada ficar chorando e se fazendo de coitado.

A menos que ele seja cantor sertanejo, para quem levar chifre é inspiração musical.

Ah, sim… Homem que toma chifre é corno. Mulher que toma chifre é coitada. Vocês acham que isso é à toa? Os homens são unidos, eles não ficam passando a mão na cabeça do outro não, eles tiram sarro e batem mesmo para ver se o corno aprende e resolve sua vida. Agora… Vê se mulher está interessada que a outra aprenda a escolher homens melhores e a mantê-los fiéis? Que nada, entre elas é guerra.

“Não é culpa sua, amiga. Come um chocolatinho, come…”

Estou falando de mulheres, mas tem muito homem frouxo que age assim também.
Assim como tem muita mulher que não faz isso. Mas elas são minoria.

E se a carapuça serviu, venha fazer drama nos comentários e provar meu ponto.

Um abraço!
Xingamentos, declarações de amor, calcinhas usadas: somir@desfavor.com


Faz tempo que queria falar sobre o tema de hoje. Acredito que em um passado não muito distante, o chifre pesava mais na cabeça de homem do que na cabeça de mulher, por isso, até os dias de hoje, existem muitos preguiçosos mentais que repetem essa afirmativa sem se dar ao trabalho de observar as mudanças pelas quais a sociedade passou. Não é pior para o homem ser chifrado. É tão ruim quanto. E dependendo do caso, pode ser até pior para a mulher.

O que faz o homem para evitar de ser chifrado? Comparece na cama de sua esposa com regularidade. Só. Eu disse SÓ. Ou alguém aqui já viu homem preocupado com o corpo, com medo da mulher arrumar um homem com corpo melhor? Não, claro que não. Eles sabem que nós somos otárias, que quando nos apaixonamos, ele pode ser careca, baixinho e barrigudo que ainda assim, nós vamos achar ele lindo!

E a mulher, o que faz para tentar evitar o chifre? Olha, vou ter que resumir, se não vou escrever dez páginas: cuida da beleza constantemente (cabelo, maquiagem, depilação, unhas, etc.), cuida do corpo (malha, corre, dança, faz dieta, faz drenagem linfática, etc), tenta desesperadamente parecer mais jovem (botox, creme anti-celulite, lifting), está sempre bem vestida, cheirosa, com sapato bonito, antenada com as notícias do mundo (se não paga de bonita e burra), bem sucedida no trabalho (se não paga de que gosta de ser sustentada), mãe atenta e carinhosa (se não paga de viciada em trabalho) e claro, tem que estar sempre linda, fogosa e disponível para fazer sexo, afinal, mulher que não faz sexo regularmente com o marido leva chifre, e todo mundo acha que foi merecido. Além dessas, existem muitas, MUITAS outras exigências.

Vejamos… o homem não faz esforço algum para não ser traído (muitos nem ao menos tem medo disso!), enquanto que a mulher convive com esse fantasma e se desdobra para estar sempre perfeita para seu homem. Em quem será que dói mais um “fracasso”, em quem não se esforça ou em quem rala constantemente para evitá-lo?

Ahhh… mas sempre tem um Cueca que diz que socialmente o peso é maior para o homem. Os amigos! O que os amigos vão pensar! Meus queridos Cuecas, se vocês acham ruim ter que encarar SEUS amigos após um chifre, é porque não sabem como é selvagem o mundo das amizades femininas! Um amigo Cueca pode até dar uma sacaneada de leve, rir de você ou dizer um “se fudeu”, mas três dias depois, vocês estão bebendo em um bar, jogando um futebol ou fazendo qualquer outra coisa e tudo fica esquecido. No máximo vai dizer que sua namorada era uma piranha e te mandar esquecer.

Nossas amigas não se portam assim! Primeiro, o assunto NUNCA será esquecido. NUNCA. Todas comentarão pelas costas da corna, com um misto de pena e indignação o ocorrido. Vai virar o assunto do mês, talvez do ano. Vai ter especulação de “onde foi que ela errou para merecer isso”. Porque sim, a mulher SEMPRE erra em alguma coisa. Nem que seja na escolha: “Não tinha nada que ter namorado um cara desses, eu avisei”. As mulheres que não gostam da corna, vão se deliciar com a fofoca e ela vai ganhar a pecha de corna para o resto da vida. Detalhes do ocorrido vão começar a pipocar por todos os lados. Intimidade? Já era. Além disso, todo mundo vai dar pitaco: “Não volta! Se você perdoar ele vai fazer novamente! Se você perdoar você vai ser uma idiota”. Ainda aproveitam o ocorrido para botar mais lenha na fogueira: “Eu não ia te contar não, mas já que aconteceu isso… uma vez eu vi seu namorado fazendo tal e tal coisa em tal e tal lugar…”. Amigas não fazem isso por mal, para te deixar mal, mas acabam piorando a situação. Ficam cutucando a ferida, com a melhor das intenções.

Em matéria de sofrimento, eu nem vou me estender, porque acho que nem tem controvérsia: homem sofre menos que mulher por amor. Explico, antes que me joguem pedras: o jeito de sofrer de homem é DIFERENTE, talvez nem sofram menos, mas o sofrimento me parece MENOS PENOSO. Homem segue sua vida, meio triste, meio chateado, mas segue. Mulher não. Tem mulher que cai de cama. Eu mesma quando estou triste por causa de um relacionamento fico imprestável: não consigo render 100% no trabalho, não como direito, não durmo direito… uma desgraça! E olha que eu sou tida como “insensível”! A forma de sofrer da mulher indisponibiliza mais do que a forma de sofrer do homem. E é mais demorada e mais desgastante.

Sempre tem um que estacionou no passado que repete: “Se a mulher leva chifre, ela é uma coitada, se o homem leva chifre, ele é um corno idiota”. Não é mais assim faz tempos. A visão da sociedade mudou. Hoje quando um homem leva chifre, solta um “Tudo puta” e escuta dos que o cercam que só tem vagabunda nesse mundo. Foi-se o tempo em que o homem era responsabilizado por seu chifre! No entanto, a mulher ainda é responsabilizada pelo seu: “É né, também… a secretária dele é uma gostosa e a esposa não se cuida… deu nisso! Mulher não pode relaxar depois que casa”. Vê se alguém abre a boca para dizer a um homem “Também, né? O amante dela tem a maior barriga de tanquinho, e você com essa pança… quem mandou relaxar?”

Levando o assunto a extremos (eu sou passional quando argumento), até mesmo o chifre mais hardcore, que antigamente ferrava o homem, hoje estoura para cima da mulher. Pensemos no seguinte exemplo: homem descobre que esposa dá para outro. Esposa está grávida. Se fosse muitos anos atrás, ele entubaria isso e sustentaria o filho como se fosse dele. Não existia divórcio e ninguém desfazia casamento. Hoje não! Hoje a prejudicada é a mulher! O cara larga, não paga porra nenhuma e diz que só paga alguma coisa para a criança depois do DNA. Conclusão: a mulher passa a gestação toda sem auxílio material do homem, ainda que o filho seja dele, coisa que só será provada, via de regra, após o nascimento. Não estou defendendo quem trai e faz filho com outro homem tudo puta só estou mostrando como quem sempre se ferra é a mulher!

Eles repetem que chifre é pior para eles porque é muito cômodo, mas basta parar para pensar, para atualizar os argumentos no novo contexto social, que vocês vão perceber que pelo menos, é IGUAL para ambos. Apesar de eu continuar achando que em alguns casos é sim pior para a mulher. Me recuso a continuar ouvindo isso calada e deixando as Madames Cuecas saírem de coitadinhos…

Para cantadas, ofensas, convites, processos e desabafos: sally@desfavor.com

Bom, fui convidada pela Sally para escrever sobre os desfavores que acontecem no maravilhoso mundo das compras.
Se formos para pra pensar, o próprio ato de comprar pode ser um tremendo desfavor, que pode levar você de um extremo feliz a um outro trágico, em 10 minutinhos. Vamos examinar essa idéia com um exemplo bem “Delírios de consumo”:

Clic. Cronômetro ligado e……VAI!

“Você está andando despretensiosamente na rua quando pára pra apanhar um moeda de 1 real que acha na calçada. Feliz e sorridente, você levanta a cabeça, olha para o lado e imediatamente entra em estado de choque ao dar de cara com uma vitrine fabulosamente decorada. No centro da vitrine, em posição de destaque, está ele: o sapato dos seus sonhos. É perfeito! É tudo que você sempre quis….e um pouco mais! (1 minuto de êxtase). Você entra na loja e a vendedora o tira da vitrine pra você, porque aquele é o último. Você pensa que ele só podia ser seu mesmo! (2 minutos e o êsxtase aumenta). Você o experimenta e ele não contraria suas expectativas. Seu reflexo no espelho poderia muito bem ser uma daquelas propagandas da Vogue.( 3 minutos e um comprimido de ecstasy não te daria tanta euforia quanto agora).

– Eu quero! Eu quero! Eu quero! – É tudo que você consegue dizer. A vendedora pega feliz seu cartão de crédito e você assina a nota sem mesmo respirar. Ela então te entrega aquela sacola linda e mais algumas palavras saem da sua boca:

– É meu! É meu! É meu! (6 minutos e meio, você está no auge). Então, você deixa a loja feliz e satisfeita, pensando em mil maneiras e combinações diferentes para usá-los. É o limiar de sua felicidade. (7 minutos e meio). Daí você avista uma manchete na banca de jornais: “Crise nos Estados Unidos poderá nos atingir”. Você olha pra sua sacola e solta:

– Vou ter que pagar. Vou ter que pagar. Vou ter que pagar. (8 minutos e meio – início da depressão). Você continua andando pela rua, agora pensando em todas as dívidas que você ainda tem que quitar. E nesse momento de desespero, você grita: – Como é que vou pagar!? Como é que vou pagar!? Como é que vou pagar!? ( 9 minutos e 59 segundos – pronto, do céu ao inverno, em 10 minutos)”

Aproveitando a deixa dessa historinha de terror, embarco no Desfavor número 1: Remorso de compradora: Você vê uma maravilha na vitrine, você sabe que é caro, mas sabe também que você é uma mulher maravilhosa e merece aquele mimo. Você compra. Chega em casa doida pra mostrar pra mãe/namorado/marido/amigas e só o que você ouve é: “Como você gastou tanto dinheiro nisso?” Pronto, acabaram com você. Não se arrase amiga….diga: o dinheiro é meu, o pobrema é meu e seja feliz!

Desfavor 2: Shopping em época de Natal: Todo mundo faz compras nessa época, não tem jeito. Você decide então ir no sábado, que é seu único dia livre; mas como não quer pegar shopping lotado, você decide ir na hora que abre. Só que todo mundo teve a mesma idéia que você. E daí você leva 56 minutos só pra conseguir parar o carro. Tákiupariu, que inferno! Não vou nem comentar do estado dos corredores e das lojas “mais humildes” porque você já devem estar realizando! Fora aquele pessoal que só vai “pra passear”, geralmente com seus filhos, seus sobrinhos e os filhos da vizinha. É quase um pandemônio! Acho melhor esquecer de dar presentes esse ano.

Desfavor 3: Vendedores 8 ou 80: Ou eles grudam em você que nem carrapato ou não te dão a mínima. Essa variação de humor costuma variar também de loja pra loja. Por que os vendedores da H. Stern não vêm te pegar na porta da loja?Resposta pra essa variação: ou você tem cara de trouxa ou você tem cara de trouxa. Trouxa porque vai comprar qualquer porcaria que eles te empurrarem ou trouxa tipo zero à esquerda, que não tem dinheiro pra comprar ali. O melhor é fugir desses extremos pra não se aborrecer, e procurar aquelas lojas do tipo “serv-service”.

Desfavor 4: Provador único: Mania entra as lojas femininas agora (Não sei quem foi o tarado que inventou isso!). Em vez de várias cabinezinhas, você parece estar em um boudoir francês da década de 40. Tudo que você consegue ver são um monte de mulheres de lingerie, tirando e colocando peças. Parece o Victoria’s Secret Fashion Show, com quilos de celulites e gordurinhas extras. Aí você lembra que sua depilação não está em dia. Decide levar só a camisetinha básica, que nem precisa experimentar, porque “deve dar”. Desfavor horrível isso. Cabe até danos psicológicos!

Desfavor 5: Nunca tem o seu tamanho: Ahhhh, isso sempre me acontece. Nunca tem. Aí a vendedora sugere: “me dá seu telefone que eu te ligo quando chegar”. Mas elas nunca ligam. Que atire a primeira fatura do cartão quem nunca ficou na mão numa situação dessas. Aí você liga pra loja e te informam: “Ihhh já chegou, mas acabou!”. Dá vontade de trucidar a cretina que anotou seu telefone. Eu, por exemplo, estou esperando uma sapatilha dourada há exatos 2 meses e um biquíni da Salinas há 3. Já desisti.

Desfavor 6: Eu vi primeiro: Hmmmm…..esse causa 99% de puxões de cabelo em lojas. Geralmente ocorre em liquidações. Você e um “colega” colocam a mão na mesma peça, ao mesmo tempo. Logo aquela que era a última! Aí as duas não largam, dando uma risadinha sem graça uma pra outra; então começa um discussão mais calorosa, uma puxando de um lado e outra de outro; daí pros estapeios é um pulo! Aí depois ambas percebem que de tanto puxarem, a peça deformou. Agora ninguém quer mais. Muito barulho por nada.

Conclusão: Fazer compras é legal, mas pode dar em m….! Evite os desfavores que acabei de comentar, se não quer ganhar traumas pro resto da vida. Fazendo isso, você será a mais nova consumidora feliz desse emergente e rico país!!

Até a próxima.

Prissyrj

“Papel higiênico temático é sugestão para receber bem no Natal. Especialistas dão dicas de como receber com charme neste fim de ano (…)”

Gente, eu não sou chegada em Natal, mas também não vamos exagerar! Nunca teria coragem de esfregar esse bando de Papai Noel na minha bunda… que desfavor!


“Acidente com ônibus da banda Pagodart na BA deixa dois mortos. (…) Os dois mortos eram o motorista e o carona de uma das carretas. Ninguém da banda se feriu, de acordo com a produção. “

Pagodart! Tá ligando o nome à pessoa? Aquela banda autora de desfavores semi-famosos como “Ela é dog… dog, dog, dog” e “Domiiingo de manhã, o sol me chamou…” e ainda “As pirigueeetis chegaaaram…”

Pô, bateu na trave mais uma vez? A pontaria do Senhor anda pior do que a do Obina, hein?

Leva eles, Senhor II – A vingança!


“Dado Dolabella aparta briga em festa de aniversário.’Não consigo ver covardia’, disse o ator”

Imagino que não, Dado. Você deve ter batido de olhos fechados naquela camareira de 62 anos e 40kg, né?


“Um time formado por artistas e esportistas entra em campo no estádio Mané Garrinhca, em Brasília, nesta quarta, para celebrar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. O técnico Dunga volta a bater bola (…)”

Que legal, né? Além da inclusão dos Deficientes Físicos na sociedade, de quebra, também promove a inclusão dos Deficientes Mentais! E o STF querendo autorizar aborto em caso de anencefalia! Não devemos ter preconceito contra os que nascem sem cérebro!

(PARTE 4 de 4)

Já se passaram duas semana. Como é filho da puta… Não deu um pio!

Fato: ELE ESTÁ ME TRAINDO

Primeira prova: acho que durante a semana ele viu a mancha de batom e escondeu a camisa dele no fundo do armário! Ele deve ter visto que eu queimei a camisa, mas antes de reclamar, percebeu a mancha suspeita no pescoço e viu que está todo errado! Jogou a camisa lá no fundo do armário… Ele pensa que eu não percebi, mas eu sei muito bem o que ele está fazendo.

Segunda prova: O mão de vaca resolveu que vai gastar dinheiro comigo agora!!! Nunca vi ele se oferecer para pagar nada, e agora, sem motivo aparente, ele quer me dar um final de semana em um SPA! Evideeeente que ele quer passar um final de semana com essa amante dele, a dona do batom vermelho-puta!

Olha como eu sou boba: no começo da semana eu até cheguei a pensar que tinha sido injusta com ele, porque descobri que a gravata vermelha que ele estava usando junto com essa camisa soltava tinta. Cheguei até a pensar que a gravata fosse a responsável por aquele borrão! Como eu sou imbecil! Por alguns segundos até acreditei na inocência dele!

Mulher é um bicho muito bobo mesmo… a gente sempre tenta procurar uma desculpa para se convencer de que nosso homem não é infiel! Aposto que ele está tendo um caso com a estagiária ou com a secretária! Se fosse só a mancha da gravata ele não esconderia a camisa nem tentaria se livrar de mim me mandando para um SPA!

Mas agora, diante de todas essas evidências… O silêncio apavorado dele, a tentativa desesperada de me tirar de casa… ELE TEM OUTRA. Ele nunca ficaria calado se não estivesse devendo! Era a camisa favorita dele! E ele nunca me dá presentes, mas agora quer me mandar para um SPA! Bem que minhas amigas sempre dizem que o homem quando trai fica gentil e compra presentes para a esposa…

Ainda bem que tenho minhas amigas para me abrir os olhos. Eu sou tão burra que era capaz de achar que era só uma mancha da gravata mesmo… Mas diante dessas evidências todas, me resta aceitar que ele tem uma amante. O pior é que não adianta nada falar com ele. Ele vai negar até a morte…

Deixa ele. Deixa ele que chumbo trocado não dói. Agora que está provado por A + B, com vários indícios, que esse canalha está me traindo, vou devolver na mesma moeda! Valeu, muito obrigada, mas virei absoluta! Vou dizer a ele que vou ao maldito SPA e vou passar um final de semana com meu professor de dança, que já me passa cantada faz meses! Se ele pode passar o final de semana com a amante ordinária eu também vou fazer o mesmo.

Será que ela é mais magra que eu?

O desfavor desta semana é o mesmo desfavor de tantas outras semanas de tantos outros anos. (ânus?)

“Bundana Deforah mostra mais do que empolgação no ensaio da Acadêmicos do Bicheiro”

Troque o nome da (bunda) mulher por outro e troque o nome da escola de samba por outro, a notícia continua sendo a mesma. Semi-famosa mostra a calcinha ou algo mais para sair na mídia pré-carnavalesca.

Comentários:

Atenção: Este texto ganhou a classificação máxima na escala de trocadilhos infames da Sociedade Carioca de Trocadilhos Astutos. (SoCaTrAs)

Eu e Sally discutíamos sobre o desfavor desta semana, ela me falava sobre essa indústria de pagar calcinha antes do carnaval, dizendo que é um tremendo desfavor. Óbvio que eu tirei sarro e disse que o inferno congelaria antes de eu considerar uma gostosa semi-nua um desfavor. Depois de uma leve discussão e algumas saudáveis ofensas, eu resolvi fazer algumas… pesquisas… sobre o assunto.

Sabem do que mais?

É realmente um desfavor! O desfavor é essa inconsistência de ir para um lugar onde sabe que vai ser fotografada provocando os homens e ter a cara-de-pau de usar uma calcinha! Oras, se você quer dar para o público o que o público quer ver, faça isso direito!

Preocupados com o nível moral deste blog, contratamos um estagiário para censurar as fotos mais reveladoras, o Marquinhos. Ele ainda está aprendendo a usar o Photoshop, então perdoem qualquer problema.

Eu sou um ferrenho defensor da bundalização da sociedade moderna. Se o público quer bundas, dêem as bundas para o público. (Peraí…)
A bundalização liberta, a bundalização banaliza a nudez feminina de tal forma que até deixa de ser algo vulgar aparecer sem calcinha na frente da nação. A bundalização deixa a mulher mais livre para ser o que é e mostrar isso para o mundo. A bundalização é mais um dos instrumentos da liberação feminina, por mais que as feministas (sem bunda) insistam em dizer o contrário.

Essa é parte boa. O direito da vadia burra usar seus fundos esperando investimentos para poder engordar sua poupança em paz.
Isso é liberdade, isso é igualdade. Cada um dá o que tem.

E em troca dessa liberdade de usar o corpo como ferramenta única de trabalho, nós (os homens) esperamos ser recompensados. Seria muito mais fácil ter derrubado a revolução feminina e mandado todas as mulheres de volta para a cozinha. Mas o que nós fizemos? Permitimos! Hoje em dia até as dançarinas de funk podem votar!

E como se recompensam os homens?
Dando para eles o que eles querem. Você, leitor ou leitora, pode até argumentar que aquelas ali dão mais que chuchu na cerca, mas eu não me refiro exatamente a isso.

Refiro-me a adequar-se às expectativas. Acabou-se a era das calcinhas, já está na hora de praticar a vadiagem pré-carnaval permitindo que os cinegrafistas finalmente possam fechar na Prochaska.
Oras, se a nossa “vítima da mídia” da vez já apareceu mostrando até o útero em alguma revista masculina (e todas já apareceram) qual o problema de esquecer a calcinha em casa e dar um show de verdade? Fingir que tem algum pudor enquanto se esforça para que suas pregas saiam bem iluminadas nas fotos que estamparão jornais e revistas do momento parece-me um tanto quanto hipócrita.

E é um atraso. Elas parecem valorizar muito o esforço daquelas que abriram os caminhos (de trás) para que suas carreiras de gostosas profissionais fossem reconhecidas na mídia. Mas estão fugindo de uma tendência.

A bundalização é fato consolidado.

A bucetização ainda não. Temos pioneiras como a Lílian Ramos, a Luma de Oliveira, a Juliana Paes, a Adriane Galisteu… E isso ficando só no Brasil. Nos EUA a bucetização já é moda, tenham em vista a quantidade e a qualidade das fotos divulgadas por lá tendo como foco o descaso das celebridades femininas com o uso regular de roupa íntima.
Não me surpreendo se vir alguma propaganda estampada no monte-de-vênus de alguma delas num futuro próximo: “If i knew you’d be watching, i’d wear my Victoria’s Secret’s panties.”

A bucetização é ainda mais importante para o mundo. Não parem esse processo agora!
Estamos tão perto que dá até para sentir o cheiro da vitória. (Ou tem alguém fazendo comida portuguesa aqui por perto…)

Perguntem para a Rita Cadillac ou para a Gretchen se elas desanimaram quando a sociedade repreendeu seus rebolados? Pois bem, elas lutaram por vocês, INHAS profissionais. Elas deram tudo o que tinham (esse trocadilho já deu, né?) e agora a evolução social depende de vocês.

Ao invés de subir naqueles lugares elevados para mostrar suas calcinhas e reclamar que foram invadidas pela mídia depois, deixem as calcinhas em casa e esfreguem a verdade nua e crua (além de depilada, por favor) na cara da imprensa!

Vocês podem até achar que é safadeza minha de querer mais mulher pelada na mídia. E estão corretos. Mas mesmo assim, existe um ideal por trás (foi mal) de toda essa situação:

Se vai ser vadia, FAÇA ISSO DE FORMA (IN)DECENTE!
Até as mandaria enfiar a calcinha no cu, mas não seria nada de novo para elas.

Ah, este texto pode conter linguagem e imagens inapropriados para menores de 18 anos.
Se você não pode acessar esse material, não leia.

Algo me diz que eu deveria ter colocado esse aviso no começo…


Pior do que o carnaval em si, são os dois meses que antecedem o carnaval.

Carnaval passa rápido, são poucos dias. Mas, nos dois meses que o antecede, a imprensa fica monotemática: só fala dessas semi-famosas que fazem de tudo para aparecer, as subcelebridades de carnaval, que são esquecidas durante o ano todo e precisam fazer coisas bizarras para chamar a atenção de dezembro a fevereiro.

Eu juro, eu não agüento mais ver manchete sobre Fulaninha pagando calcinha ou Fulaninha pagando peitinho. Isso lá é notícia?

Estas moças, que eu apelidei de Desfavores Carnavalescos, sabem muito bem que em qualquer camarote de escola de samba elas serão fotografadas de baixo para cima por uma horda de fotógrafos e que qualquer deslize será documentado. Ainda assim, colocam uma micro-calcinha e quando aparecem as fotos na mídia, se dizem chocadas pela forma como a imprensa explora sua imagem.

Li uma delas (e me recuso a dar o nome, para não fazer propaganda dessa criatura, afinal, é isso que ela quer) que pagou calcinha FEIO e depois foi reclamar em um programa de TV dizendo que se sente “invadida” pelos fotógrafos. Como assim? Coloca uma saia curta, uma calcinha intra-uterina, samba na frente de fotógrafos e se diz “chocada” de saber que sua calcinha foi fotografada? Por favor, seja puta com convicção! Chamar a gente de burro não dá, né?

O pior é que a imprensa noticia isso à exaustão. O único lado bom é que nessas fotos “clandestinas” não tem Photoshop, então, a gente pode conferir que elas tem até mais celulite que a gente. Fala sério, tem umas que a coxa parece um saco de carne moída…

O que me revolta mais é que essas criaturas ganham muito dinheiro com isso. Profissão: famosa. Qual é o mérito dessas mulheres? Alguém me explica? As que são gostosas até tem seu mérito, porque dá um trabalho da porra ser gostosa, mesmo com bomba. Mas as que estão mais para “puta velha”, bundinha muchiba, celulitosas, que sambam e a coxa balança mais que gelatina… porra, qual é o mérito dessas mulheres?

Não me incomoda que mulher pelada venda bem. Mulher pelada vende, isso é fato. Seria dar murro em ponta de faca querer questionar isso. O que me incomoda é essa camuflagem hipócrita que colocam em torno do assunto! Faz uma playboy, cuja proposta é MULHER PELADA e sejam honestas! Mas não! Nããããooo… Não é uma nudez gratuita, é arte, é um trabalho, é uma manifestação cultural. E claro, é sem querer.

Juro que qualquer semi-famosa dessas que falar “Pois é, paguei calcinha meeerrrmo, queria aparecer e consegui, sabia que ia ser fotografada e atochei logo uma calcinha no rego, fiz DE PROPÓSITO e ganho mais do que vocês que estão aí trabalhando” vai ganhar meu respeito. Porque o que me incomoda nem é a mentira em si (dizer que foi sem querer) e sim o pouco crédito que elas dão para a minha inteligência, achando que eu vou acreditar. Esse é o mal da pessoa burra mentindo: ela acha que o resto das pessoas são tão burras quanto ela, nivela por baixo.

Não culpo a imprensa. Se vende, tem mais é que publicar. Não adianta vir com moralismo. Eles querem vender jornal e revista. Mas custava dar uma debochada? “Fulaninha paga calcinha deliberadamente, de caso pensado, na quadra da escola tal, vejam só a carinha dela, toda se querendo”. Está tão ridículo que só debochando!

E estas Senhoras, muitas com filhos em idade escolar, poderiam pensar um pouco em seus pais, avós, maridos e filhos e se poupar (e poupá-los) desse constrangimento. Depois, aparece uma dessas chorando em programa de TV, se dizendo “invadida”, dizendo que a imprensa não respeita a “privacidade” dela e ainda tem quem se comova e jogue pedras nos jornalistas! Tem umas mais descompensadas que ainda processam o jornal ou a revista!

Elas sabem que passado o mês de fevereiro, terão que hibernar e só retornarão em dezembro, então, aproveitam estes poucos meses de “fama”, talvez para fisgar um empresário/pagodeiro/jogador de futebol otário que lhes garanta o sustento. É uma boa época para engravidar, pois o filho ($$$) nascerá em outubro, o que lhes permite estar em forma novamente em dezembro (muita lipo) para pagar de santa invadida pela imprensa novamente.

E os Cuecas, como sempre, dando vexame: quem nunca viu um homem instruído, alfabetizado, caindo nas garras de uma dessas? Não me refiro a jogadores de futebol com meio neurônio e sim a homens bem sucedidos como Eike Batista. Como sempre, homens se portando de forma ridícula. Quer comer? Beleza. Passa o pinto. Mas pagar de maridinho ou de namoradinho é ridículo por demais.

Fica aqui meu apelo para estes Desfavores de Carnaval: mocinhas, sejam mais honestas e parem com o teatrinho de “Oh! Meu Deus! Ele me fotografou! Ele invadiu minha privacidade!”. Quem quer privacidade não sobe em uma plataforma de micro-vestido e micro-calcinha em um lugar cheio de fotógrafos e fica rebolando. É bem previsível. Até um orangotango percebe as conseqüências.

Não quer pagar calcinha? Samba de short ou coloca um shortinho por baixo do vestido/saia. Resolveu pagar calcinha? Tenha ao menos bom humor. Manda uma frase feita do tipo “o que é bonito é para ser mostrado” em vez de ofender a inteligência alheia. E malhe, viu? Porque o que eu tenho visto de celulites e flacidez nessas fotos “clandestinas”…

Um amigo meu que trabalha na coluna social de um grande jornal contou que os “empresários” destas Senhoras mandam as fotos delas pagando calcinha para que sejam publicadas. Isso quando não ligam para a imprensa e dizem que a criatura vai estar em tal lugar tal hora em um micro-vestido. Bacana, né? Subcelebridade pride.

Para terminar, quero deixar consignado que prefiro mil vezes as cachorras do funk a essas Desfavores de Carnaval. Ao menos são autênticas, se assumem putonas sem o menor problema. São verdadeiras. São mulheres o bastante para assumir o que fazem. Quando Valesca pega no microfone ela não faz drama, apenas grita “Valeu, muito obrigada, mas agora virei PUTA!”. É um desfavor? É, mas bem menor…